Crônicas do ordinário | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/10/2007
Crônicas do ordinário
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Às vezes, as pessoas contam histórias bonitas sem ter a noção do que elas [as histórias] sejam. Nem mesmo de que sejam crônicas de um dia comum, da vida mais amena de que se tem notícia. Fomos adestrados para acompanhar a macro-história, os grandes eventos, as vidas das celebridades. Para que se tome consciência de que os episódios prosaicos merecem registro, é preciso que alguém use lentes de enxergá-los. E as lentes, muitas vezes, ficam guardadas. À maneira da dança ou dos esportes, ficamos inábeis se ficamos tanto tempo sem usar esses filtros. Fazer crônica é enxergar o avesso dos eventos. Os deseventos, desinventar o notável, inventar o quase invisível, observar as coisas quando elas são despistadas, discretas, aliviadas do peso de serem epopéias.

Grande parte das vezes, escrevo sobre nadas. Ou quases, que são ainda mais interessantes. Usurpo histórias que nem são minhas, propriamente. Mas são, quando percebo que foi por um triz que não aconteceram comigo. Se me contam algo, vejo logo uma fresta por onde deixar escaparem os textos. Penso logo nesta coluna, minha janela para as identidades que nem são minhas. Há quem evite de me contar histórias porque, para eles, talvez eu seja uma fofoqueira. Há quem tenha pavor de ter sua história contada aos quatro ventos. Mas nem saberão que são eles os felizardos de viverem tanta pequena coisa gostosa.

Dessas histórias, ouvi uma ontem à noite. Caiu-me de presente nos ouvidos, como se não fosse nada. Depois de um dia cansativo, desastrado, alguém me presenteia com um texto pronto. Só me faltava limar as beiradas para que ficassem arredondadas.

O francês Roland Barthes, lido com rigor durante a graduação, adora metáforas gastronômicas. Não estive cansada de lidar com as semelhanças entre saber e sabor, de etimologias parentes. Ou de pensar a delícia do gosto das palavras. Palavra, gente, precisa saber degustar. E isso a gente aprende, porque está aqui, nos nossos cinco sentidos mais primários. Todo mundo tem. Não sabe é porque ainda não sentiu o gosto. Não saboreou, melhor assim.

Foi esta história gostosa que Maria do Carmo me contou. Assim, de leve, como quem conta que sonhou na noite passada. Daquelas narrativas sonsas, num final de expediente, depois de atender ao telefone. Estava ela falando com o filho, na minha frente, no celular. Sem graça, porque parece que para alguns ainda é falta de educação fazer o que é privado no espaço público. Mas apenas alguns têm ainda esse comportamento. Maria do Carmo está entre estes.

Falava ao telefone numa ternura imensa. Eu mexia nuns papéis, para deixá-la à vontade na tarefa de conversar com o rapaz. Mas não me continha e escutava com admiração o que ela dizia; ainda mais, me derretia com o jeito apaixonado dela no telefonema.

Falaram rápido. E eu não pude abafar minha curiosidade. Perguntei: algum problema? E ela me contou o seguinte, assim, nesta voz calma de quem tem certezas tranqüilas: "Estava tentando marcar um almoço com meu filho. Chega uma época em que os pais começam a ter que agendar encontros com os filhos". E ela sorria, mansamente. Havia saudade em seus olhos, mas nada que a abalasse.

"Meu filho não mora mais comigo. Decidiu morar sozinho faz um tempo. Mas mora perto da minha casa. Quando ele morava lá em casa, quase não nos víamos ou nos víamos dormindo. Ele chegava tarde e eu saía cedo. Daí ele achou que deveria morar só. E depois de um tempo, decidiu que queria aprender a cozinhar. Estamos sempre em contato, via MSN, bilhetinhos nas caixas de correio." Maria do Carmo tinha no rosto um sorriso orgulhoso, carinhoso. "Quis ajudá-lo e então marcamos um compromisso. Toda semana almoçávamos juntos para que ele aprendesse a se virar na cozinha. E para ter sempre o compromisso, convidávamos duas pessoas para comer conosco, às vezes uns amigos, outras vezes um casal." E ela gesticulava docemente.

"A brincadeira na cozinha ficou séria e dei a ele um livro de receitas. Mais adiante, resolvemos escrever nosso livro de receitas. E a coisa foi crescendo. Passamos a registrar, com texto, tudo o que acontecia antes do almoço ou do jantar, a receita propriamente e ainda uma avaliação dos convidados sobre a comida." E ela mexia nos anéis e tinha nos olhos as lembranças de todas as aulas de gastronomia que deu ao filho.

Coisa mais gostosa ouvir Maria do Carmo contar da convivência saborosa com o filho, aprendiz de cozinheiro, aprendiz de feiticeiro, alquimista. Lembrei-me de Adélia Prado, num poema famoso, contando que limpava os peixes com o marido na cozinha, nem tanto pelos peixes ou pelo trabalho que isso dá, mas porque o gostoso eram os cotovelos se esbarrando. A convivência temperada das pessoas que se gostam. Qualquer coisa é motivo para conviver. Basta uma desculpa para passear, caminhar, cozinhar, estudar, conversar, beber, celebrar.

Foi assim, no final do expediente, que esta história me caiu do céu. Semana que vem Maria do Carmo vai almoçar com o filho que mora sozinho. Vou dar meu jeito de saborear um amigo, o filho, o marido, um irmão, antes que precisemos marcar horários em nossas agendas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 12/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
03. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. Arte virtual: da ilusão à imersão de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/10/2007
18h37min
Ana, tenho dois filhos:um de 8 e outro de 16 e percebo que já vivo essa realidade de ter que agendar momentos com eles. Lágrimas me vieram aos olhos. Seus textos são "vivos",resgatam lembranças e promovem alertas. Sempre me emociono. Sou outra após lê-los. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Lilian Rezende]
12/10/2007
19h11min
Ana, seus textos valem sempre a visita, é uma liberdade quase anárquica. Me sinto como um preso que se recusa fugir da prisão. Quando penso em estilo e precisão falo para uma irmã que não te conhece da sua fluência e hoje neste texto pude apreciar uma leveza e um calor quase imaterial. Sua prosa flerta desavergonhadamente com a poesia e é bela. Não sou de rasgar seda, mas hoje você está demais. Um grande abraço, Carlos.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
12/10/2007
21h51min
Ana, não há dúvida de que você faz do ordinário o "extra-ordinário". A Maria do Carmo lhe presenteou com um pretexto e você nos presenteou com seu texto, sua crônica, como sempre, muito mais que um "digestivo", é como uma guloseima, muito saborosa... Obrigada! Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês