O Banco | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 17/7/2015
O Banco
Raul Almeida

+ de 600 Acessos

Aproveitei a visita ao oftalmologista ali na Av. Almirante Barroso e, lá fui ver se o meu amigo já havia chegado ao seu escritório de calçada, a mesa do bar na rua São José.

E lá estava ele apesar do calor siderúrgico que a brisa pouco ou nada conseguia amainar. O mesmo jeito de sentar, o maço de cigarros sobre a mesa e o velho Zippo servindo de escolta.

- Então não falhas mesmo, né?

- Pouco se tem a fazer quando a aposentadoria está sendo depositada no terceiro dia útil do mês, os alugueis entrando sem problemas e a poupança escorrendo a tempo de acabarmos juntos, respondeu abrindo um sorriso e um estica-braço para o forte aperto de mão.

Eu desdobrei as salas da firma e ficou mais fácil de alugar. Acho que você nem chegou a conhecer. Saiu um advogado velho, eu, e entraram, um advogado de primeira banca numa parte, e na outra um escritório de contabilidade em fase de prosperidade. Assim, vou levando a vida sem pensar muito nas contas.

- E a poupança que "escorre a tempo", como é essa historia?

Veja bem, a gente não sabe quando nem quanto vai deixar para trás. O melhor é estabelecer um padrão para o encolhimento dos ativos, antes que seja suficiente para suscitar a cobiça, a ganância e o afastamento entre os herdeiros que, no meu caso, são os filhos.

- Bem, e se a coisa complicar, a poupança começar a ir mais depressa do que planejado... Essas coisas. Como é que fica?

Vende-se o fixo, as salas. Encolhem-se as despesas, suspendem-se os remédios e se dá uma ajudinha ao barqueiro!

- Está falando do Queronte, o barqueiro do inferno?

Poderia ser do Constantino, dono de uma funerária, que conheci durante a despedida de um amigo.

E o que é que tomas? O chope de sempre. Vamos ao "café com leite"*. Faz tempo que não faço uma dobradinha.

- Com esse calor não se discute: Chope e pode trazer dois, pois o primeiro vai morrer de um gole. O amendoim fica pro final.

Assim começamos mais uma daquelas tertúlias vesperais, passando por uma reflexão fúnebre sem grandes cerimônias ou tristezas.

-Tem chovido uma barbaridade lá pros lados do sul. Quantidades absurdas d'água inundam bairros inteiros, tudo para. Uma calamidade.

Pois é, a gente acaba tendo que refletir sobre tanta coisa. Veja que drama esse do Haiti, a primeira colônia a chutar os traseiros dos europeus, o primeiro país "livre" das Américas, etc e tal. Então, o grande líder, se coroa imperador, monta um estado absolutista, e mantém o povo embaixo de seus caprichos e ambições.

-É, a independência do Haiti foi um acontecimento formidável. Dizem que o Conde Afonso Celso aconselhou a D. Pedro I, importar alguns milhares de colonos brancos, para equilibrar por aqui, e evitar que um movimento igual pudesse ter êxito. Aí chegaram os primeiros alemães, suíços, russos, etc., muito antes dos italianos e espanhóis...

E a montanha de dinheiro, comida, remédios etc., que vai para os necessitados do mundo, partindo de tudo quanto e lugar. Olha, o Brasil recebe containeres cheios de roupas e calçados seminovos, para serem distribuídos aos "pobres".

A maior parte dessa "ajuda" vai parar em brechós, vendedores de roupa usada, etc. E quem compra não tem nada de pobrinho, coitadinho, excluidinho.

As organizações que movimentam tais cargas tem a capa de beneficentes, religiosas, pias, caridosas e quejandos tais... Os preços são camaradas, baratinho mesmo. Mas é bem que nada custou, nada paga, circula, e ninguém diz nada. Nem nota. Eta povo discreto.

- Não entendo certas coisas e, a essa altura da vida, não quero mais entender.

Veja os "fóruns democráticos" que acontecem de vez em quando, em várias cidades do País. Festanças com tudo que é maluco, com todas as vertentes de qualquer coisa "manifestando", mobilizando, gritando palavras de ordem, discutindo o que nunca leram, apresentando soluções para problemas que não conseguem enunciar.

Péra aí! Vai dizer que se você tivesse menos quarenta anos não estaria por lá. Que perderia o momento cheio de oportunidades para uma ou varias noites de esbornia politizada e participativa, do tipo que vimos lá pra trás, com muito mais liberalidade, muita bebida, e o que for. As feias, loucas para descobrir as delicias dos movimentos sociais a dois, de lado, encima, em baixo, em pé, canguru perneta, carrinho de mão...

-O calor não está fácil, vamos pedir mais chope por que se não, não vai dar.

Você está impossível, já aprovisionou para o barqueiro do rio do inferno, já comprou artigos de grife no brechó, agora está dissecando o paraíso dos anos 60, redivivo e mais fraterno.

-Pois é. Escuta só essa:

Respirei fundo, pedi licença para dar uma chegada lá nos fundos e aliviar a entrepernas. Fiquei pensando na velocidade em que abordáramos o universo das desigualdades, calamidades e patifarias, e me preparei para a nova chamada que ficou no ar.

-Então Vamos lá! Qual é a nova?

- Li numa revista de amenidades, aquelas em que as pessoas pagam para aparecer em fotos produzidas ao lado de gente "famosa".

- Ah, sei como é. Amenidades? Gostei.

- Então, um desses árabes afogados em petróleo, financiador e acionista de vários bancos na Europa e nos Estados Unidos, foi para Davos, como observador. Seguiu a rotina dos trabalhos, cumprimentou, foi cumprimentado, desviou dos que não interessava, fingiu que não viu aqui e ali, disfarçou, saiu bem na foto da Forbes, etc.

Igualmente, por lá estava uma moça vista com certa freqüência, ora no emirado, ora no barco fundeado em Ibiza, ou durante as visitas do príncipe a Paris. Mas dessa vez apareceu fora da entourage do mouro, acompanhada apenas de uma conhecida.

A mulher não tinha nada de celebridade a não ser a beleza e elegância ao vestir-se e mover-se, mais o charme e distanciamento de quantos procuravam um olhar, um aceno ou, sei lá o que.

Manteve a majestade até o ultimo dia, quando, finalmente e depois de muito insistir com um dos secretários do todo poderoso, conseguiu uma audiência.
E, apesar de não ter ocorrido nenhuma indiscrição, Sua Alteza não gostou nada de vê-la em quadrante tão impróprio,. Ainda assim, concordou em recebe-la contanto que as aparências fossem preservadas.

Ela deveria vir precedida de sua secretária, a um dos escritórios de aluguel do mais famoso e caro hotel da cidade onde ele despachava, com hora marcada, durante o dia. Um encontro de negócios, apenas quinze minutos, como qualquer grande executivo de empresa.

A reunião não durou mais do que um terço do previsto. A mulher entrou, foi recebida com espanto contido e palavras escolhidas.

O mecenas não estava entendendo nada. A presença dela estava causando embaraço e desagrado. Os cartões de credito estavam ativos e bem fornidos, o apartamento de Paris tinha sido reformado a poucas semanas e logo a vila de Ibiza seria desocupada dos primos e amigos. Ah, o "chateau" de Biaritz também estava pronto. O que estava acontecendo?

A mulher não estava ali para reclamar nada, senão porque naquela tarde, no dia em que comprara o palacete na Cote d'Azur, aconteceu a promessa de um banco e ela pensou que seria muito mais fácil estar presente, no momento das escrituras.

Desde aquela tarde primaveril em Biaritz, não pensava em outra coisa. Já tinha feito dois cursos de informática, queria fazer um curso de contabilidade, economia e finanças. Tinha folhetos dos melhores produtos em MBA para executivos financeiros. Estava tão animada que não quis esperar. Pegou logo o avião.

O príncipe sorriu com delicadeza, disse que já o comprara em Veneza, a mais tradicional e histórica cidade bancaria do mundo... Que ela voltasse para Paris. Ele logo a chamaria.

A mulher não entendeu muito bem, mas não importava se era um banco italiano ou suíço. Era um banco!

Ele chamou o secretário para confirmar se o objeto já estava nos jardins do chateau, finalizando com instruções para mantê-la bem longe por uns dois meses, e depois cancelar todos os cartões de credito.

- O que?

- Pois é, esse pessoal dessas revistas de fofocas e babados aparece com cada uma, né? Descobrem cada assunto...

Outra vez meu amigo me deixava atônito. Sería a famosa loura? Pensei com meus botões.

Logo em seguida aos dois cafés com leite, os chopes e uma porção de pasteis, chamamos a conta.

Que historia mais doida, pensei olhando para os apressados transeuntes.

Despedi-me com o tradicional abraço e sai caminhando em direção as barcas.

RA

*batida de amendoim


Postado por Raul Almeida
Em 17/7/2015 às 14h32


Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVUM ORGANUM OU VERDADEIRAS INDICAÇÕES ACERCA DA INTERPRETAÇÃO DA ...
FRANCIS BACON
ABRIL
(1973)
R$ 20,00



AS JÓIAS DO REI PELÉ
CELSO DE CAMPOS JUNIOR
REALEJO
R$ 150,00



NUEVA VISIÓN DE LA HISTORIA DEL CRISTIANISMO VOL 2
BERNARDINHO LLORCA
LABOR
(1956)
R$ 148,78



X-O MANOWAR 2°
VALIANT
HQM
(2013)
R$ 20,00



COMO FAZER ACONTECER. COM. BR
JULIO RIBEIRO
CEA
(1998)
R$ 5,50



FORSCHUNG AKTUELL - ENERGIEQUELLEN FÜR MORGEN
HANS MATTHOFER
UMSCHAU
(1976)
R$ 60,00



TRANSFORMANDO O FUTURO
ONIG SAKARYAN
SWARAMADRA
(2000)
R$ 12,00



MANUAL DE CARDIOLOGIA
RULLIÈRE R.
MASSON DO BRASIL
(1980)
R$ 14,97



TURISMO: COMO APRENDER, COMO ENSINAR - VOL. 1
LUIZ GONZAGA GODOI TRIGO (ORGANIZADOR)
SENAC
(2003)
R$ 80,00



VIAGEM AO BRASIL 1865 - 1866
LUIZ AGASSIZ E ELISABETH CARY AGASSIZ
COMPANHIA NACIONAL
(1938)
R$ 40,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês