A segunda vida, de Machado de Assis | Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues

busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 1/8/2015
A segunda vida, de Machado de Assis
Sonia Regina Rocha Rodrigues

+ de 4300 Acessos

Este conto instigante por sua própria temática, o é ainda mais por tratar-se de um palimpsesto.
No sentido literal, palimpsesto designa um pergaminho (ou papiro) cujo texto era raspado para permitir a reutilização, e através do qual se percebe o texto anterior. No sentido literário, é uma obra que remete a uma obra anterior. No atual estágio de nossa civilização é quase que inevitável que cada novo texto remeta a outro texto anterior. Palimpsesto é diferente da intertextualidade, pois nesta, se repetem literalmente as palavras do primeiro texto; já no palimpsesto, o que se repete é a ideia em si.

Este conto tem por trás de sua estrutura dois textos antigos: o mito de Er e a Voz do silêncio.
Para entender o conto, não é necessário conhecer os textos de base, mas este conhecimento enriquece o entendimento do conto. Por isso acrescentarei um resumo deles ao final, e o leitor poderá pesquisar mais profundamente por conta própria, pois são textos bem longos.

A segunda vida começa, de maneira bem atual, pelo meio: (era inovador, nosso Machado):

"Monsenhor Caldas interrompeu a narração do desconhecido:
- Dá licença? é só um instante.
Levantou-se, foi ao interior da casa, chamou o preto velho que o servia, e disse-lhe em voz baixa:
- João, vai ali à estação de urbanos, fala da minha parte ao comandante, e pede-lhe que venha cá com um ou dois homens, para livrar-me de um sujeito doido."

Aí já tem o leitor duas informações: a primeira é que há um personagem supostamente doido; a segunda é que o monsenhor chamou a polícia, e isto surpreende, pois seria mais lógico, sendo a maioria dos loucos, louco mansos, chamar um médico!
Também somos logo informados de que o clérigo estava assustado:

"Monsenhor Caldas fez um gesto de assentimento, sem perder de vista a bengala que José Maria conservava atravessada sobre as pernas".

O autor passa a palavra ao personagem louco, enquanto deixa na sombra a história do pároco, secundária ou principal cabe ao leitor decidir ao final.
Vamos ao discurso do doido, aliás, José Maria:

"Como ia dizendo a Vossa Reverendíssima, morri no dia vinte de março de 1860, às cinco horas e quarenta e três minutos da manhã. Tinha então sessenta e oito anos de idade."

E aí o texto nos remete ao mito de Er, pois também ao personagem do conto foi imposta a volta, e teve ele a oportunidade de escolher, e escolheu voltar como alma experiente, que se lembrasse, pois aludia ao ditado "ah, quem me dera ter aos vinte anos a experi6encia da velhice!"
Vai daí ter o personagem uma infância e adolescência insípida, permeadas pelo medo de tudo - e Machado desenvolve aí a teoria de que a inexperi6encia da juventude dá a vida uma certa graça e prazer próprios da ignorância das consequências. De forma engraçada, o personagem afirma recusar o amor, pois infalivelmente fracassa, ou por que alguém morre, ou por se desentenderem, ou por terem muitos filhos e passarem necessidades ou por não terem filho nenhum e se sentirem frustrados etc...O fato é que o instinto é mais forte, e o personagem casa.
Seguem-se várias reflexões e peripécias, até chegarmos ao trecho que nos remete ao segundo texto:

"Sonhei que o Diabo lia-me o Evangelho. Chegando ao ponto em que Jesus fala dos lírios do campo, o Diabo colheu alguns e deu-mos. ..Fitei-os encantado; eram lindos como não imagina... Não lhe digo nada; no momento de os chegar ao nariz, vi sair de dentro um réptil fedorento e torpe, dei um grito, e arrojei para longe as flores".

Ao acordar, refere o moço,
" viu a mulher diante dele aflita e desgrenhada. Os olhos de Clemência eram doces, mas ele disse-lhe que os olhos doces também fazem mal."

Chega-se aqui ao clímax e ao fim do conto, para surpresa e esclarecimento do leitor: "Neste ponto a fisionomia de José Maria estava tão transtornada que o padre, também de pé, começou a recuar, trêmulo e pálido.
"Não, miserável! não! tu não me fugirás!" bradava José Maria investindo para ele. Tinha os olhos esbugalhados, as têmporas latejantes; o padre ia recuando... recuando... Pela escada acima ouvia-se um rumor de espadas e de pés."

Acredito que aqui, ao contrário do que ocorre em Dom Casmurro, importem menos os motivos do enciumado que as ações do suspeito...cabe ao leitor ler o conto na íntegra e decidir por si.

Anexos:
1 - O mito de Er - é narrado por Platão em A República
"Esta é a história de um guerreiro, morto na guerra, que levantou-se em sua pira e contou o que havia visto no outro mundo. Disseram-lhe que, como milésimo morto, ele deveria voltar à terra, não lhe sendo possível recusar o retorno. Dois juízes disseram-lhe que seria mensageiro entre os homens de tudo o que ali ocorria, e que prestasse atenção.
Algumas almas eram encaminhadas para reencarnar perante as moiras, deusas do destino. Após escolher como queriam renascer, eram levadas para a planície do Esquecimento. Eram advertidas: "Elegereis vós mesmas a vossa sorte, e permanecereis irrevogavelmente unidas; como a virtude não tem dono, cada uma a possuirá conforme a honre. A divindade é inocente".
O perigo era grande; necessitava-se de discrição e conhecimento para escolher bem.
- Mesmo para a última alma que escolher haverá boa fortuna se for sensata.
Pois após escolher, a alma confronta-se com as decorr6encias da própria escolha. A primeira alma precipitou-se e optou por ser tirano; seu destino incluía devorar os próprios filhos e ser linchado por uma centena de revoltosos. Já o famoso Ulisses, com a lembrança das fadigas passadas, escolheu renascer como um homem simples.
Er foi reenviado a seu próprio corpo, ergueu os olhos para o céu, viu que era madrugada e encontrou-se sobre sua pira, de onde desceu para contar aos outros homens o que presenciara.
Assim, sabedores do que ocorre após a morte, pode o homem salvar-se de dissabores futuros, escolhendo com sabedoria."

2 - A voz do silêncio - tradução por Helena Petrovna Blavatsky do texto tibetano "O Livro dos Preceitos de Ouro" , que relata de forma poética a evolução da alma humana.
"Na Sala da Aprendizagem, a tua Alma encontrará as flores da vida, mas debaixo de cada flor uma serpente enrolada. Se queres atravessar seguramente a segunda, não pares a aspirar o perfume das suas flores embriagantes.
O perigo desta parte da jornada da vida, é que a pessoa fique tão inebriada pelo perfume das flores que se recuse a continuar a jornada. Se fixar-se no prazer este mesmo prazer transformar-se-á em sofrimento."

fonte: A segunda vida


Postado por Sonia Regina Rocha Rodrigues
Em 1/8/2015 às 11h50


Mais Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IDEIA DE CULTURA
TERRY EAGLETON
UNESP
(2011)
R$ 33,00



PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS
GILBERTO DE MELLO KUJAWSKI
DUAS CIDADES
(1983)
R$ 15,00



VOZES DO DESERTO
GEORGES BOURDOUKAN
CASA AMARELA
(2002)
R$ 6,00



DISCURSO SÔBRE O MÉTODO
DESCARTES
LIVRARIA EXPOSIÇÃO DO LIVRO
R$ 29,70



FERMATA
NICHOLSON BAKER
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 12,00



O GUARANI
JOSÉ DE ALENCAR
W. M. JACKSON
(1959)
R$ 5,00



ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO ENSINO DE 2º GRAU
NELSON PILETTI
ÁTICA
(1990)
R$ 15,00



OPHTALMOLOGIE DU MÉDECIN PRATICIEN
ALBERT TERSON
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 75,87



A MENINA DE VIDRO
JODI PICOULT
VERUS
(2011)
R$ 57,12



AS VIDAS SUCESSIVAS
ALBERT DE ROCHAS
LACHATRE
(2013)
R$ 25,00





busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês