Blog de Humberto Alitto

busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida
>>> O nome da morte
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
>>> O 4 (e os quatro) do Los Hermanos
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Os Melhores Contos da America Latina de Flávio Moreira da Costa pela Agir (2008)
>>> A Casa da Madrinha de Lygia Bojunga pela Agir (1932)
>>> Um Hotel na Esquina - Coleção 100 Milhões de Leitores de Jamie Ford pela Agir (2012)
>>> Vira- Lata Virador de Daniel Pennac pela Agir (1995)
>>> 2 Grau Matematica 3 Serie de Atual pela Atual
>>> A Historia de Fernao Capelo Gaivota de Richard Bach pela Editorial Nordica Ltda. (1970)
>>> Almas Antigas de Tom Shroder pela Sextante (2001)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> O Fugitivo de J. M. Dillard pela Estadão (1997)
>>> Clássicos da Poesia Brasileira - Ler é Aprender de Frederico Barbosa pela Klick (1997)
>>> A Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Fogo Morto - Ler é Aprender de José Lins do Rego pela Klick
>>> The Founders of Modern Finance: Their Prize-winning Concepts and 1990 de Cfa pela Cfa (1992)
>>> O Poder Cosmico do Homem de Vernon Howard pela Record
>>> Introdução À Mecânica dos Solos de Milton Vargas pela Mcgraw-hill (1977)
>>> 6 +1 Traits of Writing de Ruth Culham e Outros pela Scholastic (2003)
>>> Instituições de Direito Processual Civil IV de Cândido Rangel Dinamarco pela Malheiros
>>> Tratamiento de las Superficies de Plastico de Klaus Stoeckhert pela Gg (1974)
>>> Sinais de Vida - da Escuridão ao Arco-íris de Fernanda Giannini pela Clube dos Autores
>>> Brazen Virtue de Nora Roberts pela Bantam Books (2002)
>>> Voando ao Sol de James Aldridge pela Coleção Contemporanea
>>> A Vida Secreta de Jonas de Luiz Galdino pela Atica
>>> Vet in Spin de James Herriot pela Pan (1977)
>>> English Plus 2 Wookbook de Janet Hardy-gould pela Oxford
>>> O Rinoceronte - Coleção Teatro Vivo de Eugène Ionesco pela Abril Cultural (1976)
BLOGS

Sexta-feira, 23/10/2015
Blog de Humberto Alitto
Humberto Alitto

 
Filme: Todas as Cores da Noite



39ª. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo
Filme: Todas as cores da noite
Diretor: Pedro Severin
Roteiro: Luiz Otávio Pereira
Elenco: Sabrina Greve, Sandra Possani, Brenda Ligia, Rômulo Braga, Giovanna Simões

Todas as Cores da Noite é o primeiro longa-metragem do diretor Pedro Severin. Conta histórias verdadeiras ou não, sobre o universo de duas colegas de infância. Iris, que vive num belo apartamento beira-mar. Que um dia, após uma festa em sua residência, encontra um rapaz morto.
E Tiara, uma estudante de medicina, que atropela seu paquera depois de um desentendimento numa boate. No filme, percebemos uma impressão própria com relação a construção das imagens. Pois, diferentemente do roteiro estabelecido, suas imagens vão construindo várias possibilidades, criando universos e seus pequenos espetáculos. Daí um olhar sobre histórias que são contadas de diferentes formas. Na primeira parte, temos uma narrativa em terceira pessoa. Enquanto na outra etapa, permitiu dar voz aos personagens. Trata-se de um filme de baixo orçamento. Logo, existe uma contenção quase proposital, criando uma certa intimidade com corpos, lugares, personagens para que pudessem emergir. E não somente com uso de técnica e de uma belíssima fotografia. Contudo, vai criando um processo muito vivo, onde percebemos ali uma sensibilidade, sem pudor em alterar cenas, que não apenas encenação, neste jogo quase impossível de se planejar. É aí que o filme encanta, surpreende. Existe também uma manifestação destes corpos, criando este pequeno espetáculo destes traumas que os personagens expressam, comunicam, vivenciam. São duas histórias em dois tempos. Na primeira parte, tomamos conhecimento da história de Tiara. Para, noutra etapa, vivenciarmos os acontecimentos de Iris. Enquanto Tiara está mais presente na gênese do filme. Que narra histórias de violência. E que não se dá conta de dizer se aquilo é verdade ou não. Justamente, porque são várias histórias que vão acontecendo, num jogo de cena que vai mudando sempre. Criando dúvidas, confusões, expectativas. Assim, temos um filme dentro do filme. E que está ligado nesta percepção. Da história que é verdadeira e de outras que não são. Logo, a história de Tiara surge primeiro. Funciona como uma cápsula. E este prólogo surge como um convite para o público ir penetrando em outros espaços, jogos e possibilidades desta montagem. Ele vai apresentando tais possibilidades arquitetadas pela direção. Num outro momento, temos a história de Iris, uma jovem mulher vivendo num belo apartamento à beira mar. Uma personagem de classe social alta, cujas possibilidades permitem usufruir de tamanha beleza da natureza. O que não aconteceria. Ela parece viver aprisionada diante de seus medos, traumas, sem ter soluções para os problemas que vão surgindo. Até que aparece um rapaz morto em seu apartamento e tudo parece complicar de vez.
Na mitologia grega, o nome Íris trata-se da mensageira dos Deuses. E não sendo uma Deusa maléfica. Enquanto que no corpo humano, especificamente no globo ocular, a íris trata-se da parte colorida. E a personagem de fato tem olhos claros. Dado a interpretação magnifica pela talentosa Sabrina Greve, de uma interpretação pontuado por um naturalismo impecável. Cuja ação traz a tona das memórias, inquietações, afetos e desafetos da personagem e muita sensibilidade.
O filme tem algumas referências da obra "O Anjo Exterminador", do diretor Luis Bruel. De influência surrealista, foi considerado uma obra-prima da violência, crueldade e ironia. Fazendo uma crítica ao modelo da burguesia de época, os personagens são trancados dentro de uma sala, onde com passar do tempo, as convenções vão desaparecendo, as máscaras sociais caem e afloram instintos dos mais primitivos, inclusive da morte.


[Comente este Post]

Postado por Humberto Alitto
23/10/2015 às 14h29

 
Análise do poema

"A Estrela" (Manuel Bandeira)

Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
Na minha vida vazia.
Era uma estrela tão alta!
Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha
Luzindo no fim do dia.
Por que da sua distância
Para a minha companhia
Não baixava aquela estrela?
Por que tão alta luzia?
E ouvi-a na sombra funda
Responder que assim fazia
Para dar uma esperança
Mais triste ao fim do meu dia.

Análise do poema :
Neste poema, novamente a presença deste astro, como uma imagem persecutória no universo Bandeiriano. Pode dar a interpretação de um destino ou de uma personagem famosa, feminina. Que nos remete as mulheres retratadas nas suas poesias. Por outro lado, submete a um universo inalcansável ou um limite. Poderia ser uma mulher impossível de conquistá-la? Como em "Estrela da Manhã"? Assim, existe toda uma ambientação, como se contemplasse as estrelas em um momento de reflexão e solidão, isolado em um quarto e observando o céu. Numa metáfora, podendo dialogar com outros temas como uma paixão por uma mulher impossível. Percebemos novamente um tom utópico e quando fala em esperança no fim triste do seu dia. O que, quando no final do poema, diz o contrário. Como uma estrela é um objeto para ser apreciado, visto e não tocado, termina a poesia de maneira irônica, entendendo da impossibilidade de tocar ou aproximar deste astro. Existe um tom de tristeza dentro deste sentido utópico. "Para dar uma esperança mais triste ao fim do meu dia" reitera a expressão de tristeza, de uma fase de imenso tédio e que beira a melancolia. São estes temas tão comuns e palavras escolhidas que dão o tom a poesia de Bandeira. Ora melancólica, triste, ora irônica e beirando ao lirismo e a utopia.


[Comente este Post]

Postado por Humberto Alitto
30/3/2015 às 21h11

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poesias Coligidas
Fernando Pessoa
Nova Fronteira
(1981)



Livro - Quando Mamãe Virou um Monstro
Joanna Harrison
Brinque Book
(1996)



Liberalismo - Teoria e prática
Theodore Meyer Greene
Ibrasa
(1983)



Ciências Novo Pensar 7
Demérito Gowdak; Eduardo Martins
Ftd
(2017)



Origens Relacionando a Ciência Com a Bíblia
Ariel Roth
Casa Publicadora Brasileira
(2016)



Caravelas no Novo Mundo - Col o Cotidiano da Historia (+2 Encartes)
Antonio Augusto da Costa Faria
Atica
(1999)



Guia de Campo - Aves da Grande São Paulo
Pedro F. Develey
Aves e Fotos
(2004)



Cronicas para Ler na Escola
Carlos Heitor Cony
Objetiva
(2009)



Sempre Há uma Chance
Lucimara Breve
J. R.
(2004)



Em Festa de Canibal Pizza Não É Legal ( Em Língua Portuguesa)
Júlio Emílio Braz
Imperial Novo Milenio
(2009)




>>> A Lanterna Mágica
>>> BLOG DO EZEQUIEL SENA
>>> Githo Martim
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês