Blog de Angélica Amâncio

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
BLOGS

Sábado, 15/8/2015
Blog de Angélica Amâncio
Angélica Amâncio

 
Imprudência

Vítor foi meu primeiro namorado, além de uma das pessoas mais adoráveis que já conheci. Com ele é que fui aos dois primeiros shows de rock da minha vida, ambos do Angra, banda brasileira que eu venerava na adolescência. Cada um dos concertos foi uma aventura à parte, mas o segundo teve mais adrenalina.
Era um sábado à tarde quando nós três - ele, meu irmão e eu - pegamos o ônibus de Três Corações para Varginha, onde encontraríamos o grupo com que iríamos em excursão para Pouso Alegre.
No caminho, da janela do ônibus, porém, o Vítor cismou ter visto a van que nos levaria ao espetáculo passar em sentido contrário ao nosso. Imediatamente, pedimos ao motorista para parar e descemos ali, no meio da estrada, sem absolutamente nenhum plano em mente. Pode parecer estranho, meus amigos, mas, naquela época, quase ninguém tinha celular e muito menos aplicativos que chamassem um táxi. Pasmem: nem Uber existia naqueles tempos.
O que já haviam inventado era o polegar e seu dom de pedir caronas. Foi o que fizemos, apavorados com a possibilidade de sermos deixados para trás, esquecidos naquela estrada deserta, longe demais das capitais e do concerto do Angra. Não sei dizer quanto tempo ficamos ali, mas, em dado momento, um homem parou para nós. (Parênteses: eu dava aula de Inglês em uma escola infantil, e o filho desse homem era um dos meus alunos preferidos, um menino de cabelo preto e olhos tristes, que havia perdido a mãe no ano anterior.) Ao ouvir a nossa história de desespero juvenil, ele decidiu nos ajudar a não perder o sonhado show em Pouso Alegre: saiu em alta velocidade até encontrarmos a van que, talvez, quem sabe, fosse a van que o Vítor tinha visto. Perseguimos o veículo, que estava mesmo cheio de pessoas vestidas de preto, mas que de Angra só conheciam a dos Reis - que, podia, quando muito, ser aquela balada da Legião Urbana. Elas devem ter ficado muito assustadas no momento em que nosso motorista-salvador cortou o carro deles para que pudéssemos nos certificar daquilo de que já tínhamos quase certeza: não era, definitivamente, a van da excursão.
O cara ainda fez a gentileza de retornar e percorrer novamente metade do trajeto para nos deixar no posto de gasolina mais próximo. Dali, o Vítor pôde telefonar, de um orelhão, para um dos únicos celulares existentes no sul de Minas, que era justamente o da amiga dele que organizara a excursão. O grupo sequer havia saído de Varginha, pois esperavam os três últimos passageiros, que ainda não tinham chegado de Três Corações... Encontraram-nos no posto de gasolina e pudemos seguir viagem. Houve mais aventura nesse dia, que contarei em outra oportunidade, para não perder o foco deste relato.
Ontem, no Mangabeiras, por volta das 13h30, eu saía do trabalho para dar uma aula - ou seja, saía do trabalho para ir trabalhar -, quando um taxista parou repentinamente à minha frente, no meio da rua, e perguntou: "Você está indo para a Avenida Bandeirantes? Quer uma carona, menina?" Antes que ele terminasse a segunda pergunta, eu já estava sentada no banco da frente, prendendo o cinto de segurança. Ele se espantou: "As mulheres em geral têm medo, mas..." Eu o interrompi: "Estou atrasada demais para ter medo, moço." E fui explicando que pegaria o 4108 na Praça da Bandeira, porque, teoricamente, em dez minutos, teria que estar no Funcionários. Fomos conversando, e eu já me preparava para lhe entregar uma contribuição financeira pela ajuda, quando ele avistou meu ônibus estacionado no ponto. "Seu ônibus, moça!!" Respondi, desanimada: "Não tem problema. Eu pego o próximo. Chego atrasada..." Ele acelerou: "Não, de jeito nenhum. Você vai pegar esse." Cortou o ônibus, buzinou, e o motorista, que já dava a partida, parou e abriu a porta para mim. Ainda deu tempo de acenar para o Sr. Geraldo - esse era o nome dele -, que me sorria de dentro do táxi, todo contente.
Sei que muitos anos e centenas de quilômetros separam as duas histórias. Mas fico feliz por continuar encontrando pessoas boas e motoristas imprudentes pelo meu caminho.
(14 de agosto de 2015).

[Comente este Post]

Postado por Angélica Amâncio
15/8/2015 às 08h03

 
Até parece bullying...

Manhã de segunda-feira em Belo Horizonte. O ônibus para em uma estação do MOVE, suposto revolucionário sistema de transporte, em funcionamento na capital há cerca de um ano. As portas, milagrosamente, se abrem para a entrada e a saída dos passageiros. De dentro da estação, outra novidade: um guarda, responsável, em teoria, por impedir furtos e depredações no local.
É negro, jovem e está uniformizado. Grita, com voz ameaçadora e dedo em riste:
- Volta aqui pra você ver! Volta aqui pra você ver!
Do outro lado, já dentro do ônibus, um vendedor ambulante. Atarracado, acima do peso. Balas e pirulitos pendurados no pescoço, como um suspensório. Murmura:
- Não sou ladrão. Não tô roubando ninguém...
Sentado em um banco amarelo, um senhor na faixa dos setenta anos. Esquelético, com jeito de doente, ele olha para o vendedor e afirma:
- Isso não pode...
Chego a pensar que também ele se sente incomodado com o autoritarismo do guarda da estação. No entanto, percebendo que outro passageiro comete o deslize de olhar em sua direção, ele emenda:
- Você viu? Proibiram na Câmara... Não pode mais vender coisa dentro do ônibus.
O homem, de camisa polo verde e braços cruzados sobre o ventre inchado, questiona:
- E o que o coitado vai fazer? O cara precisa trabalhar, precisa comer... Se não pode vender a bala dele, faz o quê?
O velho não espera um segundo sequer para responder:
- Morre.

[Comente este Post]

Postado por Angélica Amâncio
8/7/2015 às 21h00

 
"Game of Thrones" (quase um "spoiler")

Alguns meses atrás, mediando um debate sobre Literatura e outras mídias em um evento acadêmico, acabei me deparando com um trabalho sobre "Game of Thrones". Eu já ouvira falar dessa série em outro momento, mas, pelo mesmo motivo por que me neguei a ler o "Senhor dos Anéis", anos antes, também não levei a sério a tal produção. Contudo, querendo entender do que os participantes falariam, resolvi assistir a um episódio, só para ver do que se tratava. Resultado: o vício, puro e simples. Devorei as quatro primeiras temporadas e agora vivo a ânsia de quem espera, semanalmente, a próxima gota.
Para quem não sabe, na série, acontece mais ou menos como fez Hitchcock em "Psicose": assassinou, no comecinho do filme, a personagem Marion Crane, interpretada por Janet Leigh, beldade que atraíra grande parte do público ao cinema. Sorte, porém, de quem ficou na sala para ver a continuidade da história, no lugar de pedir o dinheiro de volta na bilheteria. Porque descobriu que a trama ia muito além do drama da loirinha de caráter duvidoso.
"Game of Thrones" também vai muito além dos Stark, por quem nos apaixonamos já no primeiro episódio, enfeitiçados, talvez, pela voz grave do Jon Snow. Mesmo sabendo disso, ainda me surpreendo. Não com o incesto dos irmãos Lannister, nem com as cabeças que rolam, as mãos decepadas — e outros membros também. Não com a magia, os dragões, o temível inverno sempre à espreita.
O que me assusta, até hoje, em "Game of Thrones", é a capacidade que temos — nós, espectadores —, de seguirmos adiante, mesmo tendo sido mortos, violentamente, sanguinolentamente, muitos de nossos personagens favoritos. Passado o susto, o olho fechado diante do corte, damos o "play" para o próximo capítulo, acompanhando a saga de outra família, outra fera que luta pelo trono dos tronos.
Da mesma forma, surpreende como, na vida, nós também seguimos adiante, esquecendo quase completamente pessoas que nos foram, em certos momentos, tão importantes, tão queridas. Se elas nos esquecem ou, por algum motivo, se afastam, não retornam nossa chamada, nem respondem à mensagem do Whatsapp, nós simplesmente retribuímos a gentileza, com uma convicção por vezes assustadora. Parece frieza, mas é instinto de sobrevivência.
O segredo, talvez, esteja no número gitantesco de personagens inseridos na trama, personagens cujos enredos, os enigmas, as segundas intenções nos ludibriam, nos envolvem e nos movem sempre rumo ao episódio seguinte, quase indiferentes aos protagonistas de outrora.

Angélica Amâncio.
(17 de maio de 2015)

[Comente este Post]

Postado por Angélica Amâncio
19/5/2015 às 19h04

 
Como numa luta de boxe

É famosa a comparação, realizada por Julio Cortázar, do conto e do romance em relação à luta de boxe. Segundo o escritor argentino, nascido na Bélgica, o romance sempre venceria por pontos, enquanto, no conto, a vitória se daria por nocaute. Podemos refletir da mesma maneira em relação à série e ao filme. O roteirista e o diretor de uma série contam com dezenas, às vezes centenas de capítulos, nos quais devem enredar o espectador, emocionando-o, divertindo-o, assustando-o. No cinema, a conquista deve acontecer em média dentro de duas pequenas horas. A apresentação dos personagens, o conflito, as lágrimas, o grito, a catarse, o riso: tudo tem que ocorrer com rapidez e eficácia, antes que o espectador se levante da poltrona, mude de canal ou peça seu dinheiro de volta na bilheteria.
Além da duração, a série tem outra grande vantagem em relação ao filme: a curiosidade. Sherazade não inventou, mas teve a perspicácia de explorar a fraqueza humana diante daquilo que se desconhece, da resposta que falta, do desfecho que não se revela. Também o espectador pode passar mil e uma noites tentando descobrir o que vai acontecer amanhã, na semana que vem, no próximo capítulo. Esse presente fugidio, tempero que também garante o sucesso das telenovelas - como, antes, fizera com os romances de folhetim - não se adere da mesma maneira à natureza do filme. Ainda que algumas sequências se esforcem por manter intrigado o espectador, o transcorrer do tempo, a mudança da equipe, o envelhecimento dos atores acabam por gerar, quase sempre, o desinteresse ou a frustração da audiência com "a parte II" ou "III".
O frisson causado, recentemente, por "Boyhood", ("Boyhood", EUA, 2014), de Richard Linklater, associa-se a essa experiência temporal. De modo semelhante ao que faz com a conhecida trilogia "Antes do Amanhecer", "Antes do pôr-do-sol", "Antes da meia-noite", em que acompanha, em três diferentes décadas, a história de amor do casal interpretado por Julie Delpy e Ethan Rawke, Linklater volta a colocar o tempo no centro de sua obra.
Neste caso, acompanha-se toda uma família, com destaque para o garoto, Mason, interpretado por Ellar Coltrane. O processo é inegavelmente interessante, já que o diretor passou doze anos reunindo-se com a equipe para filmar algumas cenas, que gerariam um filme de mais de três horas. Em termos de intriga, tem-se o cotidiano, o trivial: uniões, separações, mudanças, altos e baixos.
O filme faz pensar em "The Wonder Years", "Os anos incríveis", série da rede americana ABC, veiculada entre 1988 e 1993, nos Estados Unidos, e transmitida, no Brasil, pela Bandeirantes, TV Cultura, Rede 21 e Multishow. Foram apenas seis temporadas, metade do tempo que Linklater passou acompanhando seus atores. Contudo, a relação que se estabelece entre o espectador e os personagens, sobretudo o protagonista, Kevin Arnolds (Fred Savage), é bastante diferente da alcançada em "Boyhood". A intensidade dos doze anos, condensados em três horas de contato, afasta-se da intimidade e do afeto que se constrói com as descobertas de um pré-adolescente nos anos 1970, narradas por sua versão adulta, episódio a episódio. O filme, assim, ganha por nocaute, enquanto a série, mais do que vencer, conquista o espectador por pontos.
Nos dois casos, contudo, tanto no de "Boyhood" quanto no de "The Wonder Years", experimenta-se o mesmo: a percepção da passagem implacável do tempo. Talvez doa menos pensar nisso vendo crianças crescerem do que descobrindo novas marcas diante do espelho. Para o tempo, no entanto, todos perdemos, todos somos nocauteados por pontos.

[Comente este Post]

Postado por Angélica Amâncio
3/3/2015 às 16h35

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bê-a-bá do Consumidor: Dicas para Compras e Reclamações
Professor Rizzato Nunes
Método - Casa do Direito
(2006)



Contos de Vista
Elisa Lucinda
Global
(2004)



Olhar Estrangeiro New York
Lenira Fleck
Território das Artes
(2007)



Sucessão Trabalhista Conseqüências Nas Relações de Emprego
Patrícia Manica Ortiz
Thomson
(2005)



Administração de Sistemas de Informação
Ivo Soares Melo
Pioneira
(1999)



Direito do Trabalho Versão Universitária
Renato Saraiva
Metodo
(2008)



O Universo de Harry Potter de A a Z
Aubrey Malone
Nova Fronteira
(2013)



Guard Your Tongue
Chofetz Chaim
Benei Yakov
(1975)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



A Voz do Coração
Suzanne Marllit
Brasileira




>>> A Lanterna Mágica
>>> BLOG DO EZEQUIEL SENA
>>> Githo Martim
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês