Blog de onivaldo carlos de paiva

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
>>> Perry Rhodan - 50 anos de aventuras espaciais
Mais Recentes
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
>>> Livro - Criatividade e Dependência na Civilização Industrial de Livro - Celso Furtado pela Circulo do Livro (1978)
>>> Anonimato: O Importante não á a Fama (Com autógrafo) de Acyr Campos pela Chiado (2016)
>>> A Religião Civil do Estado Moderno de Nelson Lehmann da Silva pela Thesaurus (1985)
>>> O Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre; Vergílio Ferreira pela Editorial Presença (1978)
>>> Feijão, Angu e Couve: Ensaio Sobre a Comida dos Mineiros de Eduardo Frieiro pela Itatiaia (1982)
>>> História da Arte de German Bazin pela Martins Fontes (1980)
>>> Dengue no Brasil: Doença Urbana de Dr. Timerman & Outros pela Limay (2012)
>>> Movimentos da Arte Moderna: Realismo de James Malpas pela Cosac & Naify (2001)
>>> Chico Bento Nº 274 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Pamela e Satã ou Virtude ainda recompensada de Upton Sinclair pela Melhoramentos
>>> Filosofia e Sociologia - Volume Único de Marilena Chauí (Autor), Pérsio Oliveira (Autor) pela Atica (2019)
>>> Chico Bento Nº 261 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Van Gogh: Obra Completa de Pintura - Volume I de Ingo F. Walther; Rainer Metzger pela Taschen (2006)
>>> Limite Zero de Joe Vitale pela Rocco (2009)
>>> Chico Bento Nº 121 de Mauricio de Souza pela Globo (1991)
BLOGS

Domingo, 15/3/2015
Blog de onivaldo carlos de paiva
onivaldo carlos de paiva

 
ACHAR O TOM

(Os novos bloguistas e a qualidade dos textos). Muitos (ou somente alguns?) de nós somos novatos e inexperientes nesta tentativa de nos tornarmos bloguistas [colunistas?] e alguns tropeços podem acontecer nos primeiros postados. Mesmo acontecendo não creio que o editor/professor Júlio nos expulse do recinto, sem antes tentar nos ensinar o caminho das pedras. Pode até ser que ele nos dê algumas reguadas na mão e nos mande ficar de castigo num canto e calados. E só nos deixe voltar depois de treinarmos umas cem vezes a seguinte lição: "Tenho que me esmerar mais e ser menos redundante no que escrevo". Só espero não ser eu o primeiro da fila, usuário que sou de redundâncias e falta de esmero. Além de eu andar tomado de uma súbita compulsão em postar e postar. Outra questão: A instantaneidade e a amplitude da divulgação de tudo que se posta na internet é um risco: podemos postar algo que, mais tarde, poderá nos trazer arrependimento. Por isto venho tentando sofrear meu entusiasmo em "aparecer". Até me lembro, agora, de uma oração que passei a fazer todas as manhãs, ao me levantar: "Que nunca eu caia na tentação de escrever um romance sobre vampiros, zumbis, lobisomens e seres fantásticos com super poderes". Entretanto, mesmo durante esta reza, me aparece um capetinha provocando: "Mas algo assim com muitos tons e muito erotismo, pode né?" Pois bem: Que nunca eu caia nesta tentação. Amém.

[Comente este Post]

Postado por onivaldo carlos de paiva
15/3/2015 às 20h15

 
Dia do Vendedor de Livros

A morte das Enciclopédias. 14 de março‏ é o Dia do Vendedor de Livros (E nosso editor, o Julio Daio Borges, é um deles). Já fui vendedor de livros, in illo tempore, (em época muito remota), e foi um tempo de poucas vendas, mas de muitas e divertidas aventuras, até heroicas. Porém, é longo relato que não cabe aqui, e um dia há de sair em livro ("Tico, Jerônimo e o Poeta"), se eu o tirar da gaveta. Mas não resisto em contar daquela vez em que o grandalhão Jerônimo, que eu, imberbe ainda, contratara para ser o motorista de nossa Kombi, e mais que motorista se tornou vendedor bom de lábia, já que o Tico que deveria ser o vendedor se revelou imprestável para a tarefa, e o carregamos pelo Brasil afora nos servindo apenas como mascote. Então, como eu ia contando, o grandalhão Jerônimo tentou vender umas coleções para um bispo lá nos confins do Maranhão. Tentou, não conseguiu, e voltou ao hotel onde eu estava à sombra da bela filha do dono do hotel, declamando-lhe languidamente uns versos, e me intimou: "Poeta, só você pra dar jeito naquele bispo! Acho que ele é comunista ou ateu! Gastei mais de uma hora com o danado e nem a Bíblia Sagrada ele comprou!" Deixei a donzela lendo um poema meu com ar de enfado, e fui lá. O bispo não era ateu, mas tinha uns laivos de comunista, no entanto, mais do que isto, era um filósofo. Eu tinha umas leituras superficiais de uns filósofos, havia lido o Schopenhauer aos treze anos, embora sem nada entender, mas ficara impressionado. Resumindo: o bispo comprou a tal Bíblia Sagrada, a coleção "História Universal" do H. G. Wells, os doze (ou onze?) volumes da "História da Civilização" do Will Durant, os cinco volumes sobre Filosofia do Bertrand Russel, e, pra meu espanto, toda a coleção de livros do Jorge Amado. Saí do bispado à noite, depois de tomar umas taças de vinho do padre, e falarmos sobre Voltaire e Pascal. Lembro-me quando o bispo, levantando-se de sua augusta cadeira, andou pra lá e pra cá dentro de sua também augusta biblioteca, o rosto vermelho por causa do vinho e os olhos chispantes de indignação, vituperando contra o bigodudo apóstata Nietzsche. E, a cada argumentação do bispo, mais me parecia que, ao invés de querer queimá-lo em fogueiras, mais o exaltava. Saí de lá com o bolso cheio de dinheiro (in illo tempore não se usava cartões de crédito). Fizemos, logo depois, eu, o Tico e o Jerônimo uma inesquecível farra sobre um tablado à beira do rio Tocantins. Houve uma maranhense que tentou me ensinar danças típicas, mas concluiu que na vertical eu não era bom de ritmo. Mais tarde, me aprovou na horizontal. Saímos do Maranhão e voltamos para Goyaz, isto antes de criarem o tal de Estado do Tocantins. Chegamos a Gurupi e já não tínhamos dinheiro para comprar um sanduíche de mortadela! Era mês de julho, ao chegarmos à cidade, vimos uma escola estadual. Era o que procurávamos: as professorinhas de salário magro, mas potenciais compradoras de livros. As lindas preparavam uma festa junina, penduravam bandeirinhas nuns cordões. Não compraram livros, mas nos convidaram para a festa e nos informaram de um advogado que gostava de comprar livros. Vendemos pra ele e, à noite, fomos pra tal festa agora com dinheiro suficiente para arrematar até frango ou lombo assado e... Mas isto há de aparecer no livro, pois o assunto aqui é, ou deveria ser, sobre A morte das Enciclopédias. Vamos às Enciclopédias. Acredito que, para o Conhecimento (assim com maiúsculo), o serviço que o Google presta [e não me importa que seja uma empresa que busca o lucro legitimamente] é inestimável. Todavia, os buscadores mataram as enciclopédias. Reputo que os buscadores, como o Google, sejam talvez uma das grandes sacadas dos últimos cem anos, e que causaram impacto na área do conhecimento, modificando, ou melhor, revolucionando, toda forma de pesquisa. Basta digitar um nome ou um assunto e mandar procurar que, em um segundo, vem um milhão de resultados. Há, no entanto, que selecionar aquele enxame de informações para que o consulente não se perca no lodaçal das informações inúteis. Existe vantagem: a rapidez. Porém só aparente, pois há que gastar tempo e garimpar entre milhares de respostas que o buscador nos traz. E pode-se cair no risco de passar por cima das informações mais relevantes e usar as não fidedignas. Essa modernidade, essa facilidade, quem sabe falsa, tornou nosso olhar apressado e superficial e a mente não se aprofunda, não elabora, não guarda. Tudo fica na superfície nesses tempos do "zap-zap". As pesquisas nas enciclopédias, antigamente, eram mais demoradas, mais difíceis, quiçá mais profundas, e com certeza, mais duráveis nas mentes de quem se ocupava em fazê-las. Houve, ou há, um projeto do Google de digitalizar os livros de todas as bibliotecas. Tal iniciativa parece-me (e não irei agora "guglar" pra pesquisar) foi abortada por problemas legais quanto aos direitos autorais. Há ocasiões em que os legítimos direitos de uma pessoa ou de um grupo (obs.: é uma tendência eu querer sempre os meus direitos protegidos) ao serem, por força da lei, resguardados, podem prejudicar imensa maioria. Isto faz parte da ética do convívio social, pois que o meu direito e a minha liberdade cessam quando batem de encontro com a sua. Como dizia São Paulo, o Apóstolo, "Tudo posso naquilo que me convém... (agora me esqueci do resto da citação e não vou perguntar pro Google, perguntem vocês, se quiserem) Ah, sim, falemos da morte das Enciclopédias. Quantos dos mais antigos não sentem saudade daquelas consultas naqueles volumes pesadões, de papel couchê? Hoje temos o mundo a um clique. Antes tínhamos que olhar o Índice, procurar verbetes, ler, sublinhar. E com isto nosso cérebro ia absorvendo conhecimento. Hoje, basta copiar e colar - o que se tornou hábito de estudantes — porém este tipo de trabalho [ou esperteza?] não propicia entrar e perdurar na mente do estudante, deixando-a impermeável aos conhecimentos que podem ampliar a sua visão do mundo. Então, há jovens com QI mais de duzentos e tantos que mal conseguem balbuciar uma frase com começo, meio e fim entendível (Nada a ver com a chefa do executivo). Atualmente, quanta informação cabe num PENDRIVE?!!! Toda a minha biblioteca [mais de seis mil volumes]. Então, sou eu, este ser distraído, que pensa dez coisas ao mesmo tempo e não conclui ou não se fixa em nenhuma, menos capaz ou menos culto do que este minúsculo produto da tecnologia? Acho que sim. Mas, e A morte das Enciclopédias, que com tantos foguetes e presunção anunciou lá em cima? Pra num prolongar demais fica pra outra hora, talqualmente as histórias do Tico, do Jerônimo e do Poeta.

[Comente este Post]

Postado por onivaldo carlos de paiva
13/3/2015 às 23h03

 
A MORTE DAS ENCICLOPÉDIAS

Caro Julio. Estou no maior embaraço com este tal de HTML. Depois de ter embranquecidos os meus cabelos vou ter que voltar ao banco de escola? Esse HTML vai me causar muitos problemas. Escrever, para mim, é uma dificuldade: num confesso sobre meu problema com onde colocar as vírgulas: nessa [ou é nesta?] questão de vírgula num faço economia: vou virgulando com sobra pra ninguém me botar defeito. Mas tou empacado com esses HTML, eita enjoeira! Tou encalacrado com as mudanças de linha e os itálicos (adoro itálicos, hehehe). Enfim, meu caro editor, num publiquei um texto meu, coisa de gênio!, por culpa sua, ou minha, confesso, por não saber manobrar a quebra de linha. Por favor, prepara preu, uma lição mais assim, tipo ABC pro principiante. Brigadão pela atenção. Onivaldo.

[Comente este Post]

Postado por onivaldo carlos de paiva
13/3/2015 às 22h49

 


Estreando o blog me sinto como a debutante, a mocinha que estreia na vida social toda regateira. Minha esperança é de que eu saiba ocupar este espaço com textos de algum interesse e valor, e que eventuais leitores, ao gastarem aqui comigo alguns minutos, sintam-se recompensados pelo momento de distração, e que, gostando ou não das opiniões por mim postadas, sintam-se desafiados e estimulados. Onivaldo Paiva.

[Comente este Post]

Postado por onivaldo carlos de paiva
3/3/2015 às 09h22

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Estratégia da Genialidade 1
Robert B. Dilts
Summus
(1998)



Ensaio de Helena
Tatiana Piccardi
Marco Zero
(2006)



Propaganda e Promoção
Terence A. Shimp
Bookman
(2003)



A Maldição do Espelho
Agatha Christie
Nova Fonteira
(1977)



A volta ao mundo em oitenta dias.
Júlio Verne
Nova Cultural
(2003)



Monteiro Lobato em Quadrinhos - Dom Quixote das crianças
Monteiro Lobato, André Simas
Globinho
(2007)



Os Crimes dos Rosários
William Kienzle
Francisco Alves
(1980)



Guide du copropriétaire
Suzanne Lannerée
Puits Fleuri
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad; Grete Skevik
Record
(2006)



Nos Bastidores da História - Contos Históricos - Volume 5
Paulo Setúbal
Saraiva
(1955)




>>> A Lanterna Mágica
>>> BLOG DO EZEQUIEL SENA
>>> Githo Martim
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês