White Stripes: porque o rock não começa no punk | Mario Marques | Digestivo Cultural

busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
>>> Obra clássica sobre a economia política de Marx é lançada no Brasil
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
>>> Solte o Timóteo
>>> As cores de Pamuk
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Ex-míope ou ficção científica?
>>> Cidades do Algarve
Mais Recentes
>>> Aventura da Escrita Historia do Desenho Que Virou Letra de Moderna Interesse Geral pela Moderna Interesse Geral (2002)
>>> Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos de Maria Teresa Esteban ( Org. ) pela Dp&a (1999)
>>> I Love NY de Teca Machado pela Novo Século (2013)
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> Os Miseráveis - Volume Único de Victor Hugo pela Hemus (1979)
>>> Direitos humanos fundamentais PLT 745 - Dom Casmurro - Machado de Assis de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> La Konversacia Klubo - Perfektiga Kurso de Esperanto de J Salles pela do Autor (2004)
>>> As Aventuras de Uma Criança DOWNADINHA de Alessandra Almeida Maltarollo pela Zit (2016)
>>> Dom Casmurro - Machado de Assis de Machado de Assis pela Paulus
>>> O Mosaico de Parsifal de Robert Ludlum pela Nova Fronteira (1982)
>>> Moby Dick - Coleção O Prazer da Leitura de Herman Melville pela Abril (2012)
>>> Cristianismo - Série Conhecendo as Religiões de Todolivro pela Todolivros / Brasilleitura (2012)
>>> Aventura da Escrita Historia do Desenho Que Virou Letra de Moderna Interesse Geral pela Moderna Interesse Geral (2002)
>>> Budismo - Série Conhecendo as Religiões de Todolivro pela Todolivros / Brasilleitura (2012)
>>> A Linguagem e o Pensamento da Criança - Coleção a Professôra Moderna de Jean Piaget pela Fundo de Cultura (1958)
>>> A Faina, a Festa e o Rito: Uma Etnografia Histórica Sobre as Gentes do Mar ( Séculos. XVII e XIX) de Luiz Geraldo Silva pela Papirus (2001)
>>> Dom Casmurro - Machado de Assis de Machado de Assis pela Objetivo
>>> Paraguaçu a flor selvagem - Luiz Carlos Carneiro de Luiz Carlos Carneiro pela Lake
>>> Segredos Secretos de Fanny Abramovich pela Atual Didáticos (2009)
>>> Esperanto Conversacional - Curso Básico de J Salles pela do Autor (2007)
>>> América Américas - Revista Brasileira de Historia Nº 21 de Anpuh - Cnpq pela Marco Zero (1990)
>>> Orelha, Nariz, Barriga e Bumbum Quer Mudar Algum? de Célia Cris Silva pela Aymará (2009)
>>> Arquivos Permanentes - Tratamento Documental de Heloísa Liberalli Bellotto pela Fgv (2005)
>>> Pegadas Amigas de Therezinha Leony Wolff pela Kaygangue (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/1/2004
White Stripes: porque o rock não começa no punk
Mario Marques

+ de 5800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Há pelo menos dois meses ando calado sobre um determinado assunto. Talvez seja uma espécie de trauma de 2003, o ano que demorei a entender. Ano em que Marcelo Camelo virou Chico Buarque, que Maria Rita virou Elis Regina, que o VJ Rafa da MTV virou poeta-gênio, que o Metallica virou mulherzinha, que o Ozzy virou arroz-de-festa.

E, principalmente, que o White Stripes, essa frase eu ouvi quase traumatizado, complexado, burro, fora de órbita, "se multiplica no palco".

Eu estava lá no show do Tim Festival, em novembro do ano passado, e assisti à constrangedora apresentanção de Jack e Megan White. Para os fãs da banda, e são muitos, o mérito da dupla é atitude e, acho eu, eles a consideram uma espécie de revolução, já que o formato adotado é inédito, Jack na guitarra, Megan na bateria. Já tive discussões homéricas com colegas da praia de jornalismo da área sobre se tocar bem ou não tocar bem importa. Sou defensor de harmonia, melodia e arranjo de primeira. Porque sou da escola do rock progressivo, gênero que pegou a música erudita, tacou num prato cheio de jazz e rock e foi engolido pelo punk, sua antítese. O rock progressivo (que o Radiohead de hoje se inspira escancaradamente) virou som datado e o punk, antologizado pelo Nirvana, virou o golpe de mestre do rock.

É exatamente aí que entra o White Stripes. Jack toca mal, Megan, pior ainda. Não tem harmonia, não tem melodia, é tudo na base do riff e da bateção de panela. Ela com um andamento x, ele com um y. Ela com uma dinâmica, ele com outra. Ela repetindo levadas, ele repetindo acordes de forma intermitente. Ele cantando - ou grasnando - ela tentando, ou se suportando ao monitor.

Então fui aos discos. Ultimamente tenho deixado minha opinião vazar após alguns dias, semanas e até meses de análise porque voltar atrás tem efeito derrotista, confesso. Daí prefiro esperar a poeira baixar, ouvir, reouvir, pesquisar. Com os Strokes aconteceu assim. Os caras são patéticos tocando e são tão amadores que fica claro que cada um deles não tem mais de quatro anos como instrumentista na Terra. Revoltava-me - e ainda me revolta - pôr a banda de Julian Casablancas no olimpo dos Deuses do Rock. Isso nunca vai acontecer, a não ser que Julian se mate, como os mitos do rock. Afora essa possibilidade, na próxima década os Strokes vão virar um Sonic Youth, banda que nunca chegou ao primeiro escalão, como queria a mesma turma que hoje faz preces pelos Strokes. Mas, ouvindo, ouvindo e ouvindo, passei a gostar de algumas das músicas dos Strokes. Bobinhas, cheias de clichê do punk rock, letras pobrinhas e com solos de guitarra indigentes, ainda assim eu mudei de idéia porque eles se preocupam em fazer canções, não em dar vazão a idéias.

Como faz o White Stripes.

A história pode até não ser essa, mas deve ser. Jack e Megan não são uma dupla de rock porque isso é uma estética. Mas sim porque ganham mais dinheiro, não têm que ficar dividindo palco com músicos de verdade (e pagando-os por isso) e são entediados com turmas em volta.

Recentemente vi o show de novo, pelo Canal Multishow, da Globosat. Fiquei muito preocupado com o futuro da música pop. Porque é verdade que lá fora a dupla é um sucesso, é verdade que hoje eles são o hype e, acima de tudo, é verdade que os críticos acham que Jack é um guitar hero.

É tudo verdade.

Mas é uma verdade que eu não entendo, não. Existe uma ridícula e ultrapassada mentalidade de que a atitude em rock conta mais do que a própria música. É uma tese que contamina com mais força os jovens desde o advento do punk e que faz com que artistas como Peter Gabriel, Joe Jackson, John Mayer e Dave Matthews virem inimigos públicos. Gente que passa a vida procurando um acorde, aquele acorde. O Radiohed pós-Kid A entende que sua evolução e transformação passaram pelos anos 70 e certamente não foi por Clash, mas por King Crimson, Genesis. mas ninguém fala isso. Ou não sabe. Porque nunca ouviu nem Genesis, nem King Crimson, nem nada que denotasse qualidade harmônica.

No Free Jazz em que o Sigur Rós virou estrela num mar de apagados, lembro-me que Gabriel Thomaz, dos Autoramas, dizia que o som dos islandeses era lindo. Ele próprio um egresso do punk, entendi ali que tal declaração poderia levá-lo ao plácido mundo da música mais apurada, do jazz, do acid jazz, ou quem sabe aos nomes já citados no parágrafo anterior. É essa a minha esperança. Que um hype do pop-rock leve a um passado que não comece nos Sex Pistols, nem nos Ramones, mas nos Beatles ou no Doors. Que a nova cara musical do Red Hot Chili Peppers seja vista como uma busca de qualidade harmônica, em vez de ser tratada como "apelo comercial" ou "prostitutos do rock". Que o Elbow seja visto como a salvação do rock e não o White Stripes.

Tá bom, a minha esperança já morreu. Mas não me entrego. Eu não engulo o White Stripes.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no recém-inaugurado site Laboratório Pop. (Reproduzido aqui com a devida autorização do autor.)


Mario Marques
Rio de Janeiro, 29/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Francis e o jornalismo de Jonas Lopes


Mais Mario Marques
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2004
14h55min
prá ser sincero, ouvi 3 músicas do White Stripes e... não gostei; realmente não dá pra engolir...
[Leia outros Comentários de José Aparecido]
9/2/2004
08h05min
Sua coluna foi um desabafo. Você tocou em verdades dolorosas pra muitos ouvidos que se julgam "especiais". Não acho que é culpa do Punk, este tipo de movimento teve sua razão de ser e funcionou. O problema são as reedições... E a culpa é do sistema, dos valores que ele prega, da necessidade de construir mitos e heróis que vendam valores que lhes interessem... Acabamos por supervalorizar alguns talentos razoáveis que surgem por aí e assistir a enganação de bandas bem maquiadas como White Stripes. Radiohead é o melhorzinho, mas a turma Brit já cansou. O POP de tanto se reciclar sobre futilidade, está secando...
[Leia outros Comentários de Patricia Rocha]
9/2/2004
08h19min
Vou encaminhar seu artigo a amigos. O que posso dizer é que não é que o punk é um lixo (porque é mesmo). Essa é a proposta. Quebrar com os pré-conceitos que viram populares e 'mitificam-se' como a verdade dos livros sagrados). Eu, como amante da musica (e instrumentista), tendo a gostar do maior nº de estilos musicais que puder ter contato, respeitando o gosto alheio. Assim como respeito sua opinião, acrescento que, se se diz que White Stripes e Strokes são o que se tem de novo no rock e vc acredita nisso, meu velho, estais perdendo seu tempo pois isso vai passar e tem muita coisa muito melhor por aí, perdida nos bares, esperando ser descoberta. Strokes, sabemos que é banda de filho de produtor, de estilista. Tem um fim, que é ser popular. O Sonic Youth nunca quis ser pop. Eles viram o Nirvana crescer, se repruduzir e morrer. Eles já estavam lá há muito tempo e não se deixam levar pela promessa de céu que o mercado extremamente capitalista da musica se tornou, depois da descoberta dos Beatles. O Sonic Youth é o melhor exemplo de banda que faz o que quer, quando quer e ainda bebe do mercado quando lança 'Dirt' e 'Goo' (dois discos -e os unicos- com musicas pra tocar no radio). Enfim, se o WS está lá é porque quer. Se ouvem e consomem, é porque querem. Tem musica para todos os gostos. Se não te satisfaz isso que é mostrado pela grande midia, olhe para o lado.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
13/3/2004
14h13min
É de lamentar, mas já faz tempo que tudo o que é feito no mundo da música tem de vir acompanhado de uma propaganda maciça. O público em geral só conhece aquilo que lhes empurram goela abaixo. O mundo é muito maior do que pensamos, algumas pessoas sabem disso, a grande maioria não. E para falar a verdade, não é todo mundo que realmente se interessa ou sabe identificar uma música de boa qualidade. No geral, o que todos querem é consumir a última "novidade" para "ficar por dentro", "ter atitude" e "se sentir alguém".
[Leia outros Comentários de Virgílio Lamaignere ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Judiciário e a Comunidade
Luci Gati Pietrocolla e Outros
Ibccrim
(2000)
R$ 5,98



Filha de Seus Filhos a História e as Histórias da Emancipação
Sérgio Elias Costa
Do Autor
(2007)
R$ 8,00



Dotnet teens
Microcamp
Microcamp Internacional
(2010)
R$ 8,00



Os Homens Que Constroem o Futuro
Bruce Bliven
Globo
(1944)
R$ 5,00



A Sombra do Vento
Carlos Ruiz Zafon
Suma de Letras
(2007)
R$ 20,00



O Mistério de Xangri- Lá
Teresa Noronha
Brasiliense
(1980)
R$ 5,00



O Livro de Jack - uma Biografia Oral de Jack Kerouac
Barry Gifford
Biblioteca Azul
(2013)
R$ 30,00



Memórias Vivas
Ir. Paula Guimarães Nunes - Organizadora
Não Consta
(1998)
R$ 10,00



Esquin de Floyrac o Fim do Templo Trilogia do Templo Vol 3
Z Rodrix
Record
(2007)
R$ 75,00



Ciclo da Lua
César Magalhães Borges
Plêiade
(2011)
R$ 5,00





busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês