Do maior e do melhor | Flávio Moreira da Costa

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
ENSAIOS

Segunda-feira, 1/9/2008
Do maior e do melhor
Flávio Moreira da Costa

+ de 6600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Se a frase de Drummond "Escrever é cortar palavras" faz sentido para alguns escritores, não faz para outros. É, para ficar na metáfora cortante, uma faca de dois gumes. (Imaginem Proust, Joyce ou Guimarães Rosa cortando na própria carne da escrita: seriam os mesmos?) A lâmina de Dalton Trevisan é bem afiada, e ele tem sido admirado e criticado por isso. Quem lê as primeiras edições de Novelas nada exemplares, Guerra conjugal ou O vampiro de Curitiba e vai lê-las de novo, a partir da edições revistas pelo autor, pode ficar confuso. O mesmo livro ou um outro, dizendo a mesma coisa com o mínimo de palavras? Afinal, o velho (neo?) realismo já era ("já conheço os passos desta estrada/ sei que não vai dar em nada..." ― Tom e Chico): é preciso dosá-lo com as tintas do hiperrealismo, chegando às vezes (e aqui entra o humor do autor) à quase caricatura de sentimentos e comportamentos. Ao velho cafageste municipal, com dentinho de ouro, anel de falso rubi no dedo mindinho e bigodinho que disfarça o riso de vampiro suburbano; as Marias seduzidas e abandonadas, "virgens porém grávidas" e que apanham, reclamam, mas gostam.

Quanto aos que o que criticam por isso tudo, ou por isso mesmo, seria como criticar João Gilberto por cantar as mesmas músicas. Sem notar que elas são as mesmas na essência, mas diferentes, porque aprimoradas, tanto nas ressonâncias da própria harmonia quanto nas reentrâncias e significâncias das letras: "Vou te contar: os olhos já não podem ver/ coisas que só o coração pode entender...." (Tom, salvo erro). Mas aqui também a faca-só-lâmina de Trevisan tem dois lados: se um é João Gilberto pela linguagem contida, o outro gume, não menos cortante, é Nelson Cavaquinho ― pelos personagens e o mundinho semi-trágico em que eles estão imersos. Há uma "luz negra de um destino cruel" envolvendo cada um deles, sem esperança e sem futuro: "Sempre só/ eu vivo procurando alguém/ que sofra como eu também..." ― e a conclusão, sem medo do patético, é o choro/chorinho contido (contido?): "estou chegando ao fim...".

Os contos de Trevisan são, quase sempre, se não sempre, sobre um desencontro ― de um homem e uma mulher. E a solidão, é "um abismo de rosas". Aliás, os próprios títulos do autor já inscrevem seu tema: Guerra conjugal, Crimes de paixão, Desastres do amor, A faca no coração, Lincha tarado, A trombeta do anjo vingador, O vampiro de Curitiba, Meu querido assassino.

Dezenas de livros, centenas de contos e um mundo só, cuja capital é uma cidade imaginária chamada Curitiba. Como Nova York (a Broadway dos anos 30) para Damon Runyon. Com a vantagem para esse brasileiro que, aos 83 anos (alô, alô, escritores-blogueiros), é um escritor novo ou um novo escritor. Em dezenas de livros e centenas de contos, um autor surpreendentemente (se isso não for novidade e surpresa, não sei, não...) fiel a um gênero e a si mesmo. Mesmo que fuja da imprensa como seus pequenos meliantes fogem da polícia. Incógnito? Nem a imprensa cultural fala dele como ele merece.

Impossível é o bom leitor de ficção fugir de um novo título de Dalton Trevisan. Fugir por que, se o melhor é acompanhá-lo? Só agora começo a falar de O maníaco do olho verde? Não, comecei antes: Trevisan não publica livros isoladamente; ele constrói uma obra. Sempre in progress. Como um Tchekhov nosso, primo-irmão de João Gilberto e Nelson Cavaquinho ("Sou um rei destronado/ sou um rei sem coroa..."). Repetitivos os 26 contos deste novo livro? Não, evolutivos; acompanham até a evolução (evolução? Bem...) dos costumes. Antes, o álcool é que infernizava e destruía a vida dos habitantes de seu mundo caído. Agora, o crack, como em "Tem um craquinho aí?", o primeiro conto.

O livro é pequeno, mas é amplo seu pequeno mundo. Acanhado, sem poesia, cruel? Vejam os inícios certeiros de alguns contos: "Esta história aí no papel não é verdade. Na época eu tive um caso com uma moça. Sentamos por acaso no mesmo banco da praça Osório. Foi como tudo começou." ("Amor de machão"). Ou: "Puta, não senhor. Garota de programa. Não sei de nada. Só que fui presa." ("Garota de programa"). Mais um: "O que aconteceu lá, sem mentira nenhuma, não é nada disso." ("A guria").

Não é nada disso. Sabem aquela história (que o brasileiro adora) do melhor e do maior? Pois é, o nome dele é Dalton Trevisan.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Jornal do Brasil em agosto de 2008. Leia também "Deus".


Flávio Moreira da Costa
Rio de Janeiro, 1/9/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai e um violinista de Milton Hatoum


Mais Flávio Moreira da Costa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/9/2008
16h58min
Você soube definir bem o mundo de Trevisan. A comparação com João Gilberto está primorosa. É um autor que leio sempre e cada vez gosto mais. Não sei por que é meio desconhecido ou pouco compreendido. Não conheço esse novo livro, mas certamente fará parte da minha biblioteca.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
12/9/2008
12h27min
Penso muito na relação da minha escrita com a música. Gostei especialmente das comparações que fez com as canciones populares. Agora, como vive um homem que só vive de escrever sem aparecer? Vive no Brasil mesmo?
[Leia outros Comentários de Gabriel Pardal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




KERABAN
JULIO VERNE
MATOS PEIXOTO
(1966)
R$ 6,90



HISTORIA CONTEMPORANEA
JVOSTOV E ZUBOK
CENTRO DO LIVRO BRASILEIRO
(1985)
R$ 8,90



PSICOLOGIA DO COTIDIANO - REPRESENTAÇÕES SOCIAIS EM AÇÃO
MARÍLIA VERÍSSIMO VERONESE E PEDRINHO A. GUARESCHI
VOZES
(2007)
R$ 34,90



ARTE LITERÁRIA PORTUGAL BRASIL
CLENIR BELLEZI DE OLIVEIRA
MODERNA
(1999)
R$ 22,00



BÍBLIA E RELIGIOSIDADE POPULAR
COOR.) J. E. M. TERRA S. J.
LOYOLA LEB
(1984)
R$ 5,00



THE ACROPOLIS AND ITS MUSEUM
GEORGE DONTAS
CLIO EDITIONS
(1990)
R$ 15,82



MÈRE ET FILLE
FRANCESCA SANVITALE
SALVY
(1993)
R$ 52,37



UM MUNDO DESCONHECIDO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 6,90



SONHOS EM AMARELO
LUIZ ANTONIO AGUIAR
MELHORAMENTOS
(2014)
R$ 15,00



EM BUSCA DO RIGOR E DA MISERICÓRDIA: REFLEXÕES DE UM ERMITÃO URBANO
LOBÃO
RECORD
(2015)
R$ 15,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês