Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 5 | Blog de Claudio Spiguel

busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 22/6/2015
Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 5
Claudio Spiguel

+ de 1700 Acessos

Parte 5: Lembro aos leitores e leitoras que não leram Partes 1 - 4, que vocês podem acessá-las "clicando" no Mais Claudio Spiguel aí embaixo no rodapé do texto.

Naquela primeira visita à Universidade de Michigan em Ann Arbor, estado de Michigan, nos Estados Unidos em 1976, conheci detalhadamente o programa do Prof. George Estabrook, o qual havia conhecido na reunião da NSF - National Science Foundation (Parte 4). O programa se chamava TAXIR ("TAXonomic Information Retrieval" - Recuperação de Informação TAXonômica). Esse programa era exatamente o que precisávamos para o banco de dados de recursos naturais brasileiros. O Prof. Estabrook (amigo até hoje...) o havia desenvolvido juntamente com um programador profissional, por nome Robert Brill (outro amigo...), que também estava se transferindo para Ann Arbor para trabalhar no Centro de Computação da Universidade de Michigan, tudo por conta do inovador programa TAXIR que ambos haviam recentemente construído e publicado. TAXIR codificava a informação no processo de entrada dos dados (daí o requerimento de coleções estáticas, que não mudam com frequência uma vez estabelecidas) possibilitando um processo de saída, recuperação da informação, eficientíssimo! Era exatamente o que queríamos para computarizar a informação taxonômica descrevendo os recursos naturais brasileiros.

A decisão de obter o programa TAXIR foi imediata, mas êle acabou se tornando apenas uma porta de entrada, um veículo para algo MUITO maior, o passo seguinte na evolução da tecnologia de computação no Brasil, com a introdução do conceito de "time-sharing", ou seja, compartilhamento do tempo de uso do computador entre vários usuários, conforme necessidade evidenciada no artigo anterior desta série (ver Parte 4). Começava a engatinhar a POPULARIZAÇÃO, em paralelo com a PERSONALIZAÇÃO, do uso do computador.

O que eu vi em Ann Arbor ia muito além do motivo que havia me levado lá. Visitando o Centro de Computação da Universidade vi pessoas usando o computador através de dispositivos chamados terminais (figura abaixo), onde a comunicação entre o homem e a máquina se dava através de um teclado similar ao teclado de uma máquina de escrever (entrada) e uma tela de um tubo de raios catódicos, como uma tela de uma televisão, monocromática (caracteres de cor verde), que servia um objetivo duplo: 1) confirmava o que havia sido teclado pelo usuário repetindo a sequência de caracteres na tela antes dessa sequência ser enviada ao computador, com possibilidade de edição imediata; e 2) exibia a resposta do computador, quase que imediatamente! Além disso, vários usuários podiam fazer uso do computador através de vários desses terminais simultaneamente.



Comparem isso ao uso do computador até então no Brasil, descrito nos artigos anteriores desta série, um usuário por vez, entrada por cartões perfurados, resposta alguns DIAS mais tarde, em papel, e possibilidade de edição somente após essa resposta. Era uma revolução!

Michael T. Alexander, o pesquisador da IBM cedido à Universidade de Michigan havia usado sua experiência desenvolvendo o programa operacional VM ("Virtual Machine" - Máquina Virtual - ver Parte 4) para orientar o desenvolvimento do sistema operacional MTS - "Michigan Terminal System" - Sistema para Terminais de Michigan, que possibilitava o uso do computador através dos tais terminais descritos acima e por vários usuários simultaneamente, ao invés do esquema de uso tradicional ainda vigente, e único disponível no Brasil.



Não que tal uso fosse exclusividade brasileira, mas sim porque se prestava muito bem ao uso do computador como aquela calculadora gigante (ver Partes 2 e 3) em processamento de dados comerciais e financeiros, principalmente por bancos que eram os usuários principais naquela época. Esse tipo de processamento de dados se chamava de processamento em "batch" - conjunto, referindo-se ao conjunto de programas e dados representados em cartões perfurados que era carregado de uma vez para processamento do conjunto pelos computadores.

Os bancos, com seus processos em "batch", representavam o grosso da receita auferida pelos fabricantes de computadores como a IBM, e portanto a inovação do uso por terminais encontrava, como toda inovação, uma resistência pelo status-quo. Dentro da própria IBM, o engenheiro-chefe da arquitetura dos computadores 360 e os sucessores 370, Gene Amdahl, um visionário inovador, teve de sair da IBM para implementar suas idéias, fundando a "Amdahl Computers". Ele aparece abaixo, em Maio de 2010.



Sob sua orientação, a Amdahl fabricava computadores praticamente idênticos aos 370, mas com sistemas operacionais que viabilizavam o uso por terminais. O primeiro computador Amdahl (número de série 0001) foi instalado na Universidade de Michigan, e era operacionalizado através do sistema operacional MTS.

Imediatamente propus à Universidade de Michigan que juntamente com o TAXIR, trouxéssemos também ao Brasil o MTS, e foi assim, através desse projeto, que o conceito de "time-sharing" chegou pela primeira vez ao Brasil, em 1977. Os sistemas foram trazidos para o Brasil em fitas magnéticas transportadas por uma equipe sob minha coordenação, que levei a Ann Arbor para ser treinada na sua operação pelo Centro de Computação da Universidade. Duas curiosidades sobre esse transporte de sistemas merecem fazer parte desta nossa viagem:
1) Nos anos 70 a Guerra Fria entre Estados Unidos e Rússia estava no auge, e durante a reunião com o Presidente e a Diretoria da Universidade de Michigan na qual eu defendi o projeto que transferiu os sistemas para o Brasil, eu tive de assumir responsabilidade pessoal garantindo que o Brasil nunca deixaria os sistemas caírem nas mãos dos Russos. A questão e a exigência foram colocadas pelo Diretor Bernard Galler, cientista famosíssimo na área de Ciência de Computação, o qual anos mais tarde viria a fazer parte do meu comitê de Doutoramento. O nosso trem parará nessa estação alguns artigos à frente.
2) Quando nossa equipe chegou com as fitas no Aeroporto do Galeão, e depois no voo doméstico para Brasília, membros da Polícia Militar vieram nos receber e juntaram-se a nós para evitar que passássemos pelas rotas normais de segurança, desde que na época a SEI - Secretaria Especial de Informática proibia qualquer importação de tecnologia de informação, e as rotas normais forçariam que passássemos com as fitas pelos detectores de metais que apagariam seu conteúdo, inutilizando-as para os fins do projeto.

Mais sobre a SEI na Parte 6, onde exploraremos um pouco do impacto desse passo gigantesco na história da tecnologia de informação no Brasil, e onde começará a entrar na história a MINIATURIZAÇÃO, já em marcha nos Estados Unidos. Um prazer enorme seguir nessa viagem fantástica com vocês...


Postado por Claudio Spiguel
Em 22/6/2015 às 17h18


Mais Blog de Claudio Spiguel
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE ASSESSMENT OF VISUAL FUNCTION
ALBERT M. POTTS
MOSBY COMPANY
(1972)
R$ 77,97



LA CONSULTATION PASTORALE D ORIENTATION ROGÉRIENNE
YVES SAINTS-ARNAUD
DESCLÉE DE BROUWER
(1969)
R$ 250,00



PARA GOSTAR DE LER - VOLUME 23 - GOL DE PADRE E OUTRAS CRÔNICAS
STANISLAW PONTE PRETA
ÁTICA
(1998)
R$ 10,00



DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO NO INTERIOR DO BRASIL
MARIA DO ROSÁRIO CASSIMIRO
ORIENTE
(1974)
R$ 8,90



MINHA PROFISSÃO É ANDAR
JOÃO CARLOS PECCI
SUMMUS
(1980)
R$ 7,90



A GRANDE QUEDA
JAMES RICKARDS
AGORA FINANCIAL
(2015)
R$ 20,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOSTÓI
BRASILIENSE
(1959)
R$ 9,00



FRAGMENTOS DA GRANDE GUERRA
LEANDRO FONTES
RECORD
(2004)
R$ 10,00



HISTÓRIAS DA BÍBLIA 4 VOLUMES
VICTOR CIVITA
ABRIL
(1971)
R$ 33,80



A SEMENTE DA VITÓRIA (EL SHADAI)
J. E. LOURENÇO (NARRATIVAS DE S. VILARINDO LIMA)
IBCB
(1987)
R$ 15,00





busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês