Imprudência | Blog de Angélica Amâncio

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 15/8/2015
Imprudência
Angélica Amâncio

+ de 2300 Acessos

Vítor foi meu primeiro namorado, além de uma das pessoas mais adoráveis que já conheci. Com ele é que fui aos dois primeiros shows de rock da minha vida, ambos do Angra, banda brasileira que eu venerava na adolescência. Cada um dos concertos foi uma aventura à parte, mas o segundo teve mais adrenalina.
Era um sábado à tarde quando nós três - ele, meu irmão e eu - pegamos o ônibus de Três Corações para Varginha, onde encontraríamos o grupo com que iríamos em excursão para Pouso Alegre.
No caminho, da janela do ônibus, porém, o Vítor cismou ter visto a van que nos levaria ao espetáculo passar em sentido contrário ao nosso. Imediatamente, pedimos ao motorista para parar e descemos ali, no meio da estrada, sem absolutamente nenhum plano em mente. Pode parecer estranho, meus amigos, mas, naquela época, quase ninguém tinha celular e muito menos aplicativos que chamassem um táxi. Pasmem: nem Uber existia naqueles tempos.
O que já haviam inventado era o polegar e seu dom de pedir caronas. Foi o que fizemos, apavorados com a possibilidade de sermos deixados para trás, esquecidos naquela estrada deserta, longe demais das capitais e do concerto do Angra. Não sei dizer quanto tempo ficamos ali, mas, em dado momento, um homem parou para nós. (Parênteses: eu dava aula de Inglês em uma escola infantil, e o filho desse homem era um dos meus alunos preferidos, um menino de cabelo preto e olhos tristes, que havia perdido a mãe no ano anterior.) Ao ouvir a nossa história de desespero juvenil, ele decidiu nos ajudar a não perder o sonhado show em Pouso Alegre: saiu em alta velocidade até encontrarmos a van que, talvez, quem sabe, fosse a van que o Vítor tinha visto. Perseguimos o veículo, que estava mesmo cheio de pessoas vestidas de preto, mas que de Angra só conheciam a dos Reis - que, podia, quando muito, ser aquela balada da Legião Urbana. Elas devem ter ficado muito assustadas no momento em que nosso motorista-salvador cortou o carro deles para que pudéssemos nos certificar daquilo de que já tínhamos quase certeza: não era, definitivamente, a van da excursão.
O cara ainda fez a gentileza de retornar e percorrer novamente metade do trajeto para nos deixar no posto de gasolina mais próximo. Dali, o Vítor pôde telefonar, de um orelhão, para um dos únicos celulares existentes no sul de Minas, que era justamente o da amiga dele que organizara a excursão. O grupo sequer havia saído de Varginha, pois esperavam os três últimos passageiros, que ainda não tinham chegado de Três Corações... Encontraram-nos no posto de gasolina e pudemos seguir viagem. Houve mais aventura nesse dia, que contarei em outra oportunidade, para não perder o foco deste relato.
Ontem, no Mangabeiras, por volta das 13h30, eu saía do trabalho para dar uma aula - ou seja, saía do trabalho para ir trabalhar -, quando um taxista parou repentinamente à minha frente, no meio da rua, e perguntou: "Você está indo para a Avenida Bandeirantes? Quer uma carona, menina?" Antes que ele terminasse a segunda pergunta, eu já estava sentada no banco da frente, prendendo o cinto de segurança. Ele se espantou: "As mulheres em geral têm medo, mas..." Eu o interrompi: "Estou atrasada demais para ter medo, moço." E fui explicando que pegaria o 4108 na Praça da Bandeira, porque, teoricamente, em dez minutos, teria que estar no Funcionários. Fomos conversando, e eu já me preparava para lhe entregar uma contribuição financeira pela ajuda, quando ele avistou meu ônibus estacionado no ponto. "Seu ônibus, moça!!" Respondi, desanimada: "Não tem problema. Eu pego o próximo. Chego atrasada..." Ele acelerou: "Não, de jeito nenhum. Você vai pegar esse." Cortou o ônibus, buzinou, e o motorista, que já dava a partida, parou e abriu a porta para mim. Ainda deu tempo de acenar para o Sr. Geraldo - esse era o nome dele -, que me sorria de dentro do táxi, todo contente.
Sei que muitos anos e centenas de quilômetros separam as duas histórias. Mas fico feliz por continuar encontrando pessoas boas e motoristas imprudentes pelo meu caminho.
(14 de agosto de 2015).


Postado por Angélica Amâncio
Em 15/8/2015 às 08h03


Mais Blog de Angélica Amâncio
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magia da Comunicação
Dr. Lair Ribeiro
Leitura
(2002)



Você e a Eternidade
Lobsang Rampa
Record
(1965)



Farsantes & Fantasmas
Antonio Carlos Olivieri
Record
(2012)



O Pergaminho de Masada
Paul Block & Robert Vaughan
Novo Conceito
(2007)



Memorial de Maria Moura
Rachel de Queiroz
Mediafashion
(2008)



Daughters of Castle Deverill
Santa Montefiore
Simon & Schuster
(2016)



Ecos do Nada - Autografado
Izabel Fabiano Salles
Atena
(1963)



Descartes: Obras Escolhidas - 1ª Edição
J. Guinsburg (org.)
Perspectiva
(2010)



Psicologia Aplicada á Administração
Maria Aparecida Ferreira de Aguiar
Consultoria
(1992)



Gestão Estratégica
Martius Rodriguez
Campus
(2005)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês