Brincando de ignorar a internet | Gabriela Simionato Klein

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/6/2007
Brincando de ignorar a internet
Gabriela Simionato Klein

+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Ignored Intamacies, Ron Patterson

No início do mês o texto do Julio intitulado “Publicar em papel? Pra quê?” gerou comentários apaixonados e reacendeu em mim uma questão que vi na minha vida profissional afora (e sem nenhuma conexão com o mundo dos livros).

Sou jornalista há mais de uma década e atuei de vários lados do balcão, como se costuma dizer na área. Fui de repórter, em redação de jornal, a assessora de imprensa trabalhando em agências de comunicação. Produzi e editei conteúdo para Web e ainda participei de equipes de comunicação dentro de empresas. Vi a bolha nascer, crescer e estourar. Fui da turma que precedeu as equipes de Internet, saindo para cobrir eventos para o jornal e voltando rapidinho para dar uma nota para o site. Participei de reuniões em que se investigava como investir em propaganda na rede e como tratar o meio como um canal efetivo de comunicação com o mercado, clientes, parceiros...

Neste mundo de erros e acertos, alguns aprenderam mais que outros. E é notório o caso de comunicadores que não sabem lidar com as possibilidades da rede. Uma crítica muito adequada aos blogs de jornalistas já foi feita aqui e não é a única e nem será a última.

Mas sabe o que é comum à redação, ao mercado corporativo, agência de comunicação e mesmo entre as pessoas comuns, como a minha mãe, que adora fazer cadernos de recortes com as minhas matérias? O preconceito com a rede e seu potencial. Só escapam mesmo os profissionais que “respiram” Internet. A coisa toda já começa com a minha mãe, que prefere sim ter em mãos uma revista ou jornal a algo que não se pode tocar e, quando impresso, “fica horrível”. Nas empresas, mesmo as de Internet (tenho exemplos!), executivos analisam a imagem na imprensa e minimizam a importância do que sai nos sites noticiosos. Nos blogs então, nem pensar. Lembro-me de um cliente que pedia para retirar do relatório mensal de recortes de notícias a respeito da empresa todo o material que tivesse saído na rede. Este ele preferia nem ver contabilizado ou analisado. O ano? 2006!

Claro que nem toda liderança empresarial pensa assim. Fiquei surpresa, inclusive, ao saber que até estratégias de comunicação especialmente para blogueiros têm sido estruturadas e implementadas. Mas não é o comportamento comum, como reclamam colegas blogueiros e jornalistas com freqüência assustadora. Clientes preconceituosos (sim, por que muitas vezes a Internet é o melhor veículo para fazer uma mensagem chegar até os seus públicos-alvos) moldam as estratégias de comunicação, fazendo com que assessores invistam menos no meio e que os jornalistas da área fiquem sem contar com o apoio de que necessitam. Veja relatos de profissionais sobre o assunto aqui.

Venda de publicidade na área é outra questão sensível. Poucos sacam que a Internet dá sim resultado, quando for o veículo adequado para a campanha e tendo seu funcionamento e perfil de público respeitados. É claro que existem os grandes alardes em volta de virais, participações de grandes marcas no Second Life e compra de agências interativas por gigantes do mercado. Mas o grosso do investimento em publicidade no Brasil ainda ocorre de maneira tradicional. Nada que se compare com o desempenho no mercado americano. Sobre isto, tem gente falando com propriedade aqui e, para quem quer se aprofundar, de novos métodos de mensuração de iniciativas na Web neste podcast.

Sim, a penetração da Internet no Brasil ainda é pequena. Mas o público é seleto. Facilmente identificável e atento. Para realização de pesquisas qualitativas, por exemplo, é um meio excepcional, que oferece baixo custo, facilidade de uso e resultados rápidos.

Então por que a Internet não é um fator importante para o executivo que ignora as notícias on-line, para o outro que desfaz da força dos blogueiros em certos nichos que eles fazem a diferença? Percebam, falo de empresas que precisam dialogar com um público que já está na rede. Não discuto aqui a grande massa excluída.

São muito influenciados pela era do papel? Sim, mas vivem o “aqui e agora” em que toda uma nova geração é fruto da rede. Já existem pesquisas que mostram a relação dos consumidores de conteúdo com as novas tecnologias, novos serviços de acompanhamento das marcas na rede nascem, assim como pesquisas para quem quer desenvolver produtos de comunicação adequados a audiências particulares na rede.

Enfim, toda uma movimentação feita hoje para quem está atento e procurando se adequar ao que o mercado exige.

O que impede, então, a aceitação? São todos péssimos administradores que não percebem como a mudança é inevitável? Acho improvável. É difícil a adaptação a um mundo jovem e de velocidade impensável anos atrás? Sim, mas não impossível. Muita gente comum e mais velha, ainda com receio da net, quando devidamente motivada, se aventura e muitas vezes passa a valorizar as facilidades conquistadas, como a redução no custo de contas telefônicas pelo uso do Skype.

O que é então? Arrisco um palpite: medo. Pânico deste ambiente aberto que não é uma via de comunicação de mão única e sim um espaço de conversações; horror desta área que tem múltiplos produtores de conteúdo e permite a replicação de temas, a proliferação de memes, os desdobramentos de conteúdo. Pavor do aspecto subversivo que a Internet tem e que surpreendeu a todos, como filho “bem-educado” que chega em casa um dia e faz valer as suas escolhas e mostra sua real personalidade. Nestes casos, melhor ignorar do que ter que lidar, decidem alguns. E já que estamos na Internet: O que você acha?


Gabriela Simionato Klein
Racine, 18/6/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
02. Sobre o preço dos e-books de Raphael Vidal
03. Marina candidata de Milton Hatoum
04. Sereníssima de Ramon Mello
05. Não julgue o público de Olívia Mindêlo


Mais Gabriela Simionato Klein
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2007
11h06min
Como todo bom senhor de idade, o mercado teme o novo. Não que o ignore, ele faz que ignora mas não ignora. Teme! Pois neste mercado movido a bilhões muita gente perde dinheiro por deixar de apostar ou por apostar. Isso dá uma certa idéia ao investidor que o mercado "tradicional", por ser conservador, é mais maleável e mensurável. Acho que alguém pensa duas vezes em investir em internet e nos seus recursos por ver nela juventude demais. Isso como uma qualidade ruim, imagino. Os defeitos de um espírito jovem são automaticamente refletidos num ambiente volátil, pouco confiável, com publico alvo voltado apenas para produtos de baixo valor agregado. Vende-se tênis Nike, mas não máquinas que produzem tênis Nike. Possivelmente um grande manufacturer de máquinas pesadas tem lá seu site, mas o faz de forma apenas intitucional, sem se aprofundar na potencialidade deste recurso. A mentalidade só amadurecerá com a renovação dos homens sentados nas cadeiras de encosto alto, nas grandes empresas.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
19/6/2007
00h40min
Gostaria de colocar três coisas sobre o debate a respeito da Internet: 1)Concordo com George Gilder, que vislumbra a convergência da indústria de computadores com a indústria da televisão do mesmo modo que o automóvel convergiu com o cavalo. Para Gilder, “o computador não veio para transformar a cultura de massas, mas para destruí-la”. 2)Também concordo com Manuel Castells, quando fala que vivemos uma revolução informacional. Não é moda, é fato. As redes digitais estão penetrando em nosso cotidiano, tal como a energia elétrica penetrou na vida das cidades no final do século XIX. A diferença é que as novas tecnologias são tecnologias da inteligência. 3)Os principais embates do século XXI serão em torno das enormes possibilidades de compartilhar cultura e conhecimento (jamais vistas antes das redes informacionais) e as tentativas de apropriação privada das idéias pela negação de acesso.
[Leia outros Comentários de Sergio Amadeu]
24/6/2007
21h04min
O tempo mostrará, e já tem mostrado, que a Internet veio para ficar. Aliada à mídia impresa é, sim, um excelente meio de vender idéias e produtos. Logo todo empresário "esperto" saberá desta verdade, e aí, sim, os investimentos em divulgar suas marcas/produtos na grande rede serão maiores.
[Leia outros Comentários de Jack]
26/6/2007
17h27min
De fato... Assim foi com o controle remoto, o celular e tudo o que é tecnologia, primeiro a resistência e depois a compreensão e utilização. É como a relação entre a pintura tradicional e a Pintura por Computador (a exemplo do artista brasileiro premiado este ano na Academia de Ciências, Letras de Artes de Paris, www.celitomedeiros.com); Como conseqüência o convite para expor no LOUVRE - um reconhecimento à altura desta nova ferramenta, o computador e o mouse-pincel. O mesmo se deu pela Internet o conhecimento sobre Morris Albert, o brasileiro que mais vendeu discos na história deste país (Só com FEELINGS 180 milhões de discos) e que poucos sabem. Sds, Gal
[Leia outros Comentários de Gal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês