Reinventado o download pago | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil
>>> Meu galinho Josué
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Pilar Fazito
>>> A imaginação do escritor
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Macunaíma, de Mário de Andrade
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
Mais Recentes
>>> Sociedade Anônima de Osmar Brina Corrêa- Lima pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Topologia da Violência de byung-Chul Han pela Vozes (2017)
>>> Sociedade da Transparência de byung-Chul Han pela Vozes (2016)
>>> Livro Irmãs vampiras - uma delícia de amiga de Franziska Gehm pela V e R (2012)
>>> Crédito Rural: Interpretado pelos Tribunais e Legislação Especial de Lutero de Paiva Pereira pela Juruá/ Curitiba (1996)
>>> Bandeirantes do Progresso de Dino Almeida pela Papelaria Universal Ltda (1968)
>>> Livro Irmãs vampiras - o mistério do leque de Franziska Gehm pela V e R (2013)
>>> Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal de Allan & Barbara Pease pela Sextante (2005)
>>> Quem Educa Quem de Fabbt Abramovich pela Circulo do Livro
>>> O Punhal de Marfim de Patricia WentWorth pela Círculo do Livro
>>> Como eles se conheceram de Joey pela Panda Books (2007)
>>> Livro Manual de Urologia de Mike Siroky pela Novo Conceito (2008)
>>> O Amor Florece na Primavera de Heinz G. Konsakik pela Record (1979)
>>> Livro Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica de Parada Artur pela Tecmedd (2006)
>>> A Pérola de John Steinbeck pela Record
>>> A Rosa do Inverno de Patricia Cabot pela Essência, Planeta (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Folha (2003)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> Memórias de Pavilhão. de Dimas Bueno e Tatiane Iovanovitchi pela Traio Produções Artísticas (2009)
>>> Amor em São Petersburgo - Coleção Supertítulos de Heinz G. Konsalik pela Estadão (1998)
>>> Urbanização e Industrialização no Paraná. de Dennison de Oliveira pela Seed (2001)
>>> Paraná: de Sérgio Odilon Nadalin pela Seed (2001)
>>> Cultura e Educação no Paraná de Etelvina Trindade & Maria Luiza Andreazza pela Seed (2001)
>>> Paraná: Política e Governo de Marion Brephol de Magalhães pela Seed (2001)
>>> Páginas Escolhidas - Literatura vol. 2 de Eduardo Frade, Luiz Alberto Júnior e Sirlei Bassan pela Posigraf (2003)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1992)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Páginas Escolhidas de Wilson Sabóia, Edilberto Trevisan e Ruy Cavallin Pinto pela Posigraf (2003)
>>> Insolvência Bancária: Liquidação Extrajudicial e Falência de Frederico Viana Rodrigues pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Yvonne Pereira: entre cartas e recordações de Pedro Camilo pela Mente Aberta (2016)
>>> O Contrato de Seguro de Acordo com o Novo Código Civil Brasileiro de Ernesto Tzirulnik- Flávio de Queiroz B. Cavalcanti- Ayrton Pimentel pela Revista dos Tribunais/ SP. (2003)
>>> Páginas Escolhidas de Elisabeth Seraphim Proser pela Academia Paranaense de Letras (2004)
>>> O Rei das Fraudes de John Grisham pela Rocco (2003)
>>> Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano de Equipe de Educadores do Curso de Aprendizes do Evangelho da Feesp pela FEESP (2014)
>>> Estados da Plebe no Capitalismo Contemporâneo de Cleusa Santos e Marildo Menegat e Ricardo Rezende Figueira (orgs.) pela Outras Expressões (2013)
>>> A Hora Obscura: Testemunhos da Repressão Política de Julius Fucik e Henri Alleg e Victor Serge pela Expressão Popular (2006)
>>> MST, Universidade e Pesquisa de Roseli Salete Caldart e Paulo Alentejano (orgs.) pela Expressão Popular (2014)
>>> Kalmo Sutra - para aqueles que ainda ... de Frank Dickens pela Melhoramentos (2002)
>>> Takukarai - Idéias Crônicas e Contos de Yumbad Baguun Parral pela Independente (2004)
>>> Quando um propósito nos leva além de Renata Melo pela Buqui (2019)
>>> Confissões de uma banda de Nina Malkin pela Galera Record (2007)
>>> Entrega de J. C. Reed pela Única (2013)
>>> A nova era da participação - O desafio de emocionar e envolver pessoas de Patricia McLagan, Christo Nel pela Campus (2000)
>>> Memórias e Reflexões de João Cid de Macedo Portugal pela Lud (1916)
>>> Jesus - O Profeta Divino - Volume 2 de Paiva Netto pela Elevação (2014)
>>> Império de Prata de Conn Iggulden pela Record (2015)
>>> 20 Mil Léguas Submarinas - Edição Definitiva, Comentada e Ilustrada de Verne,Jules pela Zahar (2011)
>>> Anotações para a História de Pedro Franco pela Artes & Textos (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/2/2003
Reinventado o download pago
Héber Sales

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

As grandes gravadoras multinacionais estão aprendendo a duras penas que precisam cativar, e não apenas cercear, o mercado da música pirata online. No Brasil, ensaiam algumas iniciativas locais, todas muito tímidas, como revela um rápido inventário.

Para começar, o maior diretório brasileiro, o Yahoo, não lista nenhum serviço de download operado por grande gravadora multinacional. E não adianta buscar nos sites dessas empresas. Download por lá só se for de wall papers, screen savers, fotos, e-cards, etc. - memorabilia eletrônica... Sony e WEA vendem CDs, é bem verdade, mas apenas aqueles que os consumidores encontram nas lojas físicas.

Estratégias mais agressivas adotam algumas empresas nacionais. O Grupo Abril, que fracassou na sua incursão no mercado fonográfico tradicional, controla o bem sucedido Usina do Som, um serviço de streaming. Promovido como uma rádio web, o Usina do Som faz também comércio eletrônico. Em seu site, além de ouvir música de graça, a audiência pode comprar CDs dos catálogos das principais gravadoras. Mais ousada ainda é a aposta da Som Livre e da Trama: oferecem CDs personalizados, on demand, e download (pago) de músicas. Em ambos os casos, a tecnologia é do iMúsica, o maior empreendimento de distribuição de música digital brasileiro.

Graças a uma ampla rede de parceiros comerciais, entre eles, MSN, Americanas.com, a Saraiva.com e o Usina do Som, o iMúsica contabiliza até 500 mil usuários únicos por mês. Seu acervo é amplo, e inclui também gravações da BMG, EMI, Sony, da finada Abril Music, e mais uma porção de pequenas gravadoras brasileiras. As faixas para download são oferecidas no formato WMA (Windows Media Audio), uma tecnologia de compressão de áudio concorrente do MP3, que, ao contrário desta, permite o controle da cópia. Combinando-o com o sistema DRM (Digital Rights Management) da Microsoft e alguns softwares próprios, o iMúsica pode então exigir que o usuário licencie (leia-se: pague) a faixa baixada antes de executá-la. "Na hora que o usuário comprar a música, o nosso sistema puxa informações da sua máquina, e cria uma espécie de chave digital que só abrirá no computador do usuário. Não tem como outra pessoa pegar a mesma música", garante Cláudio Campos, vice-presidente da empresa.

Um balanço negativo
E quanto rende operação tão bem bolada? Bem, em 2003 o iMúsica planeja faturar cerca de R$ 3 milhões. Este valor, uma ninharia se comparado ao faturamento da indústria fonográfica no Brasil (R$ 1 bilhão em 2001), reflete bem a dimensão da internet como canal de distribuição de música no país: 2% das vendas totais do setor. Os números de 2002, quando fechados, não deverão ser muito diferentes. Caso as vendas pela internet mantenham-se no mesmo patamar de 2001, as gravadoras daqui podem se dar por satisfeitas. Nos EUA , as vendas de música online estão em queda acentuada e contínua. Mais precisamente: o faturamento caiu, respectivamente, 12%, 28% e 39% nos três primeiros quadrimestres de 2002 - o cálculo é sobre os montantes de 2001. Os dados são do instituto de pesquisas norte-americano ComScore Networks, que relaciona o fato ao crescimento acentuado dos serviços P2P durante o ano passado.

Reinventado o download pago
Esse fenômeno está levando alguns analistas a definir 2002 como o ano em que a música morreu. Descontando-se o exagero das manchetes, o mínimo que se pode dizer é que os serviços de download pago terão de se reinventar. Em meados do ano passado, Allan McGlade, presidente do MusicNet, joint venture dos poderosos AOL Time Warner, Betterlsmann AG (controlador da BMG) e EMI, declarou que o desafio seria oferecer um catálogo tão amplo quanto o das redes P2P e criar um serviço de maior qualidade, isto é, sem arquivos mal identificados, sem vírus e download otimizado. A receita de McGlade incluía ainda o serviço de gravação (ou 'queima') de CDs, algo que as gravadoras relutavam permitir até pouco tempo atrás, além de vários pacotes de preços - assinatura, taxa adicional para uso permanente da música, e pagamento por faixa para não assinantes.

Ao final do ano de 2002, o problema de acervo parecia resolvido. As cinco grandes gravadoras do mundo (as chamadas majors) entraram em acordo e passaram a oferecer o seu catálogo tanto no MusicNet quanto no Pressplay, serviço controlado pela Sony e pela Universal.

Soluções deste tipo seguem o grande princípio do marketing orientado ao homo economicus: aumentar o valor utilitário do produto, oferecer mais funcionalidade por um custo igual ou inferior. Mas será que a concorrência das ameaçadoras redes P2P se baseia apenas em valor econômico? Os fãs de MP3 trocam esses arquivos apenas porque é um negócio vantajosa não pagar por música? Sua motivação aqui é essencialmente poupar uns trocados?

Achados perturbadores
Se os internautas podem obter música de graça na internet, por que iriam continuar pagando por ela? Inicialmente essa pergunta não era levada muito a sério. A indústria nem sequer a considerava. Para as majors o download grátis de MP3 era o maior culpado pela queda nas vendas de CDs, e ponto.

Um estudo conduzido pelo Jupiter Media Matrix, porém, perturbou tal certeza ao indicar que usuários de programas P2P estariam comprando mais música do que a média dos fãs de música com acesso à internet. Segundo essa pesquisa, realizada em junho de 2001, 29% dos fãs de música online declararam ter mudado seus hábitos de consumo de música em função da internet. Desse universo, 19% reportaram aumentos nos gastos e 10%, redução. Surpreendentemente, era 41% mais provável que os usuários de P2P fossem contados no grupou que relatou aumento de gastos do que naquele que informou ter diminuído seus gastos. Foi revelado ainda que 34% dos usuários de P2P declararam que passaram a gastar mais com música depois que começaram a usar a internet para trocar arquivos de áudio, enquanto apenas 15% disseram estar gastando menos.

Motivações nada utilitárias
Tais achados sugerem que a música digital não seria um substituto perfeito das formas tradicionais. Para alguns, o caráter fetichista do original continuaria a existir para muitos consumidores, e as trocas de MP3 seriam apenas uma oportunidade para alguns deles reafirmarem sua identidade num espaço com regras diferentes daquelas do mundo real [1].

Neste sentido deve-se lembrar que ao ouvirem determinados tipos de música as pessoas indicam pertencer a certos grupos sociais, subculturas ou "tribos", o que lhes permite afirmar sua particular identidade [2].

O exercício é muito comum nos canais de bate papo do IRC. Basta que se junte a um canal abrangente como o #salvador (rede Brasnet) para observar tal fenômeno. Uma das mensagens mais comuns nesse tipo de canal é a que informa aos colegas que arquivo MP3 o indivíduo está escutando enquanto participa do bate papo. Essa informação é postada automaticamente através de um comando específico dos scripts para IRC, e não é interpretada como uma 'fala'. Para os membros do canal é como se eles estivessem 'escutando' o que o colega está ouvindo. Como na vida real, essa revelação é mote para uma série de interações interpessoais. O indivíduo tanto pode ser saudado por pares com gostos afins, como pode ser ridicularizado, ou até ofendido, por outras pessoas com preferências opostas. É porém nos canais IRC especializados em MP3 que o fenômeno torna-se mais patente. Os indivíduos que lá atuam usam várias ferramentas ao mesmo tempo, e, por meio delas, movem arquivos de um canto para outro no ciberespaço enquanto conversam (chat) com seus pares. A atividade deles é bem ordenada socialmente, com papéis, privilégios e obrigações claramente definidos, e, quando observada à luz do conhecimento corrente sobre ação social, ela revela pessoas construindo status num sistema social que lhes parece "como qualquer outra rede em que participam". A questão do direito autoral parece ser secundária para tais consumidores. "Eu compro CDs que eu quero escutar, mas baixo arquivos MP3 de músicas que eu penso não valer a pena comprar, ou que eu não consigo encontrar por um preço razoável" [3].

O que pensar disso?!

Que talvez esses indivíduos não estejam engajados na troca de música SÓ por uma razão utilitária; que comprar ou não um CD talvez seja para eles um problema de outra natureza, de uma outra dimensão, resolvido apenas parcialmente por meio de sua atuação como piratas de áudio.

Referências
[1] KASARAS, Kostas. Music in the age of free distribution: MP3 and society. First Monday, Chicago, volume 7, número 1, Jan. 2002.

[2] FOX, Mark. Technological and social drivers of change in the online music industry. FirstMonday, Chicago, volume 7, número 2, Feb. 2002.

[3] COOPER, Jon; HARRISON, Daniel M. The social organization of audio piracy on the internet. Media, Culture & Society, London, volume 23, p. 71-89, 2001.


Héber Sales
Salvador, 26/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, personagens de mim de Carina Destempero
02. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva
03. Redes e protestos: paradoxos e incertezas de Guilherme Mendes Pereira
04. Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões de Luis Dolhnikoff
05. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/3/2003
19h09min
Eu sou prova do que a troca de músicas na internet provoca. Antes de começar a trocar músicas pela internet, eu tinha uns 20 cds, depois que eu tive a oportunidade de conhecer outras coisas através da internet minha coleção de cds teve um crescimento enorme, hoje, um ano depois, tenho mais de 100 cds...
[Leia outros Comentários de Gutemberg Motta]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE TERMOS TÉCNICOS DO COMÉRCIO EXTERIOR E TRANSPORTES MARITIMOS
ABINAEL MORAIS LEAL
TEMPO
(1996)
R$ 5,50



RESSIGNIFICANDO A ANSIEDADE NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS
FERNANDA VIEIRA DA ROCHA SILVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 594,00



VIP SCHEILA CARVALHO Nº 209
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2002)
R$ 10,00



MÃOS AO ALTO
EDGAR WALLACE
EDIOURO
(1985)
R$ 5,00



DOCE VENENO
MARIANNA LOPES
LIVROS ILIMITADOS
R$ 49,90



ESTUDO DO CALOR
MARCIA HELENA RIBEIRO UND NÁDIA C. G. ERROBIDART
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



NÃO LEVE A VIDA TÃO A SÉRIO
HUGH PRATHER
SEXTANTE
(2003)
R$ 15,00



AZUL ALENTEJO
MONICA ALI
ROCCO
(2007)
R$ 5,00



A HONRA, A GLÓRIA E A MORTE NA ILÍADA
ANTÔNIO DE PÁDUA PACHECO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



COMPORTAMENTO SOCIAL E ANTI-SOCIAL HUMANO (1426)
SANDRO CÉSAR SELL (C/ AUTOGRAFO!!)
DIGITAL JURIS
(2006)
R$ 30,00





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês