internet jornalismo revolução | Digestivo Cultural

busca | avançada
54424 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nasi e Scandurra apresentam clássicos do IRA! no Sesc Santo André
>>> Douglas Germano apresenta 'Umas e Outras'
>>> Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Crítica e Fruição Cinematográfica
>>> Orquestra Modesta retorna ao Sesc Santo Amaro com 'Canções Para Pequenos Ouvidos 2'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> L’Empereur
>>> Longa vida à fotografia
>>> iPad pra todo mundo
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Wikipedia e a informação livre
>>> Público, massa e multidão
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os Clássicos e a Educação Sentimental
>>> O youtuber é um novo dândi?
Mais Recentes
>>> Espíritos de Tormenta: as Lâminas Ancestrais - Confira !!! de Andrey Gaio Lima e Daniel Jahchan pela Abril Cultural (2019)
>>> Estudo Gostoso de Matemática - o Segredo do Método Kumon - Confira! de Toru Kumon pela Ediouro (2000)
>>> Psicologia - Teoria e Prática - Volume 6 - Nº 1- 2004 de Universidade Presbiteriana Mackenzie pela Universidade Presbiteriana Mac (2004)
>>> O Rei da Vela - Coleção Grandes Escritores Brasileiros - 10 de Oswald de Andrade pela Folha de São Paulo (2000)
>>> Rebeldes - Luz Que Nunca Se Apaga - 1ª Edição de José Bento; Sandra Carneiro pela Vivaluz (2012)
>>> Meu Século / 2ª Ed - Confira !!! de Gunter Grass pela Record (2002)
>>> A Narrativa no Ensino de Matemática - Confira! de Marcia de Oliveira pela Fisica (2018)
>>> O Reencontro... Despertar do Amor de Iara C. L. Pinheiro pela Madras (2001)
>>> Plantas Medicinais - 5ª Edição - Confira !!! de François Balmé pela Hemus
>>> História do Cerco de Lisboa - de Bolso de José Saramago pela Companhia de Bolso (2011)
>>> Fundamentos da Pena de Oswaldo Henrique Duek Marques pela Juarez de Oliveira (2000)
>>> O Que é Qualidade Em Literatura Infantil e Juvenil - (confira!) de Ieda de Oliveira pela Difusão Cultural do Livro (2005)
>>> Quero Lhe Dizer... Você é o Melhor Pai do Mundo - Confira! de Lupe Klein pela Vergara & Riba (2009)
>>> O Amante - Prêmio Goncourt 1984 - 2ª Edição de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1985)
>>> A América Que os Europeus Encontraram / 26ª Ed - Confira !!! de Enrique Peregalli / Discutindo a História pela Atual (1994)
>>> Somos Todos Criativos - (venha Conferir!!) de Ken Robinson pela Benvirá (2019)
>>> Maze Runner - Prova de Fogo de James Dashner pela Vergara & Riba (2011)
>>> The Big Picture: on the Origins of Life, Meaning, and the Universe Its de Sean Carroll pela Dutton Books (2016)
>>> O Encontro Inesperado / 1ª Ed - Confira !!! de Zibia Gasparetto (ditado por Lucius) pela Vida & Consciência (2013)
>>> Araripe Júnior: Teoria, Crítica e História Literária - Venha Conferir! de Araripe Júnior Alfredo Bosi pela Edusp (1978)
>>> A Melhor Maneira de Viver - (conferir!!) de Og Mandino pela Record (1996)
>>> Hamlet de William Shakespeare pela Unisinos (2005)
>>> O Positivismo Jurídico - Confira! de Norberto Bobbio pela Icone (2006)
>>> Detox das Compras de Carol Sandler pela Benvirá (2017)
>>> Empoderar Crianças e Jovens para a Cidadania Global - Confira! de Fernando M. Reimers e Outros. pela Moderna (2017)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 15/11/2006
internet jornalismo revolução

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Qual o futuro do jornalismo? A internet vai acabar com tudo? E com o jornalista, o que acontece? Você é contra? Você é a favor? - são perguntas que também sempre voltam. Não tenho, obviamente, uma resposta definitiva para cada uma dessas questões. Mas decidi responder aqui de uma vez por todas. Quando alguém me perguntar, de novo, aí está o link. Agradeço à Jamille Callai, por ter ido mais longe do que o normal, e por ter me dado essa chance de mais ou menos encerrar o assunto... - JDB

1. Você acredita que estamos passando por uma revolução tecnológica?
Sim, não resta dúvida. Muitos já falam que a internet é uma revolução equivalente à invenção da prensa por Gutenberg.

2. Quais os benefícios que a nova mídia - a internet - trouxe para os jornalistas?
A publicação/ difusão em tempo real. O custo quase zero dessa mesma publicação/ difusão. Um espaço para armazenamento (e transmissão) de dados quase infinito. Uma capacidade de interação, com o leitor/ espectador, como nunca antes houve. Além da redução das distâncias geográficas, na internet caíram as barreiras sociais/ profissionais. Porque, como dizem os teóricos da comunicação, a internet é a única mídia "de muitos para muitos" (e não "de um, ou alguns, para muitos" - como as mídias anteriores). As vantagens para os jornalistas, em resumo, são tantas que até gente comum está ingressando na prática do jornalismo: a internet é um convite quase irrecusável ao jornalista-cidadão (ou ao cidadão jornalista).

3. O que já mudou no jornalismo com a internet? E o que você acredita que ainda vai mudar?
O jornalismo ficou, logo de início, mais ágil. Numa segunda etapa, mais rico - com a capacidade multimídia da internet. E, num terceiro momento, ficou mais diversificado - porque surgiram novos atores em cena, justo quando o jornalismo tradicional dava sinais de esgotamento. Por último, minha previsão: ou o jornalismo convencional migra para (se funde com) o jornalismo on-line ou acaba.

4. Alguns analistas sugerem que a definição de jornalismo tenha sido diluída pela tecnologia, de forma que qualquer coisa hoje é tida como jornalismo. Qual a sua posição em relação a isso?
Quando o jornalismo pode ser praticado por qualquer pessoa com acesso à internet, é natural que o conceito de "jornalismo" se amplie e se dilua. Muitos jornalistas "das antigas", como dizem os jovens, reclamam porque perderam seu status e até uma certa "reserva de mercado". Essa discussão tende a morrer junto com os mesmos jornalistas que defendem esse ponto de vista. É questão de tempo, portanto. O próximo passo, a meu ver, é a triagem entre o que é "bom jornalismo" e o que é "mau jornalismo". E penso que quem vai fazer isso é o internauta/ leitor. Analogamente ao que já acontece com o ranking de buscas do Google.

5. Você acredita em uma futura concorrência dos jornalistas com os chamados cidadãos-repórteres, que publicam em seus blogs e/ou sites notícias?
Não sei se a palavra é "concorrência". Na internet, talvez você concorra apenas pelo tempo do internauta. Usando uma metáfora do Windows, na Web você pode ter várias janelas simultâneas: é como se o assinante do jornal A assinasse, também, o jornal B (coisa que, normalmente, não acontece fora da internet). Uma vez que os jornalistas profissionais estejam na WWW, junto com os repórteres-cidadãos, como você chama, uns podem ter uma função de complementariedade em relação a outros. E o Google vai dizer quem é mais relevante. Dentro da Web, eu acredito bastante no princípio da "sabedoria das multidões".

6. Qual o diferencial que o jornalista precisará ter para que não ocorra essa concorrência?
O jornalista da velha guarda tem de ser humilde para conviver, de igual pra igual, com o repórter-cidadão. Muitos ainda estão entrando na internet de salto alto (uma postura que não combina com a Rede Mundial de Computadores). Penso que o jornalista pode, ainda, assumir o papel de catalisador da informação relevante "postada" na Web. Uma vez que ele tem, supostamente, o critério e a técnica para exercer também o papel de editor (além do de repórter).

7. Você acredita numa falência dos meios impressos por causa da internet ou acha que ambos terão espaço?
Alguns autores já falam em "extinção" do meio impresso. Particularmente, não acredito na extinção, mas, sim, numa redução drástica. E não é "preconceito" por parte de quem consome outra mídia, é o simples fato de que a internet é economicamente mais interessante (para quem produz e para quem consome); é ubíqua (está em todo lugar); é socialmente/ politicamente mais democrática (qualquer um pode participar dela - ao contrário do que ocorre no papel). O fim, ou a crise, do suporte papel não tem tanto a ver com o jornalismo (e com os jornalistas), tem mais a ver com as transformações que a internet impôs à sociedade.

8. O que ainda se observa em muitos sites é uma simples transposição do conteúdo impresso para o on-line, não aproveitando as possibilidades que a nova mídia oferece. Você poderia apontar alguma solução para isso?
A solução é produzir conteúdo exclusivo para a internet. É também "dialogar" com a internet, fazer parte da "grande conversação" (os blogs, como os americanos dizem). Na Espanha, estão chamando isso tudo de "jornalismo 3.0". A maior parte das empresas jornalísticas, no Brasil, ainda está no 1.0, que é isso que você falou: despejando apenas o impresso no on-line.

9. Qual o principal desafio para o jornalismo on-line?
Ser tão rentável quanto o impresso. Ter estrutura para se desenvolver, como jornalismo, e cumprir as promessas com que a tecnologia hoje acena. Dar um futuro não só para os novos jornalistas, mas para qualquer um que queira praticar bom jornalismo. Pois em termos jornalísticos, a internet já é tão importante para a sociedade quanto o resto da mídia off-line.

10. A excessiva preocupação com a "obrigação" de veicular uma notícia a cada segundo na internet opõe-se ao bom e velho conceito do jornalismo de apuração das informações. Como dar informações com credibilidade na internet?
O Google encontrou um caminho. O Google não faz a checagem que o jornalismo tradicional faz, mas, por meio de seu algoritmo, conseguiu organizar um "ranking da informação" por palavra-chave. Acredito que a Wikipedia, também, está conseguindo (apesar dos eventuais danos). Outros projetos, como o Newsvine, podem ser um caminho ainda para o jornalismo. Ninguém vai checar os quase 100 milhões de blogs hoje: a internet vai "se checar" sozinha (como já está acontecendo). O jornalismo do futuro deve partir dessa premissa.

11. Você acha que a internet está criando a sua própria linguagem?
Sim. Como disse o Pedro Doria, o blog é o primeiro formato 100% oriundo da internet. É, portanto, a linguagem do blog que predomina. E, no âmbito da comunicação pessoal, é a linguagem do e-mail, do MSN (dos mensageiros instantâneos) e até do Orkut (das redes de relacionamento). Não sou teórico da linguagem para traduzir isso em conceitos, mas, por esses exemplos, você já tem uma idéia.

12. Como você definiria os profissionais da nova mídia?
Hoje, ainda existe um híbrido do profissional que veio da (ou que se formou na) velha mídia e que trabalha com a nova. Profissional da nova mídia será, verdadeiramente, aquele que surgir da geração "milenial" - a que cresceu com a internet, desde que ela surgiu comercialmente, de 1995 pra cá. Quando essa geração estiver praticando jornalismo, aí sim, teremos o profissional da nova mídia. Por enquanto, vale estudar os "millennials" em seus hábitos...


Postado por Julio Daio Borges
Em 15/11/2006 às 11h39


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jimi Hendrix encontra o Deep Purple de Julio Daio Borges
02. Robert Plant cantando Ramble On de Julio Daio Borges
03. Deep Purple em Nova York (1973) de Julio Daio Borges
04. Van Halen ao vivo em 2015 de Julio Daio Borges
05. Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/11/2006
11h40min
O fato de qualquer cidadão médio poder programar um computador não extinguiu a categoria profissional dos programadores. Se isso "diluiu" ou "eliminou a reserva de mercado" daqueles, certamente tornou mais exigente o mercado comprador de serviços de programação. Publicar fatos sob pontos de vista duvidosos ficou bem fácil, mas publicar com credibilidade e profundidade suficiente, que corresponda a uma análise acertada do contexto em que o fato ocorreu, bem como suas implicações e desdobramentos, continuará sendo uma atividade restrita a profisionais que dominam a técnica do jornalismo, tenham estes graduação ou não.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
17/11/2006
18h22min
Julio, tá vendo? Você mesmo criou o seminário que eu tinha proposto. E ficou demais! Suas respostas às questões 6, 7 e 9 me pareceram particularmente relevantes. Sua entrevista é uma provocação e tanto! Tem muito, mas muuuito, pano pra manga. Valeu, mano.
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pesquisa Clínica - uma Abordagem Prática (lacrado)
Eduardo Maffini da Rosa, Edna de Freitas Lopes
Ícone
(2011)



Um rei da valsa
Onestaldo de Pennafort
Livraria São José
(1958)



Fermata
Nicholson Baker
Companhia das letras
(1994)



Iniciacção à sintaxe do português
José Carlos de Azevedo
Zahar
(2000)



Deadpool massacrando os clássicos. Retalhando clássicos dos maiores autores da literatura!
Cullen Bunn e Matteo Lolli
Panini Comics
(2018)



Pato Donald Nº 970
Walt Disney
Abril
(1970)



Jazz Ladies
Stéphane Koechlin
Companhia Ed. Nacional
(2012)



O Método Michelangelo
Kenneth Schuman
Best Seller
(2008)



Aprenda a fazer conservas salgadas
Biblioteca Vida
Três



Grey
E L James
Intrínseca
(2015)





busca | avançada
54424 visitas/dia
1,8 milhão/mês