A Cultura do Consenso | André Forastieri

busca | avançada
60681 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Paco de Lucía (1947-2014)
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> The Zen of Bennett, com Tony Bennett
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
Temas
Mais Recentes
>>> A nova classe média
>>> Os 60
>>> O Mito da Eleição
>>> Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias
>>> Era uma vez
>>> Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
>>> Histórias de superação que não fazem sucesso
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
>>> Eu podia estar matando, podia estar roubando
Colunistas
Mais Recentes
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
>>> Steve Jobs (1955-2011)
Últimos Posts
>>> García Márquez 1982
>>> Gabo: Discurso do Nobel
>>> García Márquez, o filme (1999)
>>> García Márquez na CNN
>>> García Márquez no Digestivo
>>> Someday My Prince Will Come
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Erudito nas igrejas de SP
>>> As Quatro Estações 2003
>>> Filosofia e Jornalismo
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
>>> Comentários via Facebook
Mais Recentes
>>> Império dos Sonhos, de David Lynch
>>> Logística - Armazenagem, Distribuição e Trade Marketing
>>> Lecto-escritura esquizofrénica
>>> Vai um podcast aí?
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Um Coração Simples, de Flaubert, por Milton Hatoum
>>> Beijo surdo
>>> As Meditações de Marcus Aurelius
>>> Inesquecíveis aventuras
>>> Quixote que nada
LIVROS
Mais Recentes
>>> Viver Para Contar
>>> Crônica de Uma Morte Anunciada
>>> Álbum da Copa do Mundo 2014 - Fifa World Cup Brasil - Capa Dura
>>> Gossip Girl - Me Dê Uma Chance
>>> A Filha da Tsarina
>>> O Evangelho Segundo Judas
>>> O Dominador
>>> Corvo Negro
>>> Almanaque 1964
>>> As Sombras de Longbourn
>>> O Silêncio do Algoz
>>> Poesia e Polícia
>>> A paixao medida
>>> Um Outro Amor
>>> Nova Gramática Finlandesa
>>> O Mesmo Mar
>>> Eu Sou Proibida
>>> Dias Perfeitos
>>> Romance com pessoas
>>> Quarenta dias
>>> Cavaleiros
>>> Casa de Segredos
>>> Cartografia da Justiça no Brasil
>>> Homens Difíceis
>>> A Capitoa
>>> Caninos Em Família
>>> O Caminho de Ida
>>> No Caminho da Vitória
>>> O Caminho da Paz
>>> A Guerra que Matou Aquiles
>>> Um Bom Rapaz
>>> O Bispo
>>> Biomecânica Básica do Sistema Musculoesquelético
>>> Biologia Vegetal
>>> Biologia Molecular Básica
>>> Biologia celular e molecular
>>> Bilhões e lágrimas
>>> O Bicho Alfabeto
>>> Belleville
>>> Beco dos Mortos
>>> Bazinga!
>>> As Aventuras de Pedro Coelho
>>> Lira Grega - Antologia de Poesia Arcaica
>>> A Filosofia como Crítica da Cultura
>>> Humor é Coisa Séria
>>> Pensar o Contemporâneo
>>> Arquitetura Grega e Romana
>>> As Neurociências - Questões Filosóficas
>>> Aventuras de Alice no País das Maravilhas
>>> Autodesk Revit Architecture 2014
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/10/2011
A Cultura do Consenso
André Forastieri

+ de 11000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Caros amigos, é chato dizer, mas o Brasil é um lugar chato. Dolorosamente chato. Viver aqui é um porre.

O Brasil não tem literatura, não tem teatro, não tem cinema, não tem estilo, não tem ciência. Tinha novelas e música. Hoje, nem isso.

E não adianta jogar toda a culpa no capitalismo avançado, na globalização, ou na pobreza. A Índia, por exemplo, tão miserável e internacionalizada quanto o Brasil, é um país de verdade com uma cultura de verdade ― incluindo indústrias fonográfica e cinematográfica da pesada, uma indústria de software florescente, um número enorme de cientistas importantes etc.

Nem é preciso ser um país continental. Qualquer Nova Zelândia tem seu cinema, qualquer Irlanda tem seu U2, qualquer lugar onde se vá se encontra algum sinal de vida própria.

Aqui não tem nada. Tem a bunda da Carla Perez.

No Brasil não há produção cultural, não há reflexão, não há crítica, não há debate informado. Temos horror pelo conflito, que é o horror pelo mundo moderno, pela iniciativa, pelas idéias. Queremos ser amados e resolver tudo na boa. Vivemos na cultura do consenso.

Quase sempre foi assim, e nunca entendi direito por quê. Herança portuguesa, influência da contra-reforma ― tá, tudo bem, mas não é o suficiente. Pior: fui perguntar para minha mulher, que é jornalista e economista, se ela conhecia algum livro que relacionasse economia e cultura e tentasse dar conta da origem deste lodo todo. Resposta dela: “Não existe”.

É até argumentável que a cultura do consenso comporte aspectos positivos. A tolerância racial, a assimilação rápida de novas tendências, a paciência ― enfim, a adaptabilidade.

Sim, o brasileiro é adaptável ao extremo ― para o bem e para o mal. Estimulado, provocado, informado, o brasileiro consegue lidar com complicações e inovações que dariam nó na cabeça de muito primeiro-mundista.

Este cheirinho de potencial cria a ilusão de que moramos num país, e não num descampado improdutivo. A má notícia é que o espaço da informação, da análise, da provocação ― o que passa por imprensa no Brasil ― raramente vai muito além de press releases porcamente disfarçados. Não informa, não estimula, não debate e influi cada vez menos.

Os meios de comunicação no Brasil não passam de estações repetidoras do consenso. A ação entre amigos que gerencia este país tem seu reflexo perfeito nos jornais, revistas, rádios e TVs. Como Narciso, a imprensa está apaixonada pelo que vê.

Não é preciso ir muito longe para encontrar as provas da mediocridade da imprensa brasileira.

Abra o jornal de hoje. Ligue a televisão. Por baixo das quatro cores ou dos efeitos gerados por computador, a conversa mole e a desinformação correm soltas. O cinema nacional renasceu, consultas crescentes ao SPC significam aquecimento, Chico César é moderno, publicidade é cultura.

Qualquer sinal de idéias destoantes, de conflito, de vida inteligente é abafado tão rápido quanto possível.

Aliás, não é à toa que os vestibulandos estão preferindo publicidade a jornalismo. As profissões são praticamente as mesmas. Mas paga bem melhor quando exercida em agências, em vez de redações.

O pior é que o tédio que domina a vida brasileira tende a se aprofundar. Nos condenamos a pelo menos doze anos, provavelmente dezesseis, de dominação da vida pública e seus porta-vozes.

Com a conivência da leal oposição do rei, com a nossa conivência e descaso, e com o aplauso puxa-saco da “inteligentsia” e da imprensa, que se misturam e se confundem e cuja falta de critérios e escrúpulos não tem igual.

Entre tanta coisa chata, talvez o mais chato de tudo é que até quem está na contracorrente desta miséria mental se rendeu. A única opção visível para as melhores cabeças da minha geração é fazer bem o que se faz, ganhar o máximo de dinheiro possível e viver no Brasil como viveríamos em San Francisco, Nápoles ou Bangkok.

Lemos mais em inglês do que em português, compramos livros pela Amazon, música pela internet, funghi porcini na importadora da esquina e carros importados com airbag.

Não votamos ou votamos nulo. Rimos da jequice dos poderosos e do nosso lumpesinato cultural. O Brasil é isso mesmo. A imprensa é isso mesmo.

Eu esperava e espero mais de mim e da minha geração.

Podemos continuar empurrando nossa mediocridade com a barriga, engolindo a raiva e a frustração de morar num país de merda como o Brasil. Ou podemos criar vergonha na cara, meter a mão nesta merda e tornar este lugar um pouco mais interessante para se viver.

Como, não sei. Mas parece divertido..;

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Caros Amigos, em abril de 1997, e republicado no blog de André Forastieri, em fevereiro de 2009 (atualmente no portal R7).


André Forastieri
São Paulo, 10/10/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para o Daniel Piza. De uma leitora de Eugenia Zerbini
02. Delírios da baixa gastronomia de Ruy Castro
03. Jane Fonda em biografia definitiva de Sonia Nolasco
04. Populares e eruditos de João Marcos Coelho
05. Um abraço em Moacyr Scliar de José Castello


Mais André Forastieri
Mais Acessados de André Forastieri
01. A Cultura do Consenso - 10/10/2011
02. Chega de Escola - 31/1/2011
03. Eu nunca fui nerd - 14/3/2011
04. As letras de música de hoje - 6/12/2010
05. Encontro com Kurt Cobain - 11/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/1/2012
10h26min
André, parabéns pelo texto. Só me espanta ler que o Brasil não tem cultura. Tem. Ninguém é desprovido de crenças, costumes, preferências e afins. Pode não ser a 'cultura' que você espera. Somos adaptáveis, sim. E até de forma negativa porque caímos até no conformismo. E me incluo aqui. Só acho que a palavra 'cultura' pode ser melhor empregada.
[Leia outros Comentários de Tacyana]
16/1/2012
13h47min
É isso aí, toda a tentativa de debate e conflito é abafado com a premissa, vc leva a vida muito a sério.
[Leia outros Comentários de Samantha ]
16/1/2012
17h04min
Chato é ver gente falando como se a ótica pequeno burguesa fosse á única existente e a visão puramente midiática. De fato o Brasil de Rede Globo e seus supedâneos é incrivelmente chato. Mas existe um outro Brasil, riquíssimo em Cultura, que vive mergulhado no ostracismo, que come a globalização pelas bordas, que medra na periferias. Talvez quinhentos anos de sua descoberta precise ser novamente descoberto.
[Leia outros Comentários de Edson B de Camargo]
9/2/2012
09h50min
O texto não procede. É discriminatório, incoerente, de visão limitada. O tema é até bem interessante, já que revela certa afecção globalizante, mas o autor interrompe o fluxo com ingenuidade. Ele realmente não conhece a Índia.
[Leia outros Comentários de Dan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

>>> Shakespeare à brasileira
>>> FLAUTISTAS DA PRO ARTE 25 ANOS | Abertura da temporada 2014
>>> Fundação Ema Klabin apresenta universo feminino com show de Fogueira das Rosas
>>> Caranguejo do Saara
>>> Comédia Terceiro Sinal
>>> Chico Santa Rita lança 'Batalha Final'
* clique para encaminhar

Editora Perspectiva
WMF Martins Fontes
Hedra
Madras Editora
Globo Livros
Civilização Brasileira
Editora Conteúdo
Arquipélago Editorial
Nova Fronteira
Best Seller
Editora Contexto
José Olympio
Cortez Editora
Editora Record
Intrínseca
Bertrand Brasil
Companhia das Letras
LIVROS


1000 CURIOSIDADES DO MUNDO DA BOLA
Por R$ 36,95
+ frete grátis



O BISPO
Por R$ 38,95
+ frete grátis



ARQUITETURA GREGA E ROMANA
Por R$ 78,95
+ frete grátis



GOSSIP GIRL - ME DÊ UMA CHANCE
Por R$ 41,95
+ frete grátis



ADMINISTRAÇÃO - TEORIA, PROCESSO E PRÁTICA
De R$ 125,00
Por R$ 99,95
Economize R$ 25,05



DICIONÁRIO AMOROSO DA LINGUA PORTUGUESA
Por R$ 53,95
+ frete grátis



MATERNIDADE E PATERNIDADE
De R$ 94,00
Por R$ 84,95
Economize R$ 9,05



DÍVIDA DE SANGUE
Por R$ 59,95
+ frete grátis



DISCURSOS SUSTENTÁVEIS
De R$ 54,00
Por R$ 37,79
Economize R$ 16,21



AMAZÔNIA
De R$ 100,00
Por R$ 69,95
Economize R$ 30,05



busca | avançada
60681 visitas/dia
2,2 milhões/mês