Entrevista a O Tempo | Digestivo Cultural

busca | avançada
28444 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Domingos de Oliveira (1936-2019)
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da revista Bravo!, na editora Abril
>>> Generaciones de blogueros
>>> Os ombros suportam o mundo
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Votos Úteis
>>> A vida como encenação
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> A ascensão de um novo faroeste
>>> Trauma paulistano
>>> Terra Papagalli
Mais Recentes
>>> Armadilhas da Sedução - os Romances de M. Delly de Maria Teresa Santos Cunha pela Autêntica (2007)
>>> Machado de a a X - um Dicionário de Citações de Lucia Leite Ribeiro Prado Lopes pela 34 (2001)
>>> Bocage - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril (1980)
>>> A Outra Vida de Catherine Millet pela Agir (2009)
>>> A Vida Sexual de Catherine Millet pela Agir (2003)
>>> A Torre Negra #VII de Stephen King pela Ponto de Leitura (2014)
>>> Quarta-feira de cinzas de Ethan Hawke pela Ediouro (2003)
>>> Lisola del Tesoro (2725) de R. L. Stevenson pela Mursia (1993)
>>> Chew Me Up Slowly (2683) de Mário Quintana pela Globo (1978)
>>> Memorização Leitura Dinâmica Concentração Oratória P/ Iniciantes de Acácio Moraes Garcia (2122) pela Edeme (1995)
>>> Livro de Cânticos Volume III (1855) de Hilaire de Souza pela Life
>>> Lonely Planet: Rio de Janeiro (1756) de Regis St. Louis pela Lonely Planet (2006)
>>> Revista Capixaba de Filosofia e Teologia - A. 6 Nº10 (681) de Diversos pela Iftav/fsv (2008)
>>> Revista Capixaba de Filosofia e Teologia - a 7/ Nº12 (765) de Diversos pela Iftav/fsv (2009)
>>> Estudos Filosóficos Nº 12 (784) de Diversos pela Ufsj (2014)
>>> Superman - o Que Aconteceu ao Homem de Aço ? (4669) de Alan Moore e Curt Swan pela Panini Books (2016)
>>> Senhoras e Senhores (960) de Orlando Brito pela Fiat (1993)
>>> Mosca-varejeira (4622) de Patricia D. Cornwell pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cbf Nike (6309) de Aldo Rebelo e Silvio Torres pela Casa Amarela (2001)
>>> Pátria Brasileira (4860) de Antônio Davila pela Difusora Culrural (1967)
>>> A Modernidade da Pintura no Rio Grande do Sul (4002) de Marilene Burler Pieta pela Sagra (1995)
>>> Entre Penas e Pincéis - Manuscritos do Artista Plástico (2298) de Willy Alfredo Zumblick pela Universitária (1998)
>>> O Egoísta (6977) de George Meredith pela Ediouro (1995)
>>> Yoga da Alimentação (3283) de Chiang Sing pela Freitas Bastos (1975)
>>> Eu Sou Ozzy (7216) de Ozzy Osbourne pela Benvirá (2010)
>>> Uma Casa para o Sr. Biswas (1457) de V. S. Naipaul pela Companhia das Letras (1988)
>>> A Deusa: as Vidas Secretas de Marilyn Monroe (4632) de Anthony Summers pela Best Seller (1987)
>>> Cleópatra: uma Biografia (7600) de Stacy Schiff pela Zahar (2011)
>>> De Todo o Meu Ser (7562) de Mônica de Castro pelo Espírito Leonel pela Vida & Consciência (2010)
>>> O Triunfo de Sharpe (7309) de Bernard Cornwell pela Record (2011)
>>> Acelere Seu Metabolismo (7295) de Lyssie Lakatos e Tammy Lakatos Shames pela Best Seller (2010)
>>> História de Santa Catarina (7269) de Oswaldo Rodrigues Cabral pela Ufsc (1968)
>>> Christine (2966) de Stephen King pela Ponto de Leitura (2011)
>>> Laowai: Histórias de uma Repórter Brasileira na China (6739) de Sônia Bridi pela Letras Brasileiras (2008)
>>> A História: a Bíblia Contada Como uma Só História do Começo ao Fim de Zondervan Corporation (6889) pela Sextante (2009)
>>> Goldman Sachs, a Cultura do Sucesso (6330) de Lisa Endlich pela Nobel (2000)
>>> A F. E. B. pelo Seu Comandante (5927) de Marechal J. B. Mascarenhas de Moraes pela Instituto Progresso Editorial (1947)
>>> Educação e Contemporaneidade Revista Faeeba Vol 15 N. 25 (5218) de Obra Coletiva pela Uneb (2006)
>>> Sangue na Neve (3478) de Lisa Gardner pela Novo Conceito (2013)
>>> Vingança Mortal (5236) de Nora Roberts Escrevendo Como J. D. Robb pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Dos Açores ao Brasil Meridional: uma Viagem no Tempo (4157) de Vilson Francisco de Farias pela Governo do Estado de Sc (1998)
>>> The Waterworks (5274) de E. L. Doctorow pela Random Hause (1994)
>>> Regras Práticas de Oratória e Discurso de Exaltação (3689) de Vicente Celso Quaglia pela Irmãos Boso
>>> Fósseis do Brasil (6106) de Murilo Rodolfo de Lima pela T. A. Queiroz (1989)
>>> Darwin a Origem das Espécies (4515) de Charles Darwin pela Folha de São Paulo (2010)
>>> Tutte Le Novelle (5392) de Di Giacomo pela Grandi Tascabili Economici New (1991)
>>> Crendices Suas Origens e Classificação (5340) de Getúlio César pela Ministério da Cultura (1975)
>>> Die Dame in Blau Die Klatschmohnfrau das Sonnenblumenmädchen de Noëlle Châtelet (4677) pela Kiwi (2001)
>>> 50 Pensadores Políticos Essenciais da Grécia Antiga aos Dias Atuais de Ian Adams e R. W. Dyson (4777) pela Difel (2006)
>>> Enquanto Eu Te Esquecia (1126) de Jennie Shortridge pela Única (2014)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 22/2/2008
Entrevista a O Tempo

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

1) De 2000 para cá, que é o período referente à existência do Digestivo Cultural, o site teve muitas caras, estilos, colaboradores etc. Hoje, em fevereiro de 2008, como você definiria a "filosofia" do Digestivo? Qual seria a melhor definição para o site e para o que ele divulga, prega e acredita dentro do que faz?

A sua pergunta é boa porque eu sempre tive dificuldade para definir o Digestivo Cultural. E parece que, à medida que o site vai incorporando novas seções e funcionalidades, o grau de complexidade vai aumentando...

Para simplificar, a definição que eu mais uso é a de revista eletrônica focada em jornalismo cultural. Isso porque, em 2000, a internet brasileira era uma criança e buscamos as definições no papel, nas publicações que nos inspiraram — como a Bravo! sob o comando do Wagner Carelli, o "Caderno Fim de Semana" editado pelo Daniel Piza e, claro, as colunas do Paulo Francis, que eram uma revista em si.

Mas, como você mesmo disse, o Digestivo já passou por tantas encarnações que eu poderia tentar defini-lo pelas seções que fomos criando ao longo dos anos: Newsletter, Notas, Colunas, Editoriais, Comentários, Ensaios, Blog, Entrevistas e Podcast.

Acontece que o Digestivo Cultural é, também, uma comunidade de Leitores. É uma plataforma de lançamento para novos autores. É uma referência em matéria de jornalismo colaborativo; e o é, ainda, em matéria de sustentação como empresa jornalística — então é um case de empreendedorismo...

Logo, se eu continuar aqui, não acabamos nunca essa lista.

2) Num mercado virtual tão complicado, em que várias iniciativas não permanecem por muito tempo (caso mais recente: o fim do NoMínimo), o que você apontaria como o segredo da longevidade do Digestivo Cultural? Como se sustentar e ficar de pé nesse universo meio selvagem?

O "segredo" maior talvez seja a persistência. Mas eu vou tentar contextualizar mais, porque, naturalmente, não é tão simples assim.

Bom, em primeiro lugar, com o estouro da Bolha, em 2000 mesmo, pegamos uma internet "deserta" — então crescemos num momento em que havia pouca competição (o termo "Web 2.0" é de 2005), em que podíamos errar ainda e corrigir a trajetória depois.

Em segundo lugar, optamos pelo modelo de custo mínimo ou "quase zero" (como se costuma falar). Eu assumi a programação do site, a edição e até alguns textos. Trabalhei em paralelo, com outro emprego, trabalhei muito em casa. Montei o escritório no "ano quatro" do Digestivo, tive profissionais remunerados só recentemente e ainda hoje não conseguimos remunerar todos os nossos colaboradores...

Em terceiro lugar, uma certa "visão", administrativamente falando. Eu sempre briguei muito para que a internet fosse levada a sério no Brasil e continuo brigando com algumas pessoas que ainda acham que ela não é o futuro...

(A tal persistência talvez seja um pouco de teimosia minha, mas funcionou.)

3) O fim do NoMínimo deixou muita gente órfã na internet e pegou a todos de surpresa. Por que sites como ele e o Digestivo (que é exceção) têm essa dificuldade de ficar muito tempo no ar? A internet não é um meio seguro?

Embora o NoMínimo fosse um exemplo em termos de jornalismo na internet do Brasil, ele nunca foi um bom exemplo de internet business, digamos assim. Por motivos que não ficaram muito claros ainda, sua estrutura era caríssima (replicava o modelo da imprensa-impressa, só que não tinha "impressão"), logo, quando o principal patrocinador saiu, o site deixou imediatamente de existir. Em muitos sentidos, era um case de internet pré-Bolha, em que se investia, muitas vezes, a fundo perdido.

A internet exige que o jornalista, ou o dono da publicação, tenha espírito empreendedor, porque, além da parte editorial, ele vai ter de vender a idéia, vai ter de pensar na parte comercial, vai ter de sujar as mãos de graxa (e não só de tinta). Não há uma estrutura pronta, como na imprensa tradicional, portanto, depois de algum tempo, o jornalista típico desiste.

Fora que, no Brasil, muitas empresas jornalísticas foram concebidas, se desenvolveram e se consolidaram atreladas a governos ou a grupos políticos. Conseqüentemente, muitos jornalistas, e até publishers, quando chegam à internet — onde o business plan tem de funcionar — se atrapalham e desistem.

4) A internet é um caminho sem volta? Quer dizer, é inevitável que o melhor da produção de jornalismo migre para o meio virtual? Onde se encaixariam hoje, portanto, as revistas de informação e os jornais impressos?

É isso mesmo; é um caminho sem volta.

Jornalisticamente falando, talvez a internet brasileira ainda não tenha chegado lá. Mas, economicamente, é indiscutível.

Não há como competir com o que é de graça. Os jornalistas e as empresas jornalísticas sabem disso. Então a única chance de manter uma posição no mercado é migrar para a Web.

Eu não gostaria de colocar a resposta só em termos de competição, mas, nos Estados Unidos, em algumas áreas, a melhor informação disponível já está na internet.

Em matéria de tecnologia, por exemplo: não existem jornalistas "de papel", digamos assim, que cubram melhor o assunto do que blogueiros como Michael Arrington, Om Malik, John Battelle, Steve Gillmor.

Alguns deles até tiveram passagens pelo papel, mas a internet os conquistou irreversivelmente. Logo, as grandes marcas de jornais e de revistas têm de fazer a mesma coisa: têm de ser grandes referências na internet também. Porque, fora dela, não vão sobreviver. As novas gerações consomem cada vez menos papel, e todo mundo sabe igualmente disso...

5) A que o meio digital e as novas tecnologias têm obrigado os demais meios (impresso, TV, rádio) a se adaptarem?

Eu não sei se existem tantas mudanças em cada meio específico. Talvez uma mudança de linguagem. Mas a grande mudança, mesmo, é a de migrar para a internet.

Assim como o papel vira site ou blog, o rádio vira podcast e a TV vira webcast, YouTube ou Joost (o que prevalecer). Não existe inovação, hoje, que não passe pela internet. As grandes mudanças são tecnológicas e a internet é uma nova tecnologia, ao contrário do papel, do rádio, da TV...

Os jornalistas têm de se adaptar e as empresas jornalísticas, também. É uma contagem regressiva, lenta para alguns, mas irreversível para todos.

Concluindo: quem escreve, vai ter de aprender HTML e vai ter de blogar; quem "irradia", vai ter de virar podcast e tocar nos "MP3 players"; e quem faz TV, vai ter de entender a audiência do YouTube e a tecnologia de streaming do Joost (a TV digital já é velha perto disso...).

6) Você costuma sempre dizer que entrou no jornalismo pela "porta dos fundos", pois veio de outro ramo (Engenharia de Computação) para criar o Digestivo Cultural. Desde então, assumiu a posição de jornalista e crítico cultural e se imbricou nesse meio. Da sua posição hoje de editor do Digestivo e envolvido no ramo, como caracterizaria o jornalismo cultural feito no Brasil?

É irônico. Eu vim para esta área porque, há dez ou mais anos, admirava os jornalistas culturais e queria ser como eles. Hoje, porém, acompanho cada vez menos — e, daqui a pouco, nem vou poder falar nada porque simplesmente não vou mais saber o que acontece...

Enfim, os problemas são aqueles que tão bem conhecemos (e não são de hoje mas vêm se agravando): matérias burocráticas que parecem simples releases de assessoria de imprensa, apenas para cobrir os lançamentos e eventos; pouca estrutura (gente), pouco tempo (muita pressão) e pouco espaço para analisar e refletir (criticamente); falta de interesse do leitor, da classe intelectual ou artística (que se sente injustiçada pela "cobertura") e de perspectiva (porque nunca foi uma editoria decisiva, a de cultura; e, com a "ameaça" da internet, a grana está cada vez mais curta nas empresas jornalísticas).

Para não dizer que não falei das flores, tem a Piauí, que é excelente (mas que só a família Moreira Salles sustenta). E tem a internet, que é vibrante. Talvez, na Web, não façamos estritamente jornalismo, mas é onde estão as pessoas e é onde, cada dia mais, vão estar. Não tem volta, de novo.

7) Conseguiria traçar um paralelo de diferenças e semelhanças desse jornalismo com relação ao feito em outros países (qualquer um que queira usar de comparativo)?

A crise do papel é geral e não é "culpa" do Brasil, dos jornalistas brasileiros ou das empresas jornalísticas daqui. É "apenas" o fim de algumas tecnologias. E é o fim de uma indústria que viveu muito tempo de vender o suporte junto com o produto (a informação).

Eu acho que as grandes instituições jornalísticas, no mundo, continuam — porque têm uma audiência mundial. Ou seja, o New York Times pode insistir mais, no papel, do que os jornais daqui, porque a sua base de apoio é global.

Em termos de jornalismo, acho que continua o mesmo "gap" de qualidade que sempre houve (com algumas menções honrosas como, novamente, a Piauí). Agora, em termos de tecnologia, eu vejo empresas como a BBC, o Guardian e o próprio New York Times se mexendo mais do que as nossas respectivas daqui.

Ainda assim, nos EUA, alguns analistas defendem que nem as grandes instituições do jornalismo mundial vão conseguir manter a soberania. Segundo os mesmos, a estrutura das redações "off-line" jamais poderá ser sustentada pelo "on-line". Logo, pode não ser, simples e apenasmente, uma questão de migração...

8) Quem seria, hoje e em atividade, bons jornalistas culturais? E do passado, quem você assumiria como influência para o trabalho que desenvolve no Digestivo?

Embora cada vez mais limitados pela atual conjuntura, os melhores jornalistas culturais continuam sendo o Daniel Piza (no Estadão), o Luís Antônio Giron (na Época), o Sérgio Augusto (também no Estadão), o Ruy Castro (de volta à Folha), o Mario Sergio Conti (na onipresente Piauí) e, entre os "novos", o Marcelo Rezende (na Bravo!). Existem outros fora de atividade (fora das publicações) e, na internet, existem dezenas deles — mas, aí, eu sou suspeito para falar...

Do passado, além dos de cima, — eu sou obrigado a repetir — o Paulo Francis. Sobretudo pela cultura. Para não ficar só em nomes — e só em publicações que já citei —, eu diria que sofri influência do jornalismo feito na Senhor, no Pasquim (agora em livro) e até do "Caderno2" (dos anos 80 e 90).

9) Quais os próximos passos (em termos de tecnologia, avanços, perspectivas) para projetos como o Digestivo Cultural, que existem exclusivamente na internet?

Eu acredito que o próximo passo, das publicações on-line, é serem cada vez mais permeáveis aos leitores.

Dou um exemplo, recente, do próprio Digestivo. Acabamos de inaugurar as páginas de "Comentários por Comentador" — e, ao contrário dos mais de duzentos Colunistas e Colaboradores que passaram por aqui, eu descubro que já tivemos quase mais de quatro mil Comentadores! São mais Comentários, em número, do que textos, há alguns anos...

Talvez o próximo passo, editorialmente falando, seja editar os próprios leitores. Já pensou?

Em termos de perspectivas, o ambiente é muito favorável — porque está claro que, ao abrigar cada vez mais pessoas, a audiência da internet (e das suas publicações) cresce cada vez mais. Então cresce a publicidade, crescem as receitas e as principais empresas de internet.

Nos próximos anos, com o eterno retorno do livro eletrônico, vamos assistir a uma revolução nos direitos autorais — e, quem sabe, muitos autores não possam viver do que publicam on-line?

10) E do Julio Borges jornalista, quais os próximos projetos?

Meus projetos se misturam com os do Digestivo, então volto a falar no site...

Tivemos um problema de infra-estrutura, com a nossa antiga empresa de hospedagem, no segundo semestre do ano passado, então a meta, para o curto prazo, é simplesmente manter todas as seções atualizadas: Notas, Colunas, Ensaios, Entrevistas, Blog e Podcast.

Depois, em paralelo, vamos continuar com os Eventos, que inauguramos em 2007. Se tudo se confirmar, vamos continuar discutindo a internet brasileira, com os principais protagonistas ao vivo (depois, no site, em áudio), e vamos realizar uma série inteiramente nova sobre literatura brasileira contemporânea, junto com a principal publicação literária brasileira. (Ainda nesta parte "presencial", eu dou uma aula em abril, no espaço da Revista Cult, sobre esses dilemas internéticos entre editores e leitores...)

Acabei de inaugurar uma coluna, misturando internet e business, na revista GV-executivo (nossa velha Parceira) — e eu arriscaria uma incursão futura, do Digestivo, em internet business.

Por fim, desde o Kindle (o novo "leitor" da Amazon), voltou a me assaltar a idéia de uma editora em PDF e uma porção de outras idéias para livros...

Como diz o Carpinejar, gosto tanto do que faço que "posso me esgotar fisicamente sem perceber"...

Nota do Editor
Entrevista concedida a Marcelo Miranda, do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. Originalmente publicada em 17/2/2008.


Postado por Julio Daio Borges
Em 22/2/2008 às 12h08


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Stayin' Alive 2017 de Julio Daio Borges
02. Geraldo Rufino no #MitA de Julio Daio Borges
03. Uma cidade se inventa de Ana Elisa Ribeiro
04. Aden Leonardo Camargos de Julio Daio Borges
05. Thereza Simões de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2008
16h33min
Você acredita que li essa entrevista em um consultório médico, por acaso. Só que não deu tempo de ler tudo. Então acabei agora. Parabéns pela entrevista dada. Acho que foi bastante fiel a suas idéias e a você. Tenho até um certo orgulho de fazer parte desse projeto, como comentadora assídua. Mais sucesso pra todos da equipe. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA - VOLUME 3
PHILIPPE ARIES, ROGES CHARTIER
COMPANHIA DE BOLSO
(2009)
R$ 22,00



PLIM-PLIM: A PELEJA DE BRIZOLA CONTRA A FRAUDE ELEITORAL / 1ª EDIÇÃO
PAULO HENRIQUE AMORIM / MARIA HELENA PASSOS
CONRAD
(2005)
R$ 11,90



15 ANOS DE POLÍTICA EXTERNA - ESPECIAL
POLÍTICA EXTERNA VOL 15 Nº 4 MAR ABRIL MAIO
PAZ E TERRA
(2007)
R$ 26,28



RECURSOS DA NOVA CONSTITUIÇÃO 2ª EDIÇÃO
MARIA STELLA VILLELA SOUTO LOPES RODRIGUES
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1992)
R$ 21,82



REVISTA COVER GUITARRA ANO 2 Nº 8
MÁRCIO M. ALVES E ANGELO N. DA ROCHA DIR
JAZZ MUSIC
R$ 6,00



CARLOS GARDEL PARA TODOS
AUGUSTO FERNANDEZ CAPA DURA
EDICIONES PORTEÑAS
(1996)
R$ 19,82



O ATEÍSMO CRISTÃO E OUTRAS AMEAÇAS À IGREJA
AUGUSTUS NICODEMUS
MUNDO CRISTÃO
(2011)
R$ 22,00



DUANE MICHALS EXHIBITION - AUTOGRAFADO
DUANE MICHALS
PACIFC PRESS SERVICE
(1998)
R$ 200,00



ANTOLOGIA DA LAPA - VIDA BOÊMIA NO RIO DE ONTEM
GASPARINO DAMATA
CODECRI
(1978)
R$ 25,00



TRÊS ROMANCES (O QUINZE/JOÃO MIGUEL/CAMINHO DAS PEDRAS) RACHEL DE QUEIROZ (LITERATURA BRASILEIRA)
RACHEL DE QUEIROZ
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1948)
R$ 18,00





busca | avançada
28444 visitas/dia
1,1 milhão/mês