White Stripes: porque o rock não começa no punk | Mario Marques | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/1/2004
White Stripes: porque o rock não começa no punk
Mario Marques

+ de 5400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Há pelo menos dois meses ando calado sobre um determinado assunto. Talvez seja uma espécie de trauma de 2003, o ano que demorei a entender. Ano em que Marcelo Camelo virou Chico Buarque, que Maria Rita virou Elis Regina, que o VJ Rafa da MTV virou poeta-gênio, que o Metallica virou mulherzinha, que o Ozzy virou arroz-de-festa.

E, principalmente, que o White Stripes, essa frase eu ouvi quase traumatizado, complexado, burro, fora de órbita, "se multiplica no palco".

Eu estava lá no show do Tim Festival, em novembro do ano passado, e assisti à constrangedora apresentanção de Jack e Megan White. Para os fãs da banda, e são muitos, o mérito da dupla é atitude e, acho eu, eles a consideram uma espécie de revolução, já que o formato adotado é inédito, Jack na guitarra, Megan na bateria. Já tive discussões homéricas com colegas da praia de jornalismo da área sobre se tocar bem ou não tocar bem importa. Sou defensor de harmonia, melodia e arranjo de primeira. Porque sou da escola do rock progressivo, gênero que pegou a música erudita, tacou num prato cheio de jazz e rock e foi engolido pelo punk, sua antítese. O rock progressivo (que o Radiohead de hoje se inspira escancaradamente) virou som datado e o punk, antologizado pelo Nirvana, virou o golpe de mestre do rock.

É exatamente aí que entra o White Stripes. Jack toca mal, Megan, pior ainda. Não tem harmonia, não tem melodia, é tudo na base do riff e da bateção de panela. Ela com um andamento x, ele com um y. Ela com uma dinâmica, ele com outra. Ela repetindo levadas, ele repetindo acordes de forma intermitente. Ele cantando - ou grasnando - ela tentando, ou se suportando ao monitor.

Então fui aos discos. Ultimamente tenho deixado minha opinião vazar após alguns dias, semanas e até meses de análise porque voltar atrás tem efeito derrotista, confesso. Daí prefiro esperar a poeira baixar, ouvir, reouvir, pesquisar. Com os Strokes aconteceu assim. Os caras são patéticos tocando e são tão amadores que fica claro que cada um deles não tem mais de quatro anos como instrumentista na Terra. Revoltava-me - e ainda me revolta - pôr a banda de Julian Casablancas no olimpo dos Deuses do Rock. Isso nunca vai acontecer, a não ser que Julian se mate, como os mitos do rock. Afora essa possibilidade, na próxima década os Strokes vão virar um Sonic Youth, banda que nunca chegou ao primeiro escalão, como queria a mesma turma que hoje faz preces pelos Strokes. Mas, ouvindo, ouvindo e ouvindo, passei a gostar de algumas das músicas dos Strokes. Bobinhas, cheias de clichê do punk rock, letras pobrinhas e com solos de guitarra indigentes, ainda assim eu mudei de idéia porque eles se preocupam em fazer canções, não em dar vazão a idéias.

Como faz o White Stripes.

A história pode até não ser essa, mas deve ser. Jack e Megan não são uma dupla de rock porque isso é uma estética. Mas sim porque ganham mais dinheiro, não têm que ficar dividindo palco com músicos de verdade (e pagando-os por isso) e são entediados com turmas em volta.

Recentemente vi o show de novo, pelo Canal Multishow, da Globosat. Fiquei muito preocupado com o futuro da música pop. Porque é verdade que lá fora a dupla é um sucesso, é verdade que hoje eles são o hype e, acima de tudo, é verdade que os críticos acham que Jack é um guitar hero.

É tudo verdade.

Mas é uma verdade que eu não entendo, não. Existe uma ridícula e ultrapassada mentalidade de que a atitude em rock conta mais do que a própria música. É uma tese que contamina com mais força os jovens desde o advento do punk e que faz com que artistas como Peter Gabriel, Joe Jackson, John Mayer e Dave Matthews virem inimigos públicos. Gente que passa a vida procurando um acorde, aquele acorde. O Radiohed pós-Kid A entende que sua evolução e transformação passaram pelos anos 70 e certamente não foi por Clash, mas por King Crimson, Genesis. mas ninguém fala isso. Ou não sabe. Porque nunca ouviu nem Genesis, nem King Crimson, nem nada que denotasse qualidade harmônica.

No Free Jazz em que o Sigur Rós virou estrela num mar de apagados, lembro-me que Gabriel Thomaz, dos Autoramas, dizia que o som dos islandeses era lindo. Ele próprio um egresso do punk, entendi ali que tal declaração poderia levá-lo ao plácido mundo da música mais apurada, do jazz, do acid jazz, ou quem sabe aos nomes já citados no parágrafo anterior. É essa a minha esperança. Que um hype do pop-rock leve a um passado que não comece nos Sex Pistols, nem nos Ramones, mas nos Beatles ou no Doors. Que a nova cara musical do Red Hot Chili Peppers seja vista como uma busca de qualidade harmônica, em vez de ser tratada como "apelo comercial" ou "prostitutos do rock". Que o Elbow seja visto como a salvação do rock e não o White Stripes.

Tá bom, a minha esperança já morreu. Mas não me entrego. Eu não engulo o White Stripes.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no recém-inaugurado site Laboratório Pop. (Reproduzido aqui com a devida autorização do autor.)


Mario Marques
Rio de Janeiro, 29/1/2004


Mais Mario Marques
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2004
14h55min
prá ser sincero, ouvi 3 músicas do White Stripes e... não gostei; realmente não dá pra engolir...
[Leia outros Comentários de José Aparecido]
9/2/2004
08h05min
Sua coluna foi um desabafo. Você tocou em verdades dolorosas pra muitos ouvidos que se julgam "especiais". Não acho que é culpa do Punk, este tipo de movimento teve sua razão de ser e funcionou. O problema são as reedições... E a culpa é do sistema, dos valores que ele prega, da necessidade de construir mitos e heróis que vendam valores que lhes interessem... Acabamos por supervalorizar alguns talentos razoáveis que surgem por aí e assistir a enganação de bandas bem maquiadas como White Stripes. Radiohead é o melhorzinho, mas a turma Brit já cansou. O POP de tanto se reciclar sobre futilidade, está secando...
[Leia outros Comentários de Patricia Rocha]
9/2/2004
08h19min
Vou encaminhar seu artigo a amigos. O que posso dizer é que não é que o punk é um lixo (porque é mesmo). Essa é a proposta. Quebrar com os pré-conceitos que viram populares e 'mitificam-se' como a verdade dos livros sagrados). Eu, como amante da musica (e instrumentista), tendo a gostar do maior nº de estilos musicais que puder ter contato, respeitando o gosto alheio. Assim como respeito sua opinião, acrescento que, se se diz que White Stripes e Strokes são o que se tem de novo no rock e vc acredita nisso, meu velho, estais perdendo seu tempo pois isso vai passar e tem muita coisa muito melhor por aí, perdida nos bares, esperando ser descoberta. Strokes, sabemos que é banda de filho de produtor, de estilista. Tem um fim, que é ser popular. O Sonic Youth nunca quis ser pop. Eles viram o Nirvana crescer, se repruduzir e morrer. Eles já estavam lá há muito tempo e não se deixam levar pela promessa de céu que o mercado extremamente capitalista da musica se tornou, depois da descoberta dos Beatles. O Sonic Youth é o melhor exemplo de banda que faz o que quer, quando quer e ainda bebe do mercado quando lança 'Dirt' e 'Goo' (dois discos -e os unicos- com musicas pra tocar no radio). Enfim, se o WS está lá é porque quer. Se ouvem e consomem, é porque querem. Tem musica para todos os gostos. Se não te satisfaz isso que é mostrado pela grande midia, olhe para o lado.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
13/3/2004
14h13min
É de lamentar, mas já faz tempo que tudo o que é feito no mundo da música tem de vir acompanhado de uma propaganda maciça. O público em geral só conhece aquilo que lhes empurram goela abaixo. O mundo é muito maior do que pensamos, algumas pessoas sabem disso, a grande maioria não. E para falar a verdade, não é todo mundo que realmente se interessa ou sabe identificar uma música de boa qualidade. No geral, o que todos querem é consumir a última "novidade" para "ficar por dentro", "ter atitude" e "se sentir alguém".
[Leia outros Comentários de Virgílio Lamaignere ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECLARANDO-SE CULPADO
SCOTT TUROW
RECORD
(1993)
R$ 15,00



PRIORIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS SOB LIMITAÇÃO DE RECURSOS
FAUSTO ALFREDO CANALES, CARLOS ANDRÉ B. MENDES UND ALEXANDRE BELUCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



ALMANAQUE DO PENSAMENTO - 100 ANOS
VARIOS AUTORES
PENSAMENTO
(2012)
R$ 16,99



NORMAS DE APRESENTAÇÃO TABULAR
RAUL ROMERO DE OLIVEIRA
IBGE
(1967)
R$ 30,00



GRUNDWORTSCHATZ DEUTSCH; ESSENTIAL GERMAN; ALEMAN FUNDAMENTAL
HEINZ OEHLER; CARL HEUPEL
ERNST KLETT VERLAG
(1968)
R$ 22,28



O GENE DO MILAGRE
MICHAEL CORDY
RECORD
(1997)
R$ 4,00



MATEMÁTICA AULA POR AULA 3ª SÉRIE DO ENSINO MEDIO
XAVIER & BARRETO
FTD
(2005)
R$ 14,00



DICIONARIO PRATICO ILUSTRADO HISTORIA GEOGRAFIA TOMO III
DICIONÁRIO LELLO
LELLO LAROUSSE
R$ 5,00



MACHADO DE ASSIS - LITERATURA COMENTADA
ABRIL
ABRIL
(1980)
R$ 4,00



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês