Elvis, the Pelvis, faz 50 anos | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Preacher O Cavaleiro Altivo de Garth Ennis pela Pixel Media (2007)
>>> Planetary LJA - Terra Oculta de Warren Ellis, Jerry Ordway pela Pixel (2002)
>>> Gritos e Sussurros de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
>>> Funções da Linguagem de Samira Chalhub pela Ática (2003)
>>> História do Brasil de Murilo Mendes pela Nova Fronteira (1990)
>>> Antologia Poética - 52ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2003)
>>> Enclausurado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2016)
>>> Antonio Candido de O observador literário pela Ouro sobre azul (2004)
>>> O Caminho do Louco de Alex Mandarino pela Avec (2016)
>>> Ubu-Rei de Alfred Jarry pela Max Limonad (1986)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Meus Fantasmas Dançam no Silêncio de Nádia Camuça pela Independente (2021)
>>> Nova York 2140 de Kim Stanley Robinson pela Planeta (2019)
>>> Pêcher d`Islande de Pierre Loti pela folio classique (1988)
>>> Jogo Duro de Lia Zatz pela Dimensão (2004)
>>> Monstro do Pântano nº 10 de Alan Moore e John Totleben pela Abril Jovem (1990)
>>> Henri Cartier-Bresson de Henri Cartier-Bresson pela Lunwerg - Photo Poche (2006)
>>> O que fazer? Falando de convivência de Liliana Iacocca e Michele Iacocca pela Ática (2006)
>>> O Natal de Poirot de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2009)
>>> Superboy nº 1 de Karl Kesel e Tom Grummet pela Abril (1994)
>>> Os Filhos da Meia-Noite de Salman Rushdie pela Companhia das Letras (2006)
>>> A Cizânia de Uderzo e Goscinny pela Cedibra (1974)
>>> O cavaleiro inexistente de Italo Calvino pela Companhia de bolso (2005)
>>> Imagen de Madrid de José del Corral pela El Pais Aguilar (1990)
>>> João das Fábulas nº 1 de Bill Willingham e Matthew Sturges pela Panini (2006)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 13/7/2006
Elvis, the Pelvis, faz 50 anos
+ de 18200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Se estivesse vivo (há quem diga que ele está), o que Elvis Presley teria a dizer sobre as nossas loiras e morenas do "tchan", se insinuando em rebolados libidinosos na frente da TV? A "bunda music", como ficou conhecida essa vertente da axé music, começou a assolar nossos ouvidos há uns 10 anos e causou controvérsias por exibir mulheres semi-nuas dançando para quem quisesse ver, fossem adultos ou crianças. Hoje em dia já perdeu um pouco o fôlego, mas deu lugar aos famigerados grupos cariocas de funk, sucesso também entre baixinhos e grandinhos. A "bunda music" não é uma tendência exclusivamente nacional, pois basta ligar a TV em canais como a MTV para perceber como o corpo das mulheres é exaustivamente explorado na maioria dos clipes estrangeiros produzidos atualmente.

Entretanto, escândalos televisivos são tão antigos quanto a própria história da televisão. Muito antes do advento da "bunda music", ocorreu um caso famoso que completou exatos 50 anos agora em junho, culturalmente muito mais relevante e de um impacto social muito mais profundo do que as quase pornográficas danças do "tchan" e afins. Sem ao menos mostrar as canelas, vestindo uma calça comprida preta e um paletó branco longo, um tímido rapaz nascido na pequena cidade de Tupelo, Mississipi, causou um rebuliço de proporções muito maiores. Dois pesos, duas medidas, pois os tempos eram outros.

A década de 50 era a época de uma revolução musical que começava a estremecer a profunda segregação racial dos Estados Unidos. Em 1951, um disc jockey chamado Alan Freed deu um nome mais do que apropriado a essa revolução: o rock & roll. Esse termo já era utilizado no blues desde o final da década de 20, pois era uma gíria entre os negros que se referia ao ato sexual. Alan Freed usou esse termo para designar o novo ritmo musical, originado a partir de uma mistura de formas mais aceleradas do blues e do country. Além de botar todo mundo para chacoalhar o esqueleto, o rock & roll começava a abalar as sólidas barreiras sociais entre negros e brancos. Alan Freed sofreu uma perseguição política e judicial e rapidamente entrou em decadência, morrendo na miséria em 1965. Apesar do fim melancólico, sua importância foi devidamente resgatada e hoje em dia ele é reverenciado como um dos grandes pioneiros do rock, apesar de nunca ter sido um músico.

O caminho estava aberto, e através dessas primeiras estradas do rock & roll um ex-caminhoneiro vinha galgando rapidamente os degraus da fama desde 1954, surgindo em 1956 para a América como a grande sensação do novo e contagiante ritmo. Desejado pelas garotas, imitado pelos garotos e odiado pelos pais da garotada, Elvis Presley incendiava platéias por onde passava com sua bela voz, seu carisma de galã e seu inconfundível estilo de dança, inédito até então, considerado indecente para os padrões da conservadora sociedade americana. Esse jeito espontâneo de dançar rendeu a ele o apelido "The Pelvis", uma referência ao conjunto de ossos que formam nossa cintura, a qual Elvis balançava freneticamente.

As primeiras aparições de Elvis na TV datam de 1955, mas aconteceram em programas de audiência regional e por isso não causaram nenhum grande furor. Em junho de 1956, em sua segunda apresentação no The Milton Berle Show pela rede NBC, Elvis levou ao delírio a platéia de jovens nos estúdios e deixou atônitos pais e mães que assistiam ao programa em casa. Em rede nacional, ele instintivamente colocou toda a energia dos seus 21 anos na performance de "Hound Dog", tocada no início de forma acelerada e dançante, e no final de forma bem lenta, sexy e insinuante.

Foi a gota d'água. Vozes conservadoras vindas da imprensa, de grupos religiosos e da sociedade em geral que já vinham se manifestando contra o rock & roll, aumentaram o tom das críticas ao jovem cantor do Mississipi. Além de trazer a música dos negros aos lares americanos, acusavam-no de ser imoral, um mau exemplo para a juventude e um perigo para as recatadas filhas de família do american way of life.

O movimento anti-Elvis crescia na mesma proporção da fama do rapaz de topete e costeletas que se vestia e dançava de maneira espalhafatosa, culminando com a censura imposta a ele em sua terceira apresentação no programa The Ed Sullivan Show, pela rede CBS em janeiro de 1957, então o programa de televisão de maior audiência nos Estados Unidos. A Censura Federal determinou que Elvis fosse filmado apenas da cintura para cima, para proteger os olhares de milhares de famílias americanas de seus rebolados indecentes. O enquadramento das câmeras persistiu até mesmo quando ele cantou a comportada "Peace in the Valley", um tradicional sucesso gospel. Era uma tentativa de conter o avanço dessa força da natureza chamada Elvis, mas já era tarde demais. Mostrava-se mais como uma censura oportunista porque coincidia com o excelente momento na carreira pela qual o cantor passava, e inútil porque produziu um efeito contrário ao que se esperava, servindo somente para aumentar ainda mais a sua popularidade.

O próprio Ed Sullivan, uma das personalidades mais influentes da TV naquela época, havia dito que jamais traria alguém como Elvis para se apresentar em seu programa, mas se rendeu ao seu poder quando viu os recordes de audiência alcançados pelos programas de seus rivais Milton Berle e Steve Allen, quando o furacão passou por aqueles lados em junho e julho de 1956. Terminada a apresentação, outra maneira que Ed Sullivan encontrou para se redimir foi dirigir-se a Elvis, cumprimentá-lo e dizer a todos na platéia e em casa: "Este é um rapaz decente e bom". Ao agir desse modo, o astuto Ed Sullivan talvez tenha pensado naquele conhecido lema: "Se você não pode vencê-los, junte-se a eles".

Neste dia 13 de julho, quando celebramos o dia mundial do rock, devemos nos lembrar de dar um muito obrigado a Alan Freed, Elvis Presley, Ed Sullivan, Sam Phillips, Chuck Berry, Little Richard, Bill Haley, Gene Vincent, Jerry Lee Lewis, Johnny Cash, Carl Perkins, Buddy Holly, Eddie Cochran, Bo Didley e a tantos outros pioneiros cujos nomes não caberiam aqui. Sem eles, hoje não poderíamos estar curtindo o bom e velho rock & roll.


Postado por Fábio Deodato
Em 13/7/2006 às 12h45

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma história da Nvidia (2023) de Julio Daio Borges
02. Pensar Edição, Fazer Livro 2 de Ana Elisa Ribeiro
03. Sonia Regina Rocha Rodrigues de Julio Daio Borges
04. Uma questão de lógica de Julio Daio Borges
05. Delírio eleitoral gratuito de Julio Daio Borges


Mais Fábio Deodato no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2006
22h45min
Uma bela aula de história do rock'n'roll, sobre o Rei no gênero, no mais apropriado dia do ano: o Dia Mundial do Rock! Porque isso é rock'n'roll de verdade, e não o que vemos hoje por ai. Qualquer coisa é denominada rock atualmente, e isso faz perder o sentido de sua real importância. O Fabio conseguiu resgatar este sentimento novamente. Feliz Dia do Rock'n'Roll a todos!
[Leia outros Comentários de Tatiana Cavalcanti]
15/7/2006
03h00min
O corpo tem suas razões. Elvis foi um fenômeno da expressão corporal. Foi o primeiro a usar não só a voz, gestos, rosto enquanto cantava, mas sim o corpo todo - e o rock fica devendo isso a ele. A coreografia de Elvis - se é que pode ser assim chamada - era demoníaca. Ainda é. Não era só uma questão de requebros ou passes. Era uma coisa animal, incrivelmente charmosa. Gerou milhões de imitadores. Perto dele um sujeito como Michael Jackson, com sua dança muito mais elaborada e precisa, fica parecendo um boneco de corda. Elvis e James Dean detonaram a postura corporal americana típica até então. Uma verdadeira malta de rapagões com seus topetes, blusões com a gola levantada, queixos enterrados no peito e olhares raspando pelas sombrancelhas invadiu os EUA. Temos, hoje, esse gestual de lavador de carro, do rap, hip-hop, sei lá. Me lembra aquelas cenas do cinema quando a câmera se afasta de uma multidão furiosa. Todos iguais e furiosos na multidão. E a câmera, nosso olho, se afasta.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
16/7/2006
09h24min
É isso mesmo! Belo texto sobre o rei, mas vale ressaltar que seu trono poderia ter sido ocupado antes pelos negros, os verdadeiros pais do gênero, ou mesmo por Bill Haley, que era branco mas não tinha o sex appeal de Elvis. Por que não foi? Exatamente por força da resistência social da época. Trocando em miúdos: Elvis tinha estampa e o mercado fonográfico viu nele uma oportunidade ímpar de fazer fortuna.
[Leia outros Comentários de Alessandro Meirelles]
1/8/2006
08h52min
Obrigada, Fabio, pelo belo texto. Eu, como fã do rei Elvis Presley, tenho que agradecer pelo respeito com que falou do rock e de Elvis... Me canso dos textos que só falam de Elvis gordo e drogado. Precisamoos parar de falar de assuntos que não entendemos e vc se mostrou um verdadeiro conhecedor de rock & roll. Dia 16/08 é aniver de morte do Rei, quem sabe vc escreve mais um lindo texto sobre esta perda dolorosa que tivemos... Um grande abraço. Elis Presley.
[Leia outros Comentários de Elis]
3/8/2006
13h45min
Meu nome é Elvis. Não é a toa. Meu pai me presenteou com o nome do homem que foi, é e sempre será a referência maior do rock. Sejamos honestos: Elvis era bom mesmo. Cantava muito bem e tinha consigo um grande magnetismo. Até mesmo os Beatles declararam um vez que sem Elvis nada teria acontecido. Então, viva Elvis: o rei eterno do rock!
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
17/8/2006
20h54min
Concordo com todos os textos acima, gostaria de saber se nesta semana haverá algum especial do Rei...
[Leia outros Comentários de ronaldo eduardo goes]
15/9/2008
15h46min
Parabéns pelo excelente texto. É, sem sombra de dúvida, uma aula de história para leigos e adoradores do rock.
[Leia outros Comentários de alberto quirino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Transformar Em Um Operador E Investidor De Sucesso
Alexander Elder
Alta Books
(2021)



Livro Didáticos Historia Teláris 6
Cláudio Vicentino e José Bruno
Ática
(2019)



Como Falar Dragonês - por Soluço Spantosicus Strondus III
Cressida Cowell
Intrinseca
(2010)



Coleção Grandes Obras Do Pensamento Universal - Ensaio Sobre A Liberdade)
Stuart Mill
Escala



Cinquenta Vergonhas De Cinza
Fanny Merkin
Novo Século
(2013)



Guia Prático de Alquimia
Frater Albertus
Pensamento
(1974)



Maré Baixa, Maré Alta
Ana Maria Machado
Global
(2002)



Títulos de Crédito - 17ª Edição
Fran Martins
Forense
(2016)



O Diabo Veste Prada
Lauren Weisberger
Record
(2017)



Zona Erogena
Philippe Djian
Brasiliense
(1984)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês