Oiticica e a Tropicalondon | Paula Góes

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> Psicometria Genética (lacrado) de Sara Pain pela Casa do Psicologo (1995)
>>> Solidão de John T. Cacioppo, William Patrick pela Record (2011)
>>> Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado) de Ritah Oliveira pela Qualitymark (2017)
>>> Mitos e Realidades da Qualidade no Brasil de Marco A. Oliveira pela Nobel (1994)
>>> História Global Ensino Médio Volume Único de Gilberto Cotrim pela Saraiva (2016)
>>> Olhos de Madeira de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (2001)
>>> A Formação da Professora Alfabetizadora - 6ª Ed. de Regina Leite Garcia pela Cortez (1998)
>>> Cinema Brasileiro no Século 21 de Franthiesco Ballerini pela Summus (2012)
>>> Microsoft Project 2007 Gestão e Desenvolvimento de Projetos de Maurício Moreira pela Erica (2009)
>>> O Dinheiro do Diabo (novo) de Pedro Ángel Palou pela Benvirá (2012)
>>> Fernando Pessoa - Homoerotismo Psicanálise Sublimação (lacrado) de Durval Checchinato pela Companhia de Freud (2012)
>>> Linhas de Fuga (lacrado) de Susana Scramim, Marcos Siscar, Alberto Pucheu pela Iluminuras (2016)
>>> Brandscendência - o Espirito das Marcas (lacrado) de Mario Ernesto René Schweriner pela Saraiva (2010)
>>> Fernando Pessoa - Resposta à Decadência (lacrado) de Haquira Osakabe pela Iluminuras (2013)
>>> A Practical Way to English 2 de Joseph Troster pela Não Encontrada (1982)
>>> Ética Concorrencial (lacrado) de Oscar Pilagallo pela Campus / Elsevier (2014)
>>> Viagem à Palestina - Prisão a Céu Aberto de Adriana Mabilia pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Made in Japan: Akio Morita e a Sony de Edwin M. Reingold e Mitsuko Shimomura pela Cultura (1986)
>>> Nunca é Tarde Demais de Amy Cohen pela Best Seller (2009)
>>> O Sujeito Não Envelhece - Psicanálise e Velhice de Ângela Mucida pela Autêntica (2007)
>>> Contabilidade Introdutória de Sérgio de Iudícibus pela Atlas (1994)
>>> Perdidos por Aí (lacrado) de Adi Alsaid pela Verus (2015)
>>> The Picture in the Attic de Richard Macandrew / Cathy Lawday pela Cengage Learning (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Minna - Coleção Premio Nobel de Literatura de Karl Gjellerup pela Delta (1963)
ENSAIOS

Segunda-feira, 12/11/2007
Oiticica e a Tropicalondon
Paula Góes

+ de 7400 Acessos

O ano era 1969. Naqueles tempos, fumar no topo dos ônibus vermelhos de dois andares que ainda cortam as ruas de Londres não era contravenção, e cigarro era liberado ainda em salas de cinema, auditórios de teatro, galerias de arte. Naquele ano, Pelé marcou o milionésimo gol. O Led Zeppelin lançava o primeiro álbum homônimo, os Beatles se apresentavam em público pela última vez, num concerto improvisado no terraço da Apple Records que foi interrompido pela polícia. Caetano Veloso tinha acabado de chegar ao exílio.

Dentre os vários motivos para a perseguição política, pesou a exibição no palco da boate carioca Sucata, durante um show com Os Mutantes e Gilberto Gil, da imagem de uma bandeira com a figura de um traficante famoso na época, o Cara-de-Cavalo, estendido morto no chão, assassinado violentamente pela polícia. Em vez de legenda jornalística, lê-se no estandarte os seguintes dizeres: “Seja marginal, seja herói”. Aquela bandeira-poema, que revoltou as Forças Armadas e serviu de pretexto político para o fim da temporada na Sucata e posteriormente para o exílio para Gil e Caetano, era obra de um jovem artista plástico carioca, Hélio Oiticica.

Foi também uma obra do artista, o penetrável Tropicália, que batizou e ajudou a consolidar a estética do movimento tropicalista, que celebra 40 anos. Penetrável, ou o que hoje se chama por aí de "instalação", é uma obra de arte que vai além da experiência visual. O espectador entra na obra de arte construída na forma de um labirinto e nela vivencia várias experiências que passam pelo tato, olfato, audição e até paladar. Tropicália foi uma das primeiras instalações do mundo, tendo estreado em 1960 na exposição Nova Objetividade Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Naquele ano de 1969, quando tudo parecia ser permitido do outro lado do mar, o penetrável Tropicália estava em Londres, em uma lendária exposição na Whitechapel Art Gallery. Essa exposição foi a maior da carreira de Hélio Oiticica e um dos eventos de artes visuais mais radicais já vistos na Grã-Bretanha. Estruturada em ambiente que estimulava a participação contínua do público, com pinturas, esculturas e instalações, Whitechapel Experience, como Oiticica a chamava, também contou com mais uma instalação do artista até então desconhecido do público inglês. Tropicália e Éden rapidamente conquistaram os visitantes – para quem nunca viu uma arara ou uma favela na vida, era muito difícil não interagir com todo aquele neologismo em forma de arte.

Quase 40 anos depois da primeira visita, Tropicália agora vive no 5º andar do Tate Modern, a galeria de Arte Moderna de Londres, onde a instalação, ou melhor, o penetrável, toma uma sala inteira. Há plantas tropicais em potes de barro por toda a parte, e em uma gigantesca gaiola, duas arraras vivas, uma vermelha e uma azul, que são responsáveis pela música de fundo da experiência. O chão, coberto de pó de serra, areia e pedregulhos, acrescenta à sonoridade da sala. As paredes são cheias de poemas, muitos deles intraduzíveis, com suas devidas meias versões em inglês.

Mas é o barraco de madeira e chita que fica no epicentro da sala que inevitavelmente deixa um sorriso no rosto de quem se deixa levar pela curiosidade. A experiência dura um minuto ou menos, 60 segundos surpreendentes. As pessoas esperam, educadamente, na fila para ver o que tem lá dentro. Dá um frio na barriga na entrada, o mistério, a cortina de retalhos de plástico coloridos, a volta em espiral entre quartos de tecido e, no final, uma velha TV preto e branco mal sintonizada em um canal brasileiro de televisão. A curiosidade é matada. Fica uma perplexidade quase sem explicação, e um quê de satisfação e um gostinho de liberdade.

Além do penetrável Tropicália, considerada uma peça de arte histórica, o Tate comprou oito outras obras do Oiticica para a sua coleção permanente de exibição gratuita, com a ajuda do Art Fund. As peças são intrinsecamente ligadas ao período que o artista morou em Londres, um ano apenas que desembocou na exposição em Whitechapel. O Tate também hospedou, no verão desse ano, uma retrospectiva completa do trabalho de Hélio Oiticica. Hélio Oiticica também representou as artes plásticas na grande exposição em homenagem à Tropicália, promovida em 2006 pelo centro cultural Barbican.

Hélio Oiticica, o artista rebelde e marginal brasileiro, morreu em 1980, aos 43 anos, de ataque cardíaco. Foi uma carreira breve, na qual mesmo tendo participado de diversas bienais e grandes eventos nacionais e internacionais, e sido reconhecido em vida como um grande nome da arte então de vanguarda e pensador importante, não apenas na Inglaterra, mas também na Suíça, EUA, Japão, França – Hélio Oiticica nunca traiu as suas raízes marginais – ele se considerava marginal, e marginal era. Marginal, mas não alienado. Por trás do movimento Tropicália nas artes plásticas, regia a inquietude e o inconformismo social, assim como também o alerta para os perigos do consumo de uma imagem folclórica, superficial e estereotipada de um Brasil tropical.

"Quando digo ‘posição à margem’ quero algo semelhante a esse conceito marcuseano: não se trata da gratuidade marginal ou de querer ser marginal à força, mas sim colocar no sentido social bem claro a posição do criador, que não só denuncia uma sociedade alienada de si mesma mas propõe, por uma posição permanentemente crítica, a desmistificação dos mitos da classe dominante, das forças da repressão, que além da repressão natural, individual, inerente à psichê de cada um, são a manutenção dessa mais-repressão."

* * *

Oiticica in London, livro editado por Guy Brett e Luciano Figueiredo e recém-publicado pela Tate Publishing, traz uma investigação cuidadosa, pela primeira vez executada, do período da vida do artista em solo inglês. Com entrevistas com contemporâneos do artista, escritos que nasceram durante esse ano em Londres (pela primeira vez traduzidos para o inglês), fotos, resenhas e cópias das páginas do catálogo original da exposição na Whitechapel Gallery, o livro foi considerado leitura essencial não apenas para quem quer saber mais sobre Tropicália, mas também conhecer a evolução da avant-garde londrina.

Nota do Editor
Paula Góes é jornalista e tradutora radicada em Londres. Ela escreve sobre tradução no Talqualmente e colabora com o projeto Global Voices Online.


Paula Góes
Londres, 12/11/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica literária ainda existe? de José Castello
02. The Murdoch Street Journal de Sérgio Augusto
03. Tim Maia Racional de Alexandre Matias
04. O grito eletrônico do Overmundo de Thereza Dantas
05. 2003: No fio da navalha de Ana Maria Bahiana


Mais Paula Góes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sujeitos e objetos do sucesso: antropologia do Brasil emergente
Diana Nogueira de Oliveira Lima
Garamond- Faperj
(2008)



O Clima Pós Copenhague Vol 18 N 4
Política Externa
Revista Política Externa
(2010)



Sessão de Terapia
Jaqueline Vargas
Arqueiro
(2013)



Silveira Bueno Minidicionario da Lingua Portuguesa - Revisado
Francisco da Silveira Bueno
Ftd
(2000)



Niquito o Cão Jardineiro
Dill Ferreira
Apedzinha
(2013)



Camilo Castelo Branco Literatura Comentada
Maria Aparecida Santilli
Abril



Homens-Caranguejo
Sérgio Carvalho
Local Foto
(2013)
+ frete grátis



é Agora... Ou Nunca
Marian Keyes
Bertrand Brasil
(2013)



Conhecendo o Cérebro
Luciano Mecacci
Nobel
(1987)



Depois do Escorpião uma História de Amor Sexo e Traição
Samantha Moraes
Seoman
(2006)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês