Na Campus Party 2009 I | Digestivo Cultural

busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
>>> Dos palcos para as leituras radiofônicas
>>> Youtuber apresenta A Jornada do Herói Favelado
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre os enganos do mundo, de Sêneca
>>> Entrevista com Harry Crowl
>>> Lost Season Finale
>>> Twitter ultrapassa NYT e WSJ
>>> Entre tapas, churros e chatos
>>> Cultura do remix
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A Linguagem das Coisas, de Deyan Sudjic
>>> Aberta a temporada de caça
>>> 12 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Paul Eugene Charbonneau de Namoro e Vingindade pela Moderna (1985)
>>> A Grande Piramide- uma Prova da Existencia de Deus de George R Riffert pela Record
>>> A Cabeça de Alvise de Lina Wertmuller pela Record (1981)
>>> Falando Muito Bem Em Publico de Andrea Monteiro de Barros pela Makron Books (1999)
>>> Seis Dramas de H Ibsen pela Não Consta
>>> Vida de Chopin de Guy de Pourtales pela Cultura Brasileira (1934)
>>> México, Historia de uma Viagem de Erico Verissímo pela Globo (1957)
>>> Esquistossomose Mansonica Urbana de Ruy João Marques pela Universitária/ufpe (1990)
>>> A era da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1980)
>>> Deixe a neve cair de John Green, Maureen Johnson, Lauren Myracle pela Rocco (2013)
>>> A Paixão do Oriente de Nevil Shute pela Artenova (1973)
>>> Assim é o Caxangá Agape- o Trampolim da Gloria de José Luiz de Moura pela Do Autor (1999)
>>> Consultoria Em Gestão de Pessoas de Jose Luiz Rocha de Oliveira Org pela Fgv (2005)
>>> Rh Que Dá Lucro de Wellington Maciel pela Lcr (2009)
>>> Diagnósticos e Soluções Em Rh de Vera Poder pela Qualitymark (2006)
>>> Engenharia Genetica o Setimo Dia da Criacão de Fátima Oliveira pela Moderna (2001)
>>> Fundação de Portugal-origem e Constituição da Nação Portuguesa de Fernando Mendes pela João Romano Torrres
>>> Educação Ambiental Comunitária de João Nelson Silva-autografado pela Do Autor (2006)
>>> A Coragem de Crescer de Maria Dinorah pela Ftd (1999)
>>> Parceria Com o Cliente de Carmem Cardoso, Francisco Carneiro da Cunha pela Intg (2005)
>>> Eletrocardiografia Clínica de Nestor Rodrigues de Oliveira Neto pela Do Autor (2011)
>>> Gerente Minuto e a Administração do Tempo de Kenneth Blanchard Org. pela Record (1989)
>>> Os prós e os contras de nunca esquecer de Val Emmich pela Intrínseca (2018)
>>> Gestão da Informação na Competitividade das Organizações de Adiel Teixeira, Francisco de Souza Org. pela Ufpe (2002)
>>> Atitudes de Empreendedores de Carmem Morais pela Qualitymark (2000)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 20/1/2009
Na Campus Party 2009 I

+ de 11200 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Escrevo do Campus Blog, enquanto o Noblat fala e é "mediado" pelo Jorge Rocha. Coloco entre aspas porque o Noblat engata uma primeira e ninguém consegue segurá-lo. Anotei que a primeira pergunta do Jorge deveria ser: "Noblat, o jornalismo morreu definitivamente?". Encontrei, antes, o Wagner "Mr Manson" Martins e ele lembrou que o Noblat foi "pato" do Cocadaboa. Não é que o Noblat igualmente lembrou (na sua explanação)? E prestou sua homenagem, pessoalmente, ao Manson. "Você continua fazendo aquilo?" (com sotaque nordestino) O Noblat, contudo, é muito simpático e conquistou a platéia. É daqueles jornalistas que não existem mais; com uma longa carreira em redações (que não existem mais ― também). Gostei da idéia dele de uma "grade de programação" pro blog. E ri da sua observação sobre a Campus Party: "Redação de jornal é um pouco menos barulhenta...".

* * *


A Campus Party é atordoante. Vários palcos com palestrantes ao mesmo tempo. Um palco maior, com volume mais alto, no meio. Fora estandes (é assim que se escreve?), com música própria. Tecno. Barulhos de jogos. Gente falando. Toques criativos de celular... Foi difícil usar o Twitter ao longo do dia. Talvez eu use menos amanhã. Até porque vou mediar uma mesa no Campus Blog às seis da tarde. Mas eu ia falar da Campus Party... Vim com a referência da Flip, por causa dos convidados internacionais, mas fui remetido, inúmeras vezes, às minhas experiências em "Feiras da Música" (ainda existem?). Aqueles espaços imensos, muita coisa simultaneamente, gente fantasiada, conhecidos da área etc. Íamos para ver músicos e assistir a shows; procurar novidades em equipamentos, também. Aqui, na Campus Party, o público vem para ver os blogueiros ― embora muitos deles já sejam ―, "webcelebridades", conhecer novidades (ferramentas?) e interagir socialmente. Uma forma de estar na internet e na "vida real" ao mesmo tempo.

* * *


Tirei sarro dos nerds no Twitter logo de manhã. Ocorre que o público se diversificou e aquela se tornou uma falsa primeira impressão. Se, no início, os geeks ― vamos usar esta palavra mais simpática ― chegaram primeiro, com seus mochilões e muxoxos, o mundo corporativo desembarcou logo em seguida, com suas camisas e hostess (tem plural?), para a noite fechar com uma turma que lembra, neste momento, os frequentadores de eventos de música eletrônica. Como disse Tim Berners Lee (falta um hífen em algum lugar), "se você acha a Web estranha, é porque a humanidade é estranha; e se você me pede uma opinião sobre a Web, você me pede uma opinião sobre a humanidade". No meio da tarde, por exemplo, ia gozar os velhos hippies que, igualmente, dão o ar da graça, com suas barbas, seus notebooks adesivados com slogans e suas corcovas, quando reconheço o admirável Hugh MacLeod, do Gaping Void. Barbudo ruivo, com oclinhos fundos, e um computador vermelho. Como eu disse, cuidado com as (falsas) primeiras impressões...

* * *


O Tim me lembrou meus professores da Poli. Se teve um estalo na década de 90 e criou, simplesmente, a World Wide Web, atualmente se tornou um embaixador da coisa toda. Portanto se burocratizou, fica muito preocupado em discutir regras, suas propostas soam abstratas demais (como a da Web Semântica) e muita gente não se interessa. Tim se recusa a discutir o presente, as realizações concretas (as marcas e as empresas de internet, por exemplo), está ocupado com os conceitos; é, como eu disse no Twitter, um acadêmico. Brilhante mas está desconectado da "realidade" da WWW que concebeu há quase 20 anos. Já o Hugh é um sujeito que aconteceu, mundialmente, por conta dos desenhos que distribui pela internet. É alguém que teve sua vida transformada pela Rede. Logo, embora seja um idealista, acredita que existe uma saída para quem está preso agora num escritório (ele era publicitário) e guarda um talento represado qualquer. É mais a minha história da internet, também. Não uma questão de "standards", mas de mudar, efetivamente, a vida das pessoas.

* * *


No Campus Blog, gostei muito da mesa sobre podcasts mediada pelo Cris Dias. Foi um pouco como a mesa de "Internet & Humor", que fizemos lá na Mário de Andrade. Animadíssima, com muitas risadas, convidados espertos e uma platéia viva. Combinação rara de acontecer e difícil de repetir. Impossível de planejar. O Cris levou a discussão adiante com muita habilidade, marcando presença mas sem aparecer demais, fazendo perguntas mas abrindo também para a platéia. O Maestro Billy se revelou uma simpatia, com excelente voz de locutor. Experimentadíssimo (niguém deve ter gravado quase mil podcasts, no Brasil, como ele). Os Jovens Nerds são uma piada em pessoa. O locutor principal parecia um político, cumprimentava todo mundo, era adorado e poderia, tranquilamente, se candidatar a vereador. O outro, um Armínio Fraga mais gordo, complementava, rememorando detalhes da produção e revelando os podres. O pessoal do IDG, igualmente, brilhou. A moça, que eu escuto na CBN, me lembrou a jornalista de Boleiros 2; e o rapaz tinha um jeito mais cerebral, falando com muita propriedade. Enfim, foi uma mesa de alto nível, a de podcasts.

* * *


Mal acompanhei, como disse de manhã, a mesa da Bia Kunze, sobre mobilidade. Uma pena. Não encontrei posição e o som estava particularmente difícil. Ocorre que o Campus Blog é um palco entre vários, logo há bastante concorrência sonora. Depois, no mesmo espaço, um pesquisador apresentou estatísticas interessantes sobre blogs, mas, do mesmo jeito, o som não me ajudou. Espero que disponibilize sua apresentação em algum lugar da Web, porque os dados sobre a blogosfera do Brasil eram reveladores. Na sequência, encontrei, provavelmente, o pessoal da grande imprensa falando sobre estratégias com mídias sociais. Foi interessante a declaração de um jornalista oriundo do papel: "Em jornal, era mais fácil, tinha a primeira página. O mais importante vinha no alto. Depois, à direita. Por último, embaixo e à esquerda". Ainda se disse impressionado com o Orkut: "40 milhões de pessoas! Só a Globo tem isso; e as pessoas são praticamente obrigadas a ver a Globo... Às vezes eu tenho vontade de matar aquele turco que inventou. Fico olhando pra ver se entendo a atração que exerce o negócio".

* * *


E a Bia Kunze tem razão: uma das melhores coisas da Campus Party é encontrar as pessoas. Está todo mudo sempre tão ocupado com seus afazeres on-line, no esquema 24/7, que, se não se vê no Twitter, praticamente não se vê em nenhum outro lugar (físico). A Campus Party é a oportunidade de poder trabalhar com todos esses internautas que lemos, comentamos, lincamos. No mesmo espaço físico. O Inagaki e o Edney estavam muito bem-humorados para quem trabalhou organizando o Campus Blog. O Cris Dias sempre na mesma serenidade. O Pedro Markun sempre ocupadíssimo. A Brambilla tão amável. A Ceila sorrindo e vivendo a Web com intensidade. O Jorge afiado para o Noblat (que o enrolou). E até o Manson, brother, desde quando não me passava seu nome verdadeiro, com medo de que eu fosse delatar o Cocadaboa... Essas pessoas, além de escrever a história da internet brasileira, escreveram, inconscientemente, a história umas das outras.

* * *


Tentei assistir a outros eventos em outros palcos, mas nenhum me empolgou demais. Além do palco central, que teve o Tim e o Hugh... Muita coisa para desenvolvedores. Mas coisa muito básica, tipo a apresentação de ferramentas, técnicas ou softwares. Imaginava encontrar novidades que poderia aplicar no Digestivo, mas a própria internet, através de seus sites, continua sendo a grande divulgadora. Ou seja, você encontra alguma coisa que te interessa, num site que você admira, depois tenta implementar no seu. Não vai partir, diretamente, de uma linguagem ou de um aplicativo. Entendo as preocupações dos patrocinadores, mas não é assim que funciona. Pelo menos, não é assim que funciona comigo. Agora me ocorreu que, numa Bienal do Livro, os estandes das editoras funcionam melhor nesse ponto. Existe uma ligação (minha, talvez) com as editoras de livros que é diferente de uma ligação com as fabricantes de softwares.

* * *


Fiquei pensando, ainda, na reclamação do Dahmer contra a Telefônica, na Folha, mas achei que as empresas atrapalharam pouco, digo, perto do que poderiam ter atrapalhado. Talvez elas saibam que os usuários de internet não suportam marketing goela abaixo, como pessoal da televisão que está acostumado, e precisam ter cuidado, para não criar antipatia, nem revolta. As empresas são aquelas de sempre, de telecomunicações, grandes portais, corporações "de fora" e algumas nacionais que cresceram à margem. Todo mundo sentiu falta do Google. E eu, particularmente, notei a ausência da grande mídia, estabelecida, com exceção da Abril. Um único estande vendendo assinaturas de publicações impressas; revistas de tecnologia, no caso. Algo completamente diferente de qualquer "feira" que já frequentei. Nenhum vendedor de jornal, nenhum vendedor de semanal de grande circulação. A gente ouve e repassa que o papel vai sumir, mas, quando ele some mesmo, é meio assustador...

* * *


O Inagaki acertou, a guerra entre jornalistas e blogueiros ficou praticamente arquivada no ano passado. É verdade que, como vi menos publicações impressas (menos impressos, em geral), vi menos jornalistas também. Não dá para comparar, por exemplo, com eventos como a Flip, onde a massa de jornalistas é certamete maior do que a de escritores convidados. É como se a Campus Party prescindisse da velha imprensa, de certa forma. E não por esnobismo, mas porque tem tanta divulgação espontânea... Não deve haver nada parecido em termos de evento no Brasil. (E no mundo.) Montes de tweets por segundo; os Twitteiros, inclusive, estão reclamando... Não sei se é o ideal em termos de cobertura (tanto que estou agora escrevendo a minha), mas não deixa de ser espantoso. A "guerra" entre blogueiros e jornalistas ficou para trás, sim, mas porque os blogueiros venceram...

Para ir além
Na Campus Party 2009 II (a continuação...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 20/1/2009 às 20h12


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Tempo é Hoje, o filme de Julio Daio Borges
02. Vida de Estagiário II de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2009
09h21min
Muito bom o seu relato, Julio. Realmente no Twitter não param de pipocar updates sobre o cparty, dá pra pescar um pouquinho de tudo o que está acontecendo, mas ainda não tinha lido nenhum relato tão conciso e pintando o quadro geral como o seu.
[Leia outros Comentários de Diego Sana]
22/1/2009
16h05min
Finalmente um bom relato para ajudar quem não compareceu ao CParty a ter uma visão da coisa toda. Valeu.
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
22/1/2009
17h21min
Achei ótima a sua sintese da cparty. Compartilhamos de muitas opiniões.
[Leia outros Comentários de Danilo Idman]
22/1/2009
18h07min
Muito bom esse seu post, conseguiu sintetizar o que de fato aconteceu, concordo em vários pontos, principalmente o problema do áudio, que realmente estava muito complicado conseguir acompanhar as palestras. Mas ficar com os amigos e pessoas que acompanhamos via twitter, flickr, blogs, enfim na nossa comunidade virtual, não tem preço. :D abs.
[Leia outros Comentários de Rosângela Martins]
24/1/2009
12h48min
"O Tim me lembrou meus professores da Poli." Vou tomar como elogio. Colegas poderiam achar que é crítica. Tem professor da Poli lendo :-)
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Passatempo Português
João Antônio da Costa Lagranha
Rideel
(2016)



O Conceito de Angustia
Soren Kierkegaard
Hemus
(2007)



Al Tercer Dia
Piers Paul Read
Best Seller



Strauss - Grandes Compositores da Música Clássica
Abril Coleções
Abril
(2009)



O Espelho do Artista
Freyre Yolanda
Companhia de Freud
(1905)



Sonhar So Faz Bem um Sonho Que Se Tornou Realidade
Francisco Britto
Minha
(2014)



Edifícios Comerciais. Megastore Rio Center. Felipe Bezerra
Fernando Serapião
Ateliê Editorial
(2004)



Encontro á Meia Noite
Liliana Iacocca
Ftd
(1990)



A Divina Comédia Brasileira
Jorge Luiz Maskalenka
Hermes
(1988)



Série Bom Livro - o Seminarista
Bernardo Guimarães
Ática
(1995)





busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês