Dialogando com o público leitor | João Ubaldo Ribeiro

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/9/2007
Dialogando com o público leitor
João Ubaldo Ribeiro

+ de 11000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Kurt Schwitters

– Boa tarde, o senhor me desculpe eu estar interrompendo sua leitura, mas é só um minutinho.
– Ah, pois não.
– É o seguinte, não é o senhor que é o escritor? O menino ali me disse que o senhor é o escritor.
– Bem, não sei se sou o escritor. Mas sou um escritor, sou, sim.
– Madalena, venha cá, é ele! Madalena! Chame Rosalvo e os meninos, é ele?
– O que foi que houve?
– Madalena é minha esposa, ela estava com vergonha de perguntar se era o senhor mesmo o escritor. Ela me disse que já tinha ouvido muito falar no senhor. E Rosalvo é meu cunhado, que conhece sua obra, é gente boa.
– Sim, eu...
– Não vou interromper nada, pode ficar descansado, o senhor pode continuar com sua leitura.
– Eu...
– Madalena, é ele mesmo! Você tinha razão, é ele. É boa gente, você sabe? Estamos aqui numa prosa ótima, ele é a simplicidade em pessoa. Olha aí, Rosalvo, é ele. Pode sentar, rapaz, ele não morde, há-há!
– Muito prazer, dá licença.
– Eu...
– Meu nome é Rosalvo Luiz da Anunciação Pereira, mas eu costumo assinar apenas Anunciação Pereira.
– Ah, sim, interessante.
– Admiro muito sua obra, O Sargento de Milícias.
– Mas não fui eu quem escreveu esse, foi outro. Bem que podia ter sido eu, mas não fui eu.
– Ah, então o senhor não é autor do “Sargento”?
– Sou, mas de outro sargento, o Sargento Getúlio.
– Ah, mas é claro, que besteira minha. O Sargento de Milícias é de Lima Duarte, não é?
– Lima Duarte? O Sargento...
– Sim, Lima Duarte, do Policarpo Quaresma, grande autor, para mim maior do que Machado de Assis.
– Lima Barreto.
– Sim, claro, claro, Lima Barreto, eu sempre confundo, Lima Duarte é outro.
– E não foi Lima Barreto que escreveu O Sargento de Milícias.
– E quem foi?
– Manoel Ant... Deixa pra lá, tudo bem, Seu Rosalvo.
– Pelo amor de Deus, nada de formalidades, que é isso de “Seu Rosalvo”, os amigos a gente trata pelo nome.
– Muito obrigado, gentileza sua.
– Que é isso que você está bebendo aí, posso dar uma cheiradinha? Ah, isso é caju! De hoje que eu não tomo uma batida de caju, vou pedir uma também enquanto a gente conversa, é coisa pouca, não vou tomar seu tempo, eu sei que você é um homem ocupado e precisa ler o jornal para estar por dentro do que acontece, o escritor tem de estar informado.
– Pois é, eu...
– Madalena, peça uma batida de caju no boteco e traga uns acarajés, uns abarás, uns tira-gostos, umas coisinhas. Quem bebe tem que comer, não é não?
– É, mas eu, pessoalmente, quando estou bebendo...
– Não vou tomar seu tempo, vou direto ao assunto. Eu também sou escritor.
– Ah, que bom, eu...
– Mas até hoje só publiquei um livro, que eu mesmo custeei, um livro de poemas em prosa e mais alguns escritos que eu reuni. Se eu soubesse que ia lhe encontrar aqui, eu lhe trazia um exemplar. Chama-se Retalhos de Mim. Não quero ser imodesto, mas muita gente boa... Não sei se você conhece o professor Martinho Lobo, conhece o professor Martinho Lobo?
– Não, infelizmente não, eu...
– Não conhece Martinho Lobo, da Academia de Odontólogos Escritores, que foi muitos anos professor de português no Central?
– Não, infelizmente...
– Bem, eu vou lhe mandar a cópia de um artigo que Martinho Lobo escreveu na Gazeta de Ipiaú a respeito desse livro meu, você vai ver que comentário interessante, ele foi muito feliz nas observações dele.
– Sim, mas eu...
– Ah, chegou o acarajé! O acarajé dessa baiana é uma beleza, é um dos melhores que eu já provei.
– Eu sei, eu conheço essa baiana desde menino.
– Ah, sim, claro. Com pimenta ou sem pimenta?
– Não, obrigado, eu detesto comer quando estou bebendo. Aliás, eu...
– Abará então? Hum, esse abará...
– Eu...
– Vou direto ao assunto, não quero tomar seu tempo. Para onde é que eu posso mandar uns originais que eu queria que você lesse? São 29 peças curtas, que eu prefiro não rotular, são pedaços de minha vida, de minha sensibilidade. Alguns você poderia chamar de contos. Não sei se você conhece aquela frase de Edgard de Andrade que diz que o conto é tudo aquilo que se chama de conto, conhece essa frase?
– Eu...
– Pois é, mas eu não quis chamar de contos, preferi não dar nome, chega de rótulos, de fórmulas, de coisas preestabelecidas, precisamos inovar a literatura, você não acha? Agora, se depois que você ler você achar que eu devo dizer que são contos, você é que sabe, você é que vai fazer o prefácio, não sou eu.
– Eu vou fazer o prefácio?
– Eu já tinha dito a Madalena e a Walter Augusto – Walter Augusto é meu cunhado, casado aqui com Madalena: eu vou lá conversar com ele e vou ser logo sincero, vou botar as cartas na mesa. Se eu quero o prefácio, pra que ficar enrolando, é ou não é? Madalena, me dê a caneta aí, para eu tomar nota do endereço dele para mandar os originais. Eu moro aqui na Bahia mesmo, isso chega rápido pelo correio, amanhã mesmo eu mando, deve estar aqui dois ou três dias depois, quer dizer, dá para esse prefácio estar pronto daqui para o outro domingo. Mas você não precisa ter o trabalho de me mandar o prefácio e me devolver os originais, eu mesmo venho aqui pegar tudo no próximo fim de semana e assim a gente aproveita para bater outro papo, depois que discutir o prefácio.
– Discutir o prefácio? Eu...
– Agora está na hora de uma cervejinha. Dê cá seu copo aí, que eu vou mandar lavar, que agora a gente vai numa lourinha estupidamente gelada que eu...
– Olha aqui, meu amigo, eu não vou fazer prefácio nenhum, não quero discutir nada com o senhor, não suporto mesa atulhada de caranguejo, folha de banana, farelo de acarajé, resto de vatapá e essa tralha toda aí e, mais do que tudo, não quero nem vou tomar cerveja nenhuma, largue meu copo aí, por favor.
– Mas minha intenção...
– O senhor vai me dar licença, eu vou embora.
– E o endereço?
– Que endereço, rapaz, eu vou lá lhe dar endereço?
– É isso que acontece, Madalena, o sujeito tem um sucessozinho, vira medalhão e aí pisa nos outros! Pode ir, pode ir, eu saberei vencer sozinho! Você já viu que indelicadeza, Madalena, ele age como se tivesse o rei na barriga, não sei o que ele está pensando que é, ainda se fosse um escritor importante mesmo, agora um cara desses que ninguém sabe quem é...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Também parte integrante do volume As Cem Melhores Crônicas Brasileiras, organizado por Joaquim Ferreira dos Santos.


João Ubaldo Ribeiro
Rio de Janeiro, 24/9/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Yoani Sánchez no Brasil de Jaime Pinsky
02. A refundação de Obama de Régis Bonvicino
03. 89 FM, o fim da rádio rock de Valdir Antonelli
04. A mídia somos nós de Rodrigo Mesquita
05. A arte de citar de Pedro Maciel


Mais João Ubaldo Ribeiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/9/2007
12h00min
O João Ubaldo das crônicas ainda vai me fazer ler o João Ubaldo romancista. Já tentei ler este último, mas não consegui. Esta crônica dele é um primor!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
3/10/2007
23h21min
Crônica incrível esta do João Ubaldo Ribeiro! Uma transposição do que passam alguns escritores, todos os enganos, todas as interrupções, toda a fingida identificação do possível leitor... Enfim, através desta crônica podemos realmente notar que uma de suas característcas é o "contar" do cotidiano, mesmo que este seja um tanto quanto desfavorável!
[Leia outros Comentários de Fernanda Barros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês