O carnaval e a cidade | Almandrade | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
>>> Sobre Sherlock Holmes
>>> 7 de Setembro
>>> Onde moram as crônicas
>>> Onde moram as crônicas
>>> Vida de Escritor no Catarse
>>> Henry Ford
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> A casa da Poesia
>>> De Auschwitz a ClubMed
Mais Recentes
>>> Nicolau tinha uma ideia de Ruth Rocha pela Quinteto Editorial (1998)
>>> Alex e os índios terenas de Denis Cruz pela Cpb Didaticos (2010)
>>> Já já - a história de uma árvore apressada de Paulo Rea pela Atica (2009)
>>> Tenho medo mas dou um jeito de Ruth Rocha pela Salamandra (2009)
>>> A revolta dos números de Odette de Barros Mott pela Paulinas (2011)
>>> Crianças famosas Toulouse-lautrec de Tony Hart pela Callis (1996)
>>> E o redemoinho levou de Alina Perlman pela do Brasil (1988)
>>> Como animar um grupo princípios básicos e técnicas de Maria José Aguilar Idánez pela Vozes (2004)
>>> Good-bye, Mrs. Parker de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> Swallow Valley Stage 2 de Eduardo Amos pela Moderna (1997)
>>> Socorro! preciso de motivação de Luiz Marins pela Harbra (1995)
>>> A Metamorfose de Franz Kafka pela Lafonte (2019)
>>> Made in Africa de Câmara Cascudo pela Global (2002)
>>> Lendas Brasileiras de Câmara Cascudo pela Global (2002)
>>> Cultura popular e educação salto para o futuro de René Marc da costa Silva pela Unesco Mec
>>> Alfabetização E Letramento de Magda Soares pela Contexto (2010)
>>> Diversidade de Núria Roca pela Ibep Jr. (2011)
>>> O Nome da Rosa de Umberto Eco pela Biblioteca Folha (1500)
>>> O cidadão de papel de Gilberto Dimenstein pela Atica (2000)
>>> O reizinho mandão de Ruth Rocha pela Quinteto Editorial (1997)
>>> Pedro compra tudo de Maria de Lourdes Coelho pela Cortez (2010)
>>> Cascudo, o Jabuti Jururu de Nildo Lage pela Prazer de Ler (2007)
>>> Casa de delicias de Sonia Rodrigues Mota pela Formato (1995)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Lafonte (2020)
>>> Por que as mulheres amam os homens fortes? de Elliott Katz; Andrea Holcbeg pela Sextante (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/1/2006
O carnaval e a cidade
Almandrade

+ de 3900 Acessos

A festa e a transgressão fazem parte da natureza do homem. São dispositivos acionados pelo homem para resgatar estados de alegria ou transe, no conflito entre o sagrado e o profano. O carnaval, além de ser uma festa que contamina toda uma cidade, é uma forma de apropriação urbana que altera sensivelmente a imagem, a ordem e os valores que regem e fazem o estilo de vida dos outros dias do ano, fazendo da cidade o lugar de uma orgia coletiva. Não podemos desconhecer que "o erotismo é um dos aspectos da vida interior do homem" (Bataille). Mas o que vem acontecendo ultimamente é uma espécie de publicidade do sexo onde o erótico é apenas uma mercadoria do circuito de economia libidinal, muito bem aproveitada pela indústria do turismo e pela mídia, resultando em retornos significativos para a economia dominante. Portanto, o cotidiano material e simbólico se reproduz no carnaval, fazendo da rebeldia um comportamento possível e suportável de distração e recuperação da força de trabalho.

Os sacrifícios das sociedades primitivas, como o potlatch, eram meios de devolver ao mundo sagrado o que a relação servil do homem com o trabalho tornou profano. O trabalho recalcou a "intimidade", e esta passou a ser recuperada nos cultos, nas oferendas aos deuses, nas festas, nos sacrifícios, nas chamadas "despesas improdutivas". "Em seus mitos estranhos, em seus ritos cruéis, o homem está antes de tudo em busca de uma intimidade perdida" (Bataille). A ocupação da cidade por um ritual frenético, que tem o riso e o erótico como desarticuladores da seriedade do mundo da mercadoria, é, sem dúvida, o sacrifício da sociedade moderna, onde tudo pode ser reciclado para o espetáculo da mercadoria. Hoje, o carnaval é uma mercadoria exótica e pitoresca, que interessa principalmente ao viajante de lugar nenhum, o turista, muito bem produzida, embalada e vendida, durante todo o ano.

A atividade do ano não é redutível à reprodução, conservação e consumo. George Bataille a divide em duas partes: a primeira diz respeito ao uso do mínimo necessário, para os indivíduos de uma sociedade, manter a conservação da vida e a continuação da atividade produtiva. A segunda se refere às despesas improdutivas: as festas, os cultos, o luxo, os jogos, os espetáculos, etc. O carnaval faz parte dessa categoria de despesa, sua função é desperdiçar o excedente, o que precisa ser gasto. As manifestações políticas, étnicas e culturais, pulsões recalcadas, revoltas sociais fazem parte do circuito da economia simbólica. Se a cidade é o centro das operações mercadológicas do capitalismo, durante o ritual carnavalesco, ela é reorganizada, por um urbanismo meio perverso, para permitir a comercialização e o desperdício do erótico, da libido e da violência. A cidade é percorrida pelo lúdico, pela sedução e até pela apelação direta ao sexo, como registra as campanhas dos preservativos. Mas este desperdício e esta socialização promovidos pela orgia contagiante, não estão em contradição com a cumulação e concentração de renda.

A festa invade o centro e os subcentros da cidade, imprimindo uma outra paisagem física e social. O lugar do trabalho, da produção e do consumo, das atividades humanas de conservação e reprodução é destinado a outras atividades, outras marcas e outras identidades. Uma estranha cidade portátil é construída dentro da antiga, tendo as barracas de bebidas alcoólicas como principal serviço urbano. Uma multidão consumidora e espetacular, e um território fantasmagórico se erguem, subvertendo momentaneamente a aparente racionalidade urbana. Se na análise de Jean Baudrillard, a sedução é mais forte que o poder, a produção e até mesmo a sexualidade, o carnaval parece comprovar tal afirmação, quando não faz uma apelação agressiva do sexo. Neste audacioso ritual de libertinagem, patrocinado pelo poder e pelo "bom senso" de uma sociedade indiscretamente moralista, a cidade é o palco da sedução.

Entre o homem e o mundo existe a linguagem. Uma pele semiótica transparente, sem a qual o homem estaria isolado, sem relacionamentos e sem limite diante do conhecimento das coisas e dos seres. A convivência na cidade implica no domínio de uma linguagem; o urbano tem seus códigos que legisla seu uso. O carnaval como uma performance de transgressão e inversão do sistema de signos urbanos, desfaz o código cotidiano de relacionamento do sujeito com a cidade, estabelecido pelo compromisso produção/consumo, e inventa uma semiótica determinada pelo excesso, pela ironia e pelo grotesco. Na imagem da cidade do carnaval é determinante a sintaxe da obscenidade, da orgia, da perversão simbólica. A violência, motivada por vários fatores, faz parte da festa e contribui na definição da imagem e da publicidade do carnaval.

Sob o efeito do carnaval, a cidade troca de função e de sentido. A sinalética usual passa a ser um conjunto de significantes mortos e é substituída por uma outra que sinaliza o urbano nos dias do império do Momo. A cidade troca de som, de cheiro, de visual, e uma multidão invade as ruas e praças embriagada pelo ritual. Sujeitos urbanos voltam simbolicamente ao estado tribal; fantasiados, assumem outras identidades, atrás de outras expectativas. O urbano torna-se um espaço terapêutico, onde transita paralelamente a economia política e a economia libidinal. As rígidas divisões: público/privado, sagrado/profano são suspensas temporariamente para liberar os fluxos das energias reprimidas. O carnaval forja uma realidade, assim como a sociedade para legitimar as relações de poder, inventa um princípio de realidade igualmente autoritário. Com uma diferença no carnaval, não existe uma lógica fora da paródia e da excessividade, imperando um simbolismo total e um jogo de sentidos onde as regras são improvisadas a todo momento.

O antigo centro da cidade do Salvador é ocupado por um acontecimento excêntrico, na história da cidade, mas que se repete todos os anos, durante o verão, como um fenômeno de massa, cada vez mais industrializado e menos espontâneo. O centro histórico, que já esteve ameaçado de abandono e decadência, volta a ser o cenário principal do grande baile eletrizado de multidões que escaparam do mundo do trabalho. A praça Castro Alves é o auge, uma das principais zonas erógenas do carnaval, onde quase tudo acontece; é disputada palmo a palmo por foliões que redescobriram o corpo e sua energia. Mas as relações de trabalho não foram totalmente abolidas, existem os operários do carnaval, que são: os músicos, os funcionários dos trios, seguranças dos blocos, os policiais mobilizados para manter a ordem e conter a violência, os funcionários de saúde de plantão, os vendedores improvisados, os barraqueiros, as baianas de acarajé, os jornalistas, etc. Eles formam uma infra-estrutura mínima de serviços que garantem a realização da festa.

Toda a rebeldia "surrealista" que aparece na imagem do carnaval é solidária com o realismo diário do mundo do trabalho, do lucro e da exploração. A instituição carnaval, com toda sua carga simbólica, não escapou do processo de administração empresarial capitalista. Por exemplo, os blocos são organizados como empresas reproduzindo a divisão social, racial e sexual, além de, independentemente da festa, a parte burocrática e financeira funciona durante todo o ano. Surge uma nova e simbólica noção de propriedade privada, o percurso da rua é lotado entre blocos com seus trios elétricos exclusivos, contornados por uma corda e seguranças, não sendo permitido, naquele território, foliões sem a fantasia do bloco. O trio elétrico, na atualidade, é mais um produto de uma engenharia musical, que não importa muito a qualidade da música, reunindo em torno de si uma comunidade selecionada de foliões.

A cidade é um texto, sempre reescrito e reinterpretado, a todo instante confirma o "hiper-realismo" do carnaval que magnetiza e subverte o sentido do espaço físico com a autonomia do simbólico. A volúpia da cidade mundana, a hemorragia do desejo recalcado, a circulação do sexo e a descontração frenética são as referências do processo de significação, marcantes da paisagem urbana na cidade do carnaval.

Nota do Editor
Almandrade é artista plástico, poeta e arquiteto.


Almandrade
Salvador, 26/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seleção, que sufoco de Adriana Baggio
02. Se um dia, uma culta viajante... de Ana Elisa Ribeiro
03. Lula Já É Um Coitado de Alexandre Soares Silva
04. Transei com minha mãe, matei meu pai de Paulo Polzonoff Jr
05. Breakfast at Tiffany's de George Cantelli


Mais Almandrade
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rabos de Lagartixa
Juan Marsé
Arx
(2004)
R$ 5,00



Robinson Crusoé
Daniel Defoe
Abril Cultural
R$ 10,00



Noções de Geometria Descritiva Mudanças Rotações Rebatimentos Problema
Virgilio Athayde Pinheiro
Ao Livro Técnico
(1965)
R$ 14,00



Táxi Chuvoso
Suzana Nunes de Morais
Sette Letras
(1997)
R$ 8,00



Controle de qualidade--as ferramentas essenciais.
Robson seleme e humberto stadler.
Ibpex
(2008)
R$ 14,00



Ponto 16
Jocy de Oliveira, Arlete Soares, Mac Adams
Sesi sp
(2018)
R$ 5,00



A Ciências da Biologia Vol. 2
Martho e Amabis
Ed. Moderna
(1983)
R$ 7,00



Curso Intensivo Sobre o Amor
Steve Ward, Joann Ward
Sextante
(2012)
R$ 13,00



Enciclopédia da Beleza Feminina - a Mulher e o Seu Bem Estar
Vários Autores
Expressão e Cultura
(1968)
R$ 9,00



Míni Larousse da Música
Nereide Schilaro Santa Rosa - Ivo Minkovicius
Larousse Júnior
(2009)
R$ 10,48





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês