MPB: raízes e antenas conectadas | Carlos Calado

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita
>>> A mulher madura
>>> 15 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A arte da crônica
Mais Recentes
>>> A Fantástica Fábrica de Chocolate de Roald Dahl pela Martins Fontes (2016)
>>> On the Bus - Coleção Short & Tall Stories de Nara Mattoso pela Ática (2006)
>>> Sujeitos e objetos do sucesso: antropologia do Brasil emergente de Diana Nogueira de Oliveira Lima pela Gramond- Faperj (2008)
>>> Os essênios e os manuscritos do mar morto- 2ª ed. de Fernando Moretti pela Escala
>>> Adultos sem Filtro e Outras Crônicas de Thalita Rebouças pela Rocco (2012)
>>> 100 Receitas de Saúde - Alimentos para Rejuvenescer de Sarah Merson pela Publifolha (2007)
>>> Manual de Direito Civil de Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme pela Manole (2020)
>>> Crafts in plastics de Nicholas Roukes pela Pitman (1972)
>>> Athos Bulcão 80 anos. de Sem autor pela Ccbb (1998)
>>> The art and craft of papier mâché de Juliet Bawden pela Chronicle books (1995)
>>> Ismael Nery 100 anos. A poética de um mito de Sem autor pela Ccbb (2000)
>>> Druckgrafik de Liebermann Slevogt Corinth pela Ifa (1980)
>>> The later work (174 plates with 2 in color) de Aubrey Beardsley pela Dover
>>> The Potters Companion. The complete guide to pottery making de Tony Birks pela Collins (1974)
>>> Adoro o Brasil de Sig Bergamin pela A Girafa (2003)
>>> Georges Braque - Oeuvre Gravé de Catalogo pela Maeght ccbb (1994)
>>> História da locomoção terrestre de Maurice Fabre pela Morais (1966)
>>> Vincent Van Gogh - Wie was Who was qui était quien fué de Dr. J Hulsker pela Bert Bakker (1958)
>>> Cultura - Favela é Cidade e o Futuro das Nossas Cidades de João Paulo dos Reis Velloso Coordenação pela Fórum Nacional (2014)
>>> Orquídeas. 430 ilustrações a cores (coleção pequeno guia) de Floyd S. Shuttleworth pela Livraria Bertrand (1970)
>>> Do sonho às coisas: retratos subversivos de José Carlos Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> Gramsci: Periferia e Subalternidade de Marcos Del Roio pela Marcos Del Roio (2017)
>>> A legalização da classe operária de Bernard Edelman pela Boitempo (2016)
>>> Lenin - Um estudo sobre a unidade de seu pensamento de György Lukács pela Boitempo (2012)
>>> Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo de Judith Butler pela Boitempo (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 16/3/2009
MPB: raízes e antenas conectadas
Carlos Calado

+ de 7000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Baptistão

A imagem profética de uma nova atitude musical na cena brasileira atual chegou a público no início dos anos 90. Usando uma antena parabólica enfiada na lama como símbolo do movimento Mangue Beat, os músicos das bandas pernambucanas Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A apontaram o caminho para a superação de uma polêmica que marcou a cultura nacional durante o último século: para dialogar com a música de outros países, o brasileiro deve abrir mão de suas raízes? Misturando ritmos regionais, como o maracatu, a ciranda e a embolada, com hip-hop, funk e hardcore, além de eletrificar as cordas do tradicional cavaquinho, a resposta dos "mangue boys" não deixava qualquer dúvida.

Se a consciência de que raízes e antenas devem estar conectadas é flagrante nos trabalhos musicais de muitos artistas brasileiros da atualidade, vale lembrar que nem sempre foi assim. No final dos anos 50, a Bossa Nova de João Gilberto e Tom Jobim, principal cartão de visitas da música brasileira no mundo, foi acusada de desfigurar o samba tradicional por meio da influência do jazz norte-americano. Uma década depois, a Tropicália de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé tentou superar essa polarização, operando uma intervenção crítica na cultura do país. Musicalmente, sintonizou-se com o pop internacional da época, utilizando instrumentos eletrificados e procedimentos da música contemporânea, mas sem abrir mão de ritmos e outros elementos regionais. Ou seja, ligou as antenas, sem abandonar as raízes mais características de nossa cultura.

A ação inovadora dos tropicalistas não impediu que o debochado Raul Seixas, um ícone do rock brasileiro, declarasse com ironia, em 1976: "Essa história de procurar raízes é uma bobagem. As únicas raízes que eu conheço são de amendoim e mandioca". Não foi muito diferente a concepção da maioria das bandas e artistas ligados ao pop-rock brasileiro, que dominou o cenário musical do país, nos anos 80. Com raras exceções, essa produção musical ficou relegada apenas ao público brasileiro. Afinal, por que cópias mal disfarçadas do rock britânico da época, com letras em português, interessariam a plateias de outros países?

Uma nova visão estética se estabeleceu ao longo dos anos 90, reconhecível em vários gêneros de música produzida no país. Na chamada MPB (a corrente central da música popular brasileira), por exemplo, uma geração de compositores e intérpretes (não necessariamente estreantes), como o pernambucano Lenine, o paraibano Chico César, o maranhense Zeca Baleiro ou a banda carioca Pedro Luis e a Parede, concretizou em seus trabalhos (mesmo sem essa intenção), duas décadas depois, a essência do projeto tropicalista. Esses artistas perceberam que a melhor maneira de soar global é valorizar o que se possui de local, de regional. Seguindo esse princípio, tudo é válido: misturar ritmos do Nordeste com drum'n'bass e outros estilos da nova música eletrônica, injetar hip-hop e rap na tradição da batucada brasileira.

Se, em décadas anteriores, a ideia de preservar as raízes da música brasileira chegou a ser tratada com descaso ou mesmo preconceito, em nome de uma aparente modernidade, os anos 90 contribuíram para que esse ponto de vista fosse questionado. Exemplo revelador de um trabalho que prioriza as raízes brasileiras, sem cair no folclorismo acadêmico, é do grupo paulista A Barca, que desde 1998 viaja pelo país para resgatar ritmos e recriar danças praticadas em festas populares, como o jongo, o carimbó, o coco e o samba de roda, entre outros. Ainda nessa linha, também se pode citar o grupo brasiliense Casa de Farinha e a cantora e compositora mineira Consuelo de Castro.

Nos últimos anos, essa vontade de identificar manifestações que não frequentam as rádios, TVs ou outros meios da indústria musical tem estimulado projetos de mapeamento, permitindo que as plateias dos grandes centros urbanos possam conhecê-las e desfrutá-las. O mais ambicioso deles é "Música do Brasil" (2000), idealizado e conduzido pelo antropólogo Hermano Vianna, que cruzou o país durante um ano, transformando em série de especiais de TV e uma caixa de quatro CDs (Abril Music) os sons e imagens de mais de cem grupos e bandas de diversos estilos musicais, em cerca de 80 cidades do país. Assim registrou-se o coco de Alagoas, o cururu de Mato Grosso, a sambada de Pernambuco e o batuque do Amapá, entre inúmeras manifestações inéditas para o resto do país.

Se, no "Música do Brasil", as gravações foram agrupadas por afinidades temáticas, o critério da Cartografia Musical Brasileira (2000/2001) ― projeto coordenado pelo músico Benjamim Taubkin e produzido pelo Itaú Cultural ― foi geográfico. A partir de cerca de 1700 inscritos foram selecionados 78 trabalhos de dez regiões brasileiras. Na caixa de 10 CDs, editada com duas ou três faixas de cada selecionado, puderam tornar-se mais conhecidos pelo país alguns dos artistas e grupos mais inovadores da música brasileira atual, como o grupo paulista de percussão corporal Barbatuques, a banda mineira de black music Berimbrown, o guitarrista paraense Pio Lobato, o grupo sergipano Lacertae, ou a compositora carioca Suely Mesquita, entre outros.

Vale mencionar também o projeto de mapeamento Bahia Singular e Plural, coordenado pelo etnomusicólogo Fred Dantas, que já resultou na gravação em campo de 92 manifestações do folclore baiano, reunidos em uma coleção de seis CDs (com outros programados em seguida). Assim pôde ser mais socializado o acesso a cantos de trabalho, sambas de roda, reisados, folias, cantos de lavagem e outros preciosos gêneros e aspectos musicais de origem essencialmente popular da Bahia. Iniciativas como essa certamente vão funcionar como preciosos arquivos, tanto de informações musicais, como de material sonoro para ser utilizado em novas criações de músicos e "samples" para DJs.

Embora menos abrangente, o projeto Orgânico Sintético (Muquifo Records) também não deixa de ser um mapeamento sonoro. Compilação realizada pelo produtor paulista Dudu Marote, reúne num CD duplo 24 dos artistas, DJs e produtores mais criativos da cena da música eletrônica brasileira, passando até pelo hip-hop e pela MPB mais contemporânea, como a rapper Nega Gizza, o compositor Jupiter Apple e os DJs Dolores (de Recife), Anvil X (de Belo Horizonte) e Flu (de Porto Alegre), além de veteranos nessa área. Gênero que se expandiu com força e variedade impressionantes, a música eletrônica já ultrapassou há anos a fase inicial de modismo circunscrito a clubes noturnos do eixo São Paulo-Rio, tomando conta do país. Provas disso são as associações e cooperativas de DJs e produtores, que têm surgido em várias regiões, como o Pragatecno (criado em 1998), que se define como um "núcleo de e-music no Norte-Nordeste" e reúne DJs de várias capitais, ou a Zootek, pioneira cooperativa de bandas eletrônicas brasileiras, com sede em Curitiba.

Não propriamente um mapeamento, a série A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes oferece um rico panorama de nossa música popular no último século. Produzida por Pelão e editada pelo SESC São Paulo, reúne gravações e transcrições de depoimentos, realizados originalmente por Fernando Faro para seus programas de TV. Até agora a série destaca 75 CDs e seis livros com compositores, cantores e instrumentistas de vários gêneros urbanos, do samba de raiz à chamada MPB, incluindo também algumas manifestações regionais.

Muitos outros exemplos poderiam ser extraídos de vários segmentos da atual produção musical do país, seja a black music, o pop ou a música instrumental, que confirmam uma mesma atitude: o músico brasileiro afinado com a cena global sabe que raízes e antenas são fontes de igual valor.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em 2002, no site MPB-BPM. Carlos Calado é jornalista, crítico musical e autor dos livros Tropicália ― A história de uma revolução musical e A divina comédia dos Mutantes, entre outros.


Carlos Calado
São Paulo, 16/3/2009

Mais Carlos Calado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
09h19min
A MPB pode até estar antenada, mas convive com barulhos, e evidentemente que está desarticulada, fragmentada na sua estrutura, como aliás tudo de nosso tempo. É até dificil saber quando surge um bom músico ou cantor ou coisa assim, existe uma hegemonia da fragmentação musical, e isto é ruim.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
23/3/2009
10h14min
Em sua historiografia, o texto deixa de citar movimentos musicais importantes como "Clube da Esquina", em Minas, e os componentes do grupo paulista "Rumo", que, desmembrado, traz trabalhos interessantes como o de Wisnik e Luiz Tatit, em que aparece essa sintese do regional em seu diálogo com vozes nordestinas, baianas, cariocas. Vale o registro.
[Leia outros Comentários de Sebastião Aimone Bra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De Parte de La Princesa Muerta
Kenizé Mourad
Tusquets
(2001)



Polícia Federal - Delegado e Agente
Ana Flávia Messae Ricardo Antonio Andreucc...
Saraiva
(2012)



Fundador
Nelida Piñon
Labor
(1976)



Rei Édipo - Antigona // Prometeu Acorrentado
Sófocles - Ésquilo
Ediouro
(1981)



Reza Braba
Tereza de Alvarenga Simões
Do Autora
(1968)



50 Anos de Comunicação: História, Causos e Poesias
Fernando Sérgio
Novo Ser
(2012)



Roteiro de Direito Constitucional
Roberta Carvbalho
Fortium
(2007)



Ce Que les Femmes Disent des Femmes
Marie Gasquet (capa Dura)
Americ
(1936)



Variação Linguística, no Espaço, no Tempo e na Sociedade
Associação Portuguesa de Linguística
Apl; Edição Colibri
(1994)



América Latina: Hacia La Integración
Antonio Perez Amuchástegui e Outros
Comite Ejecutivo del Bicentena
(1980)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês