Marcuse e o Brasil | Jorge Coelho Soares

busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A morte do professor de literatura
>>> Centenário de Noel Rosa, por Francisco Bosco, na Rádio Batuta
>>> A trilogia Qatsi
>>> Graça Foster também sabia
>>> Um gadget de veludo
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
Mais Recentes
>>> Instalações Elétricas de Hélio Creder pela LTC (2002)
>>> Não é a Mamãe de Guilherme Fiuza pela Record (2014)
>>> O Que É Ideologia de Marilena Chauí pela Brasiliense (1995)
>>> Minigramática de Ernani Terra pela Scipione (2002)
>>> O Seminarista de Bernardo Guimarães pela Martin Claret (2015)
>>> Do-In: Livro dos Primeiros Socorros - Vol. 1 de Juracy Campos L. Cançado pela Ground (1985)
>>> Das Wunschhaus und Andere Geschichten de Leonhard Thoma pela Hueber Verlag (2018)
>>> Caçando e Pescando Por Todo o Brasil - 1ª Série de Francisco de Barros Júnior pela Melhoramentos (1955)
>>> La France J'Aime! de Gilbert Quénelle pela Hatier International (1985)
>>> Como Conquistar Clientes e Mantê-los Para Sempre de Michael LeBoeuf pela Harbra (1996)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1996)
>>> O Maior Segredo do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> Cálculo com Geometria Analítica de Earl W. Swokowski pela Makron Books (1994)
>>> Amor de Leo Buscaglia pela Record (1972)
>>> Fundamentos de Física - Eletromagnetismo de David Halliday pela LTC (1996)
>>> Microeletrônica de Sedra, Adel S., Smith, Kenneth C. pela Makron Books (2019)
>>> O Fim do Brasil de Felipe Miranda pela Escrituras (2014)
>>> Manifesto do Nada na Terra do Nunca de Lobão pela Nova Fronteira (2013)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Record (2015)
>>> O País dos Petralhas II de Reinaldo Azevedo pela Record (2012)
>>> O País dos Petralhas de Reinaldo Azeved pela Record (2008)
>>> Privatize Já de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> Assassinato de reputações: um crime de estado de Romeu Tuma Junior pela Topbooks (2013)
>>> Por que virei à direita de Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé pela Três Estrelas (2012)
>>> A Terra de Deus de Taylor Caldwell pela Record
>>> The Secret Garden de Frances Hodgson Burnett pela Hub (2011)
>>> The Lung: Physiologic Basis of Pulmonary Function Tests de Robert E. Forster II pela Year Book Medical Publishers (1986)
>>> Star Wars Darth Vader. Vader de Panini pela Panini (2019)
>>> Treinamento em Informática: Windows 95 de Tba Informática pela Tds Distribuidora (1999)
>>> Access 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1997)
>>> PowerPoint 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1998)
>>> De Agora Em Diante, Uma Pessoa Diferente de Lama Surya Das pela Rocco (2007)
>>> Veda: Segredo do Oriente. Uma Antologia de Artigos e Ensaios de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivendanta Book Trust (2013)
>>> O Livro Da Transformação de Osho pela Sextante (2003)
>>> O Futuro Chegou  de Domenico de Masi pela Casa da Palavra (2014)
>>> Você é Inteligente o Bastante para Trabalhar no Google?  de William Poundstone pela Zahar (2012)
>>> A Prosperidade do Vicio - uma Viagem (inquieta) pela Economia  de Daniel Cohen; Wandyr Hagge pela Zahar (2010)
>>> Mitos Sobre a Fundação dos Estados Unidos  de Ray Raphael pela Civilização Brasileira (2006)
>>> A Startup Enxuta - Inovação Contínua para Criar Empresas Bem-sucedidas  de Eric Ries; Carlos Szlak pela Leya (2012)
>>> O Estilo Startup-empresas Modernas Usam o Empreendedorismo para Cresce  de Eric Ries pela Leya (2018)
>>> Como Se Tornar Inesquecível  de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O Naturalista da Economia  de Robert H. Frank pela Best Business (2009)
>>> A Prisão da Fé  de Lawrence Wright; Denise Bottmann; Laura Motta pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Escola da Liderança - Ensaios Sobre a Política Externa  de Sérgio Danese pela Record (2009)
>>> A Força da Convicção - Em Que Podemos Crer?  de Jean Claude Guillebaud; Maria Helena Kühner pela Bertrand Brasil (2007)
>>> A Beira do Abismo Financeiro - a Corrida para Salvar a Economia Global  de Henry M. Paulson Junior pela Elsevier (2010)
>>> O Fim da Vantagem Competitiva - Novo Modelo de Competição  de Rita Mcgrath pela Elsevier (2013)
>>> Risco Digital na Web 3. 0  de Leonardo Scudere; Scudere Soluções pela Elsevier (2014)
>>> A Disneyzação da Sociedade  de Alan Bryman pela Ideias e Letras (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/8/2008
Marcuse e o Brasil
Jorge Coelho Soares

+ de 10900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Herbert Marcuse é um pensador tão instigante quanto complexo, tanto pelas suas idéias, quanto pelas apropriações que foram feitas delas a partir de um imaginário que tentou delinear para ele uma imagem de "pensador e militante revolucionário". Foi trazido assim à cena do debate intelectual e divulgado, inclusive no Brasil, como maître à penser dos enragés de 1968. Porém, sua complexidade e densidade de reflexão permitiram que sobrevivesse, não como um "filósofo da moda", mas como um grande pensador, permanentemente envolvido pelas novas inquietudes da razão e da emoção que a modernidade tardia colocava em cena. Ao lado de Adorno, Horkheimer e Benjamin, estabelecerá um alicerce teórico fundamental do que conhecemos como Escola de Frankfurt.

E é nesse "movimento de idéias" conhecido hoje também como Teoria Crítica, surgido na Alemanha na década de 1920 e consolidado nos anos de 1930, que Marcuse deve ser estudado e compreendido. Não que isso implique nele, nem nos demais membros deste grupo, uma adesão acrítica a uma forma de pensar preestabelecida, à qual todos deviam prestar obediência. Muito mais é uma aproximação intelectual a um conjunto de inquietações compartilhadas às quais se acreditava poder dar conta, a partir de um referencial teórico, em permanente construção, ao qual todos eles já haviam assumido previamente como seu. É no diálogo entre seus membros que a "Escola" irá desdobrando suas reflexões e se construindo. É nesse diálogo intelectual também que precisamos situar o pensamento de Herbert Marcuse, como um marco referencial a que ele recorria sempre e ao qual se sentiu ligado por toda a sua vida.

Recepção no Brasil
No Brasil, a recepção das idéias de Marcuse se deu de forma tímida e incipiente a partir dos anos de 1960 sem que, naquele momento, entre os nossos intelectuais, se tivesse clareza da dimensão, amplitude e profundidade do seu pensamento. O mesmo poderia ser dito dos demais membros da Escola de Frankfurt.

Seus teóricos, mesmo nesse período, são ainda praticamente desconhecidos, mesmo entre filósofos brasileiros. Destaque-se aí, nesse momento, a Revista da Civilização Brasileira, editada de março de 1965 a dezembro de 1968. Possivelmente era a de maior circulação nacional entre intelectuais na época e já registrava a publicação de alguns artigos de membros da Escola de Frankfurt, como Adorno e Benjamin, além de Marcuse. A maior parte dos trabalhos desses teóricos ainda se encontrava em alemão e as expressões "Escola de Frankfurt" ou "Teoria Crítica" eram, se muito, uma referência ainda pouco valorizada no discurso de raríssimos intelectuais e filósofos brasileiros.

O trabalho de José Guilherme Merquior, Arte e sociedade em Marcuse, Adorno e Benjamin, publicado pela editora Tempo Brasileiro em 1969, é uma das raras exceções daquela época. Constitui, sem dúvida, o primeiro estudo brasileiro envolvendo o "bloco principal" (pelo menos, naquele momento) dos pensadores da Escola de Frankfurt, não havendo registro de nenhum outro de semelhante envergadura, naquela época. Na apresentação desse trabalho, o próprio Merquior aponta que as obras dos autores por ele estudados são em sua maioria desconhecidas no Brasil.

Marcuse chegava também trazido pelos ventos passageiros, mas extremamente relevantes, de uma abertura intelectual no Brasil que, contrariamente ao que se pensa, caracterizou boa parte da década de 1960, mesmo após a instauração do regime militar em 1964. Houve inclusive, principalmente de 1964 a 1968, a aceleração de um processo de abertura em direção às mais importantes correntes da cultura universal. Isso gerou, entre outras coisas, um número significativo de novas traduções de autores e teóricos consagrados. A percepção de um gradual fechamento do regime e da possibilidade de instauração de uma ditadura militar, em moldes fascistas ― o que efetivamente acabou acontecendo ―, eletrizava boa parte da intelectualidade brasileira. Era preciso abastecer o mercado das discussões políticas e ideológicas com novos autores, novas idéias, novas formas de luta que pudessem fazer frente àquela ameaça que pairava no ar. Tendo como um de seus objetivos principais justamente a quebra do monopólio dos manuais soviéticos que aqui circulavam, dos quais se extraía uma interpretação já rigidamente fixada pelo PCB, e em busca da construção de uma esquerda a altura de seu tempo, muitos intelectuais se engajaram numa luta em favor da inserção/tradução de novos, e por aqui pouco conhecidos, teóricos marxistas como Lukács, Gramsci, Adam Schaff e Marcuse.

Entre a análise e a "grande recusa"
A boa receptividade das obras de Marcuse, por amplos setores da intelectualidade e entre os jovens brasileiros, com ênfase especial para Eros e civilização e Ideologia da sociedade industrial, pode também ser creditada a dois outros fatores. Primeiro porque, de todos os membros da Escola de Frankfurt, era o único realmente conhecido e valorizado. Já freqüentava regularmente os meios de comunicação, sendo neles freqüentemente apontado como maître à penser dos "movimentos de rebelião", particularmente entre os jovens, que ocorriam em vários países da Europa. O segundo fator que ajudou a boa receptividade de Marcuse foi o fato de que, naquele momento, já havia um crescente desagrado em relação às posições "teóricas e práticas" que emanavam do PCB, que se apresentava como uma espécie de guardião institucional do marxismo e seu "único" porta-voz. O seu caráter ritualizado e burocratizado desagradava a amplos setores da intelectualidade, incluindo boa parte dos seus militantes, que esperavam do partido uma ação mais combativa e direta. Com o endurecimento do regime militar, questionava-se abertamente a timidez dos quadros do PCB em face dessa realidade concreta. Nesse contexto, a idéia de uma "grande recusa" parecia mais adequada ao clima de impaciência revolucionária que se avolumava, do que as teorizações protelatórias de uma ação revolucionária que nunca se efetivava.

Misturada ecleticamente com Mao, Marx, Debray e Althusser, amplos setores da intelectualidade, particularmente os de esquerda, ignoraram num primeiro momento as incoerências teóricas que poderiam trazer rejeições incontornáveis entre esses teóricos. Adotaram-nos "em bloco", como aqueles que seriam capazes de fornecer subsídios teóricos para uma ação eficaz, quer contra a ditadura, identificada ao capitalismo, quer contra o "partidão", portador para eles de uma esclerose senil do marxismo.

O momento seguinte da recepção e apropriação das idéias de Marcuse ocorre logo a seguir à "ação", gerada por uma impaciência que acreditou poder vencer a ditadura pela luta armada.

O impacto com a duríssima realidade de um sistema social e político, extremamente cruel com qualquer tipo de oposição, principalmente armada, estabeleceu para "as esquerdas" novos limites de pensamento e ação. Uma parte dela voltou-se em direção a outros teóricos como Althusser e Gramsci, que pareciam oferecer perspectivas de análise que permitiriam uma sustentação da resistência a longo prazo, através de outros mecanismos de luta com a ditadura, cuja retaliação, inexorável, era inteiramente desfavorável às esquerdas.

Uma outra parte se voltou "realmente" em direção à "grande recusa", tomada por eles porém num sentido tão literal e próprio quanto absolutamente excludente. Recusavam a ditadura, o capitalismo, a tecnologia, todo o legado cultural anterior, a ciência e, principalmente, recusavam a "razão ocidental". Esta, que no século 18 fora vista como absolutamente necessária e suficiente para dar conta do mundo, ao ser percebida nos anos de 1960 como necessária mas não suficiente, podia, finalmente, ser totalmente descartada. Como não era suficiente, deixara de ser também necessária. Se "o sonho da razão só produzira monstros" até então, era a vez de entronizar a "desrazão" e construir um outro "admirável mundo novo". Surgiram assim os movimentos de contracultura, assumindo no Brasil dos anos de 1970 a sua versão tropicalista, permeada de um romantismo utópico anticapitalista, antitecnológico. Tudo conspirando a favor de um hedonismo que apontava o corpo e suas sensações como objetivo máximo de "libertação". O indivíduo passava a ser visto como a última instância indivisível e fundadora de sentido. Marcuse, sem ser consultado, é então embarcado na stultífera nave da contracultura.

De ideólogo da contracultura a "mercadoria de grande aceitação"
Creio que alguns fatores se combinaram para a transformação de Marcuse em fonte de inspiração para vários movimentos de contracultura no Brasil: o primeiro é que as pessoas que compunham os grupos de contracultura se detinham basicamente em somente duas das obras de Marcuse, que eram as mais divulgadas no Brasil, Eros e civilização e Ideologia da sociedade industrial. Ao descontextualizar essas obras do conjunto de reflexões de Marcuse, facilitava-se uma apreensão/interpretação "radicalizada" e "idiossincrática" de muitos de seus conceitos, cuja carga de "ambigüidade" poderia se dissolver ― ou pelo menos ser matizada ― no confronto com as suas demais obras. Essa ambigüidade de muitos dos seus conceitos, que acredito ser mais aparente do que real, associada à força poética de suas propostas utópicas ― Orfeu e Narciso contra Prometeu, a necessidade de uma "nova sensibilidade", a luta contra a repressão, entre outras ― deve ter exercido o seu papel nesse processo, de sedução e cooptação de Marcuse como ideólogo de uma contracultura. Não creio, todavia, que realmente a maioria dos jovens e intelectuais daquela época tivesse "realmente" lido Marcuse, no sentido de uma leitura atenta e reflexiva, capaz de levá-los a compreender a arquitetura das suas reflexões teóricas. Aliás, o próprio Marcuse, naquela época, parece que compartilhava dessa hipótese. Em uma entrevista realizada na França, em 1968, publicada na revista Manchete nº. 863, do mesmo ano, ele afirmou: "Acredito que existem muito poucos estudantes que me leram na verdade..." e atribuía à imprensa e à publicidade criada em torno de seu nome, o fato de ter se transformado numa "mercadoria de grande aceitação".

A isso agrego uma outra hipótese complementar. Na construção do estereótipo que foi esboçado pelos jovens e muitos intelectuais daquela época, numa simplificação de Marcuse e suas idéias, jogou um papel decisivo um fenômeno a que os ingleses denominam jumping to conclusions. Merquior sugere esse termo em seu livro Arte e sociedade em Marcuse, Adorno e Benjamin, ao criticar a leviandade de boa parte dos intelectuais ou dos que se acreditam como tal, diante de novas teorias. Para ele, é comum ocorrer nesse tipo de intelectual, uma "alegre corridinha do espírito humano rumo às conclusões precipitadas, saltitando para a proclamação acrítica de redutoras 'idéias gerais', sem se dar ao incômodo de verificar nem qualificar coisa alguma".

Acredito assim, que boa parte da intelectualidade da época, principalmente os jovens, "portava" Marcuse mais do que o lia. Faziam dele, principalmente, um uso emblemático, carregando suas obras, mais do que as dissecando em seus fundamentos. Através delas, eram conferidos signos distintivos de saber, rebeldia e vanguardismo. Conferiam a seus portadores "poder e atualidade", expressos no caráter ostensivo da sua exibição. Os livros de Marcuse talvez oferecessem a muitos de seus portadores, na época, o símbolo de uma fantasia de "engajamento e contestação", acalentada pelos intelectuais e jovens daquele tempo.

Marcuse era, portanto, particularmente naquele momento histórico dos anos 1960, moeda corrente no "mercado dos bens simbólicos". Sua inserção entre nós não se deu aí através de um real domado nos limites da razão, que se legitima ao estabelecer julgamentos à luz dos fatos. Defendo, pelo contrário, que a apropriação de suas idéias, bem como o processo de constituição das diversas imagens que compuseram os múltiplos "Marcuses", foram elaboradas sem que o real tivesse exercido hegemonicamente o seu poder. Marcuse foi constituído, principalmente, num hipotético espaço intervalar entre o real ― representado aqui pela efetiva publicação de suas obras e o imaginário social, que dele se apropriou reinterpretando-o, permitindo assim o seu uso emblemático.

Marcuse hoje
A última fase da recepção das idéias de Marcuse no Brasil, que basicamente se estende até os nossos dias, vai ocorrer de forma completamente diferente das duas primeiras já descritas.

O período Médici havia sangrado de morte o imaginário dos jovens e da intelectualidade nos anos de 1960 e 1970. Teoria e prática haviam passado por um longo e doloroso confronto. Fora necessário descobrir mecanismos para fazer a revolução, articulando reflexão teórica crítica e a prática. As "aventuras do espírito" tinham sido substituídas rapidamente pelas "aventuras da ação" e para atravessar o limite entre o mundo real, amplamente rejeitado, e o mundo imaginário em direção às utopias, só os teóricos da ação passavam a despertar interesse. A prática revolucionária tinha pressa.

Marcuse vai então para certo ostracismo no Brasil, que dura praticamente toda a década de 1970. Ao retornar, no fim dessa mesma década, viu seu papel reduzido a um dos membros "menos relevantes" da Escola de Frankfurt. A inserção da Escola como um todo já estava aceleradamente em curso e os nomes de Adorno, Horkheimer e Benjamin despontavam como seus maiores expoentes, aos quais se juntou logo a seguir Habermas. À Marcuse, a história desse movimento de idéias conhecido como Teoria Crítica reservou um papel de coadjuvante; aquele que, tendo se inspirado nas idéias centrais desse "movimento", correu em trilho próprio, "radicalizando" algumas dessas concepções teóricas.

Marcuse, porém, agora já despojado da aura produzida pela mídia, podia ser também melhor lido e avaliado. Havia já, entretanto, muitas e variadas opções teóricas à disposição dos intelectuais, inclusive mesmo dentro da própria teoria crítica.

Pode-se também ressaltar que essa última fase de assimilação da Escola e de Marcuse, não mais essencialmente via New Left dos Estados Unidos ― onde Marcuse representou figura de proa com predomínio absoluto na primeira fase e boa parte da segunda ― foi sucedida por sua vertente "européia", num retorno às suas raízes originais.

Essa também é a época a partir da qual se destaca, cada vez mais, um intelectual brasileiro que pode, sem nenhum favor, ser apontado como o responsável pelo processo de disseminação da Escola de Frankfurt no Brasil: Sérgio Paulo Rouanet. Através de seus textos, alguns já publicados aqui no fim da década de 1960 e outros mais que vem produzindo regularmente, desde os anos de 1970, se percebe a marca registrada frankfurtiana. A partir de Rouanet expurgou-se, definitivamente, qualquer apropriação irracionalista, fora dos propósitos originais, quer de Marcuse, quer da Escola, como um movimento de idéias. Na obra de Rouanet há, da mesma forma, um sempre renovado esforço de sustentar um debate vivo em torno da Teoria Crítica, quer em relação a seus pressupostos teóricos, quer quanto ao seu potencial como desveladora de nossa contemporaneidade.

Resta por fim nos perguntarmos se, nos tempos atuais, onde se tenta drenar toda energia utópica, principalmente dos jovens ― tempos em que o neoliberalismo os convida agressivamente a compartilhar de sua miséria espiritual, reduzindo a sua existência a um bom emprego, a um bom salário, para o consumo ilimitado de objetos e pessoas ― se Marcuse ainda tem algo a dizer, particularmente às novas gerações.

Creio que sim e o digo de forma enfática. Não compartilho da idéia atual de que a juventude seja, ou já tenha sido, um bloco monolítico. Sempre houve, como há hoje em dia, muitos tipos de jovens. Para muitos deles ― e talvez isso seja realmente hoje uma tendência central, que aspira à hegemonia ― não somente o pensamento de Marcuse, mas qualquer reflexão crítica é anacrônica e dispensável, pois isso não ressoa bem na lógica da razão instrumental, na lógica do cálculo onde estão imersos. Porém, para muitos outros jovens, em busca de uma lógica do sentido, capazes de perceber com espírito crítico que na lógica simplista, eficiente e dicotômica entre o mais e o menos do capitalismo, há a possibilidade de se pensar a lógica do suficiente, como nos lembrou certa vez André Gorz. Para que isso ocorra, é necessário pensar para além da unidimensionalidade da razão instrumental, em direção a uma "nova sensibilidade", acreditando que o rastro de um sonho não é menos real do que o rastro de um passo. Nesse momento, certamente, Marcuse poderá surgir como excelente interlocutor.

Por outro lado, se em tempos sombrios as teorias valem menos do que os homens, nos advertiu Hannah Arendt, ainda assim Marcuse restará, como pensador íntegro e coerente com sua reflexão até o fim. Ficará em nós como grande filósofo que sabia que suas idéias não faziam parte de um hipotético, de inspiração borgeana, "museu das idéias petrificadas para serem admiradas", mas construía suas reflexões para serem lidas criticamente e ultrapassadas, para se reter delas o essencial e avançar.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Cult, na edição de agosto de 2008. Jorge Coelho Soares é professor de psicologia da UERJ, autor de Marcuse: Uma trajetória e Marcuse no Brasil: Entrevistas com filósofos.


Jorge Coelho Soares
São Paulo, 18/8/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O poeta em pânico de Donizete Galvão


Mais Jorge Coelho Soares
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/8/2008
21h15min
Belo texto. Realmente Marcuse é um pensador necessário para entender alguns aspectos do mundo contemporâneo. Estou estudando literatura contemporânea, e o que vejo no homem é justamente uma crise profunda, uma aproximação do fim. Pelo visto, o resgate de pensadores importantes é fundamental, para tentar entender o que deu de errado com o homem até o momento. Creio que a Escola de Frankfurt possui algumas respostas para um ponto de reflexão, bem como os gregos antigos e toda a filosofia. Somente precisamos de uma massa crítica, que, até o momento, é uma utopia. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Samuel]
23/8/2008
22h59min
Ótimo texto. Aproveito para lembrar um texto chamado "A dimensão estética", que influenciou bastante o pensamento de vários teóricos da arte no Brasil, como também a geração de 60-70 dos artistas de vanguarda do país. Um texto complexo e rico, que mistura Marx, Freud, Kant e Schiller, trazendo uma reflexão muito interessante sobre a questão da liberdade que a experiência estética proporciona. Aliás, quase fica claro em Marcuse que só no âmbito da arte podemos realmente nos tornar absolutamente livres.
[Leia outros Comentários de jardel cavalcanti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNIVERSO EM DESENCANTO - HISTÓRICO VOL 102
MANOEL JACINTO COELHO
GRÁFICA RACIONAL
(2015)
R$ 5,00



A BUSCA PELA CLARIFICAÇÃO DA CAIXA-PRETA
TEÓFILO AUGUSTO DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



INTERPRETAÇÃO DE KAFKA
RUY ALVES JORGE
L. OREN
(1968)
R$ 10,00



COMO TOMAR DECISÕES DIFÍCEIS OU COMO ESCOLHER NA VIDA
RUSHWORTH M. KIDDER
GENTE
(2007)
R$ 15,00



PRATICA TRIBUTARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA
LAUDIO CAMARGO FEBRETTI
ATLAS
(1994)
R$ 6,00



CHRISTVS - HISTÓRIA DAS RELIGIÕES VOLUME II
JOSÉ HUBY
SARAIVA
(1956)
R$ 12,00



MAGIA ORIENTAL
IDRIES SHAH (CAPA DURA)
TRÊS
(1973)
R$ 27,00



REVISTA PLANETA Nº 14
DIRETORES; LUIS CARTA E OUTROS
TRÉS
(1973)
R$ 18,00



PISICANÁLISE E PEDIATRA
FRANÇOISE DOLTO
FRANÇOISE DOLTO
(1984)
R$ 35,00



ADMINISTRAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO- TEORIA E PRÁTICA
EFRAIM TURBAN- R. KELLY RAINER- RICHARD E. POTTER
CAMPUS
(2005)
R$ 59,90
+ frete grátis





busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês