Na Campus Party 2009 I | Digestivo Cultural

busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ian Carvalho lança EP 'Morpheo In Eros'
>>> Semivelhos lança inédita 'Vai Chover'
>>> O que há na mente de Deus?
>>> Antropólogo discute autonomia dos símbolos e seu papel na criação da cultura
>>> Opressão violenta do consumo é abordada de forma onírica no espetáculo Quarenta e Duas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
>>> Ação e reação
>>> Fio de Eros IV
>>> Fio da meada
>>> Interlocutores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Crowdsourcing, o livro de Jeff Howe
>>> A paixão segundo Gero Camilo
>>> Mulheres fantásticas e futuristas
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> E-mail (devassado) para meu filho
>>> O desespero de Bush
Mais Recentes
>>> O andar do bêbado: como o acaso determina nossas vidas
>>> Ramsés. Sob a Acácia do Ocidente
>>> Curso de calculo, um - vol.1
>>> Legislação Jml: Licitações e Contratos Administrativos
>>> Obras Públicas: Licitação, Contratação, Fiscalização e Utilização
>>> Legislação Licitações e Contratos Administrativos
>>> Jurisprudência do Tribunal de Contas da União e as Licitações e Contratos no Sistema "S".
>>> Como Elaborar Editais e Contratos para Obras e Serviços de Engenharia - Com respectiva estruturação e redação.
>>> Pregão Presencial E Eletrônico
>>> Licitações e Contratos no Sistema "s"
>>> Catecismo da Igreja Católica
>>> Estatística Básica
>>> MBA pra quê?
>>> Leitura dinâmica para iniciantes
>>> Mapas Mentais
>>> O Processo da Pérola - Identifique a Melhor Fase para a Sua Transformação
>>> O Mentalista: sei o que você está pensando - todos os segredos para ler a mente
>>> A Lista de Schindler
>>> Pense Dentro da Caixa
>>> Ética e Competência
>>> Resultados previsíveis em tempos imprevisíveis
>>> Faça Ser Fácil
>>> Thomas Piketty e o Segredo Dos Ricos
>>> Profissões do Futuro: Você Está no Jogo?
>>> O Empreendedor - Como Se Tornar Um Líder de Sucesso
>>> Planejamento Estratégico Pessoal
>>> Madre Tereza, CEO
>>> Seleção e Entrevista por Competências
>>> A Nova Lógica do Sucesso
>>> Mapas Estratégicos
>>> A Execução Premium
>>> Alinhamento
>>> A Estratégia em Ação Balancerd Scorecard
>>> O Estilo 80/20
>>> Ah, se eu soubesse: o que pessoas bem-sucedidas gostariam de ter sabido 25 anos atrás
>>> O Segredo
>>> A magia
>>> O Instinto do Sucesso
>>> Sabedoria Financeira
>>> Quero Ficar Rico
>>> O Primeiro Milhão Para Casais - Como Economizar e Enriquecer Juntos
>>> Auto-Responsabilidade: a chave para uma vida de realizações e conquista - um manual prático para reconstrução de crenças
>>> Eu, Líder Eficaz (Q.E.) - Manual prático de liderança pessoal e profissional - como ferramentas de programação neurolinguística e inteligência emocional
>>> Fator de Enriquecimento
>>> Cartas de Amor do Profeta
>>> O Dom Supremo
>>> O Demônio e a Srta. Prym
>>> Maktub
>>> Na Margem do Rio Piedra Sentei e Chorei
>>> Manual do Guerreiro da Luz
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 20/1/2009
Na Campus Party 2009 I

+ de 9700 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Escrevo do Campus Blog, enquanto o Noblat fala e é "mediado" pelo Jorge Rocha. Coloco entre aspas porque o Noblat engata uma primeira e ninguém consegue segurá-lo. Anotei que a primeira pergunta do Jorge deveria ser: "Noblat, o jornalismo morreu definitivamente?". Encontrei, antes, o Wagner "Mr Manson" Martins e ele lembrou que o Noblat foi "pato" do Cocadaboa. Não é que o Noblat igualmente lembrou (na sua explanação)? E prestou sua homenagem, pessoalmente, ao Manson. "Você continua fazendo aquilo?" (com sotaque nordestino) O Noblat, contudo, é muito simpático e conquistou a platéia. É daqueles jornalistas que não existem mais; com uma longa carreira em redações (que não existem mais ― também). Gostei da idéia dele de uma "grade de programação" pro blog. E ri da sua observação sobre a Campus Party: "Redação de jornal é um pouco menos barulhenta...".

* * *


A Campus Party é atordoante. Vários palcos com palestrantes ao mesmo tempo. Um palco maior, com volume mais alto, no meio. Fora estandes (é assim que se escreve?), com música própria. Tecno. Barulhos de jogos. Gente falando. Toques criativos de celular... Foi difícil usar o Twitter ao longo do dia. Talvez eu use menos amanhã. Até porque vou mediar uma mesa no Campus Blog às seis da tarde. Mas eu ia falar da Campus Party... Vim com a referência da Flip, por causa dos convidados internacionais, mas fui remetido, inúmeras vezes, às minhas experiências em "Feiras da Música" (ainda existem?). Aqueles espaços imensos, muita coisa simultaneamente, gente fantasiada, conhecidos da área etc. Íamos para ver músicos e assistir a shows; procurar novidades em equipamentos, também. Aqui, na Campus Party, o público vem para ver os blogueiros ― embora muitos deles já sejam ―, "webcelebridades", conhecer novidades (ferramentas?) e interagir socialmente. Uma forma de estar na internet e na "vida real" ao mesmo tempo.

* * *


Tirei sarro dos nerds no Twitter logo de manhã. Ocorre que o público se diversificou e aquela se tornou uma falsa primeira impressão. Se, no início, os geeks ― vamos usar esta palavra mais simpática ― chegaram primeiro, com seus mochilões e muxoxos, o mundo corporativo desembarcou logo em seguida, com suas camisas e hostess (tem plural?), para a noite fechar com uma turma que lembra, neste momento, os frequentadores de eventos de música eletrônica. Como disse Tim Berners Lee (falta um hífen em algum lugar), "se você acha a Web estranha, é porque a humanidade é estranha; e se você me pede uma opinião sobre a Web, você me pede uma opinião sobre a humanidade". No meio da tarde, por exemplo, ia gozar os velhos hippies que, igualmente, dão o ar da graça, com suas barbas, seus notebooks adesivados com slogans e suas corcovas, quando reconheço o admirável Hugh MacLeod, do Gaping Void. Barbudo ruivo, com oclinhos fundos, e um computador vermelho. Como eu disse, cuidado com as (falsas) primeiras impressões...

* * *


O Tim me lembrou meus professores da Poli. Se teve um estalo na década de 90 e criou, simplesmente, a World Wide Web, atualmente se tornou um embaixador da coisa toda. Portanto se burocratizou, fica muito preocupado em discutir regras, suas propostas soam abstratas demais (como a da Web Semântica) e muita gente não se interessa. Tim se recusa a discutir o presente, as realizações concretas (as marcas e as empresas de internet, por exemplo), está ocupado com os conceitos; é, como eu disse no Twitter, um acadêmico. Brilhante mas está desconectado da "realidade" da WWW que concebeu há quase 20 anos. Já o Hugh é um sujeito que aconteceu, mundialmente, por conta dos desenhos que distribui pela internet. É alguém que teve sua vida transformada pela Rede. Logo, embora seja um idealista, acredita que existe uma saída para quem está preso agora num escritório (ele era publicitário) e guarda um talento represado qualquer. É mais a minha história da internet, também. Não uma questão de "standards", mas de mudar, efetivamente, a vida das pessoas.

* * *


No Campus Blog, gostei muito da mesa sobre podcasts mediada pelo Cris Dias. Foi um pouco como a mesa de "Internet & Humor", que fizemos lá na Mário de Andrade. Animadíssima, com muitas risadas, convidados espertos e uma platéia viva. Combinação rara de acontecer e difícil de repetir. Impossível de planejar. O Cris levou a discussão adiante com muita habilidade, marcando presença mas sem aparecer demais, fazendo perguntas mas abrindo também para a platéia. O Maestro Billy se revelou uma simpatia, com excelente voz de locutor. Experimentadíssimo (niguém deve ter gravado quase mil podcasts, no Brasil, como ele). Os Jovens Nerds são uma piada em pessoa. O locutor principal parecia um político, cumprimentava todo mundo, era adorado e poderia, tranquilamente, se candidatar a vereador. O outro, um Armínio Fraga mais gordo, complementava, rememorando detalhes da produção e revelando os podres. O pessoal do IDG, igualmente, brilhou. A moça, que eu escuto na CBN, me lembrou a jornalista de Boleiros 2; e o rapaz tinha um jeito mais cerebral, falando com muita propriedade. Enfim, foi uma mesa de alto nível, a de podcasts.

* * *


Mal acompanhei, como disse de manhã, a mesa da Bia Kunze, sobre mobilidade. Uma pena. Não encontrei posição e o som estava particularmente difícil. Ocorre que o Campus Blog é um palco entre vários, logo há bastante concorrência sonora. Depois, no mesmo espaço, um pesquisador apresentou estatísticas interessantes sobre blogs, mas, do mesmo jeito, o som não me ajudou. Espero que disponibilize sua apresentação em algum lugar da Web, porque os dados sobre a blogosfera do Brasil eram reveladores. Na sequência, encontrei, provavelmente, o pessoal da grande imprensa falando sobre estratégias com mídias sociais. Foi interessante a declaração de um jornalista oriundo do papel: "Em jornal, era mais fácil, tinha a primeira página. O mais importante vinha no alto. Depois, à direita. Por último, embaixo e à esquerda". Ainda se disse impressionado com o Orkut: "40 milhões de pessoas! Só a Globo tem isso; e as pessoas são praticamente obrigadas a ver a Globo... Às vezes eu tenho vontade de matar aquele turco que inventou. Fico olhando pra ver se entendo a atração que exerce o negócio".

* * *


E a Bia Kunze tem razão: uma das melhores coisas da Campus Party é encontrar as pessoas. Está todo mudo sempre tão ocupado com seus afazeres on-line, no esquema 24/7, que, se não se vê no Twitter, praticamente não se vê em nenhum outro lugar (físico). A Campus Party é a oportunidade de poder trabalhar com todos esses internautas que lemos, comentamos, lincamos. No mesmo espaço físico. O Inagaki e o Edney estavam muito bem-humorados para quem trabalhou organizando o Campus Blog. O Cris Dias sempre na mesma serenidade. O Pedro Markun sempre ocupadíssimo. A Brambilla tão amável. A Ceila sorrindo e vivendo a Web com intensidade. O Jorge afiado para o Noblat (que o enrolou). E até o Manson, brother, desde quando não me passava seu nome verdadeiro, com medo de que eu fosse delatar o Cocadaboa... Essas pessoas, além de escrever a história da internet brasileira, escreveram, inconscientemente, a história umas das outras.

* * *


Tentei assistir a outros eventos em outros palcos, mas nenhum me empolgou demais. Além do palco central, que teve o Tim e o Hugh... Muita coisa para desenvolvedores. Mas coisa muito básica, tipo a apresentação de ferramentas, técnicas ou softwares. Imaginava encontrar novidades que poderia aplicar no Digestivo, mas a própria internet, através de seus sites, continua sendo a grande divulgadora. Ou seja, você encontra alguma coisa que te interessa, num site que você admira, depois tenta implementar no seu. Não vai partir, diretamente, de uma linguagem ou de um aplicativo. Entendo as preocupações dos patrocinadores, mas não é assim que funciona. Pelo menos, não é assim que funciona comigo. Agora me ocorreu que, numa Bienal do Livro, os estandes das editoras funcionam melhor nesse ponto. Existe uma ligação (minha, talvez) com as editoras de livros que é diferente de uma ligação com as fabricantes de softwares.

* * *


Fiquei pensando, ainda, na reclamação do Dahmer contra a Telefônica, na Folha, mas achei que as empresas atrapalharam pouco, digo, perto do que poderiam ter atrapalhado. Talvez elas saibam que os usuários de internet não suportam marketing goela abaixo, como pessoal da televisão que está acostumado, e precisam ter cuidado, para não criar antipatia, nem revolta. As empresas são aquelas de sempre, de telecomunicações, grandes portais, corporações "de fora" e algumas nacionais que cresceram à margem. Todo mundo sentiu falta do Google. E eu, particularmente, notei a ausência da grande mídia, estabelecida, com exceção da Abril. Um único estande vendendo assinaturas de publicações impressas; revistas de tecnologia, no caso. Algo completamente diferente de qualquer "feira" que já frequentei. Nenhum vendedor de jornal, nenhum vendedor de semanal de grande circulação. A gente ouve e repassa que o papel vai sumir, mas, quando ele some mesmo, é meio assustador...

* * *


O Inagaki acertou, a guerra entre jornalistas e blogueiros ficou praticamente arquivada no ano passado. É verdade que, como vi menos publicações impressas (menos impressos, em geral), vi menos jornalistas também. Não dá para comparar, por exemplo, com eventos como a Flip, onde a massa de jornalistas é certamete maior do que a de escritores convidados. É como se a Campus Party prescindisse da velha imprensa, de certa forma. E não por esnobismo, mas porque tem tanta divulgação espontânea... Não deve haver nada parecido em termos de evento no Brasil. (E no mundo.) Montes de tweets por segundo; os Twitteiros, inclusive, estão reclamando... Não sei se é o ideal em termos de cobertura (tanto que estou agora escrevendo a minha), mas não deixa de ser espantoso. A "guerra" entre blogueiros e jornalistas ficou para trás, sim, mas porque os blogueiros venceram...

Para ir além
Na Campus Party 2009 II (a continuação...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 20/1/2009 às 20h12


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cornell e o Alice Mudgarden de Luís Fernando Amâncio
02. Encontro com Marina Silva de Julio Daio Borges
03. Fascination Street em Blu-ray de Julio Daio Borges
04. 1ª Mostra Filmes Polvo em BH de Pilar Fazito
05. Letra de música é poesia? de Débora Costa e Silva


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2009
09h21min
Muito bom o seu relato, Julio. Realmente no Twitter não param de pipocar updates sobre o cparty, dá pra pescar um pouquinho de tudo o que está acontecendo, mas ainda não tinha lido nenhum relato tão conciso e pintando o quadro geral como o seu.
[Leia outros Comentários de Diego Sana]
22/1/2009
16h05min
Finalmente um bom relato para ajudar quem não compareceu ao CParty a ter uma visão da coisa toda. Valeu.
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
22/1/2009
17h21min
Achei ótima a sua sintese da cparty. Compartilhamos de muitas opiniões.
[Leia outros Comentários de Danilo Idman]
22/1/2009
18h07min
Muito bom esse seu post, conseguiu sintetizar o que de fato aconteceu, concordo em vários pontos, principalmente o problema do áudio, que realmente estava muito complicado conseguir acompanhar as palestras. Mas ficar com os amigos e pessoas que acompanhamos via twitter, flickr, blogs, enfim na nossa comunidade virtual, não tem preço. :D abs.
[Leia outros Comentários de Rosângela Martins]
24/1/2009
12h48min
"O Tim me lembrou meus professores da Poli." Vou tomar como elogio. Colegas poderiam achar que é crítica. Tem professor da Poli lendo :-)
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




24 HORAS NA VIDA DE UMA MULHER
STEFAN ZWEIG
L&PM
(2007)
R$ 10,00



A QUARTA MISSÃO DA UNIVERSIDADE - INTERNACIONALIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO
FERNANDO SEABRA SANTOS
UNB
(2012)
R$ 20,00



O CÂNTICO DO SENHOR- BHAGAVAD GITA (COMENTADO PASSO A PASSO PELO TRADUTOR)
TRADUÇÃO MURILO NUNES DE AZEVEDO
CULTRIX
(1981)
R$ 19,40



JOHN LENNON POR ELE MESMO
MARCO ANTÔNIO MALLAGOLI
MARTIN CLARET
R$ 7,00



DROGADICÇÃO INDIVÍDUO, FAMÍLIA E SOCIEDADE
EDUADO KALINA E SANTIAGO KOVADLOFF( COLABORADOR SANTIAGO KORIN)
FRANCISCO ALVES
(1976)
R$ 12,00
+ frete grátis



A COMPANHEIRA DE VIAGEM - 9ª EDIÇÃO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1986)
R$ 5,00



REVISTA NOVOS RUMOS - 4
VÁRIOS
NOVOS RUMOS
(1986)
R$ 4,00



ESCOLA, CORPO E COTIDIANO ESCOLAR
VÁRIOS AUTORES
CORTEZ
(2010)
R$ 12,00



PLANETA 40
DIVERSOS
TRÊS
(1976)
R$ 16,00



ROCK AND ROLL + UMA HISTÓRIA SOCIAL
PAUL FRIEDLANDER
RECORD
(2002)
R$ 60,00





busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês