Gastronomia Mediterrânea pós-humana | Blog de João Luiz Peçanha Couto

busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida
>>> Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa
>>> A derrota do Marketing Político
>>> Jorge Drexler, no Bourbon Street, em 2009
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Eu me pergunto para onde vai a imprensa...
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
Mais Recentes
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1977)
>>> Matrix - Bem Vindo ao Deserto do Real de William Irwin pela Madras (2003)
>>> O Terapeuta Como Companheiro Mítico: Ensaios de Psicologia Analítica de Walter Melo pela Espaço Artaud (2009)
>>> Pinball de Jerzy Kosinski pela Record (2000)
>>> Navegando de Rubem Alves pela Papirus (2004)
>>> Itinerários da Loucura Em Territorios Dogon de Denise Dias Barros pela Fiocruz (2004)
>>> Livro do mestre de Steve Winter pela Abril (1995)
>>> A obra em negro de Marguerite Youcenar pela Nova Fronteira (1968)
>>> Aspectos da Cultura Tukano - Cosmogonia e Mitologia de Marc Fulop pela Edua (2009)
>>> Epidemiologia da Imprecisão: Processo saúde / doença como objeto da epidemiologia de José Jackson Coelho Sampaio pela Fiocruz (1998)
>>> Contra Um Mundo Melhor: Ensaios do afeto de Luiz Felipe Ponde pela Leya (2010)
>>> Palavra e Verdade na Filosofia Antiga e na Psicanálise de Luiz Alfredo Garcia Roza pela Jorge Zahar Editor (1990)
>>> O Gigante Deitado de Jane Martins Vilela pela Clarim (1994)
>>> Psicologia do Desenvolvimento de Maria Aparecida Cória-Sabini pela Ática (1998)
>>> Psicologia – Das Raízes aos Movimentos Contemporâneos de Berenice Caspigiani pela Cengage Learning (2010)
>>> A Magia na Umbanda: da doença à desordem de Paula Montero pela Graal (1985)
>>> Educação Social de Rua: as Bases Políticas e Pedagógicas para uma educação popular de Walter Ferreira de Oliveira pela Artmed (2004)
>>> John Dewey – Uma Filosofia Para Educadores em Sala de Aula de Marcus Vinícius da Cunha pela Vozes (1999)
>>> Sobre a Construção do Sentido – O Pensar e o Agir Entre a Vida e a Filosofia de Ricardo Timm de Souza pela Perspectiva (2003)
>>> Infância e Ilusão (Psico)Pedagogia – Escritos de Psicanálise e Educação de Leandro de Lajonquière pela Vozes (2000)
>>> O Círculo dos Fogos Feitos e Ditos dos índios Yanomami de Jacques Lizot pela Martins Fontes (1988)
>>> Desdobrando o Avesso da Psicanálise: Relações Com a Educação de Maria Nestrovsky Folberg (Org.) pela Ufrgs / Evangraf (2002)
>>> Soma: uma Terapia Anarquista (3volumes) de Roberto Freire pela Guanabara (1988)
>>> Estilo e Modernidade em Psicanálise de Joel Briman pela Trinta e Quatro (1997)
>>> Hospício é deus e O sofredor do ver (Box) de Maura Lopes Cançado pela Autêntica (2015)
>>> Urihi A: A Terra-Floresta Yanomami de Albert Bruce; William Milliken pela Isa (2019)
>>> Índio do Brasil de Julio Cezar Melatti pela Hucitec (1993)
>>> Na Mata do Sabiá: contribuições sobre a presença indígena no Ceará de Estevao Martins Palitot pela Imopec (2009)
>>> Psicologia e Povos Indígenas de Conselho Regional de Psicologia SP pela Conselho Reginal de Psicologia (2010)
>>> A Pílula Vermelha: Questões de Ciência, Filosofia e Religião em Matrix de Glenn Yeffeth pela Publifolha (2003)
>>> Cenas da Vida de Rubem Alves pela Papirus (2004)
>>> A cabeça bem-feita: Repensar a reforma. Reformar o pensamento de Edgar Morin pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Os portais da felicidade de J. S. Godinho pela Holus Publicações (2004)
>>> Orçamento Público - contém orçamento por resultados de James Giacomoni pela Atlas (2018)
>>> Almanaque para garotas calientes de Jo Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso pela Conrad Livros (1999)
>>> Almanaque para garotas calientes de Jo Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso pela Conrad Livros (1999)
>>> Manual para moças em fúria de Jo Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso pela Record (2003)
>>> Henri Wallon – Uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil de Izabel Galvão pela Vozes (1999)
>>> O senhor dos anéis de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> No Friend But the Mountains: Writing from Manus Prison de Behrouz Boochani pela Anansi International (2019)
>>> Voz Lusíada - Revista da Academia Lusíada de ciências, letras e artes de Vários Autores pela Fundação Calouste Gulbenkian (2001)
>>> Amor é Prosa - Sexo é Poesia de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2004)
>>> Conceitos da Psicanálise – Depressão de Jeremy Holmes pela Relume Dumará / Ediouro (2005)
>>> Freud, pensador da cultura de Renato Mezan pela Companhia das letras (2005)
>>> Psicanálise e Desenvolvimento Infantil de Alfredo Jerusalinsky e Colaboradores pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> O Primeiro Ano de Vida de René A. Spitz pela Martins Fontes (1987)
>>> Coleção folha grandes vozes Carlos Gardel nº3 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> E. PSI. B. A. Nº 9 – La Psicopedagogía Explorando Espacios Para/Con Sus Intervenciones de Vários Autores pela Escuela Psicopedagógica de Buenos Aires
>>> Mentiras no divã de Irvin D. Yalom pela Ediouro (1996)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 30/4/2015
Gastronomia Mediterrânea pós-humana
João Luiz Peçanha Couto

+ de 1000 Acessos

uma proposta de intervenção metodológica

Por Bernadette Reutmann

Aquele homem está sendo devorado por canibais!
(Anônimo)

A afirmativa da epígrafe poderia derivar em engulhos se estivéssemos ainda sob o paradigma gastronômico do século passado. Entretanto, a asserção nos servirá de ponto de apoio para nossa investigação (Aqui reiteramos nosso reconhecimento ao incentivo dos dois órgãos de fomento à pesquisa, mencionados nos agradecimentos). Retomando a sentença que encima o presente ensaio: além de termos a sensação de estarmos iniciando a leitura de um romance de ingenuidade novecentista a figurar o embate cultural entre um "nós" e um "eles" ou ensaio multiculturalista que lembre as pós-utopias do século XXI, o choque inicial se daria em dois níveis: no escatológico e no gastronômico. A pretensão deste ensaio é revelar o imbricamento entre esses dois domínios, supostamente distantes, mesmo que a literatura sobre o assunto seja bastante incipiente e os órgãos de fomento à pesquisa última e lamentavelmente tenham apresentado comportamento avesso ao financiamento de investigações nesta linha de pesquisa, salvo exceções já mencionadas. Assim, em primeiro lugar a pele da vítima é lacerada por mãos humanas de unhas grandes e sujas, o que nos deixaria entrever primeiro que, abaixo dela, temos uma gordura amarelecida, semelhante à das galinhas, por exemplo. O consumido emite fortes gritos de dor, imediatamente abafados por furores ritualísticos dos comensais, excitados com o início do processo. Fury (2104) afirma, amparado em pesquisas anteriores de Norton (2048) e Bishop (2071) que tais gritos emprestam à carne tenrez inigualável, o que desqualificaria o ato de abafar os gritos do consumido (p. 387). Ao fundo pode-se ouvir canções populares saídas de grandes alto-falantes dispostos em círculo, bastante adequados à situação festiva. O mau gosto daquelas canções não deverá ser levado em consideração, o que revelaria certo preconceito do sujeito (MISELA, 2111, p. 47) que observa a cena: sabe-se que etnocentrismos são impermitidos nessa ciência desde o século XX, e rigorosamente punidos, durante tais festivais. Camadas vermelhas de músculos seriam devoradas em seguida, deixando expostas pontas de ossos e tendões: os membros seriam os primeiros a serem devorados por conta da notória facilidade de serem descarnados e, a esta altura, a vítima teria já desmaiado, pois, conforme Ishtra (2083), é impossível para o cérebro humano manter-se consciente diante de dores de tal monta. Nesse sentido, inclusive, há estudos (CRAWFORD, 2100) que afirmam que alguns goles de bebida alcoólica podem ser dados à vitima, de forma a evitar o endurecimento precoce da carne. Nessa altura, sob a pira de abate, são postas grandes bacias de latão que servirão para aparar o sangue escoante do corpo do consumido, matéria prima para caldos de sabor inimaginável, reduzidos lentamente em fogo lento pelas anciãs da comunidade. Alguns comensais tiram da cintura pistolas de última geração e disparam para o alto, na falta de fogos de artifício, de difícil aquisição nesses tempos sombrios. O porte de arma, como se sabe, é permitido àqueles que detêm o saber de farejar vítimas em potencial (CAMPBELL, 2060). Depois dos membros, o seguinte da lista seria o tronco: porção de difícil acesso, posto que é protegida pelas costelas, cujos ossinhos deverão ser cuidadosamente partidos, de forma a não danificar, por exemplo, a carne suculenta de um fígado ou de um pâncreas, cortes bem servidos de sangue, que nessa altura do banquete já estaria sendo coalhado lá embaixo, nas bacias. De qualquer forma, vencer a grade de ossos que são as costelas não é tarefa para qualquer um e é por isso que, diferentemente da primeira fase do banquete, em que os quatro membros foram devorados e os artelhos separados para serem triturados e misturados a cortes menos nobres (FISHER, 2113, p. 67), a tarefa de consumar esta fase fica a cargo de alguns iniciados que conhecem a arte de descostelar um corpo humano sem que, ao final do intercurso, sobrem pequenas farpas das costelas misturadas aos cortes mais nobres presentes no interior do tronco (Ibid., p. 82). As costelas flutuantes, aquelas mais próximas do baço, são cuidadosamente retiradas por esses especialistas do descostelamento, e postas para secar, pois servirão para enfeites eróticos femininos [Supõe-se, inclusive, que há entre os homens lenda que reza mais ou menos o seguinte: com quanto mais costelas for presenteada uma mulher, mais desejada ela é, pois mais presentes eróticos ganhou, ou seja, seus serviços sexuais são supostos, pagos ou medidos pela quantidade de costelas humanas com que ela encima seu dossel. Crawford (op. Cit.) sugere que tal lenda tenha origem no costume de tribos asiáticas estudadas desde dois séculos, o que validaria sua aplicação e sua consideração teórica no presente ensaio]. Terminado o descostelamento, a fúria alcança níveis estapafúrdios, pois o populacho ataca a carcaça sem piedade. Segundo Cosme (2112, p. 201), os intestinos certamente serão retirados, desenfezados e lavados para mais tarde servirem de suporte a grandes embutidos, preenchidos com alguns cortes indesejados que depois de besuntados com a gordura existente sob a pele e temperados com ervas da região, são ali introduzidos, e o embutido daí resultante é posto para cozer no bafo por duas semanas, na sombra. O problema de se retirar os intestinos antes de tudo é que, por estarem espalhados por todo o tronco humano, sua retirada provoca uma confusão de órgãos dos diabos: o estômago, muito apreciado por sua carne ao mesmo tempo macia e composta, de sabor característico e digestão difícil (SUKUYAMA, 2111), por vezes, a depender do que a vítima comeu horas antes de seu abate, provoca arrotos frutados no comensal e, por vezes, alguma indisposição; o fígado e o pâncreas, extremamente macios, como já se disse, trazem um sabor mais característico, sanguíneo e forte, à semelhança dos rins que, à sua maneira, trazem um sabor ainda amargo, penetrado pela ureia [há gastrônomos (NORTON, 2048; BISHOP, 2071) que sugerem sua fervura por seis horas para evitar tal sabor indesejado, mas daí apenas decorre que a carne fica a se despedaçar, sem a retirada completa do sabor amargo]; o coração mereceria um capítulo à parte (os mesmos Norton e Bishop já o fizeram com louvor), coisa impossível diante da ligeireza de um texto leve como este, quase crônica, que aqui pretendemos conceber, por isso podemos afirmar, amparados em nossa pesquisa anterior (REUTMAN, 2100), que sua textura lembra a de um estômago, só que acrescida da robustez de um bíceps, já devorado na primeira parte do banquete, como já se sabe, mas que, acrescida a esta característica gastronômica incomparável, igualmente apresenta ao imaginário de quem o devora, por ser o órgão identificado com os sentimentos mais sublimes do ser humano, além do apuro gastronômico citado, a sensação de se estar deglutindo algo como o caráter do devorado (Ibid., p. 52), que certamente será transplantado para o consumidor, e mesclado com o seu próprio; os pulmões são frugais, desde que não tenham sido utilizados por vivente fumante, o que lhe emprestaria extremo amargor que, posto lado a lado com a tal frugalidade da peça, tornaria sua deglutição quase um ato de reconhecimento histórico da evolução do ser humano, reconhecidamente postado na porção superior da conhecida cadeia alimentar. A cabeça (FISHER, 2113, p. 173) é separada da carcaça restante, e cozida naquele caldo sanguíneo que, como dito, já está sendo reduzido pelas anciãs desde o início da solenidade. Os ossos do crânio figuram dissolvidos exatamente três dias depois do início de sua cocção (Idem). Como já adiantado, às peças remanescentes restaria o destino de serem utilizadas em compotas, embutidos e salames de dar água na boca dos consumantes. As unhas são sumariamente descartadas (FISHER, 2113, p. 202) e dadas às crianças, que com elas constroem colares coloridos e brinquedos os mais criativos. Embora isso seja reconhecido como verdade científica desde o século XX, pesquisas datadas do século passado (NORTON, 2048; BISHOP, 2071) afirmam o seu contrário, ou seja, que as unhas compõem um corolário de valoração grastronômica, sendo comparadas ao crânio. Alguns especialistas (SUKUYAMA, 2111; COSME, 2112; FURY, 2104) divergem dessa pesquisa, mesmo validada por estatísticas de empresas tradicionalmente competentes do ramo.


Postado por João Luiz Peçanha Couto
Em 30/4/2015 às 16h16


Mais Blog de João Luiz Peçanha Couto
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODULAÇÃO EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA (AUTOGRAFADO) - 5552
FÁBIO MARTINS DE ANDRADE
QAURTIER LATIN
(2011)
R$ 80,00



A ORTODOXIA DA IGREJA
WATCHMAN NEE
ÁRVORE DA VIDA
(1993)
R$ 50,00



DICIONÁRIO DA LINGUA PORTUGUESA- EDIÇÃO ESPECIAL
AURÉLIO BUARQUE
POSITIVO
(2007)
R$ 31,92



A REVOLUÇÃO CHINESA
HOLIEN GONÇALVES BEZERRA
ED. ATUAL
(1986)
R$ 7,90



RODERICK - VOL.386 - ARGONAUTA
JOHN SLADEK
LIVROS DO BRASIL
(1989)
R$ 28,38



OS INDIGENTES ENTRE A ASSISTÊNCIA E A REPRESSÃO A OUTRA LISBOA NO 1...
MARIA DE FÁTIMA PINTO
HORIZONTE
(1999)
R$ 31,72



FILOSOFIA ELEMENTAR DA ROSACRUZ MODERNA.
J. VAN RIJCKENBORGH
LECTORIUM ROSICRUCIANUM
R$ 16,00



O LIVRE ARBÍTRIO : LIVRO 1
SANTO AGOSTINHO / RICARDO TAURISANO
FILOCALIA
(2019)
R$ 149,00



UM MÉDICO DIFERENTE
FRANK G SLAUGHTER
RECORD
(1966)
R$ 29,00



CRÍTICA III SÉRIE
HUMBERTO DE CAMPOS
JACKSON
(1954)
R$ 6,90





busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês