Violência sexual no cinema | Blog do Carvalhal

busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 13/6/2015
Violência sexual no cinema
Guilherme Carvalhal

+ de 1000 Acessos

A série Game of Thrones recentemente foi alvo de uma série de críticas devido às cenas de violência sexual. As críticas pontuam o problema moral de apresentar em um veículo tão disseminado entre as pessoas o estupro justificado como arte, seja por questões estéticas, seja por reproduzir um comportamento que é comum em tempos de guerra, principalmente quando se fala em uma sociedade em que os valores são diferentes dos atuais.
Mostrar mulheres violadas não é uma novidade no cinema. Das cenas assim, duas são bastantes emblemáticas, uma no filme Sob o Domínio do Medo e outra em Irreversível. São dois filmes polêmicos produzidos por cineastas que costumam abordar temas pouco palatáveis em seus trabalho e que foram alvos de muitas críticas.

Sob o Domínio do Medo é uma obra de Sam Peckinpah. Esse diretor tem como característica uma espécie de aversão ao ser humano, mostrando-o sempre em seu pior lado, no qual a violência é sempre um aspecto principal. A trama do filme retrata o casal David (Dustin Hoffman) e Amy (Susan George), que está se mudando para a cidade natal dela. Chegando ao local, o casal se depara com os amigos de Amy, incluindo um ex-namorado, e começa a ser vítima de atos de violência que vão crescendo até a total agressão. E nesse meio Amy acaba sendo violentada pelos moradores da cidade.

Essa cena provoca muita revolta por aparentemente Amy gostar do ataque, expressando cara de prazer em determinados momentos. David é mostrado sempre como um homem fraco e dúbio, nunca se defendendo das pequenas violências que recebe. Já os moradores locais representam esteriótipos mais brutos. Então Amy encontraria prazer no contraponto ao marido que possui. A maneira como o casal é mostrado tem por intuito gerar tal impressão no espectador.

Sob o Domínio do Medo não é um filme especificamente sobre a violência sexual e nem sobre Amy. O personagem principal é David, que de pessoa frágil vai se insuflando até confrontar todos os moradores, em uma longa cena de violência ao final. Amy então é exposta como histérica e incapaz de suportar pressão emocional, o que aumenta ainda mais o coro de críticas contra o filme. Afinal de contas, para demonstrar a escalada de David de pessoa comum até uma espécie de herói foi realmente preciso mostrar sua esposa sendo violentada e reduzida ao mais patético estágio?

Em Irreversível, obra de Gaspar Noé, a premissa tem sua semelhanças. A obra, contada de traz para frente e com uma fotografia espetacular, mostra o triângulo amoroso entre Alex (Monica Bellucci), Marcus (Vincent Cassel) e Pierre (Albert Dupontel). Os dois disputam o amor de Alex, mostrado em pequenas cenas do cotidiano, com predileção dela por Marcus. O ápice do filme é a longa cena de estupro (cerca de 15 minutos) com direito a muito espancamento e xingamentos em um beco escuro. Os dois descobrem o que houve e partem em uma busca no submundo atrás do bandido.

Gaspar Noé é um diretor sem medos e sem papas. Ele mostra violência com realismo e sem maiores preocupações, tanto é que Irreversível foi vaiado no Festival de Cannes. Novamente a mulher violada faz parte da escalada de violência por parte do homem, esse representado como seu protetor. A diferença é que enquanto em Sob o Domínio do Medo o estupro é um detalhe, em Irreversível ele é parte indispensável da obra, sendo o ponto de ruptura dos outros dois personagens com sua tranquilidade e vida pacata. Tanto é que Pierre, mostrado como mais contido e tímido, destrói a cabeça de um cara com um extintor de incêndio (e o diretor mostra a cena com detalhes).

Além esses dois filmes mais fortes e polêmicos, em muitos outros se pode notar o estupro como parte da história. Em Ensaio Sobre a Cegueira há a cena em que as mulheres precisam se deitar com homens em troca de comida. A cena faz parte de um todo maior, que é a barbárie em que o mundo entra após a epidemia de cegueira surgir. Os valores sociais se perdem e assim a violência sexual acaba acontecendo. Nesse caso o estupro não tende a ser encarado como mera exposição ou evento simplório, mas como parte integrante da história.

Um outro filme que também aborda a questão da violência sexual é o filme Duas Mulheres, de Vittorio De Sica, adaptado do livro homônimo de Alberto Moravia. Essa obra retrata mãe e filha fugindo dos bombardeios na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. Um dos pontos nessa fuga é quando são encontradas por soldados marroquinos e estupradas por eles. O filme não mostra cenas, mas deixa bem claro o que aconteceu.

Nesse caso, existem outras abordagens além da violência sexual em si. Existe um clima de guerra reinante, no qual as ordens sociais vigentes não valem mais, o que abre espaço para que aconteçam agressões de todo tipo. Um ponto crucial é o fato de uma criança ser violentada. Outro, é a especificação de serem soldados marroquinos os autores da violência. Dificilmente alguém encontra referências em algum filme de soldados desse país participando da Segunda Guerra Mundial, e quando ela ocorre é justamente em uma cena de estupro coletivo. Isso pode sugerir algum tipo de preconceito colonial, mostrando no marroquino a figura do bárbaro (se é que isso seria válido diante das tragédias do nazismo).

A lista de outros filmes é enorme. Para lembrar alguns pode-se citar Meninos não choram, Preciosa, e até Laranja Mecânica, no qual o estupro faz parte da personalidade extremamente violenta do personagem principal.

Olhando na outra ponta, é preciso pensar também nos filmes nos quais homens são vítimas de violência sexual. Alguns que vem à memória são A Outra História Americana, Um Sonho de Liberdade e Toda Nudez Será Castigada. Em duas séries de TV aparecem situações desse tipo de violência, Oz e Sons of Anarchy. Em todos esses casos a violência sexual acontece dentro de prisões. Ou seja, as regras são outras e as relações sexuais não seguem a mesma orientação heterossexual do ambiente externo. Além disso há o fator punição, como se passar por esse tipo de agressão fosse parte da tragédia pessoal vivida por cada um dos personagens.

Em Má Educação, Pedro Almodóvar aborda a história de um garoto violentado por um padre dentro de uma escola religiosa. O filme pega o gancho das muitas denúncias de pedofilia contra parte do clero católico e acaba sendo uma certa denúncia social, mesmo com as cores que o diretor espanhol dá para seus filmes. Em semelhança com os filmes já citados, existe o fator da instituição repressora (nesse caso, a escola) que deixa a vítima cerceada de ferramentas de defesa e não há alternativa exceto submeter-se.

Amargo Pesadelo aborda o homem sendo violentado sexualmente de maneira diversa, apesar de manter semelhanças com os demais filmes. Sua trama mostra um grupo de amigos que viaja para a zona rural dos Estados Unidos para praticar canoagem. Em meio aos conflitos com os moradores locais, um deles é violentado. Aqui, as vítimas se encontram fora de seu reduto (como na prisão e na escola) e o ataque tem caráter de alteridade (como em Duas Mulheres). É o outro incivilizado quem comete a agressão. O adendo é o caráter punitivo contra o estuprador, que é morto por um dos viajantes, o que não ocorreria tão facilmente no ambiente repressor.

É emblemático também o filme Saló ou Os 120 Dias de Sodoma, de Pier Paolo Pasolini. Esse filme é bizarro e extremamente polêmico, chegando a ser proibido em alguns lugares na época de seu lançamento. Aqui a violência sexual é plenamente descontrolada, atingindo a todo sem distinção de sexo. A história mostra uma Itália controlada pelos nazista onde quatro senhores forçam 16 jovens de ambos os sexos a passar por uma série de práticas sexuais pouco apropriadas a serem vistas por quem tem estômago fraco.

Pasolini é um dos cineastas mais livres que já existiram, não tendo nenhum receio em jogar o lado negativo do ser humano da maneira mais crua. Esse filme não é uma mera demonstração de violência, mas um refletir sobre a maldade sem nenhum tipo de pudor. É escrachado e forte, mas seu choque visa algum tipo de reflexão.

Violência sempre fez parte das artes. O cânone da literatura ocidental, a Ilíada, é uma história de violência. O cinema, com seu impacto visual, leva a abordagem a um outro patamar. Ele envolve as pessoas de uma forma diferente e justamente por isso se questiona qual impacto causado ao mostrar cenas assim.

A violência sexual é um crime grave e é válido pensar seu uso em caráter estético. Da mesma maneira, arte é o espaço para a livre criação, então não pode haver barreiras ao que se mostra. É um debate importante e que aos poucos precisa ser mais e mais amadurecido, por um lado para que a violência sexual não seja encarada como algo banal e por outro para evitar qualquer medida de censura contra a arte.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 13/6/2015 às 17h09


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARQUITETURA: FORMA, ESPAÇO E ORDEM
FRANCIS D. K. CHING
BOOKMAN
(2013)
R$ 70,00



BREVIÁRIO DA BAHIA
AFRANIO PEIXOTO
AGIR
(1945)
R$ 49,57
+ frete grátis



NOTAS MUSICAIS - DO BARROCO AO JAZZ
ARTHUR NESTROVSKI
PUBLIFOLHA
(2000)
R$ 13,41



EDUCAÇÃO ESCOLAR POLÍTICAS, ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO
JOSÉ CARLOS LIBÂNO
CORTEZ
(2016)
R$ 40,00



HOMILETISCHE NORTOGE
DR. MATTHIAS EBERHARD
ERIER
(1882)
R$ 600,00



CAPITU - MEMÓRIAS PÓSTUMAS
DOMÍCIO PROENÇA FILHO
ARTIUM
(1998)
R$ 26,49



AS AVENTURAS DE COSMO, O DODÔ DO ESPAÇO - EM BUSCA DA JOIA
RAC PAT
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 15,00



CURSO BÁSICO DE QUIMICA VOL. 1 - QUÍMICA GERAL
RICARDO FELTRE
MODERNA
(1985)
R$ 7,00



A IDENTIDADE PORTUGUESA
JOSÉ M. AMADO MENDES E JOÃO LUÍS FERNANDES
COIMBRA
(1999)
R$ 20,70



CANTEIROS DE SATURNO
ANA MARIA MACHADO
NOVA FRONTEIRA
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês