Eu só quero chocolate | Marcelo Brisac | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
Mais Recentes
>>> Orientação educacional o trabalho na escola de Regina Leite Garcia pela Loyola (1990)
>>> Navegar é Preciso? de Jack London pela Campus (2000)
>>> A República 3.000 de Menotti del Picchia pela Ediouro (1997)
>>> Lino pequeno de E. B. White pela Elefante
>>> O tesouro do lago da brisa um roubo no zoológico de Hans Jürgen Press pela Ática (1999)
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2006)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
COLUNAS >>> Especial Gastronomia

Segunda-feira, 28/5/2001
Eu só quero chocolate
Marcelo Brisac

+ de 11200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

É quase impossível escrever sobre chocolate sem escrever um livro inteiro sobre o assunto. Ou muitos livros sobre o assunto. A história, o cacau, a degustação, os doces, as doenças e as virtudes. Cada um desses assuntos mereceria um tomo na Enciclopédia do Chocolate. Com essa nota de advertência, começo um pequeno artigo, resumindo minha experiência pessoal, admiração e amor pelo chocolate.

Acho que tudo começou quando eu assisti Willy Wonka e a fantástica fábrica de chocolates pela primeira vez. Oompa Loompas, o refriegerante cujas bolhas fazem você flutuar, o elevador que anda em todas as direções e principalmente a cachoeira de chocolate, fizeram com que o doce fosse mais que uma simples comida para mim.

Depois veio a história. Como qualquer grande realização humana, o chocolate não foi invenção de uma pessoa, mas de gerações e gerações de pesquisadores que "se enxergaram mais longe, foi porque subiram nos ombros de gigantes que os antecederam" . Na astronomia, tivemos Ptolomeu, Copérnico, Tycho Brahe, Kepler, Galileu e Newton. Na música, Monteverdi, Bach, Haydn, Mozart, Beethoven e Wagner. No chocolate, podemos começar com Cortés que levou a amarga bebida Azteca chamada tchocolatl para as cortes européias. Em 1850, Henri Nestlé inventou o leite condensado e resolveu o problema de como misturar o cacau com leite sem destruir a textura do confeito. Um pouco depois, Philipp Suchard criou a primeira barra de chocolate ao leite. A famosa Milka. Quase simulatâneamente, Rodolphe Lindt construiu uma máquina capaz de arear o chocolate, tornando-o mais maleável e destacando seu sabor. Além disso, o chocolate de Lindt derretia na boca! O duque de Praslin descobriu o pralinê. Evocando os alpes suiços, Jean Tobler fez um chocolate triangular chamado Toblerone. A Itália inventou a Gianduja e a Nutella. Na Bélgica, Jean Neuhaus criou a "casca" de chocolate. Resistente o bastante para comportar líquidos e cremes no seu interior, ela deu origem aos bombons recheados. Não há como voltar atrás. O mundo nunca mais será o mesmo.

Na idade média, a Igreja teve que se preocupar em determinar se a energizante bebida vinda das américas poderia ser tomada durante os períodos de jejum. A conclusão: "liquidum non fragit jejunum" (liquidos não quebram o jejum). Hoje em dia, é a medicina que se preocupa . Recentes estudos realizados pelo imparcial instituto Nestlé afirmam que o chocolate ajuda a previnir doenças cardíacas. Além disso, um estudo da U.S. Naval Academy afirma que o consumo de chocolate não causa problemas de acne como se acreditava anteriormente.

Finalmente, a degustação. Particularmente, eu gosto de pegar um bom chocolate amargo (na ausência de um bom, o chocolate garoto meio amargo é um excelente substituto), uma xícara de café sem açucar e tomar os dois juntos. Mordendo pequenos pedaços, tomo o café que se adoça e derrete o chocolate, deixando uma mistura excepcional na boca. Os mais conservadores vão preferir o chocolate puro. Sempre amargo. Quanto mais cacau melhor. As marcas francesas Michel Cluizel e Valrhona chegam a oferecer barras com 85 e 99% de concentração de cacau. Combatendo essa tendência, a Lindt afirma que o que importa não é a concentração, mas a seleção dos grãos. Além do seu chocolate premium com 70% de cacau, a Lindt lançou recentemente três chocolates para degustação. O noir aromatique do Equador, o noir corsé de Ghana e o noir doux de Madagascar. Todos excepcionais. Estudos mais avançados requerem uma visita aos grandes chocolatiers franceses e belgas (Bernachon, Bonnat e Wittamer).

Além da degustação do cacau, um bom apreciador de chocolate sabe que não há limites para o que se pode fazer com esse doce. Mousses, tortas, sorvetes, licores, paves, brownies, biscoitos caninos de chocolate, bolos e fudge. Em cada um deles, um diferente universo de sensações gustativas.

Quando os Jesuítas chegaram na América, eles observaram que os Aztecas usavam o cacau como moeda. Ficaram fascinados com a idéia, pois era um dinheiro perecível. Tinha que ser gasto rapidamente e era contrário à avareza. Embora o cacau não tenha se tornado a moeda universal, acredito que ele ainda possa ser usado para melhorar o homem. Nesse mundo tão diverso onde raças, credos e preferêcias sexuais nos separam. Opiniões e comportamentos podem ser tão distintos que é difícil enxergar um ser humano na pessoa ao nosso lado. Mas podemos sempre nos lembrar que o amor pelo chocolate é um denominador comum que diminui nossas diferenças e nos aproxima.

- I doubt any of us are going to get out of here alive!
- Oh, you should never doubt what no one is sure about.

(Willy Wonka)

Para saber mais

www.lindt.com
www.wonka.com
The book of chocolate
The ultimate encyclopedia of chocolate


Marcelo Brisac
Nova York, 28/5/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Considerações sobre Michael Jackson de Julio Daio Borges
02. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! de Adriana Baggio


Mais Marcelo Brisac
Mais Especial Gastronomia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2002
10h12min
Marcelo, grande artigo! Mesmo para quem conhece bem a história do chocolate, foi uma bela rememoração. Intrigante foi que estive em março no México, justamente um dos principais sítios de cultura do cacau e do tchocolatl na América Pré-Colombiana, e hoje percebe-se que o chocolate ganha mais páginas de livros de História que vida prática nas cozinhas e restaurantes mexicanos. Os americanos foram em muito ultrapassados pela tecnologia e pelo gosto que desenvolveram os europeus pelo produto derivado do cacau. As poucas chocolaterias que lá se encontram são, em sua maior parte, insossas e vívidas como uma daquelas lojinhas de chocolate brasileiras que vendem produtos industrializados como Garoto e afins. É triste. Ainda mais se contrastarmos a realidade dos dias de hoje com a riqueza que emana dos murais de Rivera no Palácio Nacional na Cidade do México, onde o cacau é alçado à catergoria de patrimônio das culturas aztecas, tlaxcalanos e tarascanos.Mas ainda há uma prato de resistência que é um dos poucos resquícios da força que teve o chocolate na cultura mexicana: o Mole Poblano, considerado um dos pratos nacionais, originário de Puebla que é uma carne de peru cozida, coberta por um molho escuro emuito rico, feito com os oniprsentes chilis, condimentos especiais, nozes e um pouco de chocolate, justamente o que confere a cor tão singular do molho que também é utilizado em outros pratos da cozinha poblana. Abraços e votos de sucesso.
[Leia outros Comentários de Homer]
26/6/2002
12h04min
Homer, Desculpe pela demora em reponder seu comentario. Mas a copa do mundo tem ocupado cada segundo livre da minha vida (e algumas horas de sono tambem). Muito obrigado pelos comentarios. Nunca tinha ouvido falar do Mole Poblano, mas estou salivando... Quanto ao desenvolvimento do chocolate na Europa, acho que era inevitavel. Alem da vantagem economica, os Europeus tem um clima muito mais adequando para o consumo de chocolate. Some a tudo isso os motivos religiosos que eu comentei no artigo e nao vejo como poderia ter sido diferente. A proposito, os Europeus se especializaram na producao de beberragens grossas para burlar o jejum. Recentemente estava participando de uma degustacao de cervejas belgas (Chimay!!!) e alguem comentou que os belgas faziam essas cervejas grossas tentando obter uma especie de "pao liquido" capaz de sustentar o corpo durante o jejum. Atenciosamente, Marcelo
[Leia outros Comentários de Marcelo Brisac]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros
Augusto Cury
Saraiva
(2014)



The Final Cut
Pink Floyd
Scotprint Ltd
(1983)



Dicionário da bíblia de almeida
Werner Kaschel
Sociedade Bíblica do Brasil
(2009)



2012 - Nas Cortes do Sol (lacrado)
Brian D Amato
Geração Editorial
(2012)



Respostas Que a Vida Dá
Nelson Moraes
Aulus



O Sucesso Através da Análise Transacional
Jut Meininger
Circulo do Livro
(1987)



Rio das Flores
Miguel Sousa Tavares
Companhia das Letras
(2008)



Irmãs pra valer
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2006)



A Pata da Gazela.
José de Alencar
Ftd
(1996)



O Profeta
Khalil Gibran; Ana Guadalupe
Acigi
(2000)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês