Machado polímata | Jacyntho Lins Brandão

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 16/6/2008
Machado polímata
Jacyntho Lins Brandão

+ de 4900 Acessos


Machado no traço de Fraga

Escreveu Heráclito (segundo Diógenes Laércio): "polimatia não ensina sabedoria" (ou "inteligência"), pois, ele prossegue, "teria ensinado a Hesíodo e Pitágoras, a Xenófanes e Hecateu". Debite-se o aforisma à melancolia do filósofo (que chora) e a seu desejo de separar-se da acumulação de saberes que encontra em colegas como Hesíodo, o qual poetou desde sobre os primeiros deuses até a agricultura e a navegação, fazendo "uns dias bons e outros maus", por ignorar "como a natureza de cada dia é uma e a mesma", pois "tudo é um", "o contrário é convergente" e dos "divergentes [é que] nasce a mais bela harmonia". Não se trata, como se vê, de negar a contradição e a divergência, mas de definir uma partilha: há os que se põem do lado do um ("de todas as coisas um e de um todas as coisas"); há os que se voltam para a polimatia do múltiplo.

É neste último clube que incluo Machado de Assis, fazendo-me logo entender. Um: não quero dizer que os aliados de Heráclito também não saibam muito, apenas que se trata de pendores diferentes (uns são holistas; os outros, particularistas). Dois: não é preciso desclassificar uns para classificar os outros, pois há bons pendores de lado a lado: se o grande Machado é particularista, o não menos grande Guimarães Rosa decerto é holista. A diferença: enquanto este último dá a entender que "de todas as coisas um" etc., ao outro o um pouco interessa, basta-lhe cada coisa. Aquele busca "a" sabedoria. O outro, polimatia.

Uma passada de olhos na fortuna crítica leva a constatar que só de um polímata poderia haver leituras tão variadas. Já se escreveu sobre Machado de Assis funcionário público (Magalhães Júnior), psiquiatra (José Leme Lopes), socialista (Roberto Schwarz), religioso (Hugo Bressane), utopista (Massaud Moisés), frasista (Angela Canuto), filósofo (Nivaldo Manzano), historiador (Sidney Chaloub), cético (José Raimundo Maia), satirista (Álvaro Marins), abolicionista (Eduardo Duarte) ― e até, há pouco (com Gustavo Franco), sobre Machado economista (apenas para insistir no contra-exemplo: alguém teria como tratar da economia em Rosa?). Essa abertura um tanto exagerada que Machado dá para tanta diversidade deve ser tomada não só como casual, mas sintoma de algo que estará no cerne de seu programa de escritor, de leitor e pensador. Os indícios disso é que me proponho perseguir aqui. Não sem antes precisar três pontos.

Três precisões
A primeira, que, tratando-se de um escritor, a polimatia é irmã xifópaga da poligrafia. Não tanto no sentido de alguém que escreve muito (o que se aplica também a Machado), como que escreve sobre muitas coisas ― porque lê coisas variadas e serve ao leitor essa variedade. O polígrafo costuma ser autodidata ― como em grande parte Machado foi ― ou seja, lê sem um programa definido (muito menos de caráter escolar) e freqüenta parcelas de conhecimentos e reflexões. Daí a impressão de alguém que em nada crê nem descrê, mas toma sempre distância para ver (ler) melhor. O aforisma heraclíteo, "os olhos são testemunhas mais exatas que os ouvidos", é transportado por escritores como Machado para a esfera da leitura ― como assevera sua personagem Dona Úrsula, em Helena: "não entendo bem o que os outros me lêem; tenho os olhos mais inteligentes que os ouvidos".

Segundo ponto: Machado decerto se inclui na seqüência de polígrafos (nos dois sentidos) como Plutarco, Luciano, Aulo Gélio, Erasmo, Montaigne, Diderot e Voltaire (já em A mão e a luva ele se declarava "o Plutarco dessa dama ilustre", ou seja, trata-se de uma escolha genealógica que vem dos primeiros tempos). Mas também "descende da raça" dos aforistas, esses "caçadores", conforme Augusto Meyer, cuja paixão é "um esporte abstrato, jogado com palavras": Pascal, La Rochefoucauld, Vauvenargues, Leopardi, Schopenhauer.

Finalmente, se a polimatia esteve em outros momentos nos livros de polígrafos e aforistas, na época de Machado tinha migrado para jornais e revistas (donde depois partiu para o rádio e a televisão, como, hoje, se encontra na internet). A crônica é sua forma por excelência, mas recorde-se que as publicações seriadas acolhiam também ficção: muitos dos contos Machado publicou-os assim e foi na Revista brasileira que primeiro apareceram as Memórias póstumas de Brás Cubas. A técnica fragmentada da narrativa, que se radicaliza a partir deste livro, deverá muito à forma do folhetim, não comportando mais os extensos capítulos, por exemplo, de Iaiá Garcia.

Dois entenderes
Caso se concorde que o polímata, enquanto leitor, tem a inteligência nos olhos (é um tipo de voyeur), na medida em que se torna escritor, age como exibicionista. Daí o gosto por citações, alusões e reminiscências postas intencionalmente na superfície do texto. Essa técnica de composição, que é bastante evidente nas crônicas, comparece igualmente nas obras de ficção. Nessas, mais que premissa só do narrador (ou de narradores-personagem como Brás Cubas e o Conselheiro Aires), ela também faz parte da competência das personagens tout court: em Ressurreição, por exemplo, a anedota do "astrólogo antigo que, estando a contemplar os astros, caiu dentro de um poço" (transmitida por Esopo e aplicada a Tales por Platão), é trazida, por Félix, ao diálogo a propósito dos "livros de imaginação" (isto é, de ficção), para levar à conclusão de que a vida não é "senão uma combinação de astros e poços, enlevos e precipíos" ― e de que, agora a voz é de Lívia, "não há livros detestáveis nem ótimos. Deus os dá conforme a ciência de cada um."

Esse narrador que exibe um conhecimento um tanto difuso parece ter como objetivo fazer com que o leitor adquira, ele também, inteligência visual: "é um privilégio do romancista e do leitor ver no rosto de uma personagem aquilo que as outras não vêem, ou não podem ver", afirma-se em A mão e a luva, prosseguindo-se então: "no rosto de Guiomar podemos nós ler..." Ver e ler são operações correlatas, sendo para a percepção do que é a outros invisível (logo, ilegível) que o narrador que se expõe pretende chamar a atenção. Daí sua necessidade constante de expor igualmente o leitor, como faz Machado por toda parte, a exemplo de na mesma obra: "um leitor perspicaz, como eu suponho que há de ser o leitor deste livro, dispensa que eu lhe conte os muitos planos que ele [Estêvão] teceu, diversos e contraditórios". Ora, seja em que nível for, as citações, alusões e reminiscências têm como destinatário esse leitor cuja perspicácia de visão (e leitura) cumpre trabalhar, para que, reconhecendo que há sempre, no texto, muitos planos, diversos e contraditórios, também exiba, no reconhecimento, sua parcela de polimatia.

A "nota semanal" publicada por Machado em 1º de setembro de 1878, a propósito dos atropelos nas eleições em Paquetá, serve para mostrar como isso se processa. Começa-se com alusão à ilha dos Amores, suposta invenção de Camões até que se descobriu, agora, ser ela "nada menos que a ilha de Paquetá". Logo o autor se explica: "Entendamo-nos; não digo que em Paquetá haja Leonardos, nem que ali vá ter a caravela de nenhum Gama. Há um falar e dois entenderes. O que digo é que, no ponto de vista eleitoral, a nossa ilha vale a de Camões". Segue então a descrição invertida dos tumultuados sucessos (que elevam o lugar a um plano fictício), com cada qual votando no adversário, fraudando em benefício do outro partido, protestando contra o resultado favorável a si e elegendo candidatos de outra paróquia. Então, ele completa: "Ri-se o leitor? (...) Não sei, entretanto, se poderá explicar de outro modo o fato de (...) Paquetá dispensar a força que lhe mandaram, certa de fazer uma eleição pacífica. Este procedimento faz crer que Paquetá é o seio de Abraão".

Ora, é porque para um falar é preciso buscar pelo menos dois entenderes que se justifica não só o apelo à ilha de Camões, como, em outros lugares, à "ponta da orelha trágica de Shakespeare", às lágrimas de Xerxes, aos "mares de Homero" que, diferentemente dos de agora, "podeis sacudir Ulisses, mas não lhe dais as aflições do enjôo". Colhidas por seu valor, as remissões são contudo despidas da sacralidade que possam ter para conformarem-se à dicção machadiana e a novos entenderes, o que permite até que Paquetá possa vir a ser (ironicamente) o "seio de Abraão".

(Alg)uma sintaxe
A famosa resposta de Pedro e Paulo à pergunta sobre sua idade (um: "nasci no dia em que Sua Majestade subiu ao trono"; outro: "nasci no dia em que Pedro I caiu do trono") confirma que para tudo há mais de um entender. Com efeito, em Esaú e Jacó, romance da plena maturidade, pode-se perceber com toda clareza o programa perseguido por Machado desde o início. Nunca a polimatia foi tão ampla, abraçando toda a tradição: Ulisses e Aquiles, Esaú e Jacó, Pedro e Paulo, Castor e Pólux são nomes e epítetos aplicados aos gêmeos, a provar que nem gregos, nem judeus, nem cristãos ― nem mesmo o ovo de Leda era assim tão um quanto aparentava.

Foi isso também que aprenderam Prometeu, Aasverus e Brás Cubas, no que pareceria, à primeira vista, algum exercício holístico de abarcar princípio e fim, mas termina na dispersão do meio: "cada século trazia a sua porção de sombra e de luz, de apatia e de combate, de verdade e de erro, e o seu cortejo de sistemas, de idéias novas, de novas ilusões". Como já dizia o Sr. Antunes, em Iáiá Garcia, "debaixo do sol, nem tudo são vaidades, como quer o Eclesiastes, nem tudo são perfeições, como opina o Doutor Pangloss". Mesmo sobre um simples bacilo, "Hippocrate dit oui, et Gallien dit non".

Porque assim são os homens é que se exige um leitor (como Luís Garcia) "de boa casta, dos que casam a reflexão à impressão": "quando acabava a leitura, recompunha o livro, incrustava-o, por assim dizer, no cérebro; embora sem rigoroso método". Dessa forma, "podia colher a flor ao menos de cada coisa". Noutros termos: compor seus próprios florilégios. Ou, nos do Comendador X, proceder a "uma verdadeira digestão literária". Não é outro o método machadiano: um processo digestivo que desagrega o lido, para servir ao leitor o que foi colhido. Nesse sentido, os aforismas de Brás Cubas (postos "entre parêntesis"), são uma espécie de extrema radicalização: "Suporta-se com paciência a cólica do próximo"; "Não se compreende que um botocudo fure o beiço para enfeitá-lo com um pedaço de pau. Esta reflexão é de um joalheiro" etc. Heráclito teria razão? Pura polimatia, nenhuma sabedoria?

Uma advertência e um prefácio auxiliam-nos no esforço final de responder a essa pergunta. Este, de Páginas Recolhidas: "Montaigne ['Quelque diversité d'herbes qu'il y ayt, tout s'enveloppe sous le nom de salade'] explica pelo seu modo a variedade deste livro". Aquela: "Este título de Papéis Avulsos parece negar ao livro uma certa unidade (...). A verdade é essa, sem ser bem essa. (...) São pessoas de uma só família, que a obrigação do pai fez sentar à mesma mesa". Enfim, existe a teoria do filósofo que se dirige a Alexandria (um desses lunáticos machadianos que se entregam a uma idéia fixa como a única chave para o entendimento de tudo), teoria segundo a qual "os deuses puseram nos bichos da terra, da água e do ar a essência de todos os sentimentos e capacidades humanas. Os animais são as letras soltas do alfabeto; o homem é a sintaxe".

Agudo aforisma: a sintaxe é o homem. Machado. O leitor. Constatação que abre todas as possibilidades. Contra a melancolia do filósofo que chora o um, a polimatia do também filósofo (por que não?) a que diverte a inteligência variada de cada coisa.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais, na edição especial em homenagem a Machado de Assis.


Jacyntho Lins Brandão
Belo Horizonte, 16/6/2008

Mais Jacyntho Lins Brandão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BORBOLETAS NA ALMA
DRÁUZIO VARELA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 10,00



APRENDA A FALAR BEM E IMPULSIONE SUA CARREIRA - COL. SUCESSO PESSOAL
JOHN W. OSBORNE
KLICK
(1996)
R$ 7,00



O SEGREDO DA AMIZADE
WAGNER COSTA
MODERNA
(2006)
R$ 18,00



IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
REDSTONE PRESS
(1989)
R$ 195,00
+ frete grátis



FALA AMENDOEIRA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSE OLYMPIO
(1973)
R$ 6,90



EL ZAPATO SUCIO (TEATRO CUBANO) - EM ESPANHOL
AMADO DEL PINO
EDICIONES ALARCOS
(2002)
R$ 14,00



REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES FEDERAIS - LEI Nº 8. 112/90
CARLOS EDUARDO GUERRA
CAMPUS
(2007)
R$ 17,50



DE LETRA EM LETRA
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIROS
MODERNA
(2008)
R$ 15,00



EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
VÁRIOS.MARILENA CHAUÍ, OCTAVIO IANNI ENTRE OUTROS.
EDUC
(1984)
R$ 5,00



TERAPIA FISICA
LUIGI DEVOTO
UMBERTO GRIONI
(1925)
R$ 49,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês