Digestivo nº 404 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
43087 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> A importância da água é tema de peças e oficinas infantis gratuitas em Vinhedo (SP)
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em SP e público aprende a combater vilões com higiene
>>> Exposição de arte Dispositivos
>>> Cristina Guimarães lança EP Em Canto que marca seu reencontro com a voz cantada
>>> Desenhos de Tarsila do Amaral
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Menos Guerra, Mais Sexo
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> A Teoria de Tudo
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> A LIRA de Ricardo Aleixo
>>> Eitonilda rumo aos 100K
>>> A calça alta do Faulkner
>>> Rubem Braga e eu
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Dicas para você aparecer no Google
Mais Recentes
>>> Tokyo Ghoul 4 de Sui Ishida pela Panini Comics (2016)
>>> O Primeiro Amor do Mundo de Fulton Sheen pela Educação Nacional (1956)
>>> Os Problemas da Vida de Fulton J. Shenn pela Livraria Figueirinhas (1956)
>>> Paz de Espírito de Fulton J. Shenn pela Livraria Figueirinhas (1956)
>>> Paquetá imagens de Ontem e de hoje dedicatória do autor de Vivaldo Coaracy pela José Olympio (1964)
>>> O Diabo de João Uchoa Cavalcanti pela Vozes (1968)
>>> História do Brasil. 3 Volumes de Robert Southey pela Melhoramentos (1977)
>>> Maravilhas do Conto Infantl de Andersen; outros pela Cultrix (1961)
>>> O Jogo do Bicho - a saga de um fato social brasileiro de Simone Simões Ferreira Soares pela Bertrand (1993)
>>> São Francisco de Assis e o Espírito Franciscano de Ivan Gobry pela Agir (1959)
>>> A Matemática na Lenda e na História de Malba Tahan pela Bloch (1974)
>>> A Pedra da Luz - Paneb, o ardoroso de Christian Jacq pela Bertrand (2000)
>>> Turma da Mônica Jovem (Mangá) nº 28 de Maurício de Souza pela Panini Comics (2010)
>>> Times da qualidade de Peter R. Scholtes pela Qualimark (2002)
>>> Identitá della scuola e "comunitá educante" - N° 1-2 de Vários autores pela Gennaio (1986)
>>> Sobredotação. Vol. 8 de Vários autores pela A.n.e.i.s (2007)
>>> Étvdes de Vários autores pela Ser-As (2012)
>>> Tempo Geológico de Don L. Eicher pela Edgard Blücher (1969)
>>> Sistemas Lineares 2 de Ralph J. Schwarz; Bernard Friedland pela Segrega (1972)
>>> Revista Trabajo Social - N° 10 de Vários autores pela Universidad de Antioquia (2009)
>>> Os cem melhores contos brasileiros do século de Vários autores pela Objetiva (2001)
>>> Journal of education for teching. Vol. 29 N° 2 de Vários autores pela Carfax (2003)
>>> Paradoxos Organizacionais - Uma visão transformacional de Vários autores pela Thompson (2004)
>>> As 100 Melhores Idéias de Negócios de Ken Langdon pela Best Seller (2000)
>>> Autralian Journal of Education - Vol. 56 - N° 2 de Vários autores pela Aje (2012)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 27/2/2009
Digestivo nº 404
Julio Daio Borges
+ de 2400 Acessos




Imprensa >>> Steve Brill salvando o New York Times
Steve Brill não parece tão preocupado com o fim do papel como suporte, ele fica mais incomodado que sua sogra aceite pagar ainda por informação, mas seus filhos, já, não. Brill, contudo, nota que seus filhos aceitam pagar pela música que ouvem, através do iTunes, da Apple. Steve Brill uniu, portanto, as duas pontas e teve uma ideia óbvia (até porque não foi o primeiro, nem será o último): resgatar o modelo de cobrar — dos leitores — por informação, através de micropagamentos on-line. Não é absolutamente novidade, desde que Walter Isaacson propôs o mesmo na Time de semanas atrás. A diferença é que Brill se deu ao trabalho de fazer as contas. Assim — como alguns já fizeram as contas e já provaram que as grandes empresas de mídia não se sustentarão apenas com propaganda on-line —, Steve Brill tentou provar que os micropagamentos podem ser a salvação num futuro não tão distante. Partindo da audiência de 20 milhões de visitantes-únicos do Times de Nova York e estimando uma receita mensal de 1 dólar por visitante, seriam 240 milhões por ano — em média 70% do que todo o grupo do NYT fatura com propaganda hoje. Brill vai mais longe a afirma que 2 dólares por mês (de cada visitante-único) equivaleriam a meio bilhão de dólares a mais por ano — 50% de toda a receita obtida através de circulação pelo grupo atualmente. E que 3 dólares mensais (de cada visitante) gerariam um novo bilhão por ano — e reverteriam o cenário de iminente bancarrota em que o grupo se encontra. Agora só falta convencer a Apple; e o Google (a continuar indexando, em suas buscas, páginas vazias, só com título e nenhum conteúdo...). Steve Brill fez sua lição de casa e é bem intencionado, mas só ao Times cabe responder se o modelo é viável — a ponto de querer implementá-lo — ou se não serve, apenas, para Brill argumentar, contra os pais de seus alunos, que preferem tirá-los hoje do curso de jornalismo — e vê-los, muito mais realizados (num futuro), como consultores da McKinsey & Co. [5 Comentário(s)]
>>> Brill's secret plan to save the New York Times and journalism itself
 



Cinema >>> O Mistério do Samba, com Marisa Monte
É um alívio perceber que Marisa Monte abandonou, mesmo que por um instante, o tatibitate a que se renderam suas composições nos últimos anos, e foi protagonizar um documentário com músicas de verdade. O Mistério do Samba é um mergulho no cancioneiro esquecido da Velha Guarda da Portela, que Marisa começou a resgatar — por sugestão de Paulinho da Viola — a partir de Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão (seu melhor disco, de 1994). A intérprete não quis ficar apenas na bem construída "Esta Melodia", aprofundou-se na pesquisa, junto ao baú da Velha Guarda, e desovou — nem todo mundo se lembra hoje — o CD Tudo Azul (2000). Não foi, exatamente, um sucesso de público; tanto que Marisa continuou sua carreira, insistindo, cada vez mais, em composições próprias. Apesar de bobagens infantis como Tribalistas (2002) — álbum que jogou por terra qualquer possibilidade de renovação da MPB (por parte dela, de Arnaldo Antunes e de Carlinhos Brown) —, Marisa Monte fincou ainda mais suas raízes portelenses, que remetem à própria família Monte, na quadra do bairro de Oswaldo Cruz. Carolina Jabor e Lula Buarque de Hollanda, da Conspiração Filmes (o último também dos DVDs Mais e Barulhinho Bom), compraram a ideia e, fornecendo a Tudo Azul as dimensões que faltavam para um produto audiovisual, dirigiram uma espécie de Buena Vista Social Club da Portela, que sai, agora, em DVD. O talento e a inocência são os mesmos dos cubanos, com a diferença de que os brasileiros não foram resgatados de um limbo ditatorial, sempre estiveram lá (talvez subjugados pela ditadura do mau gosto das gravadoras — mas essa é outra história...). Paulinho da Viola manteve sua retidão — mesmo nas piores situações —, Zeca Pagodinho se desviou um pouco — entre uma cervejada e outra —, já Marisa Monte tem, depois dessa experiência, a chance única de recuperar a trilha perdida de Cor-de-Rosa e Carvão. [2 Comentário(s)]
>>> O Mistério do Samba
 



Artes >>> Os Dentes do Dragão, de Oswald de Andrade
A imagem que temos de Oswald de Andrade é a do bufão genial, co-autor do modernismo brasileiro (ao lado de Mário de Andrade), que se casou muitas vezes e que torrou sua fortuna como patrono das artes. Na nossa mitologia, Oswald foi um sucesso com Pau Brasil (1926) e o movimento antropofágico (1928), teve um romance com Tarsila, outro com Pagu, morreu pobre mas protagonizou uma trajetória invejável. Daria uma belíssima estátua — a que preferimos conservar, nas aulas de literatura e nas conversas sobre sua modernidade. Ocorre, porém, que Oswald viveu mais, muito mais do que uma posteridade, com legado irretocável, poderia suportar. E, nesse sentido, as entrevistas reunidas em Os Dentes do Dragão, de 1924 (na sequência da "Semana") a 1955 (uma semana antes de sua morte), são reveladoras. Descobrimos, por exemplo, que 1922 serviu como uma verdadeira sombra, tanto projetando-o no futuro, como vanguardista antenado (diríamos hoje), quanto deixando-o ultrapassado, em relação às gerações de "30" (do romance brasileiro) e "45" (da poesia brasileira), que não poderiam esperar, claro. Rebelde incorrigível, rompido com Mário, agarrou-se a causas perdidas, como Luís Carlos Prestes (com quem, igualmente, romperia), panoramas balzaquianos da sociedade brasileira (que deixou inconclusos) e polêmicas de ocasião (com os arrivistas do momento — todos esquecidos agora). Se Mário de Andrade morreu se sentindo incompreendido, poderíamos concluir que o modernismo brasileiro não foi efetivamente generoso, rendendo minguados dividendos para seus artífices (ao menos em vida). Os Dentes do Dragão descortina, portanto, uma realidade incômoda, que não combina com os nossos livros didáticos. [1 Comentário(s)]
>>> Os Dentes do Dragão
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cristandade Colonial Mito e Ideologia
Riolando Azzi
Vozes
(1987)



Crepúsculo 306
Stephenie Meyer
Intrínseca
(2009)



O Garimpeiro
Bernardo Guimarães
Atica
(1993)



Livro - Contabilidade Pública
Alexandre Costa Quinta e Outros
Atlas
(2010)



A Batalha das Estéticas
Munira H. Mutran
Humanitas
(2015)



Ensaios Sobre a Liberdade
Celso Lafer
Perspectiva
(1980)



E hoje não sou mias uma noiva
Genghis Aitmatov
Am Oved
(2009)



Lutero e a igreja do pecado
Fernando Jorge
Mercuryo
(1992)



Love is not enough
Bruno Bettelheim
Avon
(1971)



Flor de Laranjeira - Autografado
Gabriela F. C. Rodriguez
Biblioteca 24 horas
(2011)





busca | avançada
43087 visitas/dia
1,2 milhão/mês