Deus, Diabo e carnaval baiano | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
>>> Do abraço genital ao abraço virtual
>>> E eu não gosto também de Tolstoi
>>> Steve Jobs (1955-2011)
Mais Recentes
>>> Ensino das Artes Visuais em Diferentes Contextos de Denise Bandeira pela InterSaberes (2017)
>>> Uma Margem Distante de Caryl Phillips pela Record (2006)
>>> Uma Margem Distante de Caryl Phillips pela Record (2006)
>>> Nas Asas da Panair de Theophilo E. de Abreu Jr pela Do Autor (1999)
>>> O Seminario: As Formacoes Do Inconsciente Livro 5 de Jacques Lacan pela Zahar (1999)
>>> Macau de Daniel Carney pela Record (1984)
>>> Escutas e Olhares Cruzados nos Contextos Audiovisuais de Luis Felipe Radicetti Pereira pela InterSaberes (2018)
>>> Explicando O Meio Ambiente de Alessandro Allegretti pela Lis (2001)
>>> O Seminario A Angustia Livro 10 de Jacques Lacan pela Jorge Zahar (2005)
>>> O Seminário Livro 11: Os Quatro Conceitos Fundamentais Da Psicanálise de Jacques Lacan pela Zahar (2008)
>>> O Bom Partido de Carly Phillips pela Essencia (2010)
>>> Parole, Figure, Parabole - Recherches Autour du Discours Parabolique de Jean Delorme pela Presses Universitaires De Lyon (1987)
>>> O homem e o sexo - As causas da impotência e como corrigi-las de Dr. Frank S. Caprio pela Record
>>> Cálculo Diferencial e Integral a Várias Variáveis de André Cândido Delavy Rodrigues pela InterSaberes (2016)
>>> O Seminário. Livro 16. De Um Outro Ao Outro. Coleção Campo Freudiano No Brasil de Jacques Lacan pela Zahar (2008)
>>> O Legado de Violações dos Direitos Humanos no Cone Sul de Luis Roniger, Mario Sznajder pela Perspectiva (2004)
>>> Contabilidade Geral de Clóvis Luís Padoveze pela InterSaberes (2016)
>>> O Bom Partido de Carly Phillips pela Essencia (2010)
>>> O Seminário. Livro 18. De Um Discurso Que Não Fosse Semblante. Coleção Campo Freudiano No Brasil de Jacques Lacan pela Zahar (2005)
>>> Diamond Training de Bento Augusto pela Instituto Você (2009)
>>> Movimento Sindical - Passado, Presente e Futuro de Antonio Augusto de Queiroz pela Diap (2012)
>>> O Seminário. Livro 19. ...ou Pior. Coleção Campo Freudiano No Brasil de Jacques Lacan pela Zahar (2012)
>>> Vai dar Zebra de José Rezende e Raymundo Quadros pela Impresa Oficial do Estado do Rio de Janeiro (2010)
>>> Histórias positivas - A literatura (des)construindo a Aids de Marcelo Secron Bessa pela Record (1997)
>>> Imagens da Clausura na Ditadura de 1964 de Org. Icléia Thiesen pela 7Letras (2011)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 19/6/2006
Deus, Diabo e carnaval baiano
+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No final do ano passado, o diretor Fernando Guerreiro tomou conhecimento do projeto de montagem de um musical sobre a Bahia, que seria produzido para comemorar os trinta anos da Fundação Cultural do Estado. Com o pesado apoio da Lei de Incentivo do Ministério da Cultura e da Petrobrás, tornou-o real na peça Vixe Maria Deus e o Diabo na Bahia, em temporada paulista no teatro Fecomercio até o dia 6 de agosto, após dois anos de uma bem-sucedida temporada em Salvador, onde foi vista por mais de 125 mil pessoas.

Fernando Guerreiro é um dos fundadores da Companhia Baiana da Patifaria e produtor da comédia A Bofetada, que está em cartaz há mais de 15 anos e já foi vista por 500 mil espectadores. O encenador tem como característica o ecletismo quanto aos autores que servem de base para suas montagens, na maioria das vezes comédias, e já trabalhou até mesmo com um texto do cineasta espanhol Pedro Almodóvar. Trabalhou também com atores globais como Raul Gazolla e Caco Ciocler além de Danton Mello e Marcos Mion na filmagem e refilmagem de sua peça Cacilda Baker.

Inspirada no conto "A igreja do Diabo", de Machado de Assis, Vixe Maria Deus e o Diabo na Bahia foi escrita por Cacilda Póvoas, Cláudio Simões e Gil Vicente Tavares, que resolveram buscar inspiração no popular teatro de revista, misturando o trash e o teatro de cordel, tão presente na cultura regional. O resultado é uma peça escrachada, que não somente faz referências ao Carnaval do Estado e ao espírito festeiro de seu povo, mas também a outros traços de sua cultura como a religião com forte influência africana e manifestações populares e cotidianas, entrevendo características sociais.

No enredo, o Diabo, cansado de ser subserviente a Deus, resolve ampliar seus horizontes e arrebanhar mais seguidores. O local ideal para isto é onde os mortais cometem muitos pecados ou vivem mais proximamente inebriados por ele. Inevitavelmente, este lugar se configura no tradicional Carnaval baiano. Logo, Deus é alertado sobre o plano, mas até mesmo o todo poderoso pode cair nos encantos e feitiços do lugar.

O cenário de Euro Pires e figurino de Miguel Carvalho seguem o estilo barroco colonial e ajudam muito no processo de apresentar a cultura da região. O cenário esquemático é dividido em três para melhor visualização e dinamismo. O inferno é localizado em uma fresta aberta no palco, o céu em um andar acima, enquanto os personagens baianos passeiam pelo palco propriamente dito. Sua trilha sonora derrapa em uma mistura exagerada ao fazer releituras de músicas que marcaram carnavais baianos com ritmos como rock, ópera e até mesmo funk, ao invés de focar somente os ritmos regionais populares, que não provocariam tanto estranhamento e surpresas. Algumas até cabem nesta nova roupagem, mas outras soam distorcidas de sua origem.

O elenco é composto por 16 atores. Frank Menezes encarna bem o escárnio inerente da figura do Diabo e seu humor é irônico na maioria das vezes e, conseqüentemente, mais eficiente, bem ao gosto do autor do conto onde a peça foi baseada. Já Cristiane Mendonça, no papel de Naja, a esposa do Diabo, está impagável. Ela incorpora trejeitos de cobra a cada ação no palco e sua personagem é na medida sensual e interesseira sem nunca perder o traço de comédia em cada fala e expressão. Para completar o rol de protagonistas, Jackyson Costa, ou Deus, encarna um personagem ingênuo com tiradas de humor canastrão e Alan Miranda, um Anjo Gabriel infantil que se revela muito esperto e cômico ao longo da peça. Alguns atores secundários na trama acabam se destacando dos demais como Lázaro Machado no papel de Exu e um dos travestis e José Carlos Júnior, como o Pastor Evangélico.

No final, a peça consegue acumular muitas tiradas espirituosas e para isso se utiliza ao máximo das caricaturas do povo baiano e suas diversas facetas. Apenas encontra problemas quando as atuações ficam aquém da fina linha entre o gargalhar de si e dos outros e de seu personagem. Algumas vezes as alusões a fatos atuais soam forçadas, principalmente nas cenas finais, talvez visando arrancar o máximo de risadas do público e reforçar seu tom popular. Mas elas acabam por esvaziar o espetáculo quando este poderia ser finalizado de modo mais repentino e manter seu ritmo exagerado e frenético, com uma confusão milimetrada que dá charme e traduz fielmente o espírito regional que se propõe representar. Mas não deixa de ser uma boa representação de facetas da cultura baiana e própria para a comemoração original para a qual foi feita.


Postado por Marília Almeida
Em 19/6/2006 à 00h34

Mais Marília Almeida no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2006
08h45min
Fernando Guerreiro é uma das figuras de peso do teatro baiano. Tive a oportunidade de assistir a uma palestra dele no Teatro da Gamboa, promovido pelo MORDA (Movimento para a Revitalização das Artes Cênicas). Espero que este movimento esteja ativo ainda porque é muito triste uma cidade com mais de 30 teatros ter muito menos da metade em funcionamento... Salvador merece mais. Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira O Paciente Inglês
Rubens Figueiredo
34
(1994)



Agora Que Você é de Cristo
David Shibley
Vida
(2001)



A Era do Grande Encarceramento
Taiguara Libano Soares e Souza
Revan
(2018)



Como se fosse magia
Bianca Briones
Gutenberg
(2016)



O Poder do Agora
Eckhart Tolle
Sextante
(2002)



El Fantasma de La Opera
Gaston Leroux
Leviatan
(1991)



Ao Correr da Pena
José de Alencar
Idc Ed.



Livro Literatura Brasileira Em Outras Palavras Crônicas
Lya Luft
Record
(2006)



Da Culpa á Responsabilidade
Cláudio Luiz Brandão José
Imos
(2007)



Simply Sensational Desserts
François Payard
Broadway Books
(1999)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês