Um post sem graça | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Desfazendo alguns mitos sobre 64
>>> Uma homenagem a Maysa
Mais Recentes
>>> Aula de Roland Barthes pela Cultrix (2015)
>>> Latino-americanos à procura de um lugar neste século de Nestor Garcia Canclini pela Iluminuras (2000)
>>> Tratado sobre a Tolerância Por Ocasião da Morte de Jean Calas (1763) de Voltaire pela L&pm (2009)
>>> Festa Junina em Portugues de Severino Alves de Lucena Filho pela Ufpb (2012)
>>> 793 Questões Aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) de Profº Gleibe Pretti pela Inp (2009)
>>> 793 Questões Aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) de Profº Gleibe Pretti pela Inp (2009)
>>> A Linguagem do Layout de Bud Donahue pela Ouro (1982)
>>> Pense como um Imperador de Donald Robertson pela CDG Grupo Editorial (2019)
>>> Horta Caseira de Mirian Morelli pela Ouro (1978)
>>> (Des) Nuvem de Adriano Bitarães pela Miguilim (2017)
>>> Interesses Difusos e Coletivos de José Marcelo Menezes Vigliar pela Cpc (2002)
>>> 793 Questões Aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) de Profº Gleibe Pretti pela Inp (2009)
>>> A Hollywood Brasileira Panorama da Telnovela no Brasil de Mauro Alencar pela Senac (2002)
>>> Lugar Comum Auto-Ajuda de Decoração e Estilo de Vera Fraga Leslie pela Senac (2001)
>>> In the Presence of Absence de Mahmoud Darwish pela Archipelago Books (2011)
>>> Atlas Mundial O Atlas para o Século XXI de Muitos Autores pela Melhoramento de São Paulo (1999)
>>> Psiquiatria de Ana Fernández Espinosa pela McGraw-Hill (1995)
>>> Segundo Tratado Sobre o Governo de John Locke pela Martin Claret (2002)
>>> Rumo à Consciência Cósmica de Huberto Rohden pela Martin Claret (2009)
>>> Globalização a Olho Nu de Clóvis Brigagão e Gilberto Rodrigues pela Mordena (1998)
>>> Lições de Direito Civil Introdução à Ciência do Direito de Antônio Chaves pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Sobre a Televisão de Pierre Bourdieu pela Jorge Zahar (1997)
>>> O Iluminismo e os Reis Filósofos de Luiz R. Salinas Fortes pela Brasiliense (1986)
>>> O que é Empoderamento? de Joice Berth pela Letramento (2018)
>>> O Mundo Antigo Economia e Sociedade de Maria Beatriz B. Florenzano pela Brasiliense (1990)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 10/5/2005
Um post sem graça

+ de 1100 Acessos

Algumas capas de livros são tão boas que justificam o investimento, independente do que se pode ler no miolo. Julgo livros pela capa sem pudor algum. Quando não estou numa livraria, gosto de navegar pela Amazon só pra bisbilhotar capas, diagramações e projetos gráficos. Este, por exemplo, já está na minha Wishlist e deverá ser comprado em breve porque a capa ficou estampada na minha mente.

As diversas derivações de sentido que constam no verbete "ironia" de qualquer dicionário atualizado evidenciam até que ponto a ironia se entranhou na cultura, nos hábitos e no cotidiano das pessoas. Falar em uma "postura irônica" não faz muito sentido. Até prova em contrário, há algum grau de ironia em tudo que vemos, escutamos, lemos e assistimos. A ironia costuma ser associada à rebeldia e à irreverência, mas há muito tempo (década, talvez décadas) esse componente rebelde foi neutralizado pela banalização do uso da ironia. Ela é a postura oficial da televisão, por exemplo (programas baseados na auto-paródia irreverente estão por toda parte), e desde que o Lula foi eleito se sucedem os indícios de que está sendo adotada também pelos governos. Na cultura pop, ironia é sinônimo de humor. O fato é que, em algum momento de nosso passado recente (talvez a ascensão do Marcos Mion e seu Os Piores Clipes do Mundo na MTV), a ironia como postura diante do mundo atingiu o paroxismo (resultado: não apenas Marcos Mion, mas também todo e qualquer tipo de videoclipe foram ejetados da programação da emissora, que se vê presa num estado zumbi de auto-ironia antropofágica ou algo assim).

A ironia é um recurso destrutivo. Quando bem aplicada, ela resulta em uma crítica indefensável que não propõe nada no lugar do que está sendo criticado. Por isso, a ironia tem um efeito positivo apenas quando as duas partes envolvidas (quem enuncia a ironia e quem a recebe) possuem opiniões claras ou argumentos bem delineados, além de, é claro, um nível mínimo de inteligência e informação para processar tudo isso. Quando usada indiscriminadamente, a ironia tem efeito meramente destrutivo. É como aquelas discussões ferozes entre crianças. Uma diz "Eu não gosto de Pokemon" e a outra responde com algo como "é, mas teu pai tem câncer e tua mãe tem cheiro de cocô". A primeira criança vai embora chorando e a outra ganha um upgrade de auto-estima. Fim da discussão. A ironia banalizada pode ser igualmente vazia e destrutiva. Um livro repleto de clichês românticos banais pode ser declarado pelo autor como uma crítica irônica ao romantismo. Claro, é evidente! Por que alguém colocaria clichês românticos em um livro hoje em dia a não ser para ironizá-los? No entanto, a ironia não dará pistas de por que afinal o romantismo é tão ridículo, e muito menos oferecerá sugestões do que poderíamos usar para combatê-lo ou substituí-lo, se fosse o caso. E se alguém questionar o autor a esse respeito, receberá como resposta apenas algo como "mas é uma ironia, meu caro, se tu não entendeu, vai ler Lya Luft. Ironia não pode ser explicada, te liga".

A ironia do consumo moderno também tem um efeito vazio e remete ao consenso de que tudo se equivale, nada pode ser levado a sério. Dar ao que é inferior, de mau gosto ou nocivo o status elevado do cool é a solução imediata e agradável (bem-humorada) para um momento histórico de crise de valores estéticos. E, de fato, ironizar a cultura e os hábitos é engraçado. É engraçado, divertido e nos dá a agradável sensação de estar compartilhando piadas, as verdades por trás das ironias. Isso seria positivo, se não fosse a existência do outro lado da moeda: um desespero dissimulado diante da ausência de soluções para um mundo cujos problemas só podem ser resolvidos pelo sarcasmo, pela ridicularização dos contrastes.

A questão, portanto, não é como evitar ou combater a ironia. Isso seria perda de tempo. A questão mais adequada é como, dentro de um mundo essencialmente irônico, pode ser possível comunicar algo relevante sem ser chato.

Daniel Galera em seu Rancho Carne (porque a moda aqui, agora, são os posts longos - ah, e ele linca pra nós).


Postado por Julio Daio Borges
Em 10/5/2005 às 16h43


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 100 nomes da edição no Brasil de Julio Daio Borges
02. The Juliets - Loon de Vicente Escudero
03. calcinha de Julio Daio Borges
04. Gilberto Gil: Cultura Viva de Fabio Silvestre Cardoso
05. O Debate... de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Memórias de Sargento de Milícias - 2ª Edição - Série Reencontro
Manuel Antônio de Almeida - Adaptação - Carlos
Scipione
(2012)
R$ 42,90



Atlas do Extraordinário - Prodígios da Natureza Volume II
Vários
Ediciones Del Prado
(1995)
R$ 5,00



Deus Aguarda
Francisco Cândido Xavier
GEEM
(1980)
R$ 10,00



Os Maiores Mandamentos
Anne de Graaf (texto), José Perez (ilustr.)
Paulinas (sp)
(1991)
R$ 23,82



Branco na Memória -saiba Quais São as Causas e o Que Fazer para Evitar
Renato Alves
Do Autor
R$ 20,00



O Preguicista
Lucas Camargo
A J Lucas Camargo
(1977)
R$ 5,00



Mar Drogado
Eduardo Rodrigues
Ftd
(1993)
R$ 5,99



Himnario Evangélico 1535
Não Definido
Imprensa Metodista Buenos Aire
(1943)
R$ 500,00



CLT Saraiva e Constituição Federal – 53.ª Edição - 2020
Diversos
Saraiva
(2020)
R$ 69,90



Simisola
Ruth Rendell
Rocco
(1997)
R$ 10,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês