A Última Noite | Blog de Expedito Aníbal de Castro

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Ás de Copas, Pretérito Imperfeito de Luis Eduardo de Sousa pela Patuá (2014)
>>> Português Em Complicação - Vocabulário VIII de Professor Sérgio Nogueira pela Aula Extra
>>> Inteligência Produtiva (lacrado) de Luiz Ângelo dos Santos pela Qualitymark (2017)
>>> Dançando Em Lúnassa de Brian Friel pela Hedra (2014)
>>> Terra sem Mal de Jacy do Prado Barbosa Neto pela Planeta (2013)
>>> Que história é essa de Flavio de Souza pela Companhia das Letrinhas (2017)
>>> Judas, o Bem Amado (lacrado) de Gerald Messadie pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Fantasia dos Vegetais o Esforço do Abacate de Dcl pela Dcl
>>> Um Feitiço de Verão- Gatinho Magico de Bentley Sue pela Fudamento (2010)
>>> O Despertar da Consciência de Nivaldo Silva pela Autografia (2017)
>>> Sorrindo para a Câmera (lacrado) de Zulema Rida pela Mar de Ideias (2012)
>>> Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes (lacrado) de Assis da Costa Oliveira pela Lumen Juris (2017)
>>> O segredo do violinista de Eva Furnari pela Moderna (2010)
>>> A Pequena Livraria dos Corações Solitários de Annie Darling pela Verus (2017)
>>> Manual de Direito Comercial de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2004)
>>> American Mafia a History of Its Rise to Power de Thomas Reppetto pela Mjf Books (2004)
>>> A Lenda dos Cristais de Ana Carolina Jalles pela Novo Século (2014)
>>> As Independências na América Latina de Leon Pomer pela Brasiliense (1995)
>>> De Todas as Raças e Nações (lacrado) de José Marins pela Paulinas (2008)
>>> Circuito Sesc de Arte 2016 de Sesc pela Sesc
>>> 2012 - o Menino Que Previu o Apocalipse de Ricardo Valverde pela Novo Seculo (2010)
>>> Autobiografia de John Stuart Mill pela Iluminuras (2007)
>>> Tudo o Que Você Não Queria Saber Sobre Propaganda (lacrado) de Newton Cesar pela Senac (2010)
>>> Degradação dos Solos no Brasil de Laiana Ady Westphalen pela Bertrand Brasil (2014)
>>> República dos Bacharéis no Século XXI (lacrado) de André Luís Alves de Melo pela Lumen Juris (2016)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 29/10/2015
A Última Noite
Expedito Aníbal de Castro

+ de 1500 Acessos

A escuridão e o frio eram palpáveis na cela. A esteira de arbustos e palhas parecia possuir espinhos naquela noite. Os cobertores velhos e rasgados deixavam passar o frio que feria como agulhas.

Os demais prisioneiros dormiam: alguns roncavam, outros se mexiam muito, mas todos dormiam. Menos ele.

Os pensamentos iam e voltavam numa velocidade frenética, absorvendo todo seu oxigênio, todo seu vigor. Pensava nos companheiros que, apesar das torturas, não delatara. Poderiam continuar com a revolução que se prenunciava em vários locais do país. A revolução para a qual colocara à disposição todo seu acervo intelectual e seu pendor literário. Tinha noção do valor dos seus escritos e do impacto que causara no meio intelectual, mas, agora, nada mais era que um revolucionário preso.

Pensava na mãe, agora sem alguém para ajudá-la. Ela lutara com todas as forças para sustentá-lo, mesmo carregando como sobre peso um marido bêbado - como era comum - que trocava de emprego como quem troca de roupa.

O padre estivera com ele na tarde anterior. Fizera sua confissão com toda fé. Poderia esperar algo melhor em uma vida posterior? Ou não haveria posterior? Haveria alma, espírito? Somente a vida do corpo? Deus não pregaria uma peça desse tipo, de humor negro a toda humanidade! Apesar das indagações, sua fé continuava inabalável.

Costumava comparar a revolução com a revolução de Cristo: voltada para os mais infortunados, para os famintos, para os sem esperança, para os bêbados, como seu pai, que não encontrava sentido na vida, para os que trabalhavam mais de doze horas por dia sem perspectiva alguma de vida melhor. De uma maneira ou de outra, os revolucionários eram como Cristo, pregavam e lutavam por uma vida melhor: terrena, mas melhor.

O padre iria acompanhá-lo, pela manhã, quando se dirigisse ao local da execução. Procurava desviar o pensamento desse momento, mas ele voltava com uma persistência dolorida. Precisava estar no controle de suas emoções e não demonstrar medo. Precisava ser homem, digno, forte, sem hesitação, até no momento final; mostrar que o fervor revolucionário era superior ao medo da morte, do "posterior". O que pensariam seus amigos se fraquejasse? E o restante da população, se visse num líder revolucionário, um covarde?

O sol, coberto por densas nuvens, mostrou um pouco do seu brilho, mas o frio continuava intenso. Repassou, um tanto rapidamente, os detalhes de sua vida: infância sofrida, juventude arredia e voltada para os livros e, na fase adulta, membro ativo da revolução que pretendia depor o Czar e desfraldar a bandeira de um governo proletário.

O carcereiro chegou trazendo um pouco de alimentação quente. Comeu sem gosto. Vestiu-se. O frio aumentou com a roupa simples designada para a execução. Dois soldados postaram-se ao seu lado. Conduziram-no pela prisão e, na porta de saída, estava o Padre. Fez o Sinal da Cruz e o Padre acompanhou-o rezando.

Oito soldados estavam a postos com seus fuzis. O oficial encarregado da execução indagou se havia algum pedido especial a ser expresso pelo preso. Nenhum. O Padre deu-lhe a extrema unção. Vendaram-lhe os olhos. Amarraram-no a um poste. Ele rezava e pedia forças a Deus. Não fraquejou.

O oficial iniciou as ordens finais. A partir daquele momento Dostoievski não conseguia pensar em nada; um turbilhão passava pela sua mente em total desordem: medo, frio, escuro, era um animal acossado pela morte iminente. Atenção! Apontar! Fogo!

Dostoievski não sentiu, fisicamente, as perfurações das balas, mas psicologicamente estava morto. Por quê não sentia dor? A morte seria assim, tão fácil? O quê passaria a ver, a sentir, a encontrar? As indagações continuavam e nenhuma tinha resposta. Ele começou a observar que não sentia dores quando ouviu a ordem para desvendá-lo e desamarrá-lo. Estava perplexo. Todos os fuzis estavam com defeito? O quê acontecera?

A explicação veio de imediato. O oficial informou-o de que, instantes antes da execução, o Czar comutara sua pena de morte em desterro e trabalhos forçados na Sibéria, mas que a encenação deveria prosseguir até ao fim. Dostoievski viu a morte em vida e esta nova oportunidade foi aproveitada para uma produção extremamente profícua de obras que descem ao fundo mais fundo da alma humana.

Texto publicado, também, no Clube Eslavo.


Postado por Expedito Aníbal de Castro
Em 29/10/2015 às 18h12


Mais Blog de Expedito Aníbal de Castro
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicação popular escrita
Américo Pellegrini Filho
Edusp
(2009)



O Sovina e o Perdulário
Raphael Cordeiro
Elsevier
(2007)



Clt Consolidação das Leis do Trabalho
Juarez de Oliveira
Saraiva
(1996)



Madonna e a Construção da Imagem no Universo da Polêmica...
Alex Saraiva
Multifoco
(2012)



Semeando...
Mons Luiz Coelho Mendes
Paulinas
(1988)



Literatura Brasileira
Carlo Emílio Faraco e Francisco Marto de Moura
Ática
(1991)



Vida maravilhosa
Stephen Jay Gould
Circulo do livro
(1989)



Negociação e administração de conflitos
Vários autores
Fgv
(2006)



Seara Vermelha
Jorge Amado
Martins
(1968)



Veja 25 Anos Reflexões para o Futuro
Vários Autores
Abril





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês