A hora certa para ser mãe | Gabriela Simionato Klein

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Princípio ativo
Mais Recentes
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
>>> Comunicação em Prosa Moderna de Othon Moacyr Garcia pela fundação Getúlio Vargas (1988)
ENSAIOS

Segunda-feira, 5/2/2007
A hora certa para ser mãe
Gabriela Simionato Klein

+ de 9000 Acessos
+ 11 Comentário(s)


Mother and Child, Gustav Klimt

Qual a hora certa para ter um filho?

Não importa quão cheia de atividades seja a vida de uma mulher, mas ela lida, consciente ou inconscientemente, a cada mês, com a possibilidade de ser mãe. Está bem, excluo aqui as que fazem tratamento para suprimir a menstruação, mas a questão é que ser (ou não ser) mãe é uma decisão que se renova no mínimo mensalmente, junto com o útero.

E é numa destas voltas do ciclo da vida que você pode se ver exigindo uma resposta definitiva. Justamente o que aconteceu comigo. Casamento indo bem, vida com altos e baixos – mas se encaminhando, tempo passando e, discretamente, fui preparando o terreno para criar, conceber, engravidar, ou como acho lindo em uma das versões em inglês: ficar pregnant, que serve tanto para dizer que se está esperando um bebê quanto para indicar que se está repleta de idéias muito significativas.

Como é possível notar, eu escolho as palavras com cuidado. E se digo discretamente é porque camuflei os preparativos para esta nova fase até para mim mesma. Comecei tomando uma vitamina, só para manter a saúde. Como se não fosse nada a dosagem caprichada de ácido fólico. Aí decidi me vacinar contra rubéola, só para não deixar para depois. Comecei a me interessar em ler e ver tudo sobre gravidez e bebês. E logo estava no meio de uma conversa mais séria com o parceiro sobre ter filhos, papo que começou como brincadeira e se aprofundou em discussão acalorada.

Mas uma vez que o tema entra em pauta, o pior é encarar as suas próprias objeções. Do que você tem medo afinal? E a resposta a esta pergunta veio rápida: de tudo, mas principalmente de mim mesma. Fui tirando receio por receio, um de cima do outro, desvendando as múltiplas camadas desta grande questão. E lá no fundo encontrei algo assombroso. Estava logo embaixo do pânico de não amar meu bebê, ao lado do horror de imaginar as conseqüências de minhas neuroses na vida de uma criança e disfarçado em meio a um mosaico de apreensões (O que eu faço se ele chorar? E quando eu estiver cansada? O papel de mãe vai soterrar a minha personalidade?) Foi neste exato ponto que encontrei o maior dos meus temores: o de deixar de ser absolutamente sozinha.

É, isto mesmo. Com tanta gente com medo da solidão inerente ao ser humano, num mundo em que pessoas até resolvem ter filho para deixar de ser só, eu invento de me acovardar justamente de deixar de ser só. Porque afinal, a gente sai da casa dos pais, se distancia de amigos, troca de emprego ou profissão, transforma marido em ex, mas filho é para sempre. E imagine como a força desta relação aparece para alguém que vê como regra e com um certo alívio que na vida tudo é mutável.

Agora como eu supostamente devo lidar com isto? Sei por experiência de vários embates que agüento o tranco de muita coisa pesada. Mas minha coragem se vai quando imagino que meu filho poderia ter que passar pelas mesmas provas. Vergonhosamente, perco aí toda fé e confiança no divino. Minhas múltiplas cicatrizes passam de medalhas de honra a sinais dos perigos do mundo. É como, já escaldada pela vida, entregar o coração de bom grado para outro ser carregar e ficar assistindo de longe o portador subir na corda bamba pela primeira vez.

E isto me corrói, da mesma maneira que é corrosiva esta minha vontade de ver a minha história se expandir em uma outra vida e finalmente entender a intensidade dos sentimentos estampada no rosto das mães. Elas se juntam, desabafam, mas continuam. Quero entrar no clã! Será que agüento?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente no portal Desabafo de Mãe.


Gabriela Simionato Klein
Racine, 5/2/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma baby boomer no Twitter de Eugenia Zerbini
02. Os fantasmas de Norman Mailer de Sonia Nolasco


Mais Gabriela Simionato Klein
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2007
17h48min
Gabi, não existe preparo para ser mãe. Quem diz isso está mentindo. A maternidade vem carregada de sentimentos que vc nem sabia que existiam! Por isso sou a favor de não ficar planejando muito, não. Deixa rolar. Quando a contecer vc me conta... hehehe... PS: A hora certa vai depender da vida de cada mulher. Mas acho bacana em torno dos 30. Quando vc já vivenciou toda a sua liberdade, mas ainda tem forças para abraçar o que vem pela frente.
[Leia outros Comentários de Cristiana Soares]
7/2/2007
13h51min
Concordo com o comentário da Cristina: deixa rolar. Pode ser sim que seu filho passe, como você e acho que todo mundo, por muitos trancos. Mas também vai passar por tanta coisa boa! Tenho certeza que você vai curtir muito. Como eu, que sou a mãe mais babona do mundo.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
11/2/2007
18h15min
Texto muito interessante.
[Leia outros Comentários de Poliana Ramalho]
13/2/2007
16h13min
Por incrível que pareça eu estava lendo a minha história e me emocionei com a leitura. Eu estou passando exatamente por este momento de dúvidas e incertezas mas o texto é excelente e me ajudou muito. E agora eu sei que não estou só...
[Leia outros Comentários de Deise Valentim]
21/2/2007
10h15min
Gabriela, gostei muito do seu texto. Acho que a maior parte das mulheres sente mais ou menos isso que você desabafou. Meu medo era de esquecer de alimentar o bebê, cheguei a sonhar (ou ter pesadelos) com isso. Entretanto tive meu primeiro filho quando estava numa crise conjugal, vivendo em casa separada, e com dois empregos precários, sem carteira assinada. E foi maravilhoso! Foi a melhor coisa da minha vida. Minha segunda gravidez também foi sem planejar e igualmente maravilhosa. Não viveria sem meu trabalho mas também não consigo imaginar uma vida feliz sem meus filhos, com todas as preocupações e alegrias que eles me dão. Desejo que sua experiência seja também muito gratificante e iluminada.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
21/2/2007
20h04min
Pô, que texto bom! É tão difícil encontrar alguém que escreve sobre o que realmente interessa. A gente vê tanto lugar comum por aí. Vc falou sobre maternidade sem cair na banalidade, no lugar comum, na chatice. Parabéns! Abraço, Rbr
[Leia outros Comentários de Ronaldo Brito Roque]
21/2/2007
20h32min
Se você tem dúvidas, este não é o momento. Aguarde até que a luz verde acenda; é mais seguro do que tentar uma maternidade fora do seu tempo. Hoje uma mulher pode esperar esse momento com mais tranquilidade. E lembre-se de que nem sempre o filho preenche a falta de companhia; isso representaria o perigo de se transferir ou escamotear um problema mais sério, ou - o que é pior - contaminar o ambiente familiar, gerando filhos depressivos e dependentes. É bom verificar o que realmente se tem em mente ao ter filhos, antes que descubramos tarde demais. Filho não cura solidão.
[Leia outros Comentários de Marcia Rocha]
22/2/2007
19h22min
desejo muito ser mãe, mais o meu esposo não quer por agora e cada vez que entro nesse assunto fico triste demais... estou precisando e desejando ter o meu bebê.. o que devo fazer?
[Leia outros Comentários de isabel cristina barr]
23/2/2007
19h31min
Talvez este tenha sido um dos meus maiores receios, ter filhos... Houve épocas em que eu pirava, achava que ia ter cinco, para que cada um fizesse companhia para outro, outras vezes achava que nunca iria engravidar por ser algo de enorme responsa (o que não deixa de ser)... Descobri que estou grávida aos 29 anos, mas é isso mesmo: retardar tanto para quê? Ainda há forças para viver mais emoções, sentimentos e abraçar a vida que está sendo gerada dentro de mim. As dúvidas sempre existirão, é inerente ao ser humano. Sempre achamos que poderia ser melhor, nos projetando para um futuro que deve ser vivido a cada dia que passa... Uma assídua leitora da filosofia alemã de Schopenhauer e Nietzsche, os quais enfatizam particularidades das mulheres e da espécie humana, não me fizeram desprezar a idéia de ser mãe, mas realmente tudo tem sua hora, seu artigo me faz caminhar para o bem, mesmo porque faço meus os versos de Fernando Pessoa que diz "Tudo vale a pena se a alma não é pequena".
[Leia outros Comentários de Nira Martins ]
20/3/2007
21h06min
Parabéns e vc realmente descreveu a essência dos seres humanos, que não mais é que viver as manifestações da natureza.
[Leia outros Comentários de gabriel geraldo]
15/4/2011
15h14min
Gabriela, seu relato faz parte da vida de todas nós mulheres, com nossas dúvidas, desejos e perdições. Adorei!!!
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Inquérito e a Ação Penal
Oswaldo Lim Rodrigue
La Cava (niterói)
(1980)



Magistratura do Trabalho: Sentenças de Concursos Resolvidas
Otavio Calvet (2ª Edição)
Elsevier
(2005)



Ingenium - um Curso Rápido e Eficaz Sobre Criatividade
Tina Seelig
Virgiliae
(2012)



Salvem os Monstros
Fernando Paiva
7 Letras
(2010)



Agropecuária Orgânica Em Dose Homeopáticas e Romantizadas
Santiago Dorremim
Do Ré Mi
(2007)



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



O Outro Lado da Memória
Beatriz Cortes
Novo Século
(2015)



Soldados de Papel - Cine-romance
Raul Paulo da Rocha e Miklós Palluch
Do Autor
(2003)



Na Alcova: Três Histórias Licenciosas
Guilleragues, Crébillon e Denon
Companhia das Letras
(2001)



Concise Oxford American Dictionary
Oxford
Oxford
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês