Salvem os jornais de Portugal | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler, investir, gestar
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Para Rir e Refletir de Richard Simonetti pela Ceac (2002)
>>> No Fundo dos Teus Olhos de Giselda Laporta Nicolelis pela Ftd (1996)
>>> Rua 46 de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2012)
>>> Por que você mente e eu acredito? de Prem Milan pela Gente
>>> Pensar humano hoje de Paulo M. G. Pozzebon pela São Francisco
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 5 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 4 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Canto Geral de Pablo Neruda pela BB
>>> Rua 46 de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2012)
>>> Fofocada Fazendo Fofocancia de Noeli Schwaab; Cirlei Rossi pela Do Brasil Sp (2005)
>>> Educação, Pesquisa e Extensão - Confluências Interdisciplinares de Ana Maria D. Soares - Lucília Augusta L. de Paula pela Quartet (2010)
>>> O Mundo do Meu Amigo de Robinson Damasceno dos Reis; Ana Cecilia Carvalho pela Formato (1996)
>>> Encontros e Desencontros Em Educação Infantil de Maria Lucia de A. Machado pela Cortez (2011)
>>> Viagem ao Universo de Jaime Presendo pela Curitiba (2009)
>>> Pedagogia dos Projetos de Nilbo Ribeiro Nogueira pela Érica (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 3 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Recursos Educacionais para o Ensino de Ilza Martins Santanna pela Vozes (2004)
>>> Linguística II de Cláudia Soares Barbosa pela Ulbra (2008)
>>> In)disciplina - Construçao da Disciplina de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (2000)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 2 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Lima Barreto - Coleção Nossos Clássicos de Francisco Assis Barbosa pela Agir (2005)
>>> Faça o Seu Filho Feliz - Puericultura Higiene Mental Educação de Dr. Fernando Magalhães Gomes pela Itatiaia (1958)
>>> Club Athletico Paulistano - um Clube Que Cresceu Com a Cidade de Cap pela Proal (1970)
>>> Lima Barreto - Coleção Nossos Clássicos de Francisco Assis Barbosa pela Agir (2005)
>>> Normas para Apresentação de Documentos Científicos - Box C/ 10 Volumes de Ipardes pela Ufpr (2002)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 27/3/2009
Salvem os jornais de Portugal

+ de 1800 Acessos

Jornalismo, como o tivemos, não durará. Existe uma certa "demissão" na transferência para o virtual. O cidadão "informado" — que, acima de tudo, se quer, a ele próprio, informado — "reduz-se", em grande medida, à fragmentação; ao "pluralismo" em linha. Encontra-se, parcialmente, "desligado". Este modelo, como complemento de uma tentativa de agarrar o "actual", embora menos reflectido, é já "necessidade". Longe de substituir o conhecimento integrado que o artigo de opinião, a reportagem densa e a investigação demorada conferem. Numa realidade em que muita da "actualidade" não passa de tentativa de desinformação, manipulação, apropriação ou veículo de marketing e propaganda, afirma-se a necessidade de atenção ao pormenor. A tentação do entretenimento, o jornalismo direccionado ou o argumento do consumidor "activo" encerram a contradição de um maior "sedentarismo". A World Wide Web torna-se, assim, menos "democrática". Na afirmação das nossas "escolhas", vamos ao encontro do que já somos. A notícia "num clique", "confirma-nos": mantém-nos longe. O jornalismo escrito, enquanto produto, não pode ser encarado exclusivamente como tal: "ele é aquilo que me alerta para o que eu não sou". O único veículo que possuo para estar atento relativamente ao que é exterior à minha diminuta capacidade de alcance e atenção: o poder.

A acomodação do consumidor à formatação "preguiçosa" dos jornais em linha tem conduzido ao desinvestimento publicitário, diminuição qualitativa e consequente perda de novos leitores, emagrecimento de redacções e falência de inúmeras publicações a nível global. O relativista, na sua constante necessidade de "almofadar" a realidade dirá que tudo se recompõe: o mercado regula sempre, como sempre nos quiseram fazer crer, apesar de inúmeros avisos, a interminável corte de "padres" economicistas.

Começa aqui o problema: "o mercado", visto como um gigante, ausente de influência humana. Redundância. Segundo previsões, o formato em linha, numa hipotética realidade — de resto, segundo alguns, mais próxima do que desejaríamos acreditar — em que o suporte físico desapareça, poderá apenas cobrir 10% dos custos que as publicações actuais exigem. Saber custa dinheiro. Pelos vistos, a democracia também. Por isso, compro um jornal por dia.

Afonso Pimenta
* * *

Faço parte dos muitos que, gradualmente, foram deixando de comprar jornais. O processo começou há anos. A partir de certa altura, todos os principais jornais estavam on-line. Na internet conseguia ler mais jornais do que seria possível em papel.

Quando, há cerca de 8 anos, trabalhei como jornalista num site, nos meus favoritos havia uma pasta "Jornais", e dentro, uma pasta para cada país. Entre jornais portugueses, espanhóis, franceses, ingleses, alemães, italianos e americanos, tinha uns 30 links disponíveis, que me permitiam saltar rapidamente para a página do jornal. Isto aconteceu, obviamente, na pré-história.

Actualmente, com a subscrição de feeds, o meu método anterior é algo de anacrónico e obsoleto. No Google Reader, no telemóvel, num PDA, em qualquer tipo de suporte é possível subscrever as actualizações de uma publicação on-line. É possível organizar, filtrar, personalizar a recepção dos novos textos, através do leitor de feeds que usarmos. Dessa forma podemos acompanhar, arquivar e pesquisar uma quantidade grande de informação.

Sei perfeitamente que a internet oferece ferramentas interessantes e versáteis, que — e faço a inversão de sentido sem ironia — os jornais não podem substituir. O que motivou a minha participação no MFJEP [Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago] não é sentir, de alguma forma, repulsa ou sobranceria em relação aos jornais e outras publicações on-line, e muito menos algum tipo de desprezo ou fobia em relação ao meio WWW.

Associo-me desde o início ao MFJEP porque vejo nesta iniciativa uma forma de cidadãos exigentes e atentos lutarem contra a degradação deste pilar fundamental da democracia que é o jornalismo. Sei que dizer, em relação ao jornalismo, que se trata de "um pilar fundamental da democracia" é um cliché gasto pela repetição — pelo menos tanto quanto a expressão "movimento a favor".

Talvez o desinteresse e a falta de iniciativa, crónicas e contagiosas maleitas de que padecem os portugueses, expliquem que nos custe tanto movimentarmo-nos em conjunto a favor de algo que nos diz respeito. A maior parte das pessoas não se alarma com o perigo de degradação da qualidade do jornalismo, quanto mais reflectir sobre as suas consequências directas na degradação da qualidade da democracia.

É também aqui que pretendemos atacar, ferindo a inércia e a preguiça, despertando e usando de saudável agitação. Tal como o Afonso refere no texto [acima] que lançou este movimento, o jornalismo que conhecemos hoje, pode acabar dentro de pouco tempo. O modelo existente ainda tem o jornal de papel com o seu preço de capa e a sua publicidade tradicional, mesmo se nos sites se concentram mais serviços e, na maior parte dos casos, mais notícias e mais actualizadas que na versão em papel. Ora, com a queda nas compras e os custos de manutenção não só da versão impressa mas também da versão e serviços on-line, muitos jornais correm o risco de fechar. Outros, ainda que não acabem, poderão ser desvirtuados até ao ponto de se perderem grande parte dos critérios jornalísticos. Se nada mudar, ficaremos entregues a um número (ainda mais) reduzido de jornais, quase todos apenas na versão online. E, o problema maior é esse, a versão on-line não será o que é hoje — com as redacções a serem reduzidas e os jornalistas a acumular tarefas e a ficar sem tempo para assegurar qualidade e rigor.

Compra um jornal por dia! Estás a assegurar o teu futuro, não só o dos jornais. Ou preferes um mundo sem informação credível? Escolhe viver num futuro em que a imprensa livre se reforça e consolida, em vez de desaparecer ou ficar moribunda.

Nuno Miranda, no Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago, que, a partir do MySpace, tenta salvar os jornais impressos de Portugal.


Postado por Julio Daio Borges
Em 27/3/2009 à 00h55


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A morte da Capricho de Julio Daio Borges
02. Gilmar Mendes: 'fazer o diabo' de Julio Daio Borges
03. Ailaika de Julio Daio Borges
04. Os 6 Bradenburg Completos de Julio Daio Borges
05. Lobão 2013 de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Grandes Profetas
Renzo Baschera
Nova Cultural
(1985)
R$ 25,47



Wortubuku Sranantongo para Brasileiros
Rafael da Silva Oliveira
Funag
(2011)
R$ 10,00



Um Outro País
Luis Roberto Barroso
Fórum
(2017)
R$ 104,00



Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres
Teresa Medeiros
Novo Conceito
(2014)
R$ 20,00



Cidades Renascentistas o Poder da Família Médici
Tereza Aline Pereira de Queiroz
Atual
(2005)
R$ 7,00



Indios das Planicies
Fiona Mcdonald
Moderna
(1996)
R$ 6,00



Revista de Filologia Portuguesa Ns 21 a 24
Silvio de Almeida Mario Barreto
Nova Era
(1925)
R$ 33,49



Contravenções Penais
Romeu de Almeida Salles Junior
Brasilivros
(1980)
R$ 8,00



Química na abordagem do cotidiano - Volume 2 - Físico-Química
Francisco Miragaia Peruzzo/Eduardo Leite do Canto
Moderna
(2006)
R$ 5,00



A Dieta de South Beach
Arthur Agatston
Sextante
(2003)
R$ 7,50





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês