Nelson e 'A Serbian Film' | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
>>> La dolce vita
Mais Recentes
>>> Otelo o Mouro de Veneza de William Shakespeare; Hildegard Feist pela Scipione (1999)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Maravilhosos de Ganymédes José pela Ftd (1988)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ibep (2012)
>>> Garra de Campeão de Marcos Rey pela Atica (1988)
>>> Viver Vale a Pena de Lucilia Junqueira pela Moderna (1987)
>>> Amor Impossivel, Possivel Amor. de Pedro Bandeira e Carlos Queiroz Telles pela Ftd (1997)
>>> A Serra dos Dois Meninos de Afraga Lima pela Atica (1984)
>>> Mr. Flohart e o Mundo Perdido dos Ninmuts de Leonardo Mendes Cardoso pela Do Brasil (2010)
>>> Precisa-se de um Avõ de Heleninha Bartoni pela Moderna (1987)
>>> Xisto e o Pássaro Cosmico de Lucia Machado de Almeida pela Atica (1983)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Atica (1979)
>>> Por um Grande Amor de Suzana Dias -beck pela Moderna (1988)
>>> Biblia da Galerinha de Marcelo Fonseca pela Geografica
>>> A Macaca Sofia de Ganymédes José pela Moderna (1984)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift; Claudia Lopes pela Scipione (1999)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Martin Claret (2003)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Rotterdam pela Escala
>>> Cristo Partido ao Meio de Aguinaldo Silva pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Churchill de David Mason pela Renes (1973)
>>> Literatura Comentada - Cronistas e Viajantes de Varios pela Abril (1982)
>>> Literatura Comentada de Marcio Souza pela Abril (1982)
>>> Literatura Comentada de José J Veiga pela Abril (1982)
>>> Literatura Comentada de Guimarães Rosa pela Abril (1982)
>>> Literatura Comentada José de Alencar de José Luiz Beraldo pela Abril (1980)
>>> O Pensamento Vivo de John Lennon de Eide M Carvalho pela Martin Claret (1986)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 16/5/2012
Nelson e 'A Serbian Film'

+ de 1600 Acessos

Nelson Rodrigues, na crônica "Contra a Violência", de A Cabra Vadia, nos conta sobre uma anunciada (e, certamente, abandonada) pretensão de Hollywood lá pelos idos de 1968: eliminar a violência de seus filmes.

"O que se propõe, no manifesto citado, é da mais pura e deslavada alienação. Nada mais idiota do que fazer filmes sem violência para uma platéia de violentos. Todas as violências nos fascinam. Sempre foi assim, e agora mais do que violência. O cinema trabalha para o mundo que matou Bob Kennedy, chorou Bob Kennedy e, 48 horas depois, esqueceu Bob Kennedy. O esquecimento veio antes de que murchassem as flores do seu caixão. (...) O sujeito entra num cinema e leva a sua tensão exterminadora. Ele odeia e quer ver seu ódio na tela."

Se adaptarmos a citação para uma discussão atual, podemos ter algumas questões interessantes. No caso de A Serbian Film, a violência exibida parecia estar além desse desejo de ver o ódio, do que pode suportar essa "plateia de violentos". O filme foi censurado em vários países, Brasil incluído, por conter cenas de "sexo explícito, crueldade, elogio/banalização da violência, necrofilia, tortura, suicídio, mutilação, agressão".

Não é muito diferente da recepção que algumas peças de Nelson tiveram. Um exemplo: como conta Ruy Castro, em O Anjo Pornográfico, Álbum de Família "deixou os censores de cabelo em pé. Eles nunca tinham visto nada tão 'indecente' ou 'doentio'", e afirmaram que ela "preconizava o incesto" e "incitava ao crime". O que é que Nelson diria de A Serbian Film?

Um indicativo talvez esteja no encerramento de "Contra a Violência":

"Hollywood devia fazer precisamente o contrário do que exige a sua tola unanimidade. Mais do que nunca, deve fabricar os filmes hediondos. O homem precisa ser colocado diante da própria violência. Temos que ver a face da nossa crueldade. Ou o cinema nos ofende e nos humilha ou, então, deve morrer. E, sempre que o cinema apresenta a sordidez em dimensão gigantesca, cada qual sente o eterno, o sagrado, que existem no mais vil dos seres."

Gosto de pensar que esse trecho vai ao encontro do que concluí quando discuti o filme sérvio e sua censura:

"O que há de particular na violência da obra de Spasojević? A conclusão a que chego é que a diferença é positiva: a forma com que retrata seu tema é eminentemente demoníaca. A violência não aparece divertida, justa, emocionante, gloriosa. É apenas sórdida, ácida, insuportável."

Isto é: a violência de um jeito cru, sem idealização que a mascare além do que é. Que acham? Lembremos do que enfatiza Nelson:

"Que pobre utopia um cinema sem violência, sadismo, terror e medo! Seria a morte da própria indústria cinematográfica."


Postado por Duanne Ribeiro
Em 16/5/2012 às 18h55


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Zuza Zapata de Julio Daio Borges
02. Um sonho a mais (1985) de Julio Daio Borges
03. Aécio no Pingos nos Is de Julio Daio Borges
04. Conquistando um novo mundo de Julio Daio Borges
05. Millennials de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Contradições da Sociedade Brasileira e a Construção da Ordem
Carlos Alberto de Aguiar (dedicatória)
Comunicação Arte e Cultura
(2006)



Bola Fora - A História do Êxodo do Futebol Brasileiro
Paulo Vinicius Coelho
Panda Books
(2009)



O Ano da Excelência
Robson Rodovalho
Sbe
(2015)



La Politique Economique de La France
Michel Pebereau (2ª Edition)
A Colin
(1987)



Face the Issues
Carol Numrich
Longman
(1996)



Resgatem o Titanic
Clive Cussler
Círculo do Livro



O Direito in Vitro: da Bioética ao Biodireito
Regina Fiuza Sauwen e Severo Hryniewicz
Lumen Juris
(1997)



Regulação e Saúde
Vários
Ans
(2003)



O Que Todo Cidadão Precisa Saber Sobre Democracia
Maria Cristina Castilho Costa
Global
(1989)



Roma - guia visual folha de sao paulo
tracy l laquey
Publifolha
(1997)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês