Elvis, the Pelvis, faz 50 anos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
>>> Sobre os blogs de jornalistas
>>> Pink Floyd 1972
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 13/7/2006
Elvis, the Pelvis, faz 50 anos

+ de 12200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Se estivesse vivo (há quem diga que ele está), o que Elvis Presley teria a dizer sobre as nossas loiras e morenas do "tchan", se insinuando em rebolados libidinosos na frente da TV? A "bunda music", como ficou conhecida essa vertente da axé music, começou a assolar nossos ouvidos há uns 10 anos e causou controvérsias por exibir mulheres semi-nuas dançando para quem quisesse ver, fossem adultos ou crianças. Hoje em dia já perdeu um pouco o fôlego, mas deu lugar aos famigerados grupos cariocas de funk, sucesso também entre baixinhos e grandinhos. A "bunda music" não é uma tendência exclusivamente nacional, pois basta ligar a TV em canais como a MTV para perceber como o corpo das mulheres é exaustivamente explorado na maioria dos clipes estrangeiros produzidos atualmente.

Entretanto, escândalos televisivos são tão antigos quanto a própria história da televisão. Muito antes do advento da "bunda music", ocorreu um caso famoso que completou exatos 50 anos agora em junho, culturalmente muito mais relevante e de um impacto social muito mais profundo do que as quase pornográficas danças do "tchan" e afins. Sem ao menos mostrar as canelas, vestindo uma calça comprida preta e um paletó branco longo, um tímido rapaz nascido na pequena cidade de Tupelo, Mississipi, causou um rebuliço de proporções muito maiores. Dois pesos, duas medidas, pois os tempos eram outros.

A década de 50 era a época de uma revolução musical que começava a estremecer a profunda segregação racial dos Estados Unidos. Em 1951, um disc jockey chamado Alan Freed deu um nome mais do que apropriado a essa revolução: o rock & roll. Esse termo já era utilizado no blues desde o final da década de 20, pois era uma gíria entre os negros que se referia ao ato sexual. Alan Freed usou esse termo para designar o novo ritmo musical, originado a partir de uma mistura de formas mais aceleradas do blues e do country. Além de botar todo mundo para chacoalhar o esqueleto, o rock & roll começava a abalar as sólidas barreiras sociais entre negros e brancos. Alan Freed sofreu uma perseguição política e judicial e rapidamente entrou em decadência, morrendo na miséria em 1965. Apesar do fim melancólico, sua importância foi devidamente resgatada e hoje em dia ele é reverenciado como um dos grandes pioneiros do rock, apesar de nunca ter sido um músico.

O caminho estava aberto, e através dessas primeiras estradas do rock & roll um ex-caminhoneiro vinha galgando rapidamente os degraus da fama desde 1954, surgindo em 1956 para a América como a grande sensação do novo e contagiante ritmo. Desejado pelas garotas, imitado pelos garotos e odiado pelos pais da garotada, Elvis Presley incendiava platéias por onde passava com sua bela voz, seu carisma de galã e seu inconfundível estilo de dança, inédito até então, considerado indecente para os padrões da conservadora sociedade americana. Esse jeito espontâneo de dançar rendeu a ele o apelido "The Pelvis", uma referência ao conjunto de ossos que formam nossa cintura, a qual Elvis balançava freneticamente.

As primeiras aparições de Elvis na TV datam de 1955, mas aconteceram em programas de audiência regional e por isso não causaram nenhum grande furor. Em junho de 1956, em sua segunda apresentação no The Milton Berle Show pela rede NBC, Elvis levou ao delírio a platéia de jovens nos estúdios e deixou atônitos pais e mães que assistiam ao programa em casa. Em rede nacional, ele instintivamente colocou toda a energia dos seus 21 anos na performance de "Hound Dog", tocada no início de forma acelerada e dançante, e no final de forma bem lenta, sexy e insinuante.

Foi a gota d'água. Vozes conservadoras vindas da imprensa, de grupos religiosos e da sociedade em geral que já vinham se manifestando contra o rock & roll, aumentaram o tom das críticas ao jovem cantor do Mississipi. Além de trazer a música dos negros aos lares americanos, acusavam-no de ser imoral, um mau exemplo para a juventude e um perigo para as recatadas filhas de família do american way of life.

O movimento anti-Elvis crescia na mesma proporção da fama do rapaz de topete e costeletas que se vestia e dançava de maneira espalhafatosa, culminando com a censura imposta a ele em sua terceira apresentação no programa The Ed Sullivan Show, pela rede CBS em janeiro de 1957, então o programa de televisão de maior audiência nos Estados Unidos. A Censura Federal determinou que Elvis fosse filmado apenas da cintura para cima, para proteger os olhares de milhares de famílias americanas de seus rebolados indecentes. O enquadramento das câmeras persistiu até mesmo quando ele cantou a comportada "Peace in the Valley", um tradicional sucesso gospel. Era uma tentativa de conter o avanço dessa força da natureza chamada Elvis, mas já era tarde demais. Mostrava-se mais como uma censura oportunista porque coincidia com o excelente momento na carreira pela qual o cantor passava, e inútil porque produziu um efeito contrário ao que se esperava, servindo somente para aumentar ainda mais a sua popularidade.

O próprio Ed Sullivan, uma das personalidades mais influentes da TV naquela época, havia dito que jamais traria alguém como Elvis para se apresentar em seu programa, mas se rendeu ao seu poder quando viu os recordes de audiência alcançados pelos programas de seus rivais Milton Berle e Steve Allen, quando o furacão passou por aqueles lados em junho e julho de 1956. Terminada a apresentação, outra maneira que Ed Sullivan encontrou para se redimir foi dirigir-se a Elvis, cumprimentá-lo e dizer a todos na platéia e em casa: "Este é um rapaz decente e bom". Ao agir desse modo, o astuto Ed Sullivan talvez tenha pensado naquele conhecido lema: "Se você não pode vencê-los, junte-se a eles".

Neste dia 13 de julho, quando celebramos o dia mundial do rock, devemos nos lembrar de dar um muito obrigado a Alan Freed, Elvis Presley, Ed Sullivan, Sam Phillips, Chuck Berry, Little Richard, Bill Haley, Gene Vincent, Jerry Lee Lewis, Johnny Cash, Carl Perkins, Buddy Holly, Eddie Cochran, Bo Didley e a tantos outros pioneiros cujos nomes não caberiam aqui. Sem eles, hoje não poderíamos estar curtindo o bom e velho rock & roll.


Postado por Fábio Deodato
Em 13/7/2006 às 12h45


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caminhos para Roma de Celso A. Uequed Pitol
02. FHC fala de Julio Daio Borges
03. Lineker fala de Julio Daio Borges
04. Gatos, Cães & Congelador de Ricardo de Mattos
05. García Márquez no Digestivo de Julio Daio Borges


Mais Fábio Deodato no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2006
22h45min
Uma bela aula de história do rock'n'roll, sobre o Rei no gênero, no mais apropriado dia do ano: o Dia Mundial do Rock! Porque isso é rock'n'roll de verdade, e não o que vemos hoje por ai. Qualquer coisa é denominada rock atualmente, e isso faz perder o sentido de sua real importância. O Fabio conseguiu resgatar este sentimento novamente. Feliz Dia do Rock'n'Roll a todos!
[Leia outros Comentários de Tatiana Cavalcanti]
15/7/2006
03h00min
O corpo tem suas razões. Elvis foi um fenômeno da expressão corporal. Foi o primeiro a usar não só a voz, gestos, rosto enquanto cantava, mas sim o corpo todo - e o rock fica devendo isso a ele. A coreografia de Elvis - se é que pode ser assim chamada - era demoníaca. Ainda é. Não era só uma questão de requebros ou passes. Era uma coisa animal, incrivelmente charmosa. Gerou milhões de imitadores. Perto dele um sujeito como Michael Jackson, com sua dança muito mais elaborada e precisa, fica parecendo um boneco de corda. Elvis e James Dean detonaram a postura corporal americana típica até então. Uma verdadeira malta de rapagões com seus topetes, blusões com a gola levantada, queixos enterrados no peito e olhares raspando pelas sombrancelhas invadiu os EUA. Temos, hoje, esse gestual de lavador de carro, do rap, hip-hop, sei lá. Me lembra aquelas cenas do cinema quando a câmera se afasta de uma multidão furiosa. Todos iguais e furiosos na multidão. E a câmera, nosso olho, se afasta.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
16/7/2006
09h24min
É isso mesmo! Belo texto sobre o rei, mas vale ressaltar que seu trono poderia ter sido ocupado antes pelos negros, os verdadeiros pais do gênero, ou mesmo por Bill Haley, que era branco mas não tinha o sex appeal de Elvis. Por que não foi? Exatamente por força da resistência social da época. Trocando em miúdos: Elvis tinha estampa e o mercado fonográfico viu nele uma oportunidade ímpar de fazer fortuna.
[Leia outros Comentários de Alessandro Meirelles]
1/8/2006
08h52min
Obrigada, Fabio, pelo belo texto. Eu, como fã do rei Elvis Presley, tenho que agradecer pelo respeito com que falou do rock e de Elvis... Me canso dos textos que só falam de Elvis gordo e drogado. Precisamoos parar de falar de assuntos que não entendemos e vc se mostrou um verdadeiro conhecedor de rock & roll. Dia 16/08 é aniver de morte do Rei, quem sabe vc escreve mais um lindo texto sobre esta perda dolorosa que tivemos... Um grande abraço. Elis Presley.
[Leia outros Comentários de Elis]
3/8/2006
13h45min
Meu nome é Elvis. Não é a toa. Meu pai me presenteou com o nome do homem que foi, é e sempre será a referência maior do rock. Sejamos honestos: Elvis era bom mesmo. Cantava muito bem e tinha consigo um grande magnetismo. Até mesmo os Beatles declararam um vez que sem Elvis nada teria acontecido. Então, viva Elvis: o rei eterno do rock!
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
17/8/2006
20h54min
Concordo com todos os textos acima, gostaria de saber se nesta semana haverá algum especial do Rei...
[Leia outros Comentários de ronaldo eduardo goes]
15/9/2008
15h46min
Parabéns pelo excelente texto. É, sem sombra de dúvida, uma aula de história para leigos e adoradores do rock.
[Leia outros Comentários de alberto quirino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MESSIAS
BORIS STARLING
BERTRAND
(2009)
R$ 45,00



TORQUE EM UNIDADES DE BOMBEIO MECÂNICO
ABEL CAVALCANTE LIMA FILHO, FRANCISCO ANTÔNIO BELO UND RUAN DELGADO GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



MOJO - COMO CONSEGUIR , COMO MANTER E COMO RECONQUISTAR O QUE VOCÊ
MARSHALL GOLDSMITH - MARK REITER
NOSSA CULTURA
(2011)
R$ 14,90



A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
HUDINILSON KENDY DE LIMA YAMAGUCHI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



HISTÓRIAS DE TIA NASTÁCIA - MONTEIRO LOBATO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1950)
R$ 4,50



AS AVENTURAS DO SR. PICKWICK - VOLUMES I E II
CHARLES DICKENS
ABRIL CULTURAL
(1982)
R$ 9,90



O ESTUDANTE
ADELAIDE CARRARO
GLOBAL
(1989)
R$ 10,00



RETRATO DE UM ARTISTA QUANDO MORTO
OMAR FERNANDES
GIOSTRI
(2014)
R$ 20,00



BRIM AZUL - A HISTÓRIA DE UMA CALÇA
SÉRGIO PALMIRO
ATUAL
(1989)
R$ 4,25



ON HAPPY CHIC COLORS
JONATHAN ADLER
STERLING INNOVATION
(2010)
R$ 45,00





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês