Digestivo nº 404 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
>>> O Suplício do Papai Noel, por Claude Lévi-Strauss
Mais Recentes
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
>>> 60 Histórias para dormir 3 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2011)
>>> Ikebana - Arte japonesa para arranjos d3e flores de Chiang Sing pela Ediouro (1979)
>>> Arbitragem - temas contemporâneos de Selma Ferreira Lemes - Inez Balbino pela Quartier Latin (2012)
>>> A advocacia na mediação de John W. Cooley pela Unb (2001)
>>> Álgebra I de A. C. Morgado - E. Wagner - M. Jorge pela Francisco Alves (1974)
>>> Estruturas Algébricas de Serge Lang pela Ao Livro Técnico (1972)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 27/2/2009
Digestivo nº 404
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos




Imprensa >>> Steve Brill salvando o New York Times
Steve Brill não parece tão preocupado com o fim do papel como suporte, ele fica mais incomodado que sua sogra aceite pagar ainda por informação, mas seus filhos, já, não. Brill, contudo, nota que seus filhos aceitam pagar pela música que ouvem, através do iTunes, da Apple. Steve Brill uniu, portanto, as duas pontas e teve uma ideia óbvia (até porque não foi o primeiro, nem será o último): resgatar o modelo de cobrar — dos leitores — por informação, através de micropagamentos on-line. Não é absolutamente novidade, desde que Walter Isaacson propôs o mesmo na Time de semanas atrás. A diferença é que Brill se deu ao trabalho de fazer as contas. Assim — como alguns já fizeram as contas e já provaram que as grandes empresas de mídia não se sustentarão apenas com propaganda on-line —, Steve Brill tentou provar que os micropagamentos podem ser a salvação num futuro não tão distante. Partindo da audiência de 20 milhões de visitantes-únicos do Times de Nova York e estimando uma receita mensal de 1 dólar por visitante, seriam 240 milhões por ano — em média 70% do que todo o grupo do NYT fatura com propaganda hoje. Brill vai mais longe a afirma que 2 dólares por mês (de cada visitante-único) equivaleriam a meio bilhão de dólares a mais por ano — 50% de toda a receita obtida através de circulação pelo grupo atualmente. E que 3 dólares mensais (de cada visitante) gerariam um novo bilhão por ano — e reverteriam o cenário de iminente bancarrota em que o grupo se encontra. Agora só falta convencer a Apple; e o Google (a continuar indexando, em suas buscas, páginas vazias, só com título e nenhum conteúdo...). Steve Brill fez sua lição de casa e é bem intencionado, mas só ao Times cabe responder se o modelo é viável — a ponto de querer implementá-lo — ou se não serve, apenas, para Brill argumentar, contra os pais de seus alunos, que preferem tirá-los hoje do curso de jornalismo — e vê-los, muito mais realizados (num futuro), como consultores da McKinsey & Co. [5 Comentário(s)]
>>> Brill's secret plan to save the New York Times and journalism itself
 



Cinema >>> O Mistério do Samba, com Marisa Monte
É um alívio perceber que Marisa Monte abandonou, mesmo que por um instante, o tatibitate a que se renderam suas composições nos últimos anos, e foi protagonizar um documentário com músicas de verdade. O Mistério do Samba é um mergulho no cancioneiro esquecido da Velha Guarda da Portela, que Marisa começou a resgatar — por sugestão de Paulinho da Viola — a partir de Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão (seu melhor disco, de 1994). A intérprete não quis ficar apenas na bem construída "Esta Melodia", aprofundou-se na pesquisa, junto ao baú da Velha Guarda, e desovou — nem todo mundo se lembra hoje — o CD Tudo Azul (2000). Não foi, exatamente, um sucesso de público; tanto que Marisa continuou sua carreira, insistindo, cada vez mais, em composições próprias. Apesar de bobagens infantis como Tribalistas (2002) — álbum que jogou por terra qualquer possibilidade de renovação da MPB (por parte dela, de Arnaldo Antunes e de Carlinhos Brown) —, Marisa Monte fincou ainda mais suas raízes portelenses, que remetem à própria família Monte, na quadra do bairro de Oswaldo Cruz. Carolina Jabor e Lula Buarque de Hollanda, da Conspiração Filmes (o último também dos DVDs Mais e Barulhinho Bom), compraram a ideia e, fornecendo a Tudo Azul as dimensões que faltavam para um produto audiovisual, dirigiram uma espécie de Buena Vista Social Club da Portela, que sai, agora, em DVD. O talento e a inocência são os mesmos dos cubanos, com a diferença de que os brasileiros não foram resgatados de um limbo ditatorial, sempre estiveram lá (talvez subjugados pela ditadura do mau gosto das gravadoras — mas essa é outra história...). Paulinho da Viola manteve sua retidão — mesmo nas piores situações —, Zeca Pagodinho se desviou um pouco — entre uma cervejada e outra —, já Marisa Monte tem, depois dessa experiência, a chance única de recuperar a trilha perdida de Cor-de-Rosa e Carvão. [2 Comentário(s)]
>>> O Mistério do Samba
 



Artes >>> Os Dentes do Dragão, de Oswald de Andrade
A imagem que temos de Oswald de Andrade é a do bufão genial, co-autor do modernismo brasileiro (ao lado de Mário de Andrade), que se casou muitas vezes e que torrou sua fortuna como patrono das artes. Na nossa mitologia, Oswald foi um sucesso com Pau Brasil (1926) e o movimento antropofágico (1928), teve um romance com Tarsila, outro com Pagu, morreu pobre mas protagonizou uma trajetória invejável. Daria uma belíssima estátua — a que preferimos conservar, nas aulas de literatura e nas conversas sobre sua modernidade. Ocorre, porém, que Oswald viveu mais, muito mais do que uma posteridade, com legado irretocável, poderia suportar. E, nesse sentido, as entrevistas reunidas em Os Dentes do Dragão, de 1924 (na sequência da "Semana") a 1955 (uma semana antes de sua morte), são reveladoras. Descobrimos, por exemplo, que 1922 serviu como uma verdadeira sombra, tanto projetando-o no futuro, como vanguardista antenado (diríamos hoje), quanto deixando-o ultrapassado, em relação às gerações de "30" (do romance brasileiro) e "45" (da poesia brasileira), que não poderiam esperar, claro. Rebelde incorrigível, rompido com Mário, agarrou-se a causas perdidas, como Luís Carlos Prestes (com quem, igualmente, romperia), panoramas balzaquianos da sociedade brasileira (que deixou inconclusos) e polêmicas de ocasião (com os arrivistas do momento — todos esquecidos agora). Se Mário de Andrade morreu se sentindo incompreendido, poderíamos concluir que o modernismo brasileiro não foi efetivamente generoso, rendendo minguados dividendos para seus artífices (ao menos em vida). Os Dentes do Dragão descortina, portanto, uma realidade incômoda, que não combina com os nossos livros didáticos. [1 Comentário(s)]
>>> Os Dentes do Dragão
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Forró no Engenho Cananéia
Antonio Callado
Civilização Brasileira
(1964)



Inspired Level 1: Workbook
Judy Garton-sprenger, Philip Prowse
Macmillan Education
(2016)



Será Que Eles Falam? - Maio 2015
National Geographic Brasil
Abril



O Sol de Rovenah
Ana Cláudia Jadão
Coerência
(2018)



Ser
Sri Maha Krishna Swami
SMKs



Moral e Sociedade
Della Volpe e Outros
Paz e Terra
(1969)



Cantare Estorias
José Alaercio Zammer
Pleiade
(2011)



Elogio dos Intelectuais
Bernard Henri Lévy
Rocco
(1988)



Eternidade por um fio
Ken Follett
arqueiro
(2014)



Go Starters - Sb (2018)
H. Q. Mitchell
Mm Publications
(2018)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês