Para ouvir música erudita | Irineu Franco Perpetuo

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> Marcas de Nascença de Nancy Huston pela L&Pm (2007)
>>> A Reportagem de Danillo Nunes pela do Autor (1980)
>>> Eu Fico Loko de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Paginas (2015)
>>> A Cidade de Melanie Wallace pela Benvira (2012)
>>> As Belas Coisas, Que é do Céu Contê-las de Dinaw Mengestu pela Nova Fronteira (2008)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> Pesadelos e Paisagens Noturnas - Vol.I de Stephen King pela Objetiva (2011)
>>> Temas de Psicologia Juridica de Leila Maria Torraca de Brito pela Relume Dumará (2005)
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/9/2006
Para ouvir música erudita
Irineu Franco Perpetuo

+ de 32100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Heitor Villa-Lobos

Sem preconceitos ou mitificações, sinfonias, óperas e compositores eruditos podem fazer parte da cultura de professores e alunos

Nas escolas brasileiras, via de regra, a educação musical, quando existe, costuma cumprir função meramente decorativa. Parece estar decidido que, no mundo globalizado e tecnológico, no qual a educação serviria apenas para fornecer braços para o mercado de trabalho, a música é “inútil”.

A música é um legado da Humanidade, quase tão antigo quanto a própria civilização. Onde, senão na escola, transmitir este legado? A educação musical não tem como função formar grandes solistas, ou dar material para as orquestras sinfônicas. Ela serve, simplesmente, para formar cidadãos plenos – a musicalidade é aspecto indissociável do ser humano, e, portanto, sem o desenvolvimento desta potencialidade, o indivíduo não se completa.

Villa-Lobos , com o apoio da ditadura getulista, chegou a impor o ensino musical e de canto orfeônico nas escolas. A iniciativa não resistiu ao desaparecimento da personalidade forte do compositor que estava por trás dela. Resultado: hoje, ninguém lembra nem o que significa a palavra orfeão (coral).

Claro que a tarefa não é fácil, já que a principal característica da música erudita, na atualidade, é ser a manifestação artística que menos participa da vida das pessoas.

Todo mundo sabe diferenciar uma pintura de uma escultura; um romance de uma poesia; uma tragédia de uma comédia. Já a diferença entre concerto e uma sinfonia é uma pergunta que faz titubear até mesmo os jornalistas que cobrem a área cultural. Ainda há lojas de CDs que colocam os eruditos em uma nebulosa seção “instrumental”, junto ao jazz de Charlie Parker, ao new age de Enya, à MPB de Wagner Tiso, ao kitsch de Ray Coniff e a quem mais entrar na dança.

Tamanho desconhecimento acaba criando em torno da música erudita uma mística de mistério para iniciados, parte integrante de uma estratégia de refinamento social. A mensagem é clara: “eu, que degusto Mozart, sou infinitamente superior a você, que suspira por Roberto Carlos”. Uma rápida olhada nos figurinos utilizados pelo público dos concertos comprova facilmente a transformação da música erudita em artigo de esnobismo cultural.

O próprio termo “música erudita” contribui para este distanciamento. Erudito sugere acadêmico, hermético, difícil, incompreensível. O pior é que não há expressão melhor. “Música clássica” é até mais comum e mundialmente utilizado, mas peca pela inexatidão – clássica, a rigor, é apenas a música de um período histórico, o Classicismo. Outras tentativas como “música artística”, de Mário de Andrade, não pegaram. O maestro norte-americano Leonard Bernstein sugeriu “música exata” – já que é a música que procura seguir os textos, a tradição escrita, ou seja, as partituras.

O fato é que não é necessário, em absoluto, ser um “erudito” para gostar de música erudita, assim como ninguém precisa entender inglês para apreciar Shakespeare, ou saber cozinhar para se deleitar com os prazeres da gastronomia. O primeiro passo para se aproximar da música é procurar ouvi-la da maneira adequada.

O crítico J. Jota de Moraes, em seu livro O Que é Música (Editora Brasiliense), identifica três maneiras possíveis de ouvir música: com o corpo, com o coração e com a cabeça.

Ouvir com o corpo é o que faz o freqüentador de uma danceteria: deixar que todo o ser fique impregnado pela música, que transcende o ouvido, impulsionando irresistivelmente todos os membros. Já ouvir com o coração é utilizar a música como veículo para nossas emoções internas. É colocar no aparelho de som, depois de uma desilusão amorosa, um disco cheio de canções de dor de cotovelo. Ou, depois de um dia de trabalho duro, botar uma música bem calma para relaxar. A terceira maneira é emprestada de Haroldo de Campos: “ouvir estruturas”. Ouvir com a cabeça: prestar atenção na música, tentar discernir sua forma, sua estrutura, como ela se organiza e aonde ela chega (se é que chega). Muito complicado? Menos do que parece. Afinal, a rigor, ninguém precisa “entender” a música – sua linguagem não é verbal, ela não passa nenhuma “mensagem” no sentido estrito da palavra, não tem “significado”. A música só expressa a si mesma – tanto que, quando um compositor faz muita questão de dizer alguma coisa com clareza, adiciona a ela palavras. É claro que os três modos acima descritos estão amplamente relacionadas – e um delas pode servir como trampolim para a outra. Por exemplo: é difícil ficar com o corpo parado ao ouvir o tam-tam-tam-TAM que abre o primeiro movimento da Quinta Sinfonia de Beethoven. Ouvir intelectualmente este movimento é, simplesmente, prestar atenção no que o autor faz com o tema. Ele não está ali de graça: com uma audição atenta, não há como não ficar abismado com a maneira engenhosa como Beethoven joga com ele, o modifica e relaciona com outros temas da sinfonia.

A utilização do intelecto amplia os limites da audição. O corpo ou o coração fazem você se interessar por um tema: prestar atenção nele garante o interesse por todo o movimento (as partes que compõem uma obra orquestral). O passo seguinte é, a partir de um movimento conhecido, ouvir a obra inteira. Achar deslumbrante o primeiro capítulo do Memorial do Convento, de José Saramago, não vai me fazer parar nele, mas querer ler o resto do romance; da mesma forma, a audição do Adagietto da Sinfonia nº 5, de Mahler, utilizado no filme Morte em Veneza, de Luchino Visconti, vai ficar muito mais rica se efetuada em conjunto com os outros quatro movimentos que completam a sinfonia.

Trata-se de um aprendizado contínuo e infindável. Ouvir bastante uma mesma obra não a esgota – pelo contrário, a cada vez se descobre novas belezas, novos aspectos, novas possibilidades. Por isso, o conselho principal para quem deseja entrar no mundo da música erudita é ouvir. Sintonizar a Cultura FM, em São Paulo (ou a emissora que transmite esse tipo de música em cada estado brasileiro). Freqüentar os concertos baratos – ou gratuitos – das orquestras brasileiras. Buscar fascículos e revistas especializadas nas bancas. Procurar CDs baratos (sim, eles existem) nas grandes lojas.

É fundamental ouvir autores como, digamos, Vivaldi, Wagner e Villa-Lobos, seja lá quem estiver tocando (embora, evidentemente, alguns o façam com um pouco mais de habilidade do que os outros). Para escolas, uma sugestão é marcar visitas ao Teatro Municipal com os alunos. Só o prédio, de 1911, já é um espetáculo; e, se outro proveito não houver, serve pelo menos para tirar aquela mística de lugar sagrado e inacessível. Claro que, para fazer os alunos voltarem ao teatro de livre e espontânea vontade, será preciso muito mais que um simples passeio. Mas, daí, já é tema para outro artigo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor, publicado originalmente no livro Populares e Eruditos (Editora Invenção, 2004, 126 págs.), que traz uma coletânea de reportagens de Alexandre Pavan e Irineu Franco Perpetuo no intento de traçar um painel da produção musical brasileira popular e erudita.

Para ir além






Irineu Franco Perpetuo
São Paulo, 18/9/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viciados em Internet? de Carlos Cardoso
02. Carne Viva e Paulo Francis de Michel Laub
03. Fim de um romance de Milton Hatoum
04. Global Cities, na Tate Modern de Paula Góes
05. O balanço do Bando da Lua de Luís Antônio Giron


Mais Irineu Franco Perpetuo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2006
16h15min
Um texto consistente de introdução à hoje desprezada música erudita. A utilização do ouvido amplia o intelecto. Parabéns ao Irineu.
[Leia outros Comentários de Luís Antônio Giron]
2/10/2006
11h02min
Mas existe música erudita sendo escutada e praticada - só que não executam Mozart e nenhum dos clássicos. Sim, exato, música erudita não é música necessáriamente clássica, nem música barroca, nem música neo-romântica. Ou seja, música erudita não precisa ser Mozart, Chopin ou Beethoven - meus favoritos em músicas de "outros períodos históricos". Música erudita pode ser, por exemplo, Apocalíptica, o quarteto de cordas erudito - um dos moços é até maestro, se não me engano - ou o String Quartet de Todd Mark Rubenstein que já gravou tributos a Rush, Led Zeppelin, Radiohead, Nine Inch Nails (sim, o industrial Trent Reznor tem dois tributos à sua obra, um do String Quartet e um em piano!). Música erudita também pode ser rock´n roll. Eu recomendo ouvirem, é maravilhoso.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Schmidt Libertado
Louis Begley
Companhia das Letras
(2002)



Através do Tempo
Francisco Cândido Xavier
Lake
(1972)



Contos de Aventuras e Magia das Mil e uma Noites
Leontina Barca
Principio
(2007)



Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
Ática
(1993)



Andrea Salgado
Andrea Salgado
Rio
(2005)



Árvores e Madeiras Úteis no Brasil - Manual de Dendrologia Brasileira
Carlos Toledo Rizzini
Edgard Blücher
(1995)



The New Tycoons
Jason Kelly
Bloomberg Press
(2012)
+ frete grátis



Museu Pelé
Gino Caldatto Barbosa; Ney Caldatto Barbosa
Magma Cultural
(2014)



Como Ser Feliz o Tempo Todo - 1ª Edição
Paramahansa Yogananda
Pensamento
(2008)



Os Melhores Contos
Rubem Braga
Global
(1999)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês