Procura-se a década de 60 | Sonia Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/1/2002
Procura-se a década de 60
Sonia Pereira

+ de 9100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Alvoroço no salão. Os formandos do 3º ano do ensino médio (na minha época era científico e clássico; depois foi colegial, depois segundo grau e agora, isso!) dançam, conversam, passeiam prá lá e prá cá em bandos barulhentos. Risos, abraços, gritos de satisfação. Os rapazes, com seus ternos alinhados, ensaiam poses e ares de conquista, com suas barbas ainda por fechar, enquanto as mocinhas, já não tão bem comportadas, exibem suas formas plenas em vestidos prá lá de sensuais. Os familiares, conformados, jazem nas cadeiras, ao redor de pequenas mesas. Toalhas brancas, flores ao centro. Não é possível a conversa, não se escuta nada que não seja o ritmo da música alucinante que sai das enormes caixas de som e bate em nossas cabeças como invisíveis bate-estacas. O volume é absurdamente alto. Suspiro: ao menos, a música é ao vivo, estamos prestigiando nossos músicos. Moças e rapazes afinadíssimos, cantando, pulando e dançando dentro do ritmo, o que imaginei humanamente impossível. Comecei a prestar atenção ao show de sons, luzes, fantasias e brilhos. A primeira seleção fora uma seqüência morna de “hits” de orquestras do passado, até todos se acomodarem. Dali em diante, tornou-se inviável a permanência no salão, sem ter os tímpanos arrebentados. Acho que as novas gerações já sofreram a mutação necessária para suportar tal quantidade de decibéis. De minha parte, preferi ficar fora do salão, assistindo ao baile (?) através de um vidro suficientemente espesso.

As seleções foram se alternando: rock, dance, jungle, funk, forró – ôpa! Música brasileira? Bem, é certo que era o tal de forró universitário, mas era música brasileira, afinal. Esse negócio de graduação do forró é uma outra história, que fica para uma outra vez, como diria o saudoso Júlio Gouveia (alguém se lembra?).

Após uma seleção arrepiante de axé, as moçoilas entram no palco totalmente vestidas, à moda dos anos 50, com laços nos cabelos, blusinhas de ban-lon e saias rodadas de bolinhas, é claro! Um pedaço de um cadilac rabo e peixe aparece no meio do palco. Nesse momento, começa o meu espanto, que só aumentaria durante todo o resto do baile. Uma das meninas grita ao microfone: “Vamos lá, pessoal! Vamos recordar os anos 60! Todos comigo na contagem regressiva: uan, tchu, uan/tchu/tri, rá!” Regressiva? Será que a matemática mudou também? E dá-lhe rock-around-the-clock, estúpido cupido, only you, e outras músicas deliciosas dos inofensivos...anos 50!

No início da seleção eu ainda tentei argumentar com o maridão, que é alguns anos mais novo e não se lembra desses detalhes: “está tudo errado! O legal era o Mustang, o Camaro, o Miúra! E não eram essas as músicas! Eram os Beatles, os Rolling Stones, The Doors, The Animals, Hendryx, Janis, a Tropicália, as músicas de protesto, dos festivais...o que é isso?” Aí, caiu a ficha. Vi que poderia ser proposital. Maluquice? Pior que não. Lembrei, de repente, dos outros “shows” e festas dos anos 60 de que meus filhos participaram, das roupas de bolinhas que eu dizia que não eram dessa época, dos rock’s que eles comentavam depois das festas e eu explicava que eram da década anterior e não da de 60. Fui ficando assustada. Essa geração não faz a menor idéia do que quer que tenha sido aquela década no mundo e, principalmente, no Brasil. Não é saudosismo, ou auto-afirmação tardia. Nem vou relembrar as ditaduras, ficar batendo nessa tecla gasta. Apenas, penso que aquela foi a década em que a juventude entendeu e cumpriu com brilhantismo o seu papel transformador, apesar do perigo, das baixas e da reação repressora das gerações anteriores, donas do poder no mundo. Ali deu-se o movimento necessário para a reestruturação da sociedade, das relações pessoais, sociais e econômicas, das questões da liberdade individual e coletiva em todas as áreas do conhecimento e em quase todas as partes do mundo. De repente, as pessoas tomaram consciência do coletivo, apontando para uma possível sociedade amadurecida, um romper de cascas arrasando mitos e tabus, “derrubando prateleiras e dizendo não ao não”. Sabendo a hora de fazer, em vez de esperar. Estava tudo ali, os sonhos, o futuro que se pretendia nas músicas, nos poemas, nas peças de teatro, no SIMCA Chambour, na liberação das mulheres e dos homens dos seus papeizinhos na casinha de brinquedo. Um mundo melhor, mais justo, mais humano. Um mundo livre. Uma pena, o peso do poder foi maior. Mas, tudo mudou desde então, algumas mentiras não mais puderam ser contadas.

Ficamos todos velhos, como nossos pais? Velhos, sim, mas com um entendimento das coisas muito diferente daquele que os nossos pais tentaram – em vão – nos impingir. Não por sacanagem, mas porque acreditavam na estabilidade das coisas. Não queriam correr os riscos de mudar coisa alguma. Não aceitamos, fizemos nossos próprios caminhos, bem ou mal, e pagamos caro pela ousadia. Muita gente boa ficou pela estrada.

Hoje a história se repete, com a imposição, aos mais jovens, de modelos bem comportados e passivos da sociedade, fazendo-os acreditar que a história foi só isso. Bem comportado, o passado. Bem safado, o que se lhes apresenta como o atual, voltado somente para o individualismo, isentando a todos da consciência do coletivo, do poder transformador que só a juventude carrega nas veias. Deve ser coisa de hormônio, sei lá. Só sei que estão transformando nossos jovens em indivíduos com apenas corpo e membros, aptos para produzir e reproduzir. Sem cabeça para pensar e questionar, transformar, ousar. Só desejo que se preserve, ao menos, seus corações, para que jamais se perca a ternura. E que eu possa participar de outros bailes sem susto.

Perguntinha Difícil
Depois do casamento existe alguma coisa? Vida? Sexo? Bem, sobre isso eu posso falar com conhecimento de causa. Afinal, já fui casada algumas vezes, em outras ocasiões nem cheguei a tanto. Não fiquem horrorizados, não sou nenhuma maluca ou promíscua. Apenas nasci e cresci ao sul do equador, onde não existe pecado. Se vocês prestarem atenção, verão que sou uma pessoa até bem normalzinha, trabalho o dia todo, crio quatro filhos, vou ao supermercado, shopping center, reunião de pais e mestres, coisas assim. Só uso jeans e camiseta folgada e comprida. E espero que este seja meu último marido, de verdade. Veja só: além de não atrapalhar, ele abaixa a tampa da privada quando sai do banheiro. E lava as mãos! (Não, não vou emprestar prá ninguém!)

É que eu sou a favor da liberdade de escolha, sempre. Mesmo que seja para escolher ficar com uma só pessoa para o resto da vida, se possível. Isso requer uma dose enorme de sinceridade, o que nem sempre é compreendido como tal. Não dá para ficar com uma pessoa por outro motivo que não seja a nossa própria vontade e prazer. Não é egoísmo, é a verdade. Todos somos assim, com algumas variações prá cá e prá lá, mas quase sempre sobre o mesmo tema. Qualquer coisa antes, durante, depois ou apesar do casamento, só pode existir – e resistir – se houver vontade de ambas as partes e prazer para os dois (ou quantos forem, vai saber). O resto é lenda, é mito. Ou uma mentira deslavada. Não concorda? Pois você é livre para discordar!

Articulações
Outro dia, alguém disse que me considerava uma pessoa bem articulada. Essa afirmação levou-me ao delírio! Não, não por vaidade (foi um elogio?), mas porque fez com que eu fosse tomada por um sentimento Kafkiano de, sem mais nem menos, não ser uma pessoa, mas um enorme inseto cheio de pernas, antenas e...articulações! Ou mesmo um pantógrafo. Alguém aí sabe o que é isso? Não é um fóssil, mas está em vias de. Nos idos de 70, servia como ferramenta de ampliação manual de desenhos e projetos. Cheio de pedacinhos de madeira com dobradiças e furinhos para aumentar ou reduzir a escala dos desenhos. Tá rindo? Pois saiba que usei até um artefato complicadíssimo, chamado régua de cálculo. Não vou explicar essa engenhoca agora, não é o foco da questão. Voltemos às articulações. Do pantógrafo, pulei para a imagem de uma aranha caranguejeira, repleta de patas, pelos e olhos. E um imenso traseiro expelindo fios de seda a jato. Decididamente, essa não era eu. Só tenho quatro patas, ou melhor, membros, e nunca consegui expelir fios de seda pelo dito cujo. Se bem que, pensando melhor, já estive suspensa por um fio em várias ocasiões. De qualquer forma, a aranha não me convenceu. Besouro? Joaninha? Mariposa? Gafanhoto...já sei! O mais articulado de todos: o louva-a-deus. Nem sei se é assim mesmo que se escreve o nome desse inseto prá lá de articulado. E, além de articulado, voraz. Extremamente voraz. Comecei a gostar do bichinho. Já pensou? Você está com alguém e acha que a conversa tá chata. Então...nhac! Engole aquela cabeça, fim de papo. Se gostar de um belo par de olhos, pronto: prato principal. Pensando bem, as popozudas estariam em maus lençóis. Por outro lado, não haveriam mais brigas, separações, não seria preciso construir e manter cadeias públicas, políticos corruptos...epa! Será que ia sobrar alguém? Sei não. Melhor esquecer essa história toda e retornar às minhas próprias articulações. Tá certo que elas já não funcionam muito bem, mas, pelo menos, são inofensivas. Agora, pensando bem, estou um pouco confusa. Será que aquela pessoa disse mesmo que eu era articulada, ou atrapalhada? Ou seria enferrujada? Embalsamada? Esculhambada? Não sei mais. Nem vou perguntar.


Sonia Pereira
São Paulo, 3/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil brochou na Copa de Jardel Dias Cavalcanti
02. De onde vem a carne que você come? de Wellington Machado
03. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
04. Dexter Versus House de Duanne Ribeiro
05. A última discoteca básica de Wellington Machado


Mais Sonia Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2002
01h51min
No auge dos meus 24 anos já me desfiz dessas ilusões sobre os anos 60 e sobre a juventude. Foi a década mais decadente do século XX (os 90 também foram horríveis). A juventude quando quer mudar o mundo só faz porque é manipulada e sempre dá tudo errado. E depois ninguém assume a responsabilidade pelas coisas que acontecem depois. Acho que hoje nem Bob Dylan acredita nos anos 60 (se é que ele um dia acreditou). Ainda prefiro os 50 e rockabilly, sem compromisso com o tal do coletivo. Cordialmente, Emilio
[Leia outros Comentários de Emilio Palma]
3/1/2002
08h28min
É uma pena, mas você só confirma tudo o que afirmei. Mas nem sempre foi assim.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS
DALE CARNEGIE
COMPANHIA NACIONAL
(2003)
R$ 30,00



VENCER É SER VOCÊ
EDUARDO FERRAZ
GENTE
(2012)
R$ 12,00



AS MINAS DE PRATA 2
JOSÉ DE ALENCAR
N/D
R$ 5,00



LOS ILUSTRES MAESTROS
PAULO DE CARVALHO-NETO
VOZES
(1991)
R$ 4,00



SETE LAGRIMAS PARA APOLO
PHYLLIS WHITNEY
RECORD
(1963)
R$ 7,00



ESTICANDO A GRANA
RICARDO HUMBERTO ROCHA E RODNEY VERGILI
CAMPUS
(2007)
R$ 4,40



APRENDA A FAZER PÃO
COORDENAÇÃOCLÁUDIA PICAZZO
TRÊS
(1995)
R$ 30,00



FAUST
CHARLES GOUNOD
EDITIONS PAROLES DAUBE
(1996)
R$ 38,82



ESTADO E ENERGIA ELÉTRICA
ADRIANO PIRES RODRIGUES & DANILO DE SOUZA DIA
INSTITUTO LIBERAL
(1994)
R$ 8,82



DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES DE PROJETOS
MÁRCIO RODRIGUES ZENKER
ELSEVIER
(2014)
R$ 55,00





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês