Moral e Política para Maquiavel | Blog de Expedito Aníbal de Castro

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 13/6/2015
Moral e Política para Maquiavel
Expedito Aníbal de Castro

+ de 900 Acessos

Nicolau Machiavelli nasceu em Florença em 1469. Foi secretário e historiador da República Florentina e, como tal, conhecedor profundo dos problemas dos Estados, dos detentores do poder, das razões pelas quais se perdia ou se apoderava de determinado território e, parece, mais que tudo, um analistas das ações dos "príncipes", suas causas e efeitos dentro da conjuntura política da época.

Sua principal obra foi "O Príncipe" na qual ministra ensinamentos, com base nos fatos conhecidos à época, analisados pragmaticamente, sobre como conseguir e manter o poder, fazendo, então, uma distinção bastante evidente entre moral e política.

Tudo leva a crer que foi sob a influência do príncipe Valentino que, na mente de Maquiavel, surgiu e começou a formular-se, bastante claramente, o pensamento de uma ciência do Estado, separada e independente de todo conceito moral.

Ao longo de sua trajetória histórica, O Príncipe e seu autor têm sido alvo das mais diversas e contraditórias opiniões de estudiosos, filósofos, políticos, teólogos, etc.

Temos, portanto, que, após analisar a obra, emitir nossa própria opinião, discordando de alguns, acatando idéias de outros. A verdade é que O Príncipe jamais foi uma sátira como pretendem Alberico Gentile e Garrett Mattingly, nem um compêndio para gangsters, como menciona Bertrand Russel, mas uma obra destinada a orientar os governantes da época, na escolha mais pragmática e coerente dos caminhos a serem seguidos para manutenção e centralização do poder abrindo os primeiros caminhos para o Estado Moderno.

Ao longo de sua obra, Maquiavel não se impõe problemas tais como análise da organização estatal, divisão de poderes, legalidade, autoridade e tantos outros, mas tão somente a maneira mais correta e precisa possível de consecução e manutenção do poder.

Vejamos trechos do Cap. III — Dos Principados Mistos: "Basta, para que se assegure a posse desses Estados, fazer desaparecer a linha do príncipe que as dominava...." "O conquistador, para mantê-los, deve ter duas regras: primeiro fazer extinguir o sangue do antigo príncipe, segundo, não alterar as leis nem os impostos." "Assim, a injúria que se faz deve ser tal, que não se tema vingança." "O desejo de conquistar é coisa verdadeiramente natural e ordinária e os homens que podem fazê-lo serão sempre louvados e não censurados."

Todos os demais capítulos dessa obra contêm trechos onde se torna evidente a distinção entre moral e política, sendo a última, para Maquiavel, a maneira pela qual se adquire e se mantém o poder. A Moral passa a ser, portanto, a pauta de comportamento do cidadão comum, guiado por sua consciência, fé, religião, etc. O príncipe, detentor do poder, por possuir problemas superiores aos do cidadão comum, ou seja, a consecução, manutenção e expansão do poder, não pode se deixar influenciar, ante decisões graves, pela moral que determina o comportamento do cidadão comum. Deve, sim, examinar a qual fim está se propondo e usar adequadamente, as armas que possui para atingir tal objetivo, sejam elas o crime, a força, a guerra, a crueldade. Os fins justificam os meios. Política é a busca do bem comum, entendido como o máximo de bem estar físico, material, social, cultural e espiritual passível de consecução dentro do contexto da sociedade, a ser oferecido a TODOS OS CIDADÃOS DA MESMA. Veremos que este princípio fundamental transformou-se, nas mãos de Maquiavel, em um meio de preservação do poder. (Cap. XXI — O que a um príncipe convém realizar para ser estimado).

A história nos mostra, outrossim, que os princípios contidos em "O Príncipe" foram e são largamente adotados como, na verdade, não poderiam deixar de ser. A tomada e preservação de poder na URSS (atual Rússia*), pelo socialismo usando-se, para isto, da força de repressão com a extinção de milhares e milhares de vidas; as revoluções militares que assolaram a América do Sul, nas décadas de 60, 70 e 80 com golpes e contragolpes e perdas de centenas de vidas que poderiam solapar o poder; os serviços secretos de todos os países, cujos objetivos são, na verdade, a manutenção, a todo e qualquer custo, da ordem econômico-social necessária à preservação do poder vigente, seja esta ordem dentro ou fora do Estado que os mantém.

Hodiernamente, Ortega e Gasset, comungando as mesmas idéias de Maquiavel, separa os homens em magnânimos e pusilânimes. Os grandes políticos, obrigatoriamente, estariam entre os primeiros, pela necessidade de criar, de ordenar o Estado. E o ser magnânimo, para Ortega e Gasset, não implica que se deva estar isento de defeitos morais, comuns à maioria dos cidadãos. Ao contrário, a magnanimidade permite, por suas qualidades acima das comuns, que se possuam defeitos menores. O Político é um magnânimo; o cidadão é um pusilânime. Diz ele: "Note-se, pois, que não me ocorre contestar o título de virtudes à honradez, à veracidade, à moderação sexual. São, sem dúvida, virtudes, mas pequenas. São as virtudes da pusilanimidade. Diante delas encontro as virtudes criadoras, de grandes dimensões, as virtudes magnânimas."

Continuando e deixando claro que moral e política devem ser dissociadas, na figura do político, diz Ortega e Gasset: "Porque não é somente imoral preferir o mal ao bem, mas, igualmente, preferir um bem inferior a um bem superior." Vale ressaltar , no entanto, que a politização dos povos, a cada dia, vem exigindo, dos detentores do poder, um comportamento moral mais sólido. Na maioria dos Estados onde o poder emana do povo e em nome deste é exercido, atitudes imorais ou amorais levadas a conhecimento público redundaram na perda do poder; o caso Watergate nos EEUU, cujo final foi a renúncia do Presidente Nixon, é o caso mais palpável. (Para os efeitos acima, o Brasil não é um Estado, mas um latifúndio administrado com imoralidade e amoralidade**).

Hoje, portanto, há uma pequena diferença: as ações do Estado podem ser amorais ou mesmo imorais, uma vez que no seu relacionamento com outros Estados e na defesa de seus interesses econômicos, essas ações são regidas pela ética dos resultados (o fim justifica os meios); as ações do detentor do poder, com relação aos cidadãos que o elevaram a este poder, no entanto, devem ser pautadas, sempre que possível, pela moral, pois seu poder emanou do povo e por ele pode ser destituído. Na época de Maquiavel, o poder emanava da força (guerra de conquista) ou da hereditariedade, que obrigava ao príncipe, para manter-se no poder, adotar as medidas preconizadas em "O Príncipe".

Bibliografia: 1. O PRÍNCIPE — Nicolau Maquiavel — Editora Abril Cultural
2. ESCRITOS POLÍTICOS — Nicolau Maquiavel — Ed. Abril Cult.
3. INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO POLÍTICO DE MAQUIAVEL — Lauro Escorel — Editora Universidade de Brasília
4. MAQUIAVEL — O PRÍNCIPE — ESTUDOS — Decanato de extensão — Serviço de Ensino à Distância — Editora UNB
5. MAQUIAVEL — UM SEMINÁRIO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA — Cadernos da UNB
6. O PROBLEMA DE MAQUIAVEL — Texto de aula da UNB
7. O PENSAMENTO DE MAQUIAVEL - Texto de aula da UNB
Este trabalho foi apresentado e publicado em 1984, concorrendo com mais de 4.000 (quatro mil) outros trabalhos, sendo premiado em 2º lugar pela UNB.
 Em 1984 ainda existia a URSS: União das Repúblicas Socialistas Soviéticas  Opinião do autor, na data de hoje, 13/06/2015, quando somos governados pelo PT.


Postado por Expedito Aníbal de Castro
Em 13/6/2015 às 17h30


Mais Blog de Expedito Aníbal de Castro
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO - VOL 10
ABRIL
ABRIL
(2006)
R$ 4,75



HISTÓRIAS DO TECA - TEATRO EXPERIMENTAL DE COMÉDIA DE ARARAQUARA
CLODOALDO MEDINA JR
DBA
(2012)
R$ 35,00



CLASSE TERMINALE: DE 1939 A NOS JOURS
SERGE BERSTEIN E PIERRE MILZA (DIREÇÃO)
HATIER
(1988)
R$ 36,28



CAPITÃO KIDD
ROBERT C. RITCHIE
CAMPUS
(1989)
R$ 9,00



SOCIEDADE MEDIÁTICA - SIGNIFICAÇÃO, MEDIAÇOES E EXCLUSÃO
VÁRIOS AUTORES
LEOPOLDIANUM
(2000)
R$ 15,00



THE COMPLETE BOOK OF FASHION MODELING
BERNIE LENZ
CROWN PUBLISHERS
(1969)
R$ 100,00



COMUNICAÇÃO GLOBAL
LAIR RIBEIRO
OBJETIVA
(1997)
R$ 10,00



DE LALPHABÉTISATION AUX CIRCUITS DU LIVRE EN ESPAGNE XVI-XIX SIÈCLES
OUVRAGE COLLECTIF
CNRS
(1987)
R$ 190,00



POESIAS COMPLETAS DE CESÁRIO VERDE
OSMAR BARBOSA
EDIOURO
R$ 4,00



PROJETO RADIX - RAIZ DO CONHECIMENTO
BEÁ MEIRA
SCIPIONE
(2009)
R$ 35,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês