Tim Maia Racional | Alexandre Matias

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/10/2006
Tim Maia Racional
Alexandre Matias

+ de 11100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Tim Maia sempre levou uma vida de excessos, em que sexo, drogas, brigas e curtição eram rotina. Viveu do jeito que quis, fez tudo que deu na telha e morreu em conseqüência das inúmeras baladas que participou. Uma vida inconstante, marcada por culpas e desculpas, namoros firmes com as paradas de sucesso e momentos de puro esquecimento artístico. Suas lendárias reclamações ao microfone e uma agenda não cumprida religiosamente eram apenas os sintomas superficiais de sua vida no limite. Mas por um momento em sua carreira, ele tentou se redimir. De verdade.

"Já rodei o mundo quase mudo/ No entanto num segundo este livro veio à mão", canta em "Bom Senso", a primeira faixa do mitológico Tim Maia Racional a citar nominalmente sua conversão. "Já senti saudade/ Já fiz muita coisa errada/ Já dormi na rua/ Já pedi ajuda/ Mas lendo atingi o bom senso: a Imunização Racional". Ele conta sua própria história sobre um funk progressivo pesado, aquele caldo grosso que os americanos chamam de deep funk. Com sua voz conduzindo uma orquestra soul perfeita (metais, cordas, guitarras, baixão, bateraço, backing vocals perfeitos, tecladaços), ele explica sua nova fase.

O disco, que completou 30 anos em 2004, marcava o início da relação de Tim Maia com a Cultura Racional. Como o próprio Tim explica no decorrer dos dois volumes de Tim Maia Racional, a Cultura Racional não é uma seita ou uma religião ou uma doutrina ou qualquer coisa do tipo. Ela diz-se "a verdadeira verdade, a luz da humanidade", a explicação para todas as perguntas da existência nos é apresentada por uma força sobrenatural chamada de Racional Superior através de uma coleção de livros intitulada Universo em Desencanto. Aos poucos, você fica sabendo de toda explicação para tudo, segundo a Cultura.

O disco marca o contato de Tim com ele mesmo. Ele deixa os modismos de lado e entra em contato com o fundo de sua alma, buscando, sem máscaras, a essência da black music. Lançado de forma independente, o disco saiu pela primeira gravadora de Maia, a Seroma (as primeiras sílabas de seu nome, Sebastião Rodrigues Maia), e nunca mais foi relançado após Tim se afastar da Cultura Racional. Por ser tão direto, um disco pastor, pregador, ele não foi assimilado em sua época, sendo resgatado nos últimos anos e tendo, finalmente, sua importância reconhecida. Lançado em duas partes, o disco pode ser pensado como um álbum duplo, devido o conceito musical e imaginário que compõe o material. Suas capas e contracapas são reproduções de gráficos contidos no livro Universo em desencanto, explicando as diversas fases da humanidade, todas indo no rumo da fase racional.

Ele abre com "Imunização Racional", em que canta a "beleza que é sentir a natureza/ ter certeza pra onde vai e de onde vem/ (...)que beleza é saber seu nome/ sua origem, seu passado e seu futuro". O ritmo é quase um reggae, ponteado por um sinuoso baixo funky, entrecortado por uma guitarra wah-wah tímida, flautas e excelentes backing vocals, puxados pelo próprio Tim.

Em "O Grão Mestre Varonil", ele saúda, a capella, Manoel Jacintho Coelho, divulgador da seita e tido como "o maior homem do mundo" pois "semeou o conhecimento". Seguida da densa e dramática "Bom Senso", que mostra todo o instrumental assustador que Tim arranja. Deixa a banda comer o suingue solto e brada o vozeirão, falando: "Leia o livro Universo em desencanto. Não perca tempo".

Antes da próxima música, ele canta sozinho, um trecho de "Energia Racional", que volta inteira no próximo disco. "Leia o livro Universo em Desencanto" (sim, o disco é obcecado pelo tema), Tim guarda o funk no armário e solta todo o soul que sua cachola consegue ferver. Barry White e Marvin Gaye nos anos 70, mordam-se de inveja! Em "Leia o Livro...", Tim desliza com graça, com seu gogó de tenor que é justamente o meio-termo entre o grave de White e o agudo de Gaye. Cordas e metais dão um veludo especial a este que é um dos melhores momentos da carreira de Tim Maia.

Em "Contacto com o Mundo Racional", ele volta a nos surpreender, seja no instrumental (um blues com violões acústicos soltando acordes leves e solos discretos), como no vocal (em que afina seu gogó e capricha um falsete de arrepiar o mais frio dos brancos). Em "Universo em Desencanto", ele tenta, em vão, explicar toda a teoria do livro, descrevendo as eras da criação, de onde viemos, pra onde vamos. Musicalmente, nos convida para um samba colorido de funk, mostrando que seu conceito de black music abrange as Américas do Norte, Central e do Sul. "Leia o livro/ Vai saber/ O que realmente/ É viver", canta com tanta empolgação que, como um amigo meu diz, dá vontade de comprar e ler o tal livro, "A lição foi mal passada/ Quem aprendeu não sabe nada/ (...) Disseram que sabiam das coisas, mas no entanto não sabem coisa nenhuma/ Pura Inconsciência/ (...) É pra já/ É coisa linda/ É pra agora/ Vamos entrar em contato/ Com os nossos irmãos puros limpos e perfeitos/ Eternos do supermundo/ Da planície Racional/ Leia o livro Universo em desencanto".

"You don't know what I know" ensaia o lado inglês de sua pregação, mais uma vez sozinho, sem instrumentos: "Read the book/ The only book/ Universe in disenchantment/ And you'll know the Truth", para em seguida entrar num electroboogie cheio de teclados (Hammonds, sintetizadores, Glockenspiels, Moogs, clavinetes) chamado “Rational Culture”. Depois de misturar Herbie Hancock com George Clinton numa introdução cabulosa, ele começa a pregação, toda em inglês: "Vamos governar o mundo/ Você não sabe?/ Vamos colocá-lo de pé". O suingue é irresistível e depois do refrão Tim começa a dar ordens para o ouvinte, à James Brown, sempre em inglês: "Ouçam todos/ Vamos contar a coisa mais importante que já ouviram na vida/ Nunca ouviram isso antes:/ Viemos de um supermundo, de energia racional/ E vivemos num antimundo, de energia animal/ Leia o livro, o único livro, Universo em desencanto/ E vais saber a verdade".

O disco 2 abre com "Quer Queira Quer Não Queira", um afro-soul que explica que a Cultura Racional, "Não é história, não é doutrina, não é ciência, seita ou religião/ É coisa limpa, é coisa pura". O samba "Paz Interior" continua o clima de celebração, explicando como um sambista saindo de uma paixão mal resolvida, cantando que "Agora já não dependo de você/ Voltou o brilho dos meus olhos/ Voltou a paz interior".

O groove pegajoso e lento de "O Caminho do Bem" é o primeiro grande momento do segundo disco, um funk suave, em que Tim acompanha o riff central cantando a expressão que batiza a canção. Acompanhado de um baixo de veludo, dois teclados elétricos minimalistas, percussão de trilha sonora e uma guitarra wah-wah amordaçada, ele transforma a Cultura Racional numa espécie de culto do gueto, como um pregador em ruas sem saída, que tenta hipnotizar uma legião de mendigos fanáticos com um mantra de ritmo.

"Eu tive que subir lá no alto para ver Energia Racional/ A verdadeira luz da humanidade", canta em "Energia Racional" repetidas vezes, ao som de um tapete sonoro perfeito. "Que legal" pára no Caribe e toma doses caprichadas de mambo, salsa e rumba, principalmente com a adição de percussões caprichadas e um molho extra dado pelos teclados, enquanto ele explica que a Cultura Racional é "Cultura consciente, com lógica e com base/ Não ataca, não ofende, não humilha".

A balada "Cultura Racional" mais uma vez vai direto ao assunto, explicando o centro de sua nova visão de mundo: "Todo mundo vai saber/ Muita paz, muita união/ Universo em Desencanto/ Leia logo, vamos irmão/ Saber de tudo/ De toda beleza real/ Ficar integrado na fase que é Racional". O soul derramado – de fazer inveja a qualquer baladeiro dos anos 70 – de "O Dever de Fazer Propaganda desse Conhecimento" nos faz ter certeza que Tim realmente acredita no que fala e, talvez, esteja mesmo em outra etapa da evolução mental. Canta um texto com tanta emoção que, se lido, se tornaria chato e desinteressante, e que soa como uma canção de amor, um hino a Deus, de tão natural: "Vou informar o que eu já sei/ De benefícios pra tudo e pra todos/ Recuperar o natural/ Pois a vida é racional".

Novamente ele aponta para a África e canta que veio "Para lhe dizer/ Que eles agora estão/ Numa relax, numa tranqüila, numa boa/ Lendo os livros da Cultura Racional". Eles quem, você se pergunta? Os povos dos três países que batizam Guiné Bissau, Moçambique e Angola Racional, que toma doses de rock graças a um solo pontiagudo que sobe sobre a base bossa criada pela cozinha. O disco termina com "Imunização Racional que Beleza", que conclui a tese com a mesma afirmação do início, só que com um arranjo diferente. Neste disco, Tim Maia é Deus e é ele quem decide como são as coisas. Ele conhece tudo, ele sabe tudo, de que adianta ser contra? Resta apenas disposição para encontrar uma raridade destas pelos sebos de disco do Brasil.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site Gafieiras.

Para ir além






Alexandre Matias
São Paulo, 9/10/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembranças de Ariano Suassuna de Leandro Carvalho
02. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
03. Sergio Britto & eu de Michelle Strzoda
04. Joey e Johnny Ramone de André Barcinski
05. De Kooning em retrospectiva de Sonia Nolasco


Mais Alexandre Matias
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/10/2006
12h13min
E viva o Tim Maia!!! Realmente é sempre bom ler e ver relançamentos sobre o Mestre Tim Maia. O Tim foi o nosso representante da black music, funk, soul, e tantas outras modalidades de estilo. Grande Tim, meio racional e outras vezes totalmente irracional, esse é o cara que traduz o ritmo de uma geração black brasileira.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
30/10/2006
13h25min
Tim Maia é um músico ímpar. Um gênio que soube aproveitar todas as possibilidades (que o diga sua intensa passagem pelos EUA nos anos 60). Enquanto muitos "artistas" na atualidade sucumbem ao apelo "gospel" (sendo a maioria de gosto duvidoso), para garantir um "lugarzinho ao sol" -claro que há exceções-, Tim ousou abrir mão do "status quo" do sucesso, incluindo romper um vantajoso contrato com um selo multicacional, dedicando-se integralmente, desinteressadamente, e às suas próprias custas, à divulgação do que ele supunha ser a verdade naquele momento. Na minha modesta opinião, o disco duplo é um dos melhores do mundo em todos os tempos.
[Leia outros Comentários de Fernando Stefens]
18/4/2008
09h21min
Esse é o disco, o cara realmente tava numa fasse bem criativa, pena que se decepicionou com a CULTURA RACIONAL, senão, com certeza, viriam outras belas obras como essa, e ele estaria entre nós até hoje, mas TIM MAIA é muito bom com C.R. ou sem C.R.
[Leia outros Comentários de assielmo]
28/4/2009
17h11min
O fato é que se ele tivesse seguido essa "famigerada" doutrina estaria vivo, cheio de saúde e nós... com discos maravilhosos. Por que será que as pessoas satirizam quando alguém prega a paz e a disciplina "do bem"? Deveria ser o contrário, não???
[Leia outros Comentários de Vareja]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês