Pensando em você | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 30/3/2007
Pensando em você

+ de 7900 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Tenho trabalhado tanto, mas penso sempre em você. Mais de tardezinha que de manhã, mais naqueles dias que parecem poeira assentada aos poucos e com mais força enquanto a noite avança. Não são pensamentos escuros, embora noturnos. Tão transparentes que até parecem de vidro, vidro tão fino que, quando penso mais forte, parece que vai ficar assim clack! e quebrar em cacos, o pensamento que penso de você. Se não dormisse cedo nem estivesse quase sempre cansado, acho que esses pensamentos quase doeriam e fariam clack! de madrugada e eu me veria catando cacos de vidro entre os lençóis. Brilham, na palma da minha mão. Num deles, tem uma borboleta de asa rasgada. Noutro, um barco confundido com a linha do horizonte, onde também tem uma ilha. Não, não: acho que a ilha mora num caquinho só dela. Noutro, um punhal de jade. Coisas assim, algumas ferem, mesmo essas que são bonitas. Parecem filme, livro, quadro. Não doem porque não ameaçam. Nada que eu penso de você ameaça. Durmo cedo, nunca quebra.

Daí penso coisas bobas quando, sentado na janela do ônibus, depois de trabalhar o dia inteiro, encosto a cabeça na vidraça, deixo a paisagem correr, e penso demais em você. Quando não encontro lugar para sentar, o que é mais freqüente, e me deixava irritado, descobri um jeito engraçado de, mesmo assim, continuar pensando em você. Me seguro naquela barra de ferro, olho através das janelas que, nessa posição, só deixam ver metade do corpo das pessoas pelas calçadas, e procuro nos pés daquelas aqueles que poderiam ser os seus. (A teus pés, lembro.). E fico tão embalado que chego a me curvar, certo que são mesmo os seus pés parados em alguma parada, alguma esquina. Nunca vejo você - seria, seriam?

Boas e bobas, são as coisas todas que penso quando penso em você. Assim: de repente ao dobrar uma esquina dou de cara com você que me prega um susto de mentirinha como aqueles que as crianças pregam umas nas outras. Finjo que me assusto, você me abraça e vamos tomar um sorvete, suco de abacaxi com hortelã ou comer salada de frutas em qualquer lugar. Assim: estou pensando em você e o telefone toca e corta o meu pensamento e do outro lado do fio você me diz: estou pensando tanto em você. Digo eu também, mas não sei o que falamos em seguida porque ficamos meio encabulados, a gente tem muito pudor de parecer ridículos melosos piegas bregas românticos pueris banais. Mas no que eu penso, penso também que somos meio tudo isso, não tem jeito, é tudo que vamos dizendo, quando falamos no meu pensamento, é frágil como a voz de Olívia Byington cantando Villa-Lobos, mais perto de Mozart que de Wagner, mais Chagal que Van Gogh, mais Jarmush que Win Wenders, mais Cecília Meireles que Nelson Rodrigues.

Tenho trabalhado tanto, por isso mesmo talvez ando pensando assim em você. Brotam espaços azuis quando penso. No meu pensamento, você nunca me critica por eu ser um pouco tolo, meio melodramático, e penso então tule nuvem castelo seda perfume brisa turquesa vime. E deito a cabeça no seu colo ou você deita a cabeça no meu, tanto faz, e ficamos tanto tempo assim que a terra treme e vulcões explodem e pestes se alastram e nós nem percebemos, no umbigo do universo. Você toca minha mão, eu toco na sua.

Demora tanto que só depois de passarem três mil dias consigo olhar bem dentro dos seus olhos e é então feito mergulhar numas águas verdes tão cristalinas que têm algas na superfície ressaltadas contra a areia branca do fundo. Aqualouco, encontro pérolas. Sei que é meio idiota, mas gosto de pensar desse jeito, e se estou em pé no ônibus solto um pouco as mãos daquela barra de ferro para meu corpo balançar como se estivesse a bordo de um navio ou de você. Fecho os olhos, faz tanto bem, você não sabe. Suspiro tanto quando penso em você, chorar só choro às vezes, e é tão freqüente. Caminho mais devagar, certo que na próxima esquina, quem sabe. Não tenho tido muito tempo ultimamente, mas penso tanto em você que na hora de dormir vezemquando até sorrio e fico passando a ponta do meu dedo no lóbulo da sua orelha e repito repito em voz baixa te amo tanto dorme com os anjos. Mas depois sou eu quem dorme e sonha, sonho com os anjos. Nuvens, espaços azuis, pérolas no fundo do mar. Clack! como se fosse verdade, um beijo.

Caio Fernando Abreu, em Um Provável Devaneio, que linca pra nós.


Postado por Julio Daio Borges
Em 30/3/2007 à 00h12


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aécio, em seu retorno, hoje de Julio Daio Borges
02. Com o Cardoso em Maringá de Julio Daio Borges
03. The Personal MBA de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2007
09h42min
Dificilmente abro meu e-mail e leio estes textos de cara, primeiro checo tudo, resolvo algumas coisas e, normalmente, no fim do dia, leio com mais tempo as coisas que me agradam. Hoje, por algum motivo alheio ao meu conhecimento, abri e li este texto. Os dias andam meio estranhos ultimamente. Fiquei muito feliz por ler este texto. Ele é lindo. Foi um bom começo de dia...
[Leia outros Comentários de Ana Paula ]
28/3/2007
10h13min
Romântico sem ser piegas, comovente sem precisar derramar lágrimas e lírico sem ser enfadonho.
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
28/3/2007
10h52min
Os poetas têm o dom de transmitir aos homens os nossos mais pulgentes sentimentos.
[Leia outros Comentários de Isabella Cavalcanti]
28/3/2007
17h22min
Um texto que comove de uma maneira lirica e forte. Que nos diz coisas do amor e nos leva a pensar em como deixamos passar sentimentos, talvez por termos vergonha de dize-los, ou mesmo pensa'-los. Me fez lembrar de mim, numa certa epoca. Mui belo! Bj. Adriana (PS - o teclado esta desconfigurado, portanto nao esta' acentuando e outros.)
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/3/2007
20h17min
Será que Caio F. Abreu disse isso à Ana C. quando ela estava viva? Penso que muita gente cala um sentimento lindo como esse e isso não vale a pena...
[Leia outros Comentários de Lúcia Vale]
29/3/2007
07h46min
Lindo, perfeito, maravilhoso!!!
[Leia outros Comentários de aline]
30/3/2007
08h54min
Talvez fosse conveniente esclarecer que o texto do Caio Fernando Abreu (publicado [postumamente] no livro "Pequenas Epifanias") foi postado por Fabi, dono do blog "Um provável devaneio". Do jeito que está, para algum leitor desavisado pode parecer que Caio Fernando Abreu é o dono do blog. À parte isso, o texto do Caio é comovente. Um texto que é pura epifania.
[Leia outros Comentários de Tarlei]
3/4/2007
17h53min
Até hoje, só consegui ler um livro de Caio Fernando Abreu, "Morangos mofados", porque só encontrei um, despezado em estante de uma biblioteca escolar. Mas, eu - que há muito buscava encontar um livro desse autor, de quem já ouvira falar, fiquei eufórico e o levei para casa, onde o "devorei" de um só fôlego. Caio é, verdadeiramente, um grande escritor, de uma sensibilidade poética estonteante, apesar do texto simples e de fácil "entendimento". A prova disso está no texto que acabo de ler.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
6/4/2007
15h24min
lindo texto de Caio, ele consegue ser lírico sem abusar dos clichês românticos.
[Leia outros Comentários de tete bezerra]
11/4/2007
12h09min
Cheguei a suspirar agora... São textos como este que me fazem flutuar por alguns instantes... Melhor ainda quando se tem alguém especial e passamos a dar mais valor... Em muitos trechos escritos no texto, eu me vi... Me vi na correria do dia-a-dia, do trabalho (também do estudo) e do ônibus... Paro e vejo como sou feliz por ter alguém que encontro todos os dias virando a esquina... Mas eu peço um suco de maracujá, já que horteã não me agrada...
[Leia outros Comentários de Aline Nogueira]
7/3/2008
23h47min
este texto desperta aquilo que há de mais bonito em mim. e isso é coisa demais de dificil
[Leia outros Comentários de Isabela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA VIDA EM SEGREDO
AUTRAN DOURADO
EDIOURO
R$ 6,00



MÉTODO MODERNO DA LIMITAÇÃO DOS FILHOS
DR. THURSTON SCOTT WELTON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1980)
R$ 19,90
+ frete grátis



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
VECCHI
R$ 10,00



DA MATÉRIA DOS SONHOS
ROSANA RIOS
SARAIVA
(2002)
R$ 4,50



IRENE LISBOA 1892-1958
PAULA MORÃO
INSTITUTO DA BIBLIOTECA NAC
(1992)
R$ 24,56



PSICOLOGIA PRÁTICA VISÃO E AUDIÇÃO
JOSÉ NAVA

R$ 14,00



ROTEIROS DA NATUREZA
ANTONIO PENA JOSE CABRAL
TEMAS E DEBATES
(1997)
R$ 17,71



MONCADA MOTOR DE LA REVOLUCION TOMO 3 - COLECCIÓN REVOLUCIONÁRIA
CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA MILITAR
POLITICA
(1986)
R$ 12,57



A DICTIONARY OF GEOGRAPHY
W. G. MORRE
PENGUIN BOOKS
(1954)
R$ 4,93



ELEMENTOS DE SOCIOLOGIA
SAMUEL KONIG
ZAHAR
(1976)
R$ 35,00
+ frete grátis





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês