Letra de música é poesia? | Digestivo Cultural

busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida
>>> O nome da morte
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
>>> O 4 (e os quatro) do Los Hermanos
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> De Homens e Maquinas de Roberto Mange pela Senai São Paulo (1991)
>>> De Homens e Maquinas de Roberto Mange pela Senai São Paulo (1991)
>>> Projetos e Presepadas de um Curumim na Amazônia de Edson Kayapó pela Positivo (2019)
>>> O Enraizamento de Simone Weil pela Edusc
>>> Adolescencia de Arminda Aberastury pela Kargieman
>>> Como Encontrar a Medida Certa de Carlos Marcondes; Nelson Gentil pela Atica (1992)
>>> A Essência do Franchising de Martin Mendelsohn pela Difusão de Educação e Cultural (1994)
>>> Engenharia Econômica - Cem Tabelas de Juros Impressas Em Computador de Geraldo Hess e Outros pela Difel (1982)
>>> Uma Vida Em Segredo de Autran Dourado pela Ediouro
>>> Os Melhores Contos da America Latina de Flávio Moreira da Costa pela Agir (2008)
>>> A Casa da Madrinha de Lygia Bojunga pela Agir (1932)
>>> Um Hotel na Esquina - Coleção 100 Milhões de Leitores de Jamie Ford pela Agir (2012)
>>> Vira- Lata Virador de Daniel Pennac pela Agir (1995)
>>> 2 Grau Matematica 3 Serie de Atual pela Atual
>>> A Historia de Fernao Capelo Gaivota de Richard Bach pela Editorial Nordica Ltda. (1970)
>>> Almas Antigas de Tom Shroder pela Sextante (2001)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> O Fugitivo de J. M. Dillard pela Estadão (1997)
>>> Clássicos da Poesia Brasileira - Ler é Aprender de Frederico Barbosa pela Klick (1997)
>>> A Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Fogo Morto - Ler é Aprender de José Lins do Rego pela Klick
>>> The Founders of Modern Finance: Their Prize-winning Concepts and 1990 de Cfa pela Cfa (1992)
>>> O Poder Cosmico do Homem de Vernon Howard pela Record
>>> Introdução À Mecânica dos Solos de Milton Vargas pela Mcgraw-hill (1977)
>>> 6 +1 Traits of Writing de Ruth Culham e Outros pela Scholastic (2003)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 16/8/2007
Letra de música é poesia?

+ de 36100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Uma viagem pelo tempo e espaço dentro do universo das poéticas letras de música. Se fosse para resumir em uma frase a aula que o letrista e jornalista Carlos Rennó deu no curso de MPB do Espaço da Revista Cult, na última terça-feira, seria essa. A viagem durou quase duas horas e, apesar de não termos saído da sala de aula localizada próxima à estação Vergueiro do metrô, fomos longe. De Orestes Barbosa a Prince, analisando rimas, estrofes, influências musicais e comentando as curiosidades, Rennó mostrou exemplos diversos da chamada "poesia cantada", ultrapassando os limites da MPB.

"Para mim, é muito claro que letra de música é uma modalidade de poesia, é poesia cantada", dispara o letrista logo no início da noite. E explica: "É poesia porque é palavra em forma poética e se dá num espaço de melodia, assim como a poesia literária se dá num espaço em branco da página". Poético, não? A grande "mágica" que faz uma letra ser considerada poesia na verdade não depende só de seus versos, mas da combinação de letra e música. "Quando palavras e sons se aderem, algo mais incide sob a música, fazendo com que ela ganhe uma força poética maior e mais intensa que o mesmo verso ou a mesma frase melódica separados."

O primeiro letrista-poeta que Rennó considera importante é Orestes Barbosa, que produziu grande parte de sua obra nas décadas de 20 e 30. Além de escrever poemas literários, fazia muitas parcerias com Sílvio Caldas, entre elas, uma canção muito famosa, "Chão de estrelas". "Ele foi uma espécie de pré-Vinicius (de Moraes) por se dedicar à música e à poesia" comenta. Um dos trechos mais bonitos e poéticos de sua famosa canção foi destacado na aula:

A porta do barraco era sem trinco
Mas a lua, furando nosso zinco
Salpicava de estrelas nosso chão
Tu pisava nos astros distraída
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabrocha, o luar e o violão


Esta música contém um exemplo de construção de imagem característico de um poema. Há uma associação entre o céu estrelado e o sal, a luz da lua no chão, formando o chão de estrelas, que dá nome à música. Uma das histórias curiosas que Rennó nos confidenciou foi a de que o nome da música era "Pomba rola que voou", por conta de um outro trecho da canção. Por sugestão do poeta Guilherme de Almeida, ele mudou (e salvou a canção de um título não muito romântico).

Enquanto falava de Barbosa, Rennó se confundiu e acabou soltando o nome de Prince no meio da conversa. Se justificou dizendo que Prince também tem letras que fazem associações de imagens e metáforas, como "Chão de Estrelas", mas em outro universo. "When 2 R in love" seria uma delas. "Os artistas podem ser de origens completamente diferentes, mas há um plano em que eles conversam", filosofa.

Além do casamento entre letra e melodia, questão também detalhadamente explicada na primeira aula do curso por Luiz Tatit, Rennó ressalta a importância do intérprete em uma canção e destaca Dorival Caymmi como um dos mais exemplares. E ainda elegeu a música "Coqueiro de Itapuã" do baiano como uma das mais poéticas de toda a história da MPB. "Não há nada melhor do que Caymmi cantando Caymmi, aquilo se instaura, no ambiente em que está se ouvindo a canção, não é simples como pode parecer."

Apesar de enfatizar várias vezes a grandeza do trabalho de Vinicius de Moraes, classificando-o como um dos maiores poetas do Brasil, Rennó discorreu mais sobre a obra poética de Caetano Veloso e Chico Buarque do que do parceiro de Tom Jobim. Uma das análises mais profundas foi feita com a letra de "Sampa", da qual o jornalista diz não entender o porquê de sua popularidade, pois se tornou quase um hino da cidade. "Não faz sentido, pois ela apresenta elementos típicos de poesia erudita, não de poesia de canção feita por um cancionista que quer que sua canção se torne popular. Caetano não facilitou."

Nem sempre se pode explicar as razões de uma música se tornar popular, mas em contrapartida ele acredita que nós brasileiros temos mais canções intelectualizadas do que os americanos, que são os reis da música popular no mundo. "Mais até do que nós, porque eles inventaram um negócio chamado jazz". E é esse ritmo uma das grandes paixões do letrista, que produziu em 2000 o CD Cole Porter e George Gershwin - Canções, Versões. Além das versões, Rennó também é parceiro de vários músicos importantes como Gilberto Gil, Peninha, Tom Zé, Chico César e Lenine. E quando é ele o compositor, o que vem primeiro: a letra-poema ou a melodia? "Eu prefiro fazer letra sobre música, fica mais poético. Mas tem muito parceiro que me pede a letra primeiro, só que aí, por conta da influência literária, acabo escrevendo demais", conta, rindo.

Para ir além
Curso de MPB do Espaço da Revista Cult


Postado por Débora Costa e Silva
Em 16/8/2007 às 18h05


Mais Débora Costa e Silva no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/8/2007
22h28min
quero conhecer mais a história desses belos poetas
[Leia outros Comentários de marcelo terras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Madame Je-sais-tout
Roger Hargreaves
Hachette Book Group Usa
(2008)



Wolf Heidegger Atlas de Anatomia Humana 1 e 2
Petra Kopf Maier
Guanabara Koogan



Cinquenta Tons de Cinza
E L James
Intrinseca
(2012)



Quase Acaso
André Tressoldi
Novo Século
(2012)



Pedagogia da amizade - Bullying: o sofrimento das vítimas e dos agressores
Gabriel Chalita
Gente
(2008)



O Mestre Dos Sucos
Jason Vale
Lafonte
(2013)



Drugs in Anaesthesia and Intensive Care
Martin Sasada, Sue Smith
Oxford University Press
(1997)



Livro - O Chá-de-bebê de Becky Bloom
Sophie Kinsella, Alves Calado
Record
(2008)



Great Expectations
Charles Dickens
Penguin Books
(2010)



História Universal - o Império das Pirâmides
Carl Grimberg
Azul
(1989)





busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês