Digestivo nº 17 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> O Espetacular Homem-Aranha: Homem-Aranha Nunca Mais! de Stan Lee / John Romita pela Panini Comics (2016)
>>> Imaginários - Volume 1 de Alex Mir pela Draco (2013)
>>> RexMundi : o rio subterrâneo - Livro Dois de Arvid Nelson pela Dark Horse (2008)
>>> Em Chamas - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> A Esperança - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 24/1/2001
Digestivo nº 17
Julio Daio Borges

+ de 2500 Acessos




Imprensa >>> Tudo o que tem a fazer é ficar parada com cara de estúpida
Exame, a revista corporativa, resolveu esmiuçar a escalada e as conquistas das mulheres no trabalho desde 1970. Embora, logo de saída, não haja comparação possível entre uma trajetória de séculos (masculina) e uma de décadas (feminina), Exame procurou razões para explicar o seguinte paradoxo: se as mulheres estão sendo contratadas, desde a base, em pé de igualdade com os homens, por quê é que no topo elas continuam em minoria escassa? Há um tempo atrás, prevalecia a teoria de que esse mundo - com seu cartesianismo, com suas máquinas, com sua objetividade - era lugar para homens, biologicamente e historicamente mais equipados que as mulheres, pouco afeitas ao racionalismo, ao mecanicismo, à praticidade. Hoje, essa teoria caiu por terra: primeiro, porque as mulheres se adaptaram (e pilotam qualquer engenhoca); segundo, porque as mulheres mostraram-se dotadas de certos talentos (insuspeitados) que os homens não têm; terceiro, porque a humanidade caminha para a androginia, em que os sexos e suas disparidades tendem a se diluir, cada vez mais. Onde está a resposta para o paradoxo então? A resposta está no tempo, e no amadurecimento daqueles que ainda vivem o dualismo estanque entre os dois sexos. [Comente esta Nota]
>>> Exame
 



Teatro >>> Complexo de Édipo Rei
O Teatro Brasileiro de Comédia está cedendo uma de suas salas para a encenação de uma das mais sérias tragédias de todos os tempos: Édipo Rei, de Sófocles. O elenco, jovem demais para morrer, mostra muita dedicação e muito respeito pelo texto, trovejando em falas e contorcendo-se em gestos, como se aquela fosse a sua última apresentação sobre a Terra. Lamentavelmente, nem toda a platéia compartilha do transe, das agonias e dos horrores que cercam Édipo: a tradução peca por constantes referências à segunda pessoa do singular, distanciando o espectador médio do tempo em que se desenrola a cena. Os figurinos, simples, com predominância em preto, e a sonoplastia, puramente percussiva, visceral, remetem aos festivais da Antiga Grécia, em que o meio jamais competia com a mensagem. A história, todo mundo sabe: Édipo é abandonado pelo pais, Jocasta e Laios, que temem pela profecia de Apolo, que o condena a matar o pai e casar-se com a mãe; Édipo cresce como filho adotivo em Corinto, mas, também ciente da profecia, protegendo a vida de seus pais (adotivos), foge para Tebas, matando Laios no caminho e casando-se com Jocasta, na chegada - para ir descobrindo tudo isso, aos poucos. Para Sófocles, não há mortal que, na vida, escape da dor. [Comente esta Nota]
>>> TBC - Rua Major Diogo, 315 - Tel.: 3115-4622
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
A Brasserie do Nando fica na Francisco Leitão, uma travessa da Rua dos Pinheiros, quase paralela à Avenida Rebouças. Estabelecimento silencioso, de garçons bem educados, prima por uma decoração cuidadosa, com pratos na parede, telas suaves, e um cardápio ilustrado a mão. O Nando atende ao telefone e parece assistir a todos os movimentos de seu restaurante com muita atenção. A trilha sonora é pronunciadamente latina e as mesas, sóbrias, forradas com toalhas brancas. O cardápio é bastante criativo, oferecendo salada de endívias, com queijo brie e fatias de manga; ravioli de pêra, ao molho de rochefort; crepe suzette, que hoje está meio fora de moda, mas que tem o seu lugar; e uma boa gama de drinks, para quem quiser esquentar os motores. Não tem manobrista, mas tem estacionamento na porta. O luminoso de neon, na fachada, sugere o preciosismo do dono, que aposta todas as suas fichas, e que merece ganhar. [Comente esta Nota]
>>> Brasserie do Nando - R. Francisco Leitão, 20 - Tel.: 3062-3287
 



Música >>> Quinteto em forma de choros
Quem foi que disse que não havia música clássica contemporânea no Brasil? O Quinteto Villa-Lobos, de Antonio Carrasqueira (flauta), Luis Carlos Justi (oboé), Paulo Sérgio Santos (clarineta), Philip Doyle (trompa) e Aloysio Fagerlande (fagote), relança um CD de 1997, pela Kuarup Discos, provando que o gênero erudito ainda vive. Principiam, eles, por um quinteto de Mario Tavares, em três movimentos alegres, líricos e gingados. Partem para as Variações Sérias de um tema de Anacleto de Medeiros (de autoria de Ronaldo Miranda), em que se transmite sobriedade, elevação e equilíbrio. Percorrem os Instantâneos Folclóricos nº 1, de Raphael Baptista, propondo releituras sofisticadas para temas banais como Marcha Soldado e Atirei o Pau no Gato. Saltam para as sofisticações da Suíte para Quinteto de Sopros, de Radamés Gnattali. Embrenham-se na Serenata a Cinco, de Edino Krieger, e fecham com Villa-Lobos (Choros nº 2 e Quinteto em forma de Choros, que dá nome ao álbum). A execução é precisa e os arranjos, elegantes. Desafortunadamente, porém, o CD não é fácil de se encontrar. [Comente esta Nota]
>>> Gravadora Kuarup
 



Internet >>> Un-real world
Enquanto se discute as fronteiras, os perigos e as influências do mundo virtual no mundo real, já existe gente fazendo a volta: pegando da vida (real) e jogando na arte (virtual). É o caso do filme Waking Life, em que uma técnica de animação revolucionária permitiu converter atores e situações filmadas em seqüências de pura computação gráfica. A revista Wired, de fevereiro, dedica uma de suas matérias aos inventores, Tommy Pallota e Bob Sabiston, que participam do Sundance Film Festival, e que pretendem comercializar sua ferramenta através do site da Flat Black Films (www.flatblackfilms.com). Se antes os estúdios (como o Disney) se desdobravam em sofisticados algoritmos para poder reproduzir expressões, trejeitos e traços humanos, depois de Waking Life, não é mais necessário despender milhões em imitações milimétricas e em humanóides clonados: imperfeições já podem ser perfeitamente retratadas, tomando como modelo a própria realidade. Chega a ser filosófico. [Comente esta Nota]
>>> Wired
 
>>> DIGA O SEU NOME E A CIDADE DE ONDE ESTÁ FALANDO
Rogério Gallo, de São Paulo: "Promovemos então o encontro entre esses artistas, em diversos pontos do País, para evidenciar a evidência."
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pingos de Oração
Pe. Lambert Noben
Paulinas
(1981)



A última música
Nicholas Sparks
Novo Conceito



A Filha da Noite
Marion Zimmer Bradley
Círculo de Livro
(1985)



Complexo de Cinderela
Colette Dowling
Melhoramentos
(1981)



Quero Construir a Minha História
Fernando Dolabela
Sextante
(2009)



Inside Windows 95
Adrian King
Microsoft Press



Casos e Coisas, Daqui e Daí...
Heitor Luz Filho
Petit
(2003)



Em Busca das Coordenadas
Ernesto Rosa Neto
Ática
(1994)



O Noviço
Martins Pena
Folha



Direito Romano
Vicente Sobrino Porto
Freitas Bastos
(1962)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês