Bate-papo com Ruy Castro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 1/2/2008
Bate-papo com Ruy Castro

+ de 4600 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"[A imprensa] foi boa enquanto durou, e 200 anos são uma idade respeitável. Não só a nossa, mas a mundial ― acho que, se não se reciclar, ela se transferirá toda para a internet dentro de algum tempo. O que o rádio e a televisão nunca conseguiram, que foi substituir o papel, a internet ameaça conseguir. Só não acredito ainda que ela venha a substituir o livro."

1. Parafraseando Zuenir Ventura, 1808 é também um "ano que não terminou"?
Não. Todos os anos terminam, e 1808 foi certamente um grande ano, mas também terminou. Só em 1809 e 1810 é que o príncipe D. João terminou de implantar os grandes melhoramentos que tinha em mente. Sua fabulosa biblioteca, por exemplo, que daria origem à Biblioteca Nacional, levou aqueles anos para acabar de chegar ao Rio. Quando decidi situar meu romance Era no tempo do rei em 1810, e não em 1808, era porque precisava que a Corte já estivesse bem instalada e, principalmente, que o jovem príncipe D. Pedro tivesse 12 anos ― ou seja, uma idade em que ficaria mais crível tirá-lo do palácio e fazê-lo viver nas ruas do Rio as aventuras que lhe reservei.

2. Você mesmo já disse que suas biografias são tão bem escritas quanto obras de ficção (e eu concordo) ― então por que escrever ficção?
Não me lembro de ter usado a expressão "tão bem escritas" ― seria pretensioso de minha parte. Mas, depois de anos sujeito ao rigor da biografia, em que a informação é sagrada e não é permitido ao biógrafo supor ou imaginar nada, achei que uma escapada na ficção poderia ser algo relaxante. Mal sabia eu que, para escrever Era no tempo do rei, iria mergulhar no estudo do Rio daquela época e criar uma base documentária sólida sobre a qual fazer correr a trama. O outro motivo para me jogar na ficção, nem que fosse temporariamente, foi porque não havia outra maneira de combinar o menino Pedro, herdeiro do trono, com o menino Leonardo, que pedi emprestado ao Manuel Antonio de Almeida.

3. O Leonardo, de Memórias de um Sargento de Milícias, é um dos primeiros anti-heróis da nossa literatura ― ao colocá-lo ao lado do príncipe D. Pedro, você, de repente, sugere que os anti-heróis representam melhor os brasileiros (que os heróis)?
Talvez, por que não? E não somente os brasileiros. Os anti-heróis são sempre mais interessantes. Sorte nossa que um deles tivesse resultado justamente no homem que fez a nossa independência e se tornou o primeiro imperador. Na verdade, usei tudo que conhecemos do Pedro adulto para criar o Pedro adolescente. E, ao fazer isto, vi que havia mais semelhanças que diferenças entre ele e o Leonardo.

4. Você é craque em século XX e na história do Rio. Como foi pesquisar o século XIX e a vinda da Corte para cá? Ficção dá o mesmo trabalho que biografia, nesse sentido?
De fato, até então, todos os meus livros tinham se passado no século XX. Mas, para deleite próprio, particular, sou também um estudioso constante do passado mais remoto. Tenho uma enorme biblioteca sobre o Rio com material a partir de 1502, que foi quando Americo Vespúcio passou por aqui e nos deu o nome de Rio de Janeiro. Aliás, um livro anterior, Carnaval no fogo ― Crônica de uma cidade excitante demais, já tratava do Rio do século XVI até os dias de hoje. E, embora poucos saibam, tenho paixão também pelo século XIX. Em algum próximo livro, não sei se de ficção ou de não ficção, quero voltar a esta época, mas me fixando em 1870 ou 1880, que foi outra grande época da cidade.

5. O humorismo ― que você exercita muito bem no seu jornalismo ― é uma das suas vocações não realizadas? Ou não?
Não tenho vocações não realizadas, exceto talvez a de ser um artista gráfico como meu amigo Helio de Almeida. Nunca pretendi ser humorista, na linha Millôr ou Verissimo ― e eles também não se consideram humoristas. Às vezes posso escrever engraçado, mas é involuntário. Ao escrever, eu próprio me surpreendo rindo com certos efeitos, o que prova que não é uma coisa estudada.

6. Mudando um pouco, arriscaria um balanço da Bossa Nova 50 anos depois? Podemos esperar uma nova edição de Chega de saudade? Ou um novo A onda que se ergueu no mar?
A Bossa Nova é uma realidade, não dá para contestar. De pelo menos 15 anos para cá, há mais Bossa Nova em oferta do que em qualquer outra época, inclusive a de quando a música estava começando. Entre hoje numa loja de discos ― nunca se ofereceu tanta Bossa Nova. Há até discos com este rótulo e em que o conteúdo não tem nada a ver ― sinal de que se tornou uma marca comercialmente rentável. Ouve-se Bossa Nova em palcos, praias, praças públicas, salas de espera, aeroportos, consultórios de dentista, trilha da novela, comercial de xampu. Ah ― você dirá ―, mas ela não está nas paradas... E daí? Os sabiás e os bem-te-vis também não estão nas paradas, mas cantam o dia inteiro. Quanto ao meu livro Chega de saudade, que desde 1990 já teve 24 reimpressões no Brasil e edições nos EUA, Japão, Alemanha e Itália, vêm aí em abril a edição espanhola e uma edição brasileira de bolso. Um novo A onda que se ergueu no mar não está nos planos, mas, se eu tiver material novo suficiente, pode pintar.

7. A nossa imprensa também completa 200 anos em 2008 ― qual futuro você vê para ela depois da internet?
Foi bom enquanto durou, e 200 anos são uma idade respeitável. Não só a nossa, mas a imprensa mundial ― acho que, se não se reciclar, ela se transferirá toda para a internet dentro de algum tempo. O que o rádio e a televisão nunca conseguiram, que foi substituir o papel, a internet ameaça conseguir. Só não acredito ainda que ela venha a substituir o livro.

8. Neste ano, sai mais uma coletânea sua de artigos, justamente, sobre literatura ― por que abandonou o assunto como jornalista (como crítico)? Alguma chance de voltar ou a produção de hoje não te inspira nem um pouco?
Nunca fui crítico, seja de literatura, cinema ou música popular ― apenas escrevi com frequência sobre esses assuntos. O livro a sair este ano pela Companhia das Letras, O leitor apaixonado, é o terceiro de uma série de coletâneas de artigos que publiquei na imprensa, organizados pela Heloisa Seixas. Os primeiros foram Um filme é para sempre, de artigos sobre cinema, que saiu em 2006, e Tempestade de ritmos, sobre jazz e música popular, que saiu em 2007, ambos também pela Companhia das Letras. Se não tenho escrito em jornais especificamente sobre literatura é porque estou apaixonado pelo espaço tri-semanal que ganhei na página 2 da Folha há um ano ― é um desafio desenvolver um raciocínio em apenas 1.777 batidas, que costuma ser o que cabe naquele quadrado. E ali não é bem um espaço para a literatura.

9. E Nelson Rodrigues ― acha, como eu, que ele é, cada vez mais, um dos maiores escritores do século passado?
Sempre achei isto e fico contente quando me dizem que a publicação de O anjo pornográfico ajudou a fazer com que as pessoas enxergassem esse óbvio ululante. Lamento apenas que nossas edições caprichadíssimas de sua obra completa fora do teatro, lançadas pela Companhia das Letras, tenham sido suprimidas judicialmente, e agora estejam voltando por outra editora, com roupagem nova, as edições originais, que eram feitas por uma irmã do Nelson sem o menor critério.

10. Por último, mais futurologia: você, que participou da Companhia das Letras desde os primórdios, como vê as tentativas de digitalização do livro (por exemplo, através desse novo Kindle, da Amazon)?
Estou por fora. Como já disse, continuo achando que o livro é um formato perfeito, portátil, ideal para levar para a cama ou para o banheiro. Tenho prazer físico em segurar e ler um livro, gosto do seu cheiro de mofo ou de poeira, adoro entrar em sebos imundos e já achei muitas preciosidades neles. Se o livro tiver de acabar um dia, espero não estar por aqui para ver. Como você sabe, sou um sujeito antigo, ainda do tempo do rei...

Para ir além
Era no tempo do rei


Postado por Julio Daio Borges
Em 1/2/2008 às 12h16


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pedro Cardoso em #Provocações de Julio Daio Borges
02. Nick Denton sobre Peter Thiel de Julio Daio Borges
03. Como retocar uma mulher de Julio Daio Borges
04. WikiLeaks, trailer do filme de Julio Daio Borges
05. 17 de Janeiro #digestivo10anos de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2008
23h01min
Costumo gostar dos bate-papos aqui do Digestivo, mas esse foi perfeito, senti vontade de participar da conversa; percebi o Ruy próximo, inteligente e simples, acessível, me deu tristeza por não ser uma palestra, ao vivo. Ruy Castro é gente de verdade, não deixou dúvida disso. E ainda dizem que uma entrevista não nos faz conhecer o autor... Essa fez, mesmo que só um pouquinho... Muito boa! Também gostei muito do livro "O anjo pornográfico", extenso mas nem um pouco cansativo; uma excelente biografia, onde Nelson Rodrigues é desnudado com maestria, aparecendo tão humano e apaixonante quanto são os seus próprios textos.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
14/2/2008
08h09min
O Ruy Castro chamou minha atenção pelo espaço de mil e setecentos e setenta e sete batidas que o apaixonou. Tem um texto limpo, fala apaixonadamente de uma cidade que está inteiramente desmoralizada perante os brasileiros. Não sei dizer se a imagem é correta, mas tenho o mesmo otimismo que ele. Somos prisioneiros de todos os lugares em que moramos, o Rio por ser maravilhosamente lindo é o mais 'apropriado' para ser covil de bandidos. Esse senso destrutivo que nos possui e diverte; é enfrentando por ele com um brilhantismo sem igual. Um Quixote de óculos que batalha contra o Morro dos Ventos Uivantes. Comprei "Era no tempo do rei", com essa entrevista, o lerei imediatamente. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Djabal]
14/2/2008
11h54min
Ruy Castro prova que com disciplina, competência, planejamento e algum talento é possível migrar do jornalismo para a literatura com sucesso. Para ser perfeito, ele teria de ser santista e ter escrito um livro sobre Pelé.
[Leia outros Comentários de Odir Cunha]
14/2/2008
12h23min
Maravilhosa entrevista esta com o Ruy Castro, que considero um dos melhores textos do Brasil, para usar um jargão jornalístico e uma pessoa, sem conhecer pessoalmente, que transparece simpatia e elegância... Seu texto é fluido e uma delicia de ler... Quero também, como os outros comentaristas acima, ler Era no Tempo do Rei... Imagino que deva ser coisa finissima como tudo que ele faz.
[Leia outros Comentários de Ana L.Vasconcelos]
15/2/2008
15h23min
Que delícia! O cara é bom mesmo. Adorei a parte em que ele diz que quando os livros de fato acabarem não gostaria de estar aqui. Eu também. Ótima entrevista. Parabéns. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
21/2/2008
10h54min
Concordo com o teor da entrevista de Valdeck Almeida, como bem proclama o escritor Fausto Wolff: " A cultura é um instrumento de defesa pessoal"; neste sentido sugiro também a leitura dos artigos do escritor citado em seu site; ou nas suas crônicas no JBONLINE. Quanto ao Valdeck, deixo meu registro de admiração por sua trajetória humana e intelectual. Atenciosamente, Fabio Daflon
[Leia outros Comentários de Fabio Daflon]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REINVENTANDO A SI MESMO LUIZ CALAINHO
LUIZ CALAINHO
AGIR
(2013)
R$ 12,00



AS GEORGICAS
CLAUDE SOMON
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 16,00
+ frete grátis



VOLTA ÀS AULAS!
COLIN THIBERT E VÉRONIQUE BOIRY
SCIPIONE
(1995)
R$ 6,99



GEOLOGIC STRUCTURES
BAILEY WILLIS E ROBIN WILLIS
MCGRAW-HILL
(1934)
R$ 49,16



ARMAS DA INFANTARIA 7
JOHN WEEKS
RENES
(1974)
R$ 6,90



A FILOSOFIA ATRAVÉS DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO - VÁRIOS AUTORES
CULTRIX
R$ 6,50



UM CASO SECRETO DE AMOR
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1997)
R$ 6,90



NAZISTAS ENTRE NÓS: A TRAJETÓRIA DOS OFICIAIS DE HITLER .. - 1ª EDIÇÃO
MARCOS GUTERMAN
CONTEXTO
(2016)
R$ 35,95



VEJA 2373 - OS SUPERPODERES DA LEITURA
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2014)
R$ 8,00



A TRANSFIGURAÇÃO
YVES MABIN CHENNEVIÉRE
MANDARIM
(1997)
R$ 12,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês