As décadas são como calças | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
>>> O Suplício do Papai Noel, por Claude Lévi-Strauss
Mais Recentes
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
>>> 60 Histórias para dormir 3 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2011)
>>> Ikebana - Arte japonesa para arranjos d3e flores de Chiang Sing pela Ediouro (1979)
>>> Arbitragem - temas contemporâneos de Selma Ferreira Lemes - Inez Balbino pela Quartier Latin (2012)
>>> A advocacia na mediação de John W. Cooley pela Unb (2001)
>>> Álgebra I de A. C. Morgado - E. Wagner - M. Jorge pela Francisco Alves (1974)
>>> Estruturas Algébricas de Serge Lang pela Ao Livro Técnico (1972)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/2/2002
As décadas são como calças
Daniela Sandler

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Aconteceu. Eu sabia. E chegou, mais ou menos quando eu imaginava. Virei história – eu e aqueles que, como eu, nascidos nos anos 70, cresceram e se criaram nos 80. Mas não estou falando da História, a História solene e monumental dos livros e das retrospectivas com trilha sonora grandiosa. Nessa os anos 80 entraram por assim dizer ao vivo (por assim dizer porque o presente é obviamente histórico), com a glasnost, perestroika, queda do muro, fim de ditaduras, guerras, entre tantos outros Eventos.

Entramos na pequena história, a prima pobre – ou melhor, a prima mais nova (sim, a palavra é intencional, para evocar a História Nova e os Annales ...), a história prosaica, da vida cotidiana. A história, por exemplo, de nossos gostos musicais, das nossas roupas, das nossas formas de sociabilidade – a história das barras das nossas calças (a bem dizer, na barra da história...).

Estreou, há duas semanas, aqui nos EUA, uma comédia televisiva chamada O Show dos anos 80 (That 80’s Show). Passa na Fox, um dos principais canais da tevê aberta norte-americana. O seriado é obra dos criadores do Show dos Anos 70 (That 70’s Show), sitcom que já deve ter uns três ou quatro anos e que, no Brasil, é veiculada em tevê por assinatura.

Fetichismo

Não é novidade que os anos 70 viraram fetiche. Foi no início dos anos 90 que a música e a moda começaram a recuperar ícones da década – música e moda, aliás, são as primeiras áreas a reciclar eras passadas. Músicas “disco” voltaram às graças do público mainstream, assim como calças de cós baixo e boca larga. Grupos de música pop como Dee-lite tinham visual psicodélico – óculos grandes, estampas óticas, tons vibrantes. Não demorou para as patricinhas aposentarem as infames calças “semi-baggy”, trocando-as pelas linhas retas da Levi’s 501 e indo sacudir ao som de Gloria Gaynor e Roberta Flack.

Se a moda e a música são o termômetro mais precoce dessas mudanças, outras manifestações, como o cinema, mostram a tendência um pouco mais tarde – pela própria natureza menos imediata de sua produção. Assim, foi da metade dos anos 90 pra cá que surgiram vários filmes não apenas situados nos anos 70, como – e principalmente – focados em aspectos particulares da década. Em outras palavras, filmes em que a “época” não é simplesmente pano-de-fundo, mas fornece elementos estéticos e semânticos específicos, associados à cultura e ao contexto de que foram “retirados”. Exemplos: Tempestade de Gelo, Bem-Vindos, Boogie Nights, Cassino. Até mesmo filmes “atuais” traziam referências à década – como Jackie Brown, em que Quentin Tarantino escolheu como musa e protagonista Pam Grier, estrela do cinema “blaxpoitation” dos anos 70, e vestiu-a num inesquecível terninho acinturado, de ombros estreitos e calça boca-de-sino, que mereceu aliás toda uma cena do filme.

Lig-escargot

O passo seguinte na consagração de produtos culturais é, naturalmente, a televisão – sinal de que a tendência tornou-se verdadeiramente popular. Se chega à telinha, em geral, é porque não há medo de rejeição – mais ou menos como a praça de alimentação dos shoppings. No dia em que começou a ter sushi fast-food, estava claro que peixe cru não era mais comida que dava aflição (será que um dia vai ter Lig-escargot?).

Enfim, no finzinho dos anos 90, séries, seriados e filmes televisivos voltaram-se para os anos 70. That 70’s Show, na Fox norte-americana, fez o maior sucesso, com figurinos e cabelos caprichados, além de vinhetas caleidoscópicas, músicas de época e piadas temáticas – por exemplo, o casal aloprado que se diverte com a liberação sexual. Outra rede aberta, a NBC (a mesma que passa Friends por aqui), produziu um filme em dois episódios, no ano 2000, que se chamava, simplesmente, The 70’s. Pois é, outro sinal da TV é a falta de sutileza. Se no cinema os anos 70 impregnavam a trama com sutileza, e na maior parte das vezes com profundidade (quando a atenção voltava-se para aspectos éticos, sociais ou psicológicos da cultura da época), as produções televisivas apelaram para a obviedade, como a dizer: “Caso você não tenha notado, esse é um programa sobre os anos 70!”

Mas estou menos preocupada, aqui, com o fato de que a tevê subestima a inteligência dos espectadores, do que com a reificação e o reducionismo com que o tema foi sendo progressivamente tratado. O tal filme The 70’s, por exemplo: produção séria, dramática, sobre jovens virando adultos em meio à turbulência política e social da década. Revoltas estudantis, escândalo de Watergate, movimento pelos direitos dos negros, drogas, seitas religiosas, emancipação feminina – tudo no mesmo caldeirão. A unificação temática? A tal década de 70, ué.

Desnecessário dizer que produções como essa reduzem toda a riqueza e variedade de experiências a estereótipos. Estes, por sua vez, perpetuam uma imagem falsa, romantizada e nostálgica, adulterando a percepção histórica em favor de clichês, idéias-feitas e mistificadas. Em The 70’s, o filme sério, ainda apareciam temas e eventos da época. Já em That 70’s Show, a comédia, sobraram apenas a moda e a música – não por coincidência, se vocês se lembram do começo desta coluna.

That 70’s Show faz sucesso porque seus protagonistas são jovens iguais aos jovens do ano 2002, com os mesmos problemas, inquietações e comportamento, com as mesmas situações e formas de interação. A única diferença são os quilos de laquê – não, nem mesmo as pantalonas diferem. As prateleiras da Gap estão cheias de modelitos parecidos com aqueles usados pelos atores do show.

As décadas são como calças

Quando toda essa onda em cima dos anos 70 começou, não pude deixar de me surpreender. Afinal, cresci nos anos 80, quando a maioria abominava boca-de-sino, cabelão repartido ao meio e cultura hippie. Mas, assim que me acostumei à transformação, me dei conta de que, assim como os anos 70, toda década estaria sujeita à mesma coisa – ao repúdio inicial e à recuperação tardia. Quando vi que as batas indianas não ficariam para sempre no fundo do armário (transformadas, agora, nas blusas e vestidos em estilo “camponês”), entendi que as décadas são como calças: objetos culturais sujeitos à moda e à estilização, à apropriação estetizada e formalista para consumo de massa.

Pois é aí que eu quero chegar. Para começo de conversa (apesar de já estar no meio da coluna), o próprio fato de a gente dividir o século em décadas, e dar a cada década sua etiqueta, é um ato de reificação: é a transformação de um inefável e múltiplo período histórico em uma coisa identificável e contida. Por que não enxergamos o mundo em termos de quinzênios? Por que não contamos as décadas a partir da metade?

Antecipo alguém aparecendo com uma explicação racionalista ou matemática, ou talvez pragmática, em relação aos números, à contagem do tempo, aos algarismos indo-arábicos etc. Mas o problema não está no número, na etiqueta. O problema está em enfiar, sob o rótulo, uma série de noções congeladas, um pacote de digestão fácil. Esse pacote, no entanto, não faz jus à complexidade da época em questão, aos seus diversos eventos e idéias, implicações e significados.

Por outro lado, essa inquietante tendência de transformar épocas históricas em objetos de consumo fornece, sim, insights interessantes – não em relação à suposta época original, mas à época na qual essas representações são formadas e consumidas (digo consumo não apenas na conotação comercial do termo, mas num sentido amplo, como por exemplo de fruição estética ou intelectual). E, talvez, digam respeito a um aspecto mais “intemporal”, por assim dizer, de nossa sociedade.

Pois, afinal, nostalgia não é novidade. Não é de hoje que idealizamos eras passadas, que romantizamos períodos históricos – e que participamos (como autores, atores ou audiência) de eventos que recriam esses períodos, como por exemplo novelas de época, romances históricos, bailes à fantasia, parques temáticos, e – por que não dizer – turismo. Quem não se lembra do sucesso de Anos Dourados, Anos Rebeldes e Que Rei Sou Eu? – para não falar da Escrava Isaura...

Incluo as fantasias futuristas nessa tendência nostálgica – consistem no mesmo processo de objetificação e idealização histórica. Quem duvidar deve examinar produções futuristas de épocas diferentes. 2001, Alphaville e Laranja Mecânica têm características estéticas muito distintas, por exemplo, de Gattaca, filmado vinte anos depois.

O “futuro” dessas produções, é claro, nos fala sobre o seu presente – não apenas sobre o seu design ou preferências de vestuário. Fala sobre angústias sociais, políticas, morais, psicológicas. Alphaville era o pesadelo do totalitarismo, aceso durante a Guerra Fria. 1984, livro que George Orwell escreveu logo depois da Segunda Guerra, reconstrói as angústias do fascismo e da guerra total, ao mesmo tempo evocando a escassez material do pós-guerra em que Orwell vivia. Já o asséptico Gattaca, com os eugênicos protagonistas Ethan Hawke, Uma Thurman e Jude Law, preocupa-se com controle e manipulação genética, terrores da biotecnologia – bem na época da clonagem de ovelhas e da decodificação do DNA...

Disneylândia realçada

Com esses exemplos quero indicar que tanto o passado quanto o futuro nos servem para tratar de angústias presentes, de preocupações relevantes para o nosso tempo – bem, às vezes são preocupações mais duradouras, que vêm do passado, mas que continuam significativas, como o nazismo. Até aí, nada de ruim. O esquisito é quando, em vez de mergulhar com coragem nessas viagens pelo tempo, nos contentamos com o lugar-comum, o pacote barato feito de estereótipos e simplificações. E, quando digo isso, não ponho a responsabilidade somente no “objeto”. Não é um problema de autenticidade – não apenas. A chave está no modo como tratamos o objeto, nossa recepção crítica, nosso engajamento. Exemplo: claro que as reconstruções de monumentos europeus no Epcot Center são uma encenação grosseira, falsificada. Mas nada garante que uma visita ao original produza uma experiência autêntica. Muita gente trata a Europa, ou as pirâmides de Chichen Itzá (México), como uma Disneylândia realçada, objeto de raso consumo estético e sensorial... (Aliás, ouvi dizer que tratam até Auschwitz como parque temático – mas isso é assunto para outra coluna...)

Enfim, o tal Show dos Anos 80 estreou. Na primeira vez, foi engraçado ver imagens e referências da “minha” década. Os topetes. As ombreiras. Os blazers tipo Miami Vice. As leggings rosa-choque. O Duran Duran. Depois a novidade passou. O programa tem cheiro de déjà-vu – mas não é por falar de uma década passada. É por repetir a mesma fórmula. É porque seus personagens, sua trama, seus diálogos são iguais aos do Show dos Anos 70 (que é a versão comédia de Dawson’s Creek).

Fazer o quê? Já me dou por satisfeita pelo fato de as calças semi-baggy não terem voltado às vitrines (alguns estilistas, em temporadas recentes, até tentaram reviver modas dos anos 80, como as mangas-morcego e o sportswear, mas, fora os ombros de um lado só, as tentativas não pegaram). E, enquanto as modas e as décadas vão sendo recicladas cada vez mais rapidamente, eu fico aqui esperando o próximo, o Show dos Anos 90, o filme que vai transformar “ontem” em peça de museu – ou melhor, em peça de leilão.


Daniela Sandler
Riverside, 6/2/2002


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2002
00h10min
Não sou leitor assíduo deste site, mas gostei muito da abordagem de Daniela Sandler sobre o assunto. Ainda não assisti "That 80´s Show" o suficiente para enjoar, mas, mesmo que fique repetitivo, pretendo continuar assistindo para relembrar uma tremenda época através de sons e imagens. Vale lembrar que os anos 80 foram espetaculares e marcantes para o Brasil em especial, principalmente no que se refere à evolução do rock nacional. Parabéns à Daniela e ao site; pretendo ler com calma os artigos anteriores da mesma autora.
[Leia outros Comentários de Mario Luiz C.Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Forró no Engenho Cananéia
Antonio Callado
Civilização Brasileira
(1964)



Inspired Level 1: Workbook
Judy Garton-sprenger, Philip Prowse
Macmillan Education
(2016)



Será Que Eles Falam? - Maio 2015
National Geographic Brasil
Abril



O Sol de Rovenah
Ana Cláudia Jadão
Coerência
(2018)



Ser
Sri Maha Krishna Swami
SMKs



Moral e Sociedade
Della Volpe e Outros
Paz e Terra
(1969)



Cantare Estorias
José Alaercio Zammer
Pleiade
(2011)



Elogio dos Intelectuais
Bernard Henri Lévy
Rocco
(1988)



Eternidade por um fio
Ken Follett
arqueiro
(2014)



Go Starters - Sb (2018)
H. Q. Mitchell
Mm Publications
(2018)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês