Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Guia paris - key guides de Aa Publishing pela Publifolha (2008)
>>> O Quinze 64ªed. de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1998)
>>> A Mina de Françoise Gange pela Rocco (1994)
>>> Uma Utopia Militante - Repensando o socialismo de Paul Singer pela Vozes (1998)
>>> O Amador de Diego Pansani pela Urutau (2018)
>>> Walkscapes - O caminhar como estética de Francesco Careri pela Gustavo Gili (2016)
>>> O pior médico do mundo de Gerson Salvador pela Ciclo Contínuo (2014)
>>> Na minha pele de Lázaro Ramos pela Objetiva (2017)
>>> Negrhúmus líricos de Luiz Silva (Cuti) pela Ciclo Contínuo (2017)
>>> A Menina Que Conversava Com as Roupas de Paula Acioli e Jana Magalhaes pela Memoria Visual (2009)
>>> Raiz de um negro brasileiro - esboço autobiográfico de Oswaldo de Camargo pela Ciclo Contínuo (2015)
>>> O viajante imóvel: Machado de Assis e o Rio de Janeiro de seu tempo de Luciano Trigo pela Record (2001)
>>> Terça Afro território de afetos de Ana Caroline da Silva e Whellder Guelewar (Orgs) pela Ciclo Contínuo (2016)
>>> Nova Lusitânia, História da Guerra Brasílica (box Com Cd) de Francisco de Brito Freire pela Beca (2021)
>>> Guia O melhor de Orlando e parques da Flórida de Marisa Adan Gil pela Abril (2009)
>>> Planeta Deagostini de Contos de Magic - the Gathering - Juramento das Sentinelas - N. 5 pela Planeta Deagostini (2019)
>>> Vale dos Atalhos de Sonia Regina Bischain pela Sundermann, (2013)
>>> Contos de Magic: the Gathering - Batalha por Zendikar V 2 - N. 4 de Planeta Deagostini pela Planeta Deagostini (2019)
>>> The essential guide to customs & culture : Chile de Caterina Perrone pela Kuperard (2021)
>>> Viandante labirintos entressonhos de Sonia Regina Bischain pela Ciclo Contínuo (2017)
>>> Contos de Magic: the Gathering - Batalha por Zendikar V 1 - N. 3 de Planeta Deagostini pela Planeta Deagostini (2019)
>>> 15 Minutos Francês de Caroline Lemoine pela Publifolha (2006)
>>> Contos de Magic: the Gathering - Prólogo da Batalha por Zendikar -v 2 de Planeta Deagostini pela Planeta Deagostini (2019)
>>> Contos de Magic the Gathering - Origens de Planeta de Agostini pela Planeta de Agostini (2019)
>>> A Luftwaffe na Guerra de Karl Bartz pela Flamboyant (1967)
BLOG

Domingo, 18/8/2002
Blog
Redação

 
Deu tudo errado

É indispensável para quem, com aproximadamente 40 anos, está também assustado com a situação dos amigos intelectualóides dos anos 60 e 70. De agressivos rebeldes se converteram em empregados conformados, engolidos pelo "sistema" que acreditavam criticar. Serve inclusive, para os mais novos, como vacina ao discurso oposicionista oco, que, neste país, está sempre na moda, atravessando gerações. Não vai adiantar muito, é claro, mas o novo filme de Ugo Giorgetti, O Príncipe, pode ser pelo menos um consolo a quem pensava que crítica social, no Brasil, significa apenas atacar burgueses manipulados. Pois bem: manipulada e estragada foi, como mostra Giorgetti, quase toda a geração da qual ele faz parte. Deu tudo errado, definitivamente.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
18/8/2002 às 21h03

 
Vecchie foto di me stesso

fonte: Corriere della Sera

Homenagem do Corriere della Sera a Calvin e Hobbes:

"La prima volta di 'Calvin and Hobbes' è datata 18 novembre 1985, l'ultima 31 dicembre 1995. Da quel giorno il fumetto è uscito dalla vita di Bill Watterson, che oggi ha 43 anni e riprende in mano un lavoro realizzato quando ne aveva 28: 'Far passare le mie vecchie tavole è come guardare vecchie foto di me stesso: sono personali e familiari, ma nello stesso tempo con qualcosa di bizzarro'

"Dopo aver dedicato dieci anni a Calvin e Hobbes, l'autore ha deciso di chiudere i suoi personaggi in una scatola, per occuparsi a tempo pieno di musica e pittura, senza l'assillo e le limitazioni dei giornali. Qualcosa però è restato degli anni trascorsi a disegnare vignette: 'Per la loro apparente semplicità, le possibilità espressive del fumetto rivaleggiano con quelle di ogni altra espressione artistica. Cinque anni dopo Calvin and Hobbes amo il fumetto come sempre', conclude il cartoonist."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/8/2002 às 19h15

 
Civilizações Diferentes

Mario Amato, em impagável entrevista à Veja:

"Sempre empreguei mulheres em meus negócios, com bons resultados. Mas precisamos admitir: elas são diferentes dos homens. Não têm a mesma capacidade física para agüentar o trabalho. Têm as regras e aqueles calores... a menopausa. Aí faltam ao serviço três dias, dez dias. O homem é um cavalo, tem outra força física. Eu, como patrão, sempre tratei as mulheres com mais delicadeza, senão elas choram. O homem, não. Ele grita, berra. São duas civilizações diferentes.

"Acho um horror essa mania de mulher nua em tudo que é lugar. Antigamente, quando a gente via o joelho de uma mulher, aquilo funcionava como uma motivação erótica. Lembro de uma moça muito bonita, a Zilá, que quando descia do bonde mostrava o joelho, e eu aproveitava o momento o máximo que podia. Hoje, com tanta mulher nua, o homem está perdendo o estímulo. É por isso que os homens estão impotentes. O que eles podem fazer? O pudor da mulher era um negócio que funcionava. Agora já tem até exposição de homem nu, e homossexualismo virou currículo.

"Qualquer que venha a ser o novo presidente do Brasil, não tenho planos de ir para casa dormir. De mais a mais, quero continuar a dar meus palpites."

fonte: Veja, foto: Claudio Rossi



[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/8/2002 às 15h11

 
Van Gogh vu par Bacon

fonte: Le Monde

Francis Bacon homenageia Vincent Van Gogh, no Le Monde:

"Van Gogh s'était représenté marchant vite, son matériel de peintre sur le dos et à la main, coiffé d'un chapeau de paille, sur une route, entre deux arbres, devant un champ de blé et une prairie. Ses dominantes étaient l'ocre, le bleu et le jaune, posés en touches séparées ou plates, tantôt à la Signac, tantôt à la Gauguin. Dans les Bacon, il y a un homme - ou une ombre humaine -, le chapeau de paille plat, les deux arbres et le sac à dos. Le noir, l'outremer, le vert et le rouge sont projetés sur la toile avec des gestes brutaux, mélangés, écrasés, flagellés."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
17/8/2002 às 15h09

 
O talento e o viço

Boris Schnaiderman sobre as cartas de Tchékhov, também no Estadão:

"'Ele diz: O talento e o viço vencerão tudo. O talento e o viço podem estragar muita coisa - isso é o mais certo. Além da abundância de material e de talento, é preciso algo mais, não menos importante. Em primeiro lugar, é preciso maturidade; em segundo, é indispensável ter o sentimento de liberdade individual, e esse sentimento só começou a despertar em mim há pouco tempo. Antes eu não o tinha; era substituído em sucesso por minha leviandade, negligência e desrespeito pelo trabalho.'

"'Escreva, pois, um conto sobre um jovem, filho de servo, antigo empregado numa mercearia, canto de coro, ginasiano e universitário que foi educado para respeitar a hierarquia funcional, para beijar a mão dos popes e para curvar-se às idéias alheias, que agradecia cada pedaço de pão, que foi açoitado muitas vezes, que ia às aulas sem galochas, que brigava, que torturava os animais, que gostava de almoçar na casa dos parentes ricos, que fingia diante de Deus e dos homens, sem nenhuma necessidade, simplesmente por ter consciência da própria insignificância - escreva como esse jovem espreme, gota a gota, o escravo que tem dentro de si, e como ele, ao acordar numa bela manhã, sente que em suas veias já não corre o sangue de um servo, mas o de um verdadeiro homem...'"

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
17/8/2002 às 14h34

 
Amusing Ourselves to Death

Sérgio Augusto sobre Neil Postman, em O mestre que quer virar a escola pelo avesso, hoje no Estadão:

"Nada supera a velha e boa escola. Se pública, tanto melhor. Só na escola que os indivíduos aprendem, entre outras coisas, que as necessidades individuais estão subordinadas a interesses do grupo. A escola civiliza e socializa. 'A sala de aula destina-se a domar o ego, a ligar os indivíduos a outros, a demonstrar o valor e a necessidade da coesão do grupo', argumenta Postman.

"'O papel que a nova tecnologia deve desempenhar nas escolas ou em qualquer outro lugar é algo que precisa ser discutido sem as fantasias hiperativas de chefes de torcida', acrescenta, deixando bem claro que considera o computador e suas tecnologias associadas acréscimos impressionantes a uma cultura. Mas é fundamental que saibamos não apenas como usá-los mas também como somos usados por eles."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
17/8/2002 às 14h29

 
Separações é Amores II

Gramado chega a seu fim hoje à noite. Não se sabe o que vai acontecer em relação às premições, já que os dois últimos filmes - DURVAL DISCOS e SEPARAÇÕES - foram os mais aplaudidos da competição nacional. Um deles deve levar o prêmio do público. Aliás, SEPARAÇÕES é uma espécie de AMORES II, tratando dos mesmos temas e com personagens muito semelhantes ao filme anterior de Domingos de Oliveira. A diferença é que seu novo filme é mais maduro em termos de linguagem, com movimentação de câmera e tomadas que se distanciam de AMORES e da linguagem teatral - já que ambos são baseados em peças de teatro do prórpio Domingos. O público adorou.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
17/8/2002 às 14h02

 
O Edifício de Coutinho

A sessão de hoje à tarde que fechou a competição de documentários esteve lotada. Ruim porque muitas crianças e outros que buscavam mais achar algum famoso fizeram barulho demais para quem estava vendo um filme de Eduardo Coutinho. EDIFÍCIO MASTER selou com chave de ouro e deve levar algum prêmio. Filme ou diretor, ou ambos (o mais provável). Coutinho sabe como ninguém arrancar depoimentos espontâneos e significativos de pessoas comuns que vivem num condomínio de mais de 250 apartamentos. O filme tem 10 minutos, e a infinidade de histórias e vidas comove quem o vê. Um senhor que conheceu Frank Sinatra cantou My Way para as câmeras de Coutinho; uma garota de 20 anos contou que faz programas e sustenta a família com isso; a garota que veio ao Rio estudar e muitos outros que fazem de EDIFÍCIO MASTER um filme belo.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
16/8/2002 às 18h39

 
The Lost Club

Este endereço é sobre escritores menores, obscuros, esquecidos ou quase, da Inglaterra vitoriana e eduardiana; pelo menos um deles esteve próximo de ser um gênio (James Branch Cabell); os outros são pelo menos interessantes. Está em inglês. Dê uma olhada: The Lost Club.
E depois me responda: por que todos esses escitores menores e esquecidos são tão melhores do que, por exemplo, Tom Clancy? O que há com o gosto das pessoas? Por que esquecer uns, que mereciam ser lembrados, e lembrar desta criatura? Por que ler o último livro do nutricionista ou socialite de sempre, quando se pode encontrar (com dificuldade, é verdade), nos sebos, os livros do Barão Corvo - ou de Charles Williams?

[Comente este Post]

Postado por Alexandre Soares Silva
16/8/2002 às 17h53

 
The City of K.

fonte: The New York Times

A Praga de Kafka acaba de ganhar uma exposição no Museu Judeu, conta o New York Times:

"Prague the old crone, Prague the container of burned-out dreams and passions, Prague the circle that confines, Prague the most beautiful set; Prague, in the phrase of Ernst Pawel, one of Kafka's best biographers, 'his life's stage.' The intricate relationship between the real and the imagined city, the city that formed Kafka and the city that everywhere informed his fictions (even if it was seldom specifically named in them): this is a rich subject for an exploration of almost any conceivable genre, be it written, filmed, staged or exhibited.

"Exhibited it is. Yet 'The City of K.: Franz Kafka and Prague,' at the Jewish Museum, is no ordinary show of a writer's memorabilia. While the usual materials are all in evidence - manuscripts and ephemera (here, however, mostly all facsimile), photographs and early editions - they have been arranged into what Juan Insua, its curator, calls '12 Kafkaesque environments.'"

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
16/8/2002 às 11h44

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Não Conte a Ninguém Tem Que Viver
Tania Tonet; Charles Tonet
Belas Letras Ltda
(2011)



Brasil e Alemanha Vencendo Desafios
Ernst Gunther Lipkau
Melhoramentos
(1995)



Entre La Soledad y El Amor
Alfredo Bryce Echenique
Debate (buenos Aires)
(2007)



I Ching: Mensagens para o Crescimento Pessoal
Cláudia Boechat
Caras
(2004)



Anti-semitismo, Integralismo, Neo-nazismo
Werner Nehab (com Dedicatória do Autor)
Freitas Bastos
(1988)



O Livro Secreto dos Melhores
Karen Bachini
Panda Books
(2015)



The Sheep - Pig
Dick King - Smith
Penguin Readers
(1997)



Súmulas, Orientações Jurisprudenciais e Precedentes Normativos
Victor Rafael Derviche
Método
(2011)



Impacto Digital
Fernando Camargo Luiz
Negócio
(2001)



Silva Alvarenga Poesia
Antônio Houaiss
Agir
(1968)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês