Letra de música é poesia? | Digestivo Cultural

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Solitária cidadã do mundo
>>> Breve biografia
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
Mais Recentes
>>> Movimentos Culturais de Juventude de Milton F. Duarte e Antonio Carlos Brandão pela Moderna (2008)
>>> O Jogo da Minha Vida - Histórias e Reflexões de um Atleta de Paulo André pela Laya (2012)
>>> Fala, Crioulo. O que É Ser Negro no Brasil de Haroldo Costa, Abdias Nascimento, Joel Rufino dos Santos e outros pela Record (2009)
>>> 9788585363611 de Nicolau Eymerich pela Nicolau Eymerich
>>> Forma de Governo de Paulo Martinez pela Moderna (1993)
>>> Letras Associadas - Volume 3 de Organização Associação das Letras pela Associação das Letras (2015)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> Globalização a Olho Nu de Clóvis Brigagão pela Moderna (1999)
>>> Letras Associadas - Volume 1 de Organização Associação das Letras pela Associação das Letras (2015)
>>> Coisa de Preto - o Som e a Cor do Choro e do Samba de Marilia Trindade Barboza pela B4 (2013)
>>> Coisa de Preto - o Som e a Cor do Choro e do Samba de Marilia Trindade Barboza pela B4 (2013)
>>> Memórias do Cárcere - Volume I de Graciliano Ramos pela Record (1985)
>>> Coisa de Preto - o Som e a Cor do Choro e do Samba de Marilia Trindade Barboza pela B4 (2013)
>>> A Herança Colonial da América Latina de Stanley J. Stein pela Paz e Terra (1983)
>>> A Fogueira das Vaidades de Tom Wolfe pela Rocco (1989)
>>> Os Irmãos Inimigos de Janusz Korczak pela Círculo do Livro (1991)
>>> Meditando Com Brian Weiss de Brian L. Weiss pela Sextante (1998)
>>> Desenvolvimento e Crise no Brasil de Luiz C Bresser Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> As Mulheres de Terça-feira de Monika Peetz pela Casa da Palavra (2013)
>>> A Genealogia da Moral - Col. o Essencial de Nietzsche (pocket) de Friedrich Wilhelm Nietzsche pela Escala (2013)
>>> Desenvolvimento e Crise no Brasil de Luiz C Bresser Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> Correndo sem Medo de Kenneth H. Cooper pela Nordica (1985)
>>> Mauá - Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Tabuada Escolar Antiga de Cadebrás pela Cadebrás (1975)
>>> Grupos de Melhorias de Sergio Augusto Parastchuk pela Uniporto (2003)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 16/8/2007
Letra de música é poesia?

+ de 34000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Uma viagem pelo tempo e espaço dentro do universo das poéticas letras de música. Se fosse para resumir em uma frase a aula que o letrista e jornalista Carlos Rennó deu no curso de MPB do Espaço da Revista Cult, na última terça-feira, seria essa. A viagem durou quase duas horas e, apesar de não termos saído da sala de aula localizada próxima à estação Vergueiro do metrô, fomos longe. De Orestes Barbosa a Prince, analisando rimas, estrofes, influências musicais e comentando as curiosidades, Rennó mostrou exemplos diversos da chamada "poesia cantada", ultrapassando os limites da MPB.

"Para mim, é muito claro que letra de música é uma modalidade de poesia, é poesia cantada", dispara o letrista logo no início da noite. E explica: "É poesia porque é palavra em forma poética e se dá num espaço de melodia, assim como a poesia literária se dá num espaço em branco da página". Poético, não? A grande "mágica" que faz uma letra ser considerada poesia na verdade não depende só de seus versos, mas da combinação de letra e música. "Quando palavras e sons se aderem, algo mais incide sob a música, fazendo com que ela ganhe uma força poética maior e mais intensa que o mesmo verso ou a mesma frase melódica separados."

O primeiro letrista-poeta que Rennó considera importante é Orestes Barbosa, que produziu grande parte de sua obra nas décadas de 20 e 30. Além de escrever poemas literários, fazia muitas parcerias com Sílvio Caldas, entre elas, uma canção muito famosa, "Chão de estrelas". "Ele foi uma espécie de pré-Vinicius (de Moraes) por se dedicar à música e à poesia" comenta. Um dos trechos mais bonitos e poéticos de sua famosa canção foi destacado na aula:

A porta do barraco era sem trinco
Mas a lua, furando nosso zinco
Salpicava de estrelas nosso chão
Tu pisava nos astros distraída
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabrocha, o luar e o violão


Esta música contém um exemplo de construção de imagem característico de um poema. Há uma associação entre o céu estrelado e o sal, a luz da lua no chão, formando o chão de estrelas, que dá nome à música. Uma das histórias curiosas que Rennó nos confidenciou foi a de que o nome da música era "Pomba rola que voou", por conta de um outro trecho da canção. Por sugestão do poeta Guilherme de Almeida, ele mudou (e salvou a canção de um título não muito romântico).

Enquanto falava de Barbosa, Rennó se confundiu e acabou soltando o nome de Prince no meio da conversa. Se justificou dizendo que Prince também tem letras que fazem associações de imagens e metáforas, como "Chão de Estrelas", mas em outro universo. "When 2 R in love" seria uma delas. "Os artistas podem ser de origens completamente diferentes, mas há um plano em que eles conversam", filosofa.

Além do casamento entre letra e melodia, questão também detalhadamente explicada na primeira aula do curso por Luiz Tatit, Rennó ressalta a importância do intérprete em uma canção e destaca Dorival Caymmi como um dos mais exemplares. E ainda elegeu a música "Coqueiro de Itapuã" do baiano como uma das mais poéticas de toda a história da MPB. "Não há nada melhor do que Caymmi cantando Caymmi, aquilo se instaura, no ambiente em que está se ouvindo a canção, não é simples como pode parecer."

Apesar de enfatizar várias vezes a grandeza do trabalho de Vinicius de Moraes, classificando-o como um dos maiores poetas do Brasil, Rennó discorreu mais sobre a obra poética de Caetano Veloso e Chico Buarque do que do parceiro de Tom Jobim. Uma das análises mais profundas foi feita com a letra de "Sampa", da qual o jornalista diz não entender o porquê de sua popularidade, pois se tornou quase um hino da cidade. "Não faz sentido, pois ela apresenta elementos típicos de poesia erudita, não de poesia de canção feita por um cancionista que quer que sua canção se torne popular. Caetano não facilitou."

Nem sempre se pode explicar as razões de uma música se tornar popular, mas em contrapartida ele acredita que nós brasileiros temos mais canções intelectualizadas do que os americanos, que são os reis da música popular no mundo. "Mais até do que nós, porque eles inventaram um negócio chamado jazz". E é esse ritmo uma das grandes paixões do letrista, que produziu em 2000 o CD Cole Porter e George Gershwin - Canções, Versões. Além das versões, Rennó também é parceiro de vários músicos importantes como Gilberto Gil, Peninha, Tom Zé, Chico César e Lenine. E quando é ele o compositor, o que vem primeiro: a letra-poema ou a melodia? "Eu prefiro fazer letra sobre música, fica mais poético. Mas tem muito parceiro que me pede a letra primeiro, só que aí, por conta da influência literária, acabo escrevendo demais", conta, rindo.

Para ir além
Curso de MPB do Espaço da Revista Cult


Postado por Débora Costa e Silva
Em 16/8/2007 às 18h05


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como as redes sociais destroem de Julio Daio Borges
02. Hangout Draft de Julio Daio Borges
03. A importância da literatura de Yuri Vieira
04. Raul Almeida de Julio Daio Borges
05. O homem ideal de Julio Daio Borges


Mais Débora Costa e Silva no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/8/2007
22h28min
quero conhecer mais a história desses belos poetas
[Leia outros Comentários de marcelo terras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Les Superbes
Jules Romains
Flammarion
(1973)
R$ 22,73



As Brumas de Avalon - Livro 3: o Gamo-rei
Marion Zimmer Bradley
Nova Cultural
(1989)
R$ 14,99



Objective Ket Students Book
Annette Capel / Wendy Sharp
Cambridge
(2012)
R$ 17,60



O General do Exército Morto
Ismail Kadaré
Objetiva
(2004)
R$ 35,00



Tempos do Verbo Ser - 4214
Helena Armond
Escrituras
(2002)
R$ 10,00



A Turma do Agito Diferente
Cléo de Albuquerque Mello
Lachatre
(2001)
R$ 12,00



Super Interessante o Veneno do Bem Nº 115
Vários Autores
Abril
(1997)
R$ 5,99



Verdades e Mistérios da Amazônia
Barros Ferreira
Clube do livro
(1967)
R$ 5,00



Sobre o Vento Noroeste Poemas
Orlando de Albuquerque
Appacdm
(1995)
R$ 26,80



Gestão de Pequenas e Médias Empresas de Base Tecnológica
Antonio Valerio Netto
Manole
(2006)
R$ 19,80





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês