Ainda sobre publicar em papel | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma homenagem a Maysa
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> pessoas que me acontecem
>>> A Literatura na poltrona
>>> Eduardo Arcos en el EBE 2008
>>> Nasce um imortal: José Saramago
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Coração generoso
>>> Música Discreta
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
Mais Recentes
>>> Geografia e mídia impressa de Angela massumi katuta pela Uel (2009)
>>> Geografia de são paulo- a metrópole do século xxi de Ana fani alessandri carlos pela Contexto (2004)
>>> A revolução industrial de José jobson de andrade arruda pela Atica (1994)
>>> Globalização e desemprego- diagnóstico e alternativas de Paul singer pela Contexto (2001)
>>> Penso e Acontece de Bob Proctor pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> A Escada para o triunfo de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2016)
>>> O Pajé de Cristo de Homer E. Dowdy pela Sepal (1997)
>>> A Verdadeira Religião Christã 2 Volumes de Emanuel Swedenborg pela Freitas Bastos S/A (1964)
>>> Direito Previdenciário em Tempos de Crise de Ana Paula Fernandes, Roberto de Carvalho Santos, Marco Aurélio Serau Júnior pela Ieprev (2019)
>>> História Geral da Civilização Brasileira - III o Brasil Republicano de Boris Fausto Diretor pela Difel (1981)
>>> Rumo a uma Civilização Solar de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (1982)
>>> O Simbolismo das Religiões de Mario Roso de Luna pela Siciliano (1990)
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais de João José Bigarella pela Ufsc (2003)
>>> Jogos Radicais de Teresa M. G. Jardim pela Assírio & Alvim (2010)
>>> Brusque - Cidade Schneeburg de Saulo Adami/Tina Rosa pela S&t (2021)
>>> Psicología Y Alquimia (em Espanhol) de Carl G Jung pela Santiago Rueda (1957)
>>> The Beatles - a Biografia de Bob Spitz pela Larrousse (2007)
>>> Enciclopédia De Dificuldades Bíblicas de Gleason Archer pela Vida
>>> Wagner, Mitologo Y Ocultista de Mario Roso De Luna pela Glem (1958)
>>> Impactando cidades - 4 estratégias de batalha espiritual para avançar na conquista de sua cidade de Martin Scott pela Danprewan (2005)
>>> Cavalo de Troia 7 - Nahum de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Harry Potter and the Half Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Cidades médias- espaços em transição de Maria encarnação beltrão sposito pela Expressão popular (2007)
>>> Amor É Tudo Que Nós Dissemos Que Não Era de Charles Bukowski pela 7 Letras (2012)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 18/7/2007
Ainda sobre publicar em papel

+ de 2300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Internautas estão cruzando alguns textos meus, aqui (1 e 2), com a minha matéria de capa no "Link", do Estadão, e tirando suas próprias conclusões. Parece haver alguma contradição no meu discurso como um todo e, antes que gere mais confusão, resolvi esclarecer - aqui, novamente - alguns pontos.

Em primeiro lugar, a matéria do Estadão. Eu sempre critiquei o mainstream e a imprensa convencional (e continuo criticando...), mas quando o [Alexandre] Matias me chamou - do mesmo jeito que o Daniel [Piza], uma vez, me chamou -, para publicar no jornal, eu não quis perder a oportunidade. (Você perderia?)

Eu confesso que às vezes acho que a grande mídia não tem mesmo solução, mas se eu tiver uma oportunidade (ainda mais, remunerada) de expor meus pontos de vista, por que não vou expor? Por que eu sou "contra" os impressos? Aí é que está: eu não sou contra os impressos, eu apenas acho que eles não são o futuro, portanto, que eles não são a salvação (livros, aí, inclusos).

Voltando ao Estadão. Eu sempre quis contar a história da minha geração - a primeira da internet - em algum grande veículo (ou em algum veículo "tradicional"), à minha maneira. Essa oportunidade surgiu no caderno "Link", do Estadão. E eu aceitei o convite, como aceitaria de novo. Correspondeu, sei lá, a 90% das minhas expectativas (eu acho uma porcentagem alta).

Prosseguindo com o negócio da minha geração. Surgiram críticas, aqui e ali, no sentido de que havia escritores mais novos (ainda) do que aqueles que eu citei na matéria. Claro que havia; sempre há. Eu descobri recentemente, por exemplo, a Gabriela Vargas e ela tem dezesseis (16) anos. E você entra no blog dela e descobre que ela conhece uma outra autora, mais nova ainda, de onze (11!) anos. Ou seja: é infinito.

Eu usei como corte a minha geração, os livros que eu li, ou conheci, e sabia que eram importantes (mesmo não tendo, à época, gostado de todos - basta pesquisar os nomes dos autores citados, nos arquivos do Digestivo, e comprovar). Eu não poderia, por exemplo, citar a Olivia Maia, nem o Luiz Biajoni (que criticou a minha matéria) e nem o Alex Castro, porque não li seus livros e porque não conheço, tanto assim, seus trabalhos.

E o Matias também participou da seleção, sugerindo alguns nomes. Quem me lê com alguma freqüência, sabe exatamente quem eu chamei e quem eu não chamei (ou não chamaria) - eu não chamaria ninguém da Geração 90, por exemplo, porque, no meu entender, eles não surgiram na internet. Mas aí o Matias queria autores com blogs; e alguns da Geração 90 acabaram entrando...

Reclamaram, ainda na Web, de eu "consagrar" livros que encalharam. Não era essa, obviamente, a intenção - mas aconteceu assim por, pelo menos, dois motivos. Primeiro, como eu disse, porque eu queria fazer justiça à minha geração (ao que eu li etc.) - então, como os blogs demoraram cinco (ou mais) anos para serem reconhecidos pela grande imprensa, alguns livros demoraram esse tempo todo para sair no Estadão. Fazer o quê, se me chamaram só agora (e, não, no início dos anos 2000)?

E, segundo, porque eu não tenho culpa se os livros não venderam, se as editoras não continuaram existindo ou, simplesmente, tiraram certos títulos de circulação. Eu estava falando de livros que foram importantes para a literatura e para a internet brasileiras - como a minha geração pegou um pouco do "limbo" do pós-bolha, sofreu com o ostracismo (e com a falta de sucesso material), mas isso não significa que não fez coisas importantes. Então o espírito da matéria, no "Link", era esse.

Vale reforçar - para quem ainda não percebeu - que eu continuo acreditando no conceito de livro. Apenas não acho - e continuo não achando, mesmo depois do "Link" - que publicar em papel, simplesmente por isso, vá resolver a vida de alguém, que vá melhorar alguém como escritor e que vá diferenciar essa pessoa de quem já publica na internet. As últimas reclamações dos novíssimos autores (e seus livros) - vamos dizer assim -, sobre o mercado editorial, só confirmam o que eu já disse antes.

Se eu pudesse tirar portanto uma conclusão, eu diria que a minha geração - a primeira da internet -, com algumas raríssimas exceções (Daniel Galera, talvez?), falhou em publicar em livro (papel). Falhou no sentido de que não "alavancou" a carreira como a Geração 90, por exemplo. E, seguindo meu raciocínio, a geração de meados dos anos 2000 (Olivia, Biajoni, Alex) vai "alavancar" menos ainda (nesse sentido "Geração 90" que antes conhecíamos...).

A grande ironia, contudo, está no fato de que eu acredito - acredito, vejam bem, não posso comprovar ainda - que a literatura brasileira, como um todo, avança, na medida inversa do "sucesso" dos livros. Traduzindo: a Geração 00 (a do início dos anos 2000, a "minha") é melhor do que a Geração 90 - e a Geração "05" (de meados dos anos 2000) tem grandes chances de ser melhor do que a "00". É um feeling; uma aposta - como eu disse, não posso comprovar (ainda).

Outro dia, num Encontro do Digestivo, um amigo me provocou: "Mas e você, Julio, se quiser escrever um livro agora - como é que vai fazer?" E aí vai meu conselho para quem, neste momento, está perdido: quando eu tiver uma boa idéia para um livro, vou realizar, ué. Hello, moçada, o "formato" livro continua - os livros continuarão sendo escritos. Como vamos "publicá-los", ou o que vai acontecer com eles (e com a gente) depois de publicados, é outra questão. E se me chamarem para publicar em papel, eu vou publicar, ué. (Você não publicaria?)


Postado por Julio Daio Borges
Em 18/7/2007 às 09h20


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2007
07h20min
Oi, Julio. Acho que o problema todo se resume em duas palavrinhas: reconhecimento e grana. Reconhecimento quer dizer aqui premiações, leitores, críticas acadêmicas e jornalisticas. De fato, não se premia, nem se consagra (a não ser no mundo internauta) nada que não tenha sido publicado em papel. Quanto a grana, esqueça-se: tá mais que provado (o gosto é amargo, reconheço) que se vive de literatura (boa) tanto quanto se pode viver só de ar. Se vc não tem quem pague a publicação do seu texto (no papel), pior ainda. Acho que o suporte do texto não é secundário, na medida em que ele representa, principalmente, "reconhecimento" (e para algumas pessoas, "grana"). Resta mudar os critérios que norteiam o "reconhecimento" e fazer com que a "grana" role. Mas não me pergunte como. Beijão pra vc!
[Leia outros Comentários de paula mastroberti]
18/7/2007
18h09min
Escritor, jornalista, todos que expõem opiniões pessoais correm risco de incompreensão, Julio, por não se ter controle sobre a interpretação dos outros, assim como quem tenta falar do mesmo assunto por mais de um ângulo pode ser visto como contraditório. Não terá ocorrido isso com você? A mim pareceu que os seus textos pretendiam informar, conscientizar iniciantes de uma dura realidade, que infelizmente é fato, mas eu, em particular, mesmo tendo compreendido, acho absurdo ninguém ajudar a ser diferente, aceitarem que um escritor, por exemplo, não possa viver da sua produção, mesmo quando os livros têm boa vendagem, porque recebe apenas 10% do valor de cada um, porque quando vem a ser reconhecido já está velho, perto de morrer, ou já morreu; os frutos do trabalho, do seu esforço e dedicação vão pra outros. E todos acham que deve ser assim mesmo, aceitam, não fazem nada pra ser diferente. Será que já não é hora disso mudar, de se escrever com a mesma força em defesa desse outro lado? Bjs
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
19/7/2007
09h23min
Sabe, mano, parece que há uma grande confusão em tudo isso. Senão, vejamos: reclama-se que há muita "porcaria" sendo publicada, e que, em função disso, o mercado editorial está saturado e contaminado. Mas, por outro lado, reclama-se também de que não há espaço para novas publicações, em função de uma série de questões já bastante discutidas. O que eu penso é o seguinte: quem tem grana, banca sua própria publicação; quem não tem, deve insistir. Uma boa "saída" são os prêmios literários, principalmente para os escritores que ainda não são muito conhecidos e reconhecidos.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
19/7/2007
14h07min
eu confesso que eu mui devagar nem captei muita contradição entre os dois textos, e vi nos dois um tanto de verdades e sensatez, mas acabei esquecendo de conversar com o Biajoni para descobrir o que é que ele tinha visto. e eu por aqui ainda não tenho tanta certeza do que pensar. meu livro publicado está aí, mas a mídia (e a editora, principalmente) não estão nem aí. e eu fico então tentando descobrir o que eu estava querendo com a publicação e cada vez penso uma coisa e nunca chego a nenhuma conclusão. conversando com o evandro affonso ferreira ele comentou que essa era uma crise por qual todos escritores passam. aí resolvi que ia então passar pela minha crise e ver o que acontecia quando ela passasse ;) e continuo escrevendo, porque, buena, acho que eu nem sei como parar.
[Leia outros Comentários de Olivia Maia]
19/7/2007
15h51min
ah, a matéria ficou velha, era pra ter sido publicada em 2000... entendi. :>)
[Leia outros Comentários de Biajoni]
5/8/2007
22h52min
Prezado Julio, a discussão é interminável - porisso mesmo instigante - e aí dou a minha opiniâo: o livro impresso não acabará nunca! Não há como substituir a portabilidade, a facilidade de obtenção, pois não precisa de interface alguma, pode ser lido a qualquer tempo e em qualquer lugar, não precisa de um meio como energia elétrica e tem valor histórico, apenas para elencar algumas vantagens... Isto não quer dizer que a internet não seja boa, mas jamais poderá superar o livro, que é uma das maiores conquistas da humanidade.
[Leia outros Comentários de Fernando Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Longa Jornada Noite Adentro
Eugene O´Neill
Abril Cultural
(1980)
R$ 20,00



Prêmio Centenário de Fernando Pessoa, Fernando Persona
João de Carvalho
Casa de Portugal
(1996)
R$ 31,26



Bravo! 108 - Agosto 2006 - Jorge Amado
Ricardo Lombardi
Abril
(2006)
R$ 17,90



Poesia Futebol Clube e Outros Poemas
Paulo Netho
Formato
(2007)
R$ 5,00



A Empresa na Velocidade do Pensamento
Bill Gates
Companhia das Letras
(1999)
R$ 10,90



Alguém Especial
Ivan Martins
Benvirá
(2013)
R$ 10,00



O Despertar da Alma da Empresa
Eric Klein, John B. Izzo
Cultrix
(2000)
R$ 8,00



Topkapi
Eric Ambler
Circulo do Livro
R$ 10,00



Uma Rosa para Púchkin
Mario Lorenzi
Códex
(2003)
R$ 7,00



O Rabo da Gata
Sylo Costa
Armazém de Idéias
(1998)
R$ 5,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês