A Lanterna Mágica

busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Di-Glauber
>>> Corpos
>>> The safest room in the house
>>> Como escrever bem — parte 2
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
Mais Recentes
>>> Matemática 3º ano do ensino fundamental 2º série Pensar e Viver de Ana Maria Bueno - Antonieta Moreira Leite - Selma Alves de Lima pela Ática (2006)
>>> Feliz por Nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2012)
>>> Graciliano ramos- relatórios de Mario helio gomes- org pela Record /fundação cultura recife (1994)
>>> Xógum 2 vols. de James Clavell pela Nova Cultural (1986)
>>> Luiz Gonzaga o Matuto que conquistou o mundo de Gildson oliveira pela Assembleia legislativa de PE (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> Lubião de Tarcisio rodrigues pela Babecco (2010)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> O santo e a porca de Ariano Suassuna pela José olimpyo (2021)
>>> Marx - sociologia de Octavio ianni / florestan fernandes - org pela Atica (1988)
>>> A invenção do brasil de Jorge furtado e guel arraes pela Objetiva (2000)
>>> Conselhos e lembranças de Teresa De Lisieux. Santa Teresinha pela Paulus (2014)
>>> Revista Planeta 13 - Setembro 1973 - Não tenha medo dos vampiros de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Instrução geral sobre o missal romano de Congregação do Culto Divino. Frei Aberto Beckhauser pela Vozes (2005)
>>> As aventuras de Tibicuera - que são também as do Brasil de Érico Veríssimo pela Globo (1985)
>>> Annuario Pontificio - Anno 1988 de Citta del vaticano. Giovanni P II.Autores Diversos pela Citta del vaticano (1988)
>>> O Hobbit de J.R.R. Tolkien pela Martins Fontes (2003)
>>> A Saga do Marrano de Marcos Aguinis pela Scritta (1996)
>>> Explicando Arte de Jô Oliveira e Lucília Garcez pela Ediouro (2006)
>>> Vitalino o menino que virou mestre de Silvanildo Sill pela Gráfica JB (2012)
>>> Espumas Flutuantes de Castro Alves pela FTD (1997)
>>> Monitorização Respiratória: Fundamentos de João Claudio Emmerich pela Revinter (1996)
>>> Manual de Assistência Domiciliar de Valeria Maria Augusto pela Ac Farmaceutica (2013)
>>> Hipertensão Arterial - Miniatlas de Luis Raúl Lépori pela Sankyo (2004)
>>> Educação Universitária: Práxis Coletiva Em Busca de Veraz Qualidade de Pedro Bergamo pela Eduepb (2010)
BLOGS

Terça-feira, 23/3/2021
A Lanterna Mágica
Tadeu Elias Conrado

 
A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)

Vivemos dias sombrios. O "assesso" a cultura (quem não viu essa?) está cada vez mais difícil, salvo pelo streaming que nos traz aquilo que gostamos para dentro de casa. Porém, ando ausente, sinto falta da tela grande, da cadeira às vezes confortável, às vezes não. Sinto falta da ansiedade de cada festival e aquele café depois da sessão, sinto falta até das pessoas. Mas no meio dessa melancólica saudade também surgiu uma coisa boa, uma verdadeira mudança. O aluguel de uma casa nova e alguém para compartilhar. Isso me fez escavar minha coleção de DVDs e vamos assistindo, algumas vezes até transformando o filme em uma série, à nosso bel-prazer. Seguimos nos cuidando, com filmes para a cabeça, álcool em gel pro físico e amor para o todo.

Fico pensando em uma vida sem cinema. Agora, mais do que nunca, os problemas entre Cannes e Roma, de Alfonso Cuarón, um filme visto na TV não se equipara àquele que é exibido no Cinema. Gostei muito de Roma, tive oportunidade de assisti-lo nos dois formatos e estou pensando em vê-lo novamente, mas a versão de cinema é realmente algo diferente, um outro filme. Mas fomos forçados a nos acostumar com um cinema de tela pequena, como diz o ditado: quem não tem cão, caça com gato. E com gato continuamos e confesso que estou vendo surgir coisas boas, com maior facilidade de "assesso" e criando novos formatos de produção, trazendo futuros grandes cineastas a mídia.

Evito assistir a jornais, sinto falta, sempre surgia uma ou outra novidade boa. Mas o número de mortes diárias aumenta essa melancolia, se ainda colocarmos na conta o nosso desgoverno, é, fica difícil de viver. Mas como escrevi anteriormente, assim ainda caminha a humanidade. Essa situação sempre me lembra El Angel Exterminador, do Buñuel, a diferença é que ao invés de não conseguirmos sair de casa, não podemos, daí é cada um sustentando sua máscara.

Não posso dizer que não saio, preciso trabalhar, mas sinto falta daquela cerveja na sexta a noite, ainda mais nesses dias quentes. Fui ao Rio (a trabalho) e o que vi foi aquilo mesmo que ouço falar no rádio, um total descaso com a situação atual. Queria ter visitado o Rio em outras circunstâncias, durante o Festival seria a melhor escolha, se existem para esse ser coisa melhor em uma viagem além de ver bons filmes, essas são bem escassas.

Tenho preparado alguns ensaios e observações que pretendo trazer para cá em breve, farei isso como uma terapia. Mas por hora não pretendo falar de nenhum filme em específico, mas posso dizer que daqui a pouco vou fazer uma sessão de O Homem que Copiava e tenho algumas coisas interessantes sobre ele. Cuidem-se e cuidem daqueles que estão por perto. Usem álcool em gel e muita cultura para atravessarem essa distopia que vivemos e não se esqueçam que tudo isso vai passar.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
23/3/2021 às 22h16

 
O poder da história

Vivo um misto de apreensão e ansiedade. A apreensão vem da época em que vivemos, dura época. Não bastasse esse vírus que está acabando com vidas, tanto aquelas que partem como aquelas que ficam, ainda teremos uma disputa política cheia de revés. Espero que um dos casos (epidemia ou eleição) não anule o outro, prestemos atenção. A ansiedade vem da minha necessidade, desde pequeno, de ir ao cinema. Claro, não o farei até que surja uma vacina funcional, mas fica a expectativa de que isso ocorra logo.

Enquanto o dia não vem, fico entre o filmes que tenho em DVD e aqueles que são exibidos nos canais de TV. Falando nisso, gostei muito do que foi exibido em Gramado esse ano, achei Todos os Mortos (Caetano Gotardo e Marco Dutra, 2020) um filme sensacional, mas King Kong em Asunción (Camilo Cavalcante, 2020) fez por merecer o prêmio. Mas em uma retrospectiva de filmes que foram exibidos em Berlim (?), Assisti Não Estou Lá, de Todd Haynes, lançado em 2007. Gosto muito de Bob Dylan, principalmente no início de sua carreira, ver o filme, com brilhante atuação de Cate Blanchett, deu mais gosto a minha admiração.

Porém, Não Estou Lá traz uma certa melancolia. Embora aparentasse uma vida sossegada, como ele mesmo disse “um homem é um sucesso se pula da cama de manhã e vai dormir à noite, e, nesse meio tempo, faz o que gosta”, a vida Dylan sempre foi uma luta, hora contra o governo e o militarismo, outras vezes contra a sociedade. O fato é que no filme de Haynes existe um existencialismo aterrador, que tenta transmitir tudo o que o cantor passou em todos seus anos de existência, desde a sua infância até sua morte. Para aqueles que prestarem mais atenção aos detalhes, é um filme pesado, Mas essencial para quem gosta de um bom filme.

Mas como o filme é bom, deixou aquela sensação de frieza, a dita melancolia. Já sem muita esperança no mundo em que vemos (novamente!) acontecer tudo aquilo a que Dylan lutava contra, decidi seguir uma dica e assisti Wiñaypacha, filme peruano dirigido por Óscar Catacora. Esse possui um valor cultural e antropológico, apresentando um casal de idosos que vivem em uma região remota dos Andes. Uma produção sensível, que se não anima por sua história, bem escrita, porém triste, nos encanta com sua beleza de cenários e cores. Os protagonistas são em suas vidas aquilo mesmo que é mostrado pela câmera e mesmo sem saber até então o que era cinema, atuam de maneira primorosa.

Em poucas horas vivi um misto de emoções. Passei de um revolucionário a um homem sossegado do campo, um astro do folk a um traidor popular. Ainda enfrentei a solidão de uma montanha isolada e vi a magia de uma cultura que, infelizmente, morre a cinco mil metros de altura.

Isso é o que faz o cinema ser tão importante na vida de tantas pessoas. Um filme pode ser usado como um meio para muitas coisas. Pode despertar esse misto de emoções, ser usado como um protesto ou despertar a curiosidade cultural e/ou social de um povo. Uma história, se bem escrita, tem esse poder e hoje em dia descobrimos que podemos vê-la em qualquer lugar, claro que a tela grande é sempre a melhor opção, e que independente da situação, sempre vamos precisar delas.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
17/11/2020 às 07h00

 
Assim ainda caminha a humanidade

Lá em 1956, George Stevens lançava um dos maiores clássicos de sua carreira. Carreira essa interessante, onde figuram filmes como Um Lugar ao Sol (1951) e Os Brutos Também Amam (1953). Giant (Assim Caminha a Humanidade, no Brasil) é uma adaptação do best seller homônimo de Edna Ferber, do qual Stevens teve um grande trabalho para comprar os direitos, mesmo antes do livro ficar famoso. Assim como nos outros dois filmes mencionados, o diretor trabalha a visão comportamental do cidadão norte americano da época, o que sempre causou problemas tanto para ele, quanto para a autora do livro. Podemos dizer que os texanos ficaram ultrajados vendo todo o seu machismo e racismo sendo expostos para o mundo inteiro.

A narrativa percorre três gerações de uma família texana tradicional. Começando com Bick (Rock Hudson) que vai até o leste do país para comprar um cavalo reprodutor e acaba voltando casado com Leslie (Elizabeth Taylor), uma mulher sensível para os parâmetros de sua terra, mas que aprende rápido e se torna tão dura como os texanos, isso sem perder sua amabilidade. Taylor está sensacional em cena, sua personagem é uma mulher decidida e que sempre levanta questões conservadoras, sempre mostrando que embora estivesse casada, era uma mulher independente e dona de si.

O lado oposto de sua personalidade é Luz (Mercedes McCambridge), irmã de Bick, Luz é uma solteirona, feita aos moldes sulistas, daquelas que toca o gado e colhe a plantação. É interessante ver a diferença dessas duas personagens em relação a ideia que a história traz, como uma quebra de tabu, isso lá nos anos 1950.

Entre o casal está um personagem que se tornou um ícone do cinema, Jett Rink. Interpretado por James Dean, o personagem tem um papel importante na vida do casal e como um personagem na crítica que o diretor procura apresentar. Rink é um empregado diferente dos outros, embora trabalhe para Bick, é um dos poucos que é texano. Sua vida não é fácil, o que lhe garante o emprego é o carinho que Luz tem por ele. Esse carinho vira um pequeno pedaço de terra, que Luz deixa para o rapaz depois que morre, decorrente a um acidente de cavalo. Rink encontra petróleo e, a partir daí, passa a ser uma pedra no sapato de Bick.

Quando falamos sobre Assim Caminha a Humanidade, precisamos falar sobre a cena em que o juiz da região vai apresentar o testamento de Luz. Os homens mais importantes estão reunidos, todos para convencerem Jett a aceitar o dinheiro que equivale ao dobro do valor do terreno. Mas em uma das cenas mais memoráveis de James Dean, quiçá do cinema, ele recusa e vai embora.

Com essa narração genérica, muitas coisas acontecem nesse meio tempo e posteriormente, mas posso dizer que assim ainda caminha a humanidade. No filme, vemos todos esses problemas sociais, que podem ser associados a cultura do lugar/época, mas tudo evolui e sempre esperamos que seja para melhor. Isso acontece no decorrer da história de Ferber, Bick só passa a ser herói, aos olhos de Leslie, quando se levanta e discute, briga e apanha de um cozinheiro de lanchonete, racista.

Porém, 68 anos depois (o livro foi lançado em 1952), vivemos um retrocesso e parece que nada aprendemos com o passado. O mundo continua tão duro para aqueles que buscam acabar com esses problemas sociais quanto era naquele Texas. Isso faz parecer que estamos parados no tempo, estagnados. Mesmo com tantas Leslies atuando fortemente por mudanças, raramente temos Bicks dispostos a aprenderem que nem tudo é o que era e que não precisam ser.

Enquanto vejo o fascismo covardemente no sopé da porta, imagino se seria possível convidá-los para assistir uma cena ou outra de Assim Caminha a Humanidade (como aquelas em que Leslie "discute" sobre negócios ou que Bick briga na lanchonete). O cinema, assim como outros meios de cultura, tem muito a nos ensinar, talvez por isso ele seja tão temido por aqueles que possuem o poder. Mas, sabendo a incapacidade de um diálogo coerente com essas pessoas, a gente segue indo, esperando fazer jus ao que pregamos.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
27/9/2020 às 12h49

 
Glauber Rocha, o transcendente do tempo

Uns dias atrás, depois de folhear A Primavera do Dragão (Objetiva, 2011) livro de Nelson Motta, comecei a escrever sobre Glauber. Meu objetivo era (e ainda é) transitar entre os personagens de Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) e O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1969). Depois de outros dias, me deparei com A Mulher da Luz Própria (2019), filme da diretora Sinai Sganzerla apresentado durante o REcine deste ano. Admito que o livro de Nelson Motta tem páginas que sempre me fazem voltar, mas também é omisso quando trata o relacionamento de Glauber e Helena Ignez. Pouco se vê sobre o assunto, mas admito que não esperava que Glauber tomasse as atitudes que teve, ele que prestava a inovação do cinema, querendo mudar a realidade, estranhamente se ateve ao patriarcado da época. Isso não diminui minha admiração por seu cinema, mas faz refletir e acredito que quando rever algum filme (certamente farei isso) terei uma nova percepção do que é mostrado.

Mas o que me fez antecipar o ensaio que preparava sobre Deus e o Diabo e Antônio das Mortes não é isso que foi descrito acima, mas sim um e-mail que recebi, onde divulgavam o filme que encerrará o Olhar de Cinema (Curitiba) deste ano, que será online. Antes, quero inteirar que fazendo o cadastro no site do festival, teremos direito a dois filmes por dia, vale muito a pena. Para mim, o Olhar de Cinema é um festival singular, até mesmo inovador. No ano passado foram exibidos o excelente Diz a Ela Que me Viu Chorar (Maíra Bühler, 2019, Brasil) e Tel Aviv em Chamas (Sameh Zoabi, 2018, Bélgica, França, Israel, Luxemburgo), além de diversos filmes internacionais que de outra maneira não chegariam até nós. Posso dizer que o Olhar de Cinema é um dos meus festivais favoritos.

O encerramento do festival fica por conta de Paloma Rocha e Luís Abramo com Antena da Raça. Ainda inédito no Brasil, o documentário traz recortes de Glauber Rocha, apropriando-se e rediscutindo a realidade brasileira a partir dos diálogos, trechos e cenas de seus filmes viscerais e do seu desejo de “retirar as máscaras” da nossa saga terceiro mundista. Sua relação com o Cinema Novo, político como foi até o fim de seus dias e polêmico, certamente Glauber era um personagem excêntrico e necessário para a evolução cultural do Brasil, transcendendo seu tempo, o material de anos atrás ainda levantam discussões para o que vemos hoje, no tempo sombrio em que vivemos na cultura, na política e em qualquer outra área que constitui o país.

Glauber sempre foi esse personagem ativo na mídia, sua história traz uma nova visão do cinema, que ditou muito do que o cinema é hoje. Essa trajetória é melhor vista através de pessoas que conviveram com ele, as vezes com história entrando em conflito entre si. Mas é sempre bom ver qualquer documento sobre sua vida quanto realizador. Antena da Raça promete uma grande interação com seu trabalho, assim como o Olhar de Cinema, que nos trará uma grande seleção de filmes nacionais e internacionais.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
30/8/2020 às 10h10

 
O Cinema em tempo de fúria

Em tempos como esse que enfrentamos agora, vi muitos filmes ressurgirem. Enquanto Epidemia (1995), de Wolfgang Petersen, volta a ganhar destaque, vi que teve gente mencionando até O Enigma de Andrômeda (1971), de Wise. O fato é que com a impossibilidade de ir ao cinema, chegou a hora de apelar para plataformas de streaming e tirar da aposentadoria o aparelho de DVD e o discos comprados em promoções anos atrás. E foi isso que me levou a um pensamento inquieto que não me deixaria dormir.

Vejamos, sejam filmes exagerado ou não, retratar uma pandemia é contar uma história que permeia entre a tragédia e a esperança, deixando infelizes personagens para trás. Mas indo de encontro aos clássicos que preservo em minha prateleira, e resistindo a Bergman, coloquei para rodar O Anjo Exterminador (1962) de Buñuel. Aqueles que ainda não o fizeram, deveriam, pois embora tenha dividido opiniões em seu tempo, O Anjo é, senão a melhor, uma das melhores obras do cineasta.

Após sair de um concerto, um casal da alta sociedade convida alguns amigos para um luxuoso jantar. Já se estranha quando todos os empregados, com exceção do mordomo, deixam a casa antes do evento. O estranhamento aumenta quando o jantar chega ao fim e, tanto os anfitriões quantos os convidados, se vêm incapaz de deixar o salão e são obrigados a passar a noite no lugar. A situação se agrava no dia seguinte, quando fica claro que não conseguirão ir a lugar algum. A cada minuto o ambiente vai se tornando mais pesado, sem saber o que os prende ali, os personagens vão se desgastando, as máscaras caem e atitude extremas dá início aos conflitos.

Luis Buñuel é um ícone do cinema europeu. Além de seu grande trabalho em O Anjo Exterminador, também criou outras grande obras, como O Cão Andaluz (1929), Viridiana (1961), A Bela da Tarde (1967) e O Discreto Charme da Burguesia (1972), sempre explorando o caráter humano. Isso nos traz outra visão da pandemia que enfrentamos. Ao invés de assistirmos ou discutirmos sobre o inimigo invisível que enfrentamos, proponho que façamos um ensaio sobre o comportamento humano em estado de cárcere. Outros filmes me vêm a cabeça, como o recente O Farol e até mesmo 7 Mulheres (1966) de John Ford.

Uma discussão dessas certamente nos levará a longas viagens pela história de cinema e nos dará algumas horas, quem sabe até dias de discussão. É um exercício interessante e que nos ajudará a nos auto-conhecer e quem sabe até melhorar nossas vidas e atitudes em confinamento. Quem sabe não chegamos a Arte da Discórdia, fato que me ocorreu agora, mas o interessante é que no final cheguemos a um consenso, ou até mesmo a lugar algum.

Ainda em tempo, fico aberto a outras sugestões de filmes que apresentem essa idéia.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
20/4/2020 às 18h03

 
Juliette Binoche à brasileira

A Imovison, responsável por trazer grandes filmes que estão fora do circuito hollywoodiano para os nossos cinemas, completou 30 anos. Para a comemoração, a distribuidora trouxe ninguém menos que Juliette Binoche, uma das maiores atrizes francesas da atualidade. A festa aconteceu no cinema Reserva Cultural, em Niterói (RJ), no dia 29. Aos 55 anos, Binoche traz um currículo de sucesso, tendo recebido o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Atriz em Berlim por seu papel em O Paciente Inglês (1996), além do Prêmio César (França) e Copa Volpi (Veneza) por seu trabalho em A Liberdade é Azul (1994). Com sua vasta experiência no audiovisual, a atriz falou sobre sua carreira, seus antecedentes brasileiros e a situação política no Brasil.

No caso de seus familiares, a atriz diz que sua família veio para o Brasil no século 19, onde um dos membros teve filhos com uma escrava, que foram levados para a França. Binoche lamentou o caso, dizendo que "nenhuma pessoa deveria ser escravizada. Nenhuma pessoa deveria ser usada. Se pudesse, pediria perdão a cada um desses familiares". E é por isso que a atriz gostaria de conhecer mais o país. Por isso ela aproveitou a estadia, mesmo curta, para comer uma feijoada caprichada e sambar na quadra da mangueira, e como se não fosse o suficiente, arriscou um jogo de capoeira.

Mas não deixou de comentar sobre situação política e seu desgosto com o nosso atual presidente, Jair Bolsonaro. "Para mim, um presidente que vem do universo militar já é uma coisa esquisita. Militares e políticos tão próximos... Isso me remete ao Trump". Ainda comentou sobre os casos de racismo, cometido por ele, "Ele [Bolsonaro] tem sido intolerante ao falar sobre mulheres, negros e índios. Você imagina que, supostamente, um presidente deveria representar todo mundo em seu país."

Esse ano, o filme Vidas Duplas foi exibido na retrospectiva de Olivier Assayas, na 43º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Agora Juliette Binoche já tem mais um trabalho concluído. The Truth (A Verdade, tradução livre), do diretor japonês Hirokazu Kore-eda, onde a atriz é filha de ninguém menos que Catherine Deneuve, outra grande atriz do cinema Francês. "Eu a assistia a seus filmes desde criança. Eu estou vivendo um belo conto de fadas atuando com essa atriz!", Afirmou Binoche. Ela também falou sobre seu trabalho com Kore-eda, "[Kore-eda] me remete ao Anton Tchékhov (dramaturgo e escritor russo, 1860—1904). Ele vê as pessoas tanto pelo lado sombrio quanto pelas suas partes iluminadas. Proporciona para cada um diferentes ângulos do que podemos ser".

Ao que parece, Binoche ainda está trabalhando em dois outros projetos. A nós, resta esperar pelo lançamento de The Truth, que promete ser uma grande produção, já que reúne um diretor e duas atrizes consagradas, e quem sabe mais um visita de Juliette Binoche em terras tupiniquins, o lugar onde ela aprendeu a sambar e jogar capoeira.

A entrevista foi dada a William Mansque, do Zero Hora.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
6/12/2019 às 08h10

 
Uma crônica de Cinema

Era uma segunda-feira. Dia dezoito de agosto de dois mil e quatorze. Depois de um longo e cansativo dia de trabalho, decidi ir ao cinema, que me serve como remédio para qualquer mal. Tendo assistido quase tudo o que estava em cartaz, optei por 'Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho', que pelo título já se pode notar o assunto. Fui ao Cinemark e fiz o de sempre, comprei minha entrada e fui comer qualquer coisa para segurar o estômago até a hora em que eu poderia realmente jantar. Entrei na sala assim que foi liberada, para aproveitar os dez minutos de provável sossego. Passaram-se cerca de oito minutos e eu ainda era o único dentro da sala, eis que surge um sujeito, barba e cabelos compridos, quase um Raul Seixas. Sentou-se na mesma fileira em que eu estava e duas poltronas para o lado esquerdo. Ali ficamos, olhos atentos, um grunhido ou risada, hora ou outra. Éramos os únicos na sala e o filme era bom.

Depois de quase duas horas, o filme chegou ao fim. Nós olhamos e com um gesto, simples e rápido, agradecemos um ao outro pela ótima e tranquila sessão. Saímos então do cinema, com uma segunda-feira mais leve nas costas e na cabeça, um filme que fomos assistir juntos, mesmo sem saber.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
14/10/2019 à 01h43

 
É cena que segue...

Cena do filme 'O Filme da Minha Vida', Selton Mello, 2017


Já se passaram dois anos desde que iniciei este blog, mas ainda me faço a mesma pergunta após cada sessão: Como escrever sobre esse filme? Muitas vezes me peguei ensaiando sobre a influencia do cinema em nossa realidade, ou o contrário. Outras vezes apenas dissertei sobre o que foi visto apenas como uma forma de entretenimento. Mas o que eu tive certeza em todo esse tempo (e muito antes disso) é que enquanto o cinema existir, hei de escrever sobre ele. Algumas vezes, terei mais sessões, quase dez por semana, em outras bastará uma ou duas, ou até mesmo nenhuma. Faz parte da vida de um cinéfilo.

Mas nem tudo que digo é verdade, tão pouco mentira. Cada espectador diante da tela grande assiste o seu filme. Desde Einstein poucas coisas podem ser definidas como certas ou erradas. Mas é fácil, também necessário, falar sobre o que amamos. O espectador se vê diante de um filme, como Tony Terranova olha para Luna em muitas das cenas de 'O Filme da Minha Vida', o amor é instantâneo, quer dure durante a sessão, quer passe por anos de reprises. Olhamos a tela do Cinema como se fosse uma janela. Nela vemos vida e histórias que anseiam por finais, mesmo que nem todos sejam felizes.

E foi dentro e fora da tela que nesses últimos dois anos vivi experiências incríveis. Conheci personagens e lugares sensacionais. Algumas vezes estive por ruelas estreitas em A Palestina Brasileira, outras em uma lanchonete perdida em alguma esquina de Vitória, sempre em boa companhia, com boas histórias para viver e contar. Foram festivais de cinema dos quais nunca imaginei participar, filmes que me trouxeram muitas surpresas e decepções. Mas é importante a análise de ambos os casos, é tudo uma questão de entendimento.

Aqui pode-se encontrar uma grande variedade de gêneros. Partimos de um bom western para aquele drama que acaba com um nó na garganta. Ou até uma típica comédia da sessão da tarde para um intenso Bergman. A Lanterna Mágica é exatamente aquilo que diz, breves comentários sobre a sétima arte, mas a questão persiste: Como escrever sobre esse filme?

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
14/7/2019 às 11h36

 
Um Certo Olhar de Cinema



Passei pela primeira edição do Olhar de Cinema por puro acaso. O filme foi Las Acacias, do diretor argentino Pablo Giorgelli (que também dirigiu Invisível, outro filme que mostra toda sua personalidade em fazer cinema). O interessante é que, por esse acaso ou coincidência, ali eu percebi a importância de festivais como esse de Curitiba. Uma coisa que sempre chamo a atenção em meus textos é o Cinema que temos poucas oportunidades de assistir. Filmes autorais e/ou marginalizados que não recebem a merecida repercussão, tão pouco a quantidade de sessões para que possamos conferí-los na tela grande. Assim como naquela primeira edição, em 2012, o Olhar de Cinema traz filmes inéditos e que já receberam aplausos em festivais fora do país. Esse ano não poderia ser diferente, chegando a sua 8ª edição, o Curitiba Int'l Film Festival promete muita coisa boa em seus 9 dias de evento.

Entre os dias 5 e 13 de junho Curitiba recebe um dos grandes festivais internacionais do país. Com filmes nacionais e internacionais, o evento ainda conta com atividades que vão além da sala de cinema, como bate-papo com a equipe de produção dos filmes e curtas que serão exibidos e debates sobre produção e mercado cinematográfico.

A Mostra Competitiva de Longas traz dez produções inéditas, entre elas as nacionais 'Casa' (da diretora Letícia Simões), filme que explora a relação pessoal entre a diretora e sua mãe, através de entrevistas, testemunhos e cartas, onde Letícia Simões busca transpassar sua geração com simplicidade. Chão (de Camila Freitas), documentário produzido durante quatro anos, onde a diretora acompanhou o cotidiano de um assentamento de Trabalhadores Sem Terra de Goiás, mostrando sua urgência e resistência. E Diz a Ela Que me Viu Chorar (Maíra Buhler), que acompanha um instituto que busca ajudar viciados em crack, caminhando entre o amor, esperança, decepções e sonhos de pessoas que buscam amenizar os danos causados pela droga. Já notamos que o Festival vai explorar visões intimistas de assuntos que precisam chegar a mais pessoas, seja por meio de experiências pessoais dos diretores, ou interpessoal.

Fora isso, ainda serão exibidos 9 curtas na mostra competitiva e mais longas e curtas-metragens nas mostras Novos Olhares e Outros Olhares. Você pode conferir todos os selecionados e a programação no site oficial do Olhar de Cinema, ou no app que já está disponível na AppStore e Google Play.

[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
15/5/2019 às 21h03

 
Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'

Quando o assunto é Cannes, logo me vem ‘Deus e o Diabo na Terra do Sol’, do grande Glauber Rocha. Pode parecer injusto com Nelson Pereira, que também estava lá naquele ano de 1964 com ‘Vidas Secas’ (filme que recebeu o prêmio paralelo do Ocic). Mas o que Glauber fez foi diferente. Diferente do filme de Nelson, Deus e o Diabo não vinha adaptado de algo já conhecido, ou seguia dramas ou clichês recorrentes do cinema. O que ele trazia era único, desconhecido até então. Era um filme com paisagem e trilha sonora completamente estranhas àquele ambiente. Era o estranho no ninho de Cannes, um dos festivais de cinema mais tradicionais do mundo. Após a sessão, alguns segundos após a sessão, se ouvia gritos e aclamações eufóricas. Lembrando que há 50 anos, Glauber levou o prêmio de melhor diretor no festival, com 'O Dragão da Maldade e o Santo Guerreiro'. Em 2012 um outro rapaz fez esse barulho lá fora. Não passou por Cannes ou algum desses lugares, mas foi aclamado como se o tivesse feito. Sempre nas lista dos 10 melhores filmes do ano, Kleber Mendonça Filho era o “algo diferente” do cinema com ‘O Som ao Redor’.

Assim que soube que Kleber Mendonça estava gravando um novo longa, logo o adicionei à minha lista de “filmes para assistir”. Não precisava saber o título ou sinopse. Depois de ‘O Som ao Redor’ e ‘Aquarius’, não precisaria de muito mais para esperar por um bom filme. Com “Aquarius”, em 2016, Mendonça foi o único latino a concorrer a Palma de Ouro, mais uma vez fazendo muito barulho. De volta a Cannes, ele apresenta ‘Bacurau’, nova produção que conta a história dos moradores de uma cidadezinha homônima que, após a morte de Dona Carmelita (a mulher mais velha da cidade), descobrem que o lugar onde moram está completamente fora do mapa. Dirigido em parceria com Juliano Dornelles, com quem já havia trabalhado em ‘Aquarius’, a nova produção tem potencial. Segundo Thierry Frémaux, diretor do festival, “É um filme extremamente político… É um filme que bebe na fonte dos filmes de cangaceiro”. Toda a sorte para Kleber Mendonça e Juliano Dornelles, para nós, meros mortais, fica a vontade de assistir ‘Bacurau’ na tela grande, o que pode acontecer ainda em setembro deste ano.

Mas ‘Bacurau’ não é o único brasileiro que vai a Cannes esse ano. Na mostra Um Certo Olhar o filme do diretor cearense Karim Aïnouz, ‘A Vida Invisível’, será exibido. O filme conta com Fernanda Montenegro no elenco, o que já valeria o ingresso. A história se passa na década de 40, onde Eurídice Gusmão (interpretada por Carol Duarte) se esforça para se tornar uma musicista e sobreviver às responsabilidades da vida adulta e de um casamento sem amor. Já o diretor italiano Marco Ballocchio traz uma produção com parceria entre Brasil, Alemanha, Itália e França. Com cenas gravadas no Rio de Janeiro, ‘O Traidor’ é a biografia de um dos maiores mafiosos italianos, Tommaso Buscetta (Pierfrancesco Favino). O filme conta com Maria Fernanda Cândido no elenco.

Porém, vencer Cannes não vai ser nada fácil. Entre tantas obras, temos diretores como Pedro Almodóvar (com Dolor e Gloria), Terrence Malike (com A Hidden Life) e Xavier Dolan (com Matt & Max). Veja abaixo a lista de filmes que estarão no festival entre os dias 14 e 25 de maio:

Palma de Ouro

Dolor y Gloria (Pedro Almodovar)
O Traidor (Marco Bellocchio)
The Wild Goose Lake (Diao Yinan)
Parasite (Bong Joon-ho)
Young Ahmed (Jean-Pierre Dardenne & Luc Dardenne)
Oh Mercy! (Arnaud Desplechin)
Atlantique (Mati Diop)
Matt & Max (Xavier Dolan)
Little Joe (Jessica Hausner)
Sorry We Missed You (Ken Loach)
Les Miserables (Ladj Ly)
A Hidden Life (Terrence Malick)
Bacurau (Kleber Mendonça Filho & Juliano Dornelles)
The Whistlers (Corneliu Porumboiu)
Frankie (Ira Sachs)
Portrait of a Lady on Fire (Céline Sciamma)
It Must Be Heaven (Elia Suleiman)
Siby (Justine Triet)

Um Certo Olhar

A Vida Invisível (Karim Aïnouz)
Beanpole (Kantemir Balagov)
The Swallows of Kabul (Zabou Breitman & Eléa Gobé Mévellec)
A Brother’s Life (Monia Chokri)
The Climb (Michael Covino)
Joan of Arc (Bruno Dumont)
A Sun That Never Sets (Olivier Laxe)
Room 212 (Christophe Honoré)
Port Authority (Danielle Lessovitz)
Papicha (Mounia Meddour)
Adam (Maryam Touzani)
Zhuo Ren Mi Mi (Midi Z)
Liberte (Albert Serra)
Bull (Annie Silverstein)
Summer of Changsha (Zu Feng)
Evge (Nariman Aliev)

Fora da Competição

The Best Years of Life (Claude Lelouch)
Rocketman (Dexter Fletcher)
Too Old to Die Young (2 Episodes)(Nicolas Winding Refn)
Diego Maradona (Asif Kapadia)
Belle Epoque (Nicolas Bedos)

Special Screenings

Share (Pippa Bianco)
For Sama (Waad Al Kateab & Edward Watts)
Family Romance, LLC (Werner Herzog)
Tommaso (Abel Ferrara)
To Be Alive and Know It (Alain Cavalier)
Que Sea Ley (Juan Solanas)


[Comente este Post]

Postado por Tadeu Elias Conrado
19/4/2019 às 14h34

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dotnet teens
Microcamp
Microcamp Internacional
(2010)



O Negócio do Livro
Jason Epstein
Record
(2002)



Mundo dos Museus - Museu de Arte da Catalunha - Barcelona
Nicolas Gibelli Dir
Codex
(1967)



1934 (Literatura Italiana)
Alberto Moravia
RioGráfica
(1982)



A Dama dos Pobres
Pe. Fausto Santa Catarina
Colégio Monte Calvário
(2003)



Das Preliminares no Processo Civil
Voltaire de Lima Moraes
Forense (rj)
(2000)



Machu Picchu - a Experiência de um Ritual no Vale Sagrado dos Incas
Sérgio Motta
Ediouro
(1996)



Português Não é um Bicho de Sete Cabeças
Sérgio Simka
Ciência Moderna
(2008)



Segunda Sombria
Nicci French
Record
(2014)



Nelson Rodrigues - Literatura Comentada
Nelson Rodrigues
Abril
(1981)




>>> A Lanterna Mágica
>>> BLOG DO EZEQUIEL SENA
>>> Githo Martim
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês