Ensaios sobre o silêncio | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 21/9/2004
Ensaios sobre o silêncio
Luis Eduardo Matta

+ de 6600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Meses atrás, após uma extenuante maratona de compromissos matinais que avançaram pela metade da tarde, fui almoçar num restaurante de comida a peso, próximo de onde eu me encontrava. O estabelecimento achava-se às moscas, salvo pelos poucos garçons e demais funcionários, afinal já passava bastante do meio-dia e do horário usual de almoço num dia normal de semana. Apesar disso, o televisor instalado no salão, que ficava preso à parede por um suporte, permanecia inexplicavelmente ligado em alto volume, gritando sua sofrível programação vespertina para uma audiência inexistente. Depois de me servir, indaguei casualmente a um dos garçons se não seria o caso de desligar o aparelho, já que ninguém o estava assistindo e não havia nenhum freguês no restaurante além de mim. Notei que ele hesitou, antes de fazer um aceno solícito de concordância e afastar-se à francesa. Desnecessário dizer que o televisor permaneceu a toda até o momento de eu ir embora e, provavelmente, só foi desligado quando o último funcionário encerrou seu expediente, a menos que um rádio tenha sido ligado no seu lugar.

Nesse dia, eu reforcei uma percepção que me acompanhava havia muito tempo: a do quanto é difícil para as pessoas hoje em dia, conviver com o silêncio ou, até mesmo, deixar-se afetar por ele, ainda que por alguns poucos instantes. É preciso haver sempre algum som por perto, não importa qual, desde que ele preencha o ambiente, aliviando-o da opressão que a ausência de ruídos impõe. O silêncio constrange e ameaça, na medida em que escancara as portas que unem as pessoas ao seu íntimo, muitas vezes pondo em relevo sensações, temores e anseios que elas prefeririam conservar ocultos e esquecidos. Isso explicaria, entre outras coisas, a razão de vivermos numa sociedade assaltada por toda sorte de barulhos, da sinfonia de motores nas ruas, a caixas de som berrando nas lojas, passando por televisores num restaurante vazio, sintonizados num canal qualquer. É uma maneira fácil de se distrair e, assim, não correr o risco de, subitamente, ter de pensar sobre si ou sobre o sentido da própria vida.

Foi embalado por essas reflexões que iniciei, curioso, a leitura de O Silêncio Primordial (tradução de Eric Nepomuceno e Luís Carlos Cabral; José Olympio; 192 páginas; 2003), belíssima reunião de ensaios de autoria do professor, tradutor e membro da Academia Argentina de Letras Santiago Kovadloff, que levou quatro anos para concluí-la. Os textos, escritos numa linguagem densa, porém fluente e repletos de referências a filósofos, escritores e pensadores, incluindo Hegel, Schopenhauer, Borges, Bertrand Russell e Ortega y Gasset promovem uma análise aprofundada, visceral e bastante poética do silêncio, no intuito de desnudar suas diversas facetas e sentir intimamente todo o seu poder, escondido sob uma falsa aparência de vazio inofensivo. A proposta de Kovadloff, devidamente expressa na introdução da obra é discorrer sobre o "silêncio que não cumpre a função de maquiagem e que, como tal, não encontra, nem pode encontrar equivalência na palavra". Do mesmo modo, ele afirma que sua análise decorre de uma visão muito pessoal e, portanto, discutível, passível de ser rebatida. É uma atitude correta, já que se trata de um tema muito subjetivo e, por isso mesmo, sujeito às mais diferentes interpretações. Não sei se Kovadloff fez essa declaração, como uma forma de se antecipar a eventuais críticas. Tenho certeza, porém, de que sua ótica particular sobre o silêncio, após a leitura atenta do livro, passou a ser partilhada por muitas pessoas.

O Silêncio Primordial é composto por sete ensaios que se debruçam sobre a presença do silêncio em diversas áreas como a poesia, a psicanálise, a pintura e a matemática. Dentre todos, dois me marcaram particularmente: os que abordam a religião e o amor. Quando Kovadloff, já nas últimas páginas do livro, afirma, por exemplo, que "o amor é o fracasso de toda ilusão possessiva" e que "é em virtude da sua constituição que o silêncio amoroso encontra na carícia o meio adequado para a manifestação de sua melhor eloqüência", senti-me definitivamente recompensado pelas prazerosas horas gastas - ou seriam investidas? - em seus textos. A abordagem que ele faz da relação íntima entre amor e silêncio é a que melhor traduz, a meu ver, a idéia de "silêncio primordial", que seria tudo aquilo fortemente presente na existência humana e, ao mesmo tempo, impossível de ser definido, ou ao menos totalmente explicado, através da palavra.

Se há algo que lamento, é só ter sido apresentado a O Silêncio Primordial recentemente, transcorridos mais de dez anos desde o seu lançamento, na Argentina. Graças ao livro, pude valorizar ainda mais o silêncio, compreendê-lo melhor e até aprender em que circunstâncias empregá-lo. Afinal, o silêncio é, muitas vezes, a melhor arma para, por exemplo, reagir aos infortúnios e traições, para preservar-se da dor inútil e fazer frente a situações infames e indecorosas que a índole vil de pessoas abjetas e sem caráter, volta e meia tenta nos impingir. É uma pena, no entanto, que uma das maiores qualidades do livro seja, também, um dos seus principais empecilhos: a linguagem, muito rebuscada e pesada para o leitor médio. Digo isso porque se trata de uma leitura realmente valiosa, numa época em que o silêncio é tão raro e desvalorizado, quando não temido. Ainda mais se considerarmos que vivemos numa sociedade carente de reflexões, onde os referenciais tornaram-se turvos e temporários e onde as pessoas sentem-se perdidas, sem uma noção do seu papel num mundo incerto, angustiante e em permanente mutação.

Filosofia de botequim

Um dos melhores blogs em língua portuguesa no ar hoje, na minha modestíssima opinião, é o Filosofia de Botequim, do meu velho amigo Daniel Malaguti, advogado e escritor que, andava afastado da Web, desde que resolveu tirar do ar o seu blog anterior, o ótimo Notas da Jornada. Sempre se valendo de um considerável embasamento teórico e de uma ironia fina e lancinante, somente encontrada nos grandes pensadores e articulistas, Malaguti observa e discute os rumos da sociedade, do Brasil, do mundo e do ser-humano na sua incontrolável e acelerada rota de decadência.

Uma das suas últimas pérolas foi ao ar na semana passada. Intitulada "Uma Aplicação da Psicologia Evolucionista", Malaguti levanta a polêmica tese, que fará a alegria dos sedentários, de que pessoas que praticam esportes são seres não-evoluídos. Também merece atenção o post "O Perigo do Genérico (não é sobre remédios)", de 17 de agosto, no qual ele analisa de forma magistral amparado, inclusive, nos seus conhecimentos jurídicos, a iniciativa do governo de criar um Conselho Federal de Jornalismo.

Filosofia de Botequim tornou-se uma leitura obrigatória e já devidamente incorporada ao meu itinerário semanal de navegação pela Web. Quem fizer como eu, certamente, não se arrependerá.

Uma rua conta sua história

Tomei conhecimento essa semana de um interessante projeto da prefeitura do Rio de Janeiro, desenvolvido pelas técnicas da Associação Cultural de Estudos Contemporâneos (ACEC) Marta Klagsbrunn e Susane Worcman. Batizada de Uma Rua Conta Sua História, a iniciativa tem por objetivo resgatar a memória de alguns bairros do Rio de Janeiro, através de monumentos instalados em vias públicas. No dia 14 de setembro, foi a vez de Santa Cruz, região que, no passado, abrigou padres jesuítas, artistas e, onde também o imperador D. Pedro I comemorou a independência do Brasil, receber o projeto.

Infelizmente não pude ir a Santa Cruz para ver de perto, mas fiquei sinceramente satisfeito em saber que iniciativas como essa - que se propõem a estreitar a relação do espaço público com seus moradores, fazendo com que estes passem a valorizar mais o lugar onde vivem -, estão se tornando freqüentes. Agradeço desde já a Marta Klagsbrunn por ter entrado em contato para me contar do trabalho e torço para que ele se espraie por muitos outros bairros cariocas.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 21/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sultão & Bonifácio, parte I de Guilherme Pontes Coelho
02. As novas estantes virtuais de Luis Eduardo Matta
03. Revelando a Ditadura: entrevista com Carlos Fico de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
04. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2004
08h58min
Seus textos sempre abordam temas muito importantes e hoje especialmente você fala do silêncio. O exemplo que você cita é muito bom porque, nos dias de hoje, a maioria dos restaurantes e lanchonetes estão equipados com TVs ou telões que funcionam o tempo todo e com o som numa altura que perturba. Até para se conversar é preciso ser aos gritos. O mundo de hoje se transformou num grande shopping e as pessoas são induzidas a viver em ritmo de Disneylândia. Parece que é preciso estar sempre fazendo coisas e em meio a muito ruído. E o máximo da alegria é ir a uma danceteria e ficar zonzo com o barulho e os aditivos. Com certeza isso evita a reflexão, o que é uma marca dos nossos dias. Viver o que as novelas apregoam é ser feliz e pronto! O resto é correr o tempo todo atrás de dinheiro! Sem parar. Quem não tem o que fazer não é importante! O silêncio incomoda justamente porque nos leva a reflexões. E as reflexões são supérfluas e até incompatíveis num mundo onde é preciso vender, criando mercado para todas as porcarias e o ser humano não passa de um número no mercado de consumo.
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho]
7/10/2004
23h13min
Adorei seu texto! Sempre me questionei sobre o silêncio e tudo que vc escreveu foi como se saísse de dentro de mim ! Seguirei seus passos, em silêncio.
[Leia outros Comentários de leila]
15/10/2004
11h34min
Caro Luis Eduardo Matta, O artigo sobre o livro "Ensaios sobre o Silêncio" é acima de tudo didático, pois a maioria das pessoas não tem a menor consciência da importância da prática do silêncio para uma vida saudável e próspera. Sou praticante da meditação há muitos anos e sei o tesouro que habita o interior silencioso de cada um de nós. Um dos astronautas que foi à lua comentou certa vez que ficara impressionado com o silêncio do espaço sideral, em comparação com o ruído da vida na Terra. O ruído quem faz é o homem, pois a vida é essencialmente silêncio. Parabéns pelo ensaio. Abraço.
[Leia outros Comentários de José Diney Matos]
21/10/2004
13h34min
Você sabe que, ontem, eu e um grupo de amigos estavamos falando exatamente disso? E nos questionavamos se o silencio existia, e como seria a sensação de total ausencia de sons? Por exemplo, no meu quarto agora, se eu parasse de teclar estaria em silencio, mas logo ouço o barulhinho do relógio. E depois do relógio, tem uns outros sons constantes, como os da energia elétrica, etc. Ficamos tentando imaginar um lugar realmente silencioso... pensamos no vacuo (começamos a pegar pesado, hahaha). Mas será que o silencio do vacuo era realmente silencioso? Caramba! O silencio existe?
[Leia outros Comentários de Carolinne Assis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TOQUE - MÉTODOS E MILAGRES DE CURA
M. A. DOUG HEYES
MADRAS
(2018)
R$ 34,90



INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS
PIERRE JACCARD
LIVROS HORIZONTE
(1977)
R$ 24,82



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 15,00



THE HOLLOW EARTH
RAYMOND BERNARD
ADVENTURES UNLIMITED PRESS
(2009)
R$ 35,00



ORAÇÃO QUE TRANSFORMA
SUELY BEZERRA
FÔLEGO
(2009)
R$ 10,00



A 8 SERIE C
ODETTE DE BARROS
MUNDO JOVEM
(1987)
R$ 11,00



OS TERRITÓRIOS DO REINO DE DEUS:
MARCUS CASTRO FARIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



O SELF ESSENCIAL
WILL SELF
ALFAGUARA BRASIL
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis



CLARA-COMO-O-SOL, ESCURO-COMO-A-NOITE 2º EDIÇÃO
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2005)
R$ 4,00



SÓCRATES ENCONTRA SARTRE
PETER KREEFT
VIDE EDITORIAL
(2013)
R$ 150,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês