Ideia acordou sem acento! | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
Mais Recentes
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> A Estranha Maldição de Dashiell Hammett pela Civilizacao Brasileira
COLUNAS >>> Especial Reforma Ortográfica

Quinta-feira, 13/11/2008
Ideia acordou sem acento!
Marcelo Spalding

+ de 10100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Hoje acordei sem idéia. Tudo bem, ideia acordou sem acento. E esqueceram de avisar ao Word, que acentuou ideia sem eu pedir! Bem, não vai ser fácil, mas esta será minha primeira crônica sob a égide da nova reforma ortográfica. Não vai ser nem um pouco fácil, afinal, nunca passei por uma reforma antes. Desde que aprendi a ler e escrever, ideia tem acento... Mas seria bem mais difícil se eu fosse português. Ah, de facto seria.

Primeiro, é preciso lembrar que a intenção da reforma é mais política e econômica do que lingüística. Embora não elimine de todo as diferenças ortográficas nem pretenda interferir nas culturais, a reforma ortográfica unifica a ortografia oficial do português, única língua importante com duas ortografias oficiais distintas, e por este motivo tem sido chamado de Acordo e não de Reforma. Não deixa de ser reforma, é claro. Mas com olhos mais voltados aos contratos internacionais que, quando redigidos em português, precisavam de duas versões; ao mercado de livros, que se via obrigado a fazer edição especial para além-mar; ou ao continente africano e suas potencialidades político-econômicas do que às reformas que cotidianamente se faz na língua.

Por exemplo: para para pensar. Agora não tem mais acento no "pára", então fica assim mesmo: para para pensar. Talvez essa falta de acento nos faça tropeçar na frase, e aí eu escreveria, como falo, "para pra pensar" e não "para para pensar", o que pode acarretar que daqui a uns cinqüenta anos a preposição para vire definitivamente pra, a fim de diferenciar-se do outro para. Mas agora, pelo menos, qualquer texto em norma culta escrito em Porto, Lisboa, Luanda, Maputo ou Rio de Janeiro terá essa forma: para para pensar.

Claro que a reforma, ou acordo, traz consigo enorme polêmica. Para alguns, a mudança é desnecessária, dispendiosa, coisa de partido de esquerda quando chega ao poder. Para outros, é tímida demais, deveria começar eliminando os hífens e, quem sabe, depois os acentos todos. Particularmente, acho que o grande problema é que a mudança nos faz perceber como o tempo está passando e como precisamos mudar, nos atualizar. Mudar não só o acento da ideia como também as próprias ideias...

Porque mudar o dicionário é como mudar a posição solar, a divisão dos países, a cor da bandeira: desde que nascemos ideia é idéia e, de uma hora para outra, não é mais. E por que não é mais? Pelo mesmo motivo que um dia fora. Esse tipo de mudança numa instituição forte como a ortografia nos faz perceber, portanto, como também nossa língua é fruto de construções, construções que com o tempo se perdem e por isso passamos a tomar as palavras por códigos arbitrários. Mas observe, por exemplo, a palavra discar: daqui a cinco gerações continuarão usando discar com o sentido de telefonar, mas poucos lembrarão que, um dia, os telefones tinham um disco e para se falar com alguém era preciso discar... Outra palavra, para ficar nas afetadas pela reforma: mandachuva. Não tem mais hífen, porque ninguém mais lembra por que se uniu, um dia, "manda" e "chuva" para designar alguém mandão. Ninguém lembra, nem eu, mas alguma razão há de existir.

No frigir dos ovos, tenha a palavra "linguística" trema ou não, as pessoas continuarão tendo dificuldades para lidar com as regras de acentuação ou com a confusa conjugação dos nossos verbos, com as palavras em inglês ― e, agora, em chinês ―, continuarão tomando conta dos dicionários e homogeneizando as línguas e culturas como um todo e, pior ainda, as pessoas continuarão escrevendo pouco, muito pouco. Com ou sem acento, com ou sem hífen.

Para nós, que saímos da escola quando Plutão ainda era um planeta, evidentemente que adaptar-se à mudança será uma epopéia: teremos de desautomatizar a colocação dos acentos e do trema, comprar dicionários novos, mudar o corretor ortográfico do computador. Ou não, porque assim como nos anos setenta uma parcela da população manteve-se conservadora e insistindo no pôrto ou no cafézinho, é possível que muitos se neguem a adquirir novos hábitos e insistam a escrever como aprenderam na escola.

Mas, no final das contas, fique tranquilo, tudo continuará como antes. As assembleias europeias continuarão protecionistas, confusas e poderosas. As mulheres seguirão nuas em pelo nas esquinas das cidades. Grupos antissemitas continuarão existindo, e também grupos antirreligiosos. A Coreia do Norte continuará antipática à Coreia do Sul. Delinquentes continuarão fazendo sequestros relâmpagos. Voos heroicos continuarão matando inocentes sob o aplauso de uma plateia patética diante da televisão. Pseudointelectuais continuarão dizendo que leem poetas neossimbolistas, romances neorrealistas. E eu continuarei não gostando de pera nem de geleia nem de tramoia nem de feiura.

Agora, para terminar esta primeira e trabalhosa crônica sob a égide da nova reforma ortográfica, quero reproduzir, devidamente vertida para o Novo Português, um trecho de "Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica", primeira coluna que escrevi sobre este tema, em novembro de 2007:

"Faraco considera a rejeição à mudança ortográfica proposta apenas um sinal claro de que os falantes de uma língua rejeitam mudanças recentes em sua língua, especialmente se elas mexem na língua culta, onde há forte monitoramento social, mesmo quando elas já são usuárias da mudança. Por isso os mesmos que em casa falam 'a cidade que nasci' ou 'vamos se respeitar' na escola dirão, aos berros, que o correto é 'a cidade em que nasci' ou 'vamos nos respeitar' (isso quando não se hipercorrigirem e inventarem 'vamos nos respeitarmos').

Na base de tudo isso, segundo o gramático, está a vergonha que o brasileiro tem da própria língua e o fato de que 'nossa sociedade é intolerante e preconceituosa, não admite a diversidade'. Mas aí seria tema pra outra coluna, outra palestra e outra polêmica. Por ora, nos interessa apenas lembrar ainda que os países de língua portuguesa que motivam essa disputa 'ortografopolítica', especialmente Angola e Moçambique, libertaram-se de Portugal apenas em 1975, depois de sangrentas guerras coloniais, e só no século XXI conseguiram erradicar as guerras civis patrocinadas em seus territórios por comunistas e liberais, emergindo agora de uma situação de profunda pobreza e despertando o interesse comercial das nações em desenvolvimento. Afinal, trata-se de uma população de 20 milhões de pessoas em Moçambique e 12 milhões em Angola, ambas mais populosas, apesar de tantas mortes e guerras, do que a população de Portugal."


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 13/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Caro Amigo de Carina Destempero
02. Civilização de Daniel Bushatsky
03. A Folia de Reis de Ricardo de Mattos
04. O rock não acabou de Rafael Rodrigues
05. Livro eletrônico? de Rafael Fernandes


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


Mais Especial Reforma Ortográfica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/11/2008
07h07min
Caro Marcelo: Meu primo Pereba, se por algum extraordinário poder do acaso lesse o seu artigo, iria tirar o baseado dos beiços queimados, cuspir de lado e escrever para você: "E a gente que não temo nada com isso, achamo tudo muito porralouca". Então teríamos que dar a ele os sinceros parabéns - escrevera a palavra "porralouca" com a máxima precisão ortográfica dos novos tempos. Um abraço.
[Leia outros Comentários de João Athayde]
22/11/2008
21h49min
Marcelo, a gente demora tanto para assimilar a linguagem e eles, que parecem não ter nada melhor pra fazer, mudam. O que não muda é o alto índice de analfabetismo do país e o imenso número de jovens e adultos com seriíssimos problemas de alfabetização... beijo ;-))
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Destino, Liberdade e Alma
Osho
Planeta
(2017)



Árvores e Madeiras Úteis do Brasil - Manual de Dendrologia Brasil
Carlos Toledo Rizzini
Blucher
(2019)



The Complete Sherlock Holmes Ii
Sir Arthur Conan Doyle
Barnes & Noble Classics
(2007)



Depressao Doenca: o Grande Mal do Seculo Xxi
Carlos Vieira
Vozes
(2016)



Paris Legal
Cynthia Camargo
Best Seller
(1998)



Historia dos Martyres da Liberdade
A. Esquiros
Instituto Historico
(1872)



Levementeleve
Laura Medioli
Leitura
(2010)



Cérebros e Computadores a Complementaridade Analógico Digital
Robinson Moreira Tenório
Escrituras
(1998)



Artrogripose - Minha Vida, Minha História!
Jacqueline Mendonça
Do Autor
(2012)



Um Caminho de Esperança - uma Autobiografia
Lech Walesa
Best Seller
(1987)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês