Blog da Mirian

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
>>> Na praia
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
Mais Recentes
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> Programado Para Aprender de H. Ronald Pulliam e Christopher Dunford pela Zahar (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1986)
>>> Didática e Psicologia: Crítica ao Psicologismo na Educação de Maria Mercedes Capelo Alvite pela Edições Loyola
>>> O Pensamento Vivo de Gandhi: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1985)
>>> Da Sua Vida & dos Seus Negócios de Clóvis Mezzomo pela C. Mezzomo (1998)
>>> As Batalhas do Castelo de Domingos Pellegrini pela Moderna (1991)
>>> O Diário Roubado de Régine Deforges pela Klick (1998)
>>> James Dean por Ele Mesmo - Edição Ilustrada de James Dean/ Estudo: Edgar Morin (e Outros) pela Martin Claret (1994)
>>> Contato Imediato com Criação de Propaganda de Julieta de Godoy Ladeira pela Global (1997)
>>> Vida, Caminho & Destino - Missão Vórium de Edson Luiz Pocahi pela Novo Século (2016)
>>> Relaxe... e Viva Feliz de Núbia Maciel França e Haroldo J. Rahm pela Edições Loyola (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> As Quatro Deusas da Babilônia de Maria Augusta F. Puhlmann pela Lake (1984)
>>> Socorro, Leitora!: O Primeiro Romance de Auto-Ajude-me de Gisela Rao pela Matrix (2006)
>>> O Pensamento Vivo de Rohden : Edição Ilustrada de Verdi Gonçalves dos Santos : Pesquisa- Tradução pela Martin Claret (1988)
>>> O Pensamento Vivo de Glauber Rocha : Edição Ilustrada de Cristina Fonseca : Pesquisa/ Org. Notas pela Martin Claret (1986)
>>> A Mensagem do Islam de Abdurrahman al-Shera pela Alsofara
>>> O Pensamento Vivo de Sartre : Edição Ilustrada (inclui Poster) de Pesquisa e Tradução: Marcelo Whately Paiva pela Martin Claret (1990)
>>> O Pensamento Vivo de Galileu : Edição Ilustrada (inclui Poster) de Pablo Rúben Maricon: Pesquisa e Organização/ Notas pela Martin Claret (1987)
>>> O Pensamento Vivo de John Lennon: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de John Lennon: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret
>>> O Pensamento Vivo de Freud : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Organização/ Pesquisa pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Freud : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Organização/ Pesquisa pela Martin Claret (1986)
>>> A Gangue e o 5s: a História de um Gangue de Pichadores ... de Wagner Matias de Andrade pela Soluções Criativas (1995)
>>> A Gangue e o 5s: a História de um Gangue de Pichadores ... de Wagner Matias de Andrade pela Soluções Criativas (1994)
>>> A Gangue e o 5s: a História de um Gangue de Pichadores ... de Wagner Matias de Andrade pela Soluções Criativas (1994)
>>> Wa: Equilíbrio Alegria e Sabedoria: o Sucesso Está em Cada um, a seu Modo de Romero Faria/ ilustr.: J. Luiz Inácio pela Ed.dp Autor/ Belo Horizonte (1996)
>>> O Mistério dos Assaltantes Mascarados de Lourenço Cazarré/ Editor: Bartolomeu C. de Queirós pela RHj/ Belo horizonte (1996)
>>> Os Sonhadores de Vila Rica : a Inconfidência Mineira de 1789 de Edgard Luiz de Barros pela Atual/ Sp. (1991)
>>> República Bossa- Nova : A Democracia Populista (1954-1964) de José Dantas Filho/ Francisco Fernando M. Doratioto pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Reinventando a Liberdade: a Abolição da Escravatura no Brasil de Antonio Torres Montenegro pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Doce Inferno - Açúcar - Guerra e Escravidão no Brasil Holandês (... de Elsa Gonçalves Avancini pela Atual/ Sp. (1993)
>>> Doce Inferno - Açúcar - Guerra e Escravidão no Brasil Holandês (... de Elsa Gonçalves Avancini pela Atual/ Sp. (1993)
>>> Estudos Feministas - v. 15, n. 1 (2007) de Vários pela Edufsc (2019)
>>> Estudos Feministas - v. 17, n. 3 (2009) de Vários pela Edufsc (2009)
>>> Mauá Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia das Letras (1995)
>>> Camilo - Señor de la Vanguardia de William Galvez pela Editorial de Ciencias Sociales (1979)
>>> Mutações Ensaios Sobre as Novas Configurações do Mundo de Adauto Novaes (Org.) pela Agir (2008)
>>> Síndrome da Violência de Hosmany Ramos pela Sequência Editorial (1984)
BLOGS

Domingo, 11/8/2019
Blog da Mirian
Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)

 
Grito primal II

Quando a vida concedeu-me o acalanto dos madrigais,
desde aquele dia, quaisquer ouvidos
ouvem-me a exaltada canção
do nascer de mim mesma.

Canto para as paredes. Canto para
o jardineiro. Ao moldar versos de argila,
minhas mãos repercutem meu grito.

Aos rituais da terra, há sonoridades da fúria.
Às vozes da fúria, há cantigas de docilidade.

Evocando o som das bacantes
meu grito repercute no barro,
moldando seios nas esfinges,
moldando falos nos sátiros.

Mas à reunião do macho e da fêmea,
a réplica do andrógino não os divide
em dois. Nem os dispersa.

Um só corpo.
Minha ambiguidade.
Minha fé.

E a meus pés, o asfalto distendendo-me
esta rua bem maior que o mundo.


(Do livro Nada mais que isto)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
11/8/2019 às 12h52

 
Grito primal I

Meu grito gritando.
E recoberto de malícia meu corpo
em pele de bicho a rir-se muito muito
das amenidades da vida.

Meu grito gritando.

E ao descascar tangerinas, meus dedos
riem-se dos talheres de prata. Depois,
à hora do banho, o corpo inteiro escarnece
das roupas. Satiriza os enfeites. E ri
das proibições da nudez.

Meu grito gritando.

Porque há um tempo de gritar.
Porque antes das repercussões sonoras
canta em silêncio meu pássaro incriado.

Meu grito gritando.

Dos nervos ao púbis, realizo
variações em torno de um tema.

Meu grito beijando-te.

Minha rosa de carne. Meus lábios d’água.

Ao jardim e ao corpo pertence
o que só os pássaros veem.


(Do livro Nada mais que isto)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
27/7/2019 às 09h27

 
Pelagem de flor V: BRANCO

Dançando valsas, vem à frente
meu pégaso de jasmins, a rememorar
bailados e histórias narradas
pelo jardineiro de folhas.

Evadido das florestas, esse animal
das flores mimadas transporta sela
de trevos, aguardando cavaleiro
que o conduza à dama do portão.

Pelagem de arminho dos cometas,
minha nuvem de cambraia se alteia
espantando vassouras e bruxas.

Cavalinho de lume acendendo
a noite. Meu pássaro da paz retorna
germinando bosques.




[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
27/7/2019 às 09h09

 
EU, MOBY DICK e Caçando Moby Dick

“Eu, Moby Dick”, espetáculo teatral em cartaz no Espaço Oi Futuro (no Rio de Janeiro), até 28 de julho deste ano de 2019, apresenta profunda e sagaz releitura do texto de Herman Melville, trazendo ao público questões relacionadas ao Brasil e ao mundo nos dias atuais.

Direção: Renato Rocha
Dramaturgia: Pedro Kosovski, a partir da obra-prima de Herman Melville
Assistência de direção: Rafaela Amodeo
Elenco: Márcio Vito, Gabriel Salabert, Kelzy Ecard e Noemia Oliveira

Tocada de modo intenso pela seriedade do espetáculo “Eu, Moby Dick”, me identifiquei com os sentidos contidos e incontidos na ambiguidade da baleia imaginada por Herman Melville, e redesenhada pela dramaturgia, traduzindo-se para o público por meio do trabalho precioso, irretocável e esperançoso dos atores.
Assim, gostaria de homenagear a todos que participam desse espetáculo, dedicando-lhes imaginário diálogo entre a baleia e o mar. Para isso, publico hoje Caçando Moby Dick, texto inteiramente inspirado em “Eu, Moby Dick”.
Obs. Entre aspas, trechos de Os Lusíadas e da fala dos atores, estes em negrito.



CAÇANDO MOBY DICK

Forjando cores que jamais conheci,
me seduz impossível ofício
de animizar a palidez dos ossos.

─ Sozinho, só perguntas me chegam à solidão.
Aos longes da vida, posso imaginar-te imenso.
Quem és, desconhecido verdeazul?

─ Sou aquele do corpo d’água.
Me chamam de mar.
E quem és, nessa tua constante solidão?

─ Sou arcabouço imóvel,
o que resta da morte,
o que cinge a eternidade,
o que conheceu a finitude.
Me chamam de esqueleto.

─ Que mais queres saber de mim, alva clausura?

─ Inda não me conhecias
nem sequer sabias meu nome,
por que me acolheste em tua profundeza?
Por que insistes em lavar-me o corpo descarnado?

─ Guardar e distanciar-me,
carícia e afastamento,
eis meu ofício.

─ Então és humano, mar?

─ Quem, pálido desalento,
pode se dizer humano?

─ O que te diferencia dos humanos, ó corpo d’água?

─ Dizem que os humanos pensam e agem.
E procuram vanglórias:
“Ó glória de mandar! Ó vã cobiça
Desta vaidade, a quem chamamos Fama!”

─ Posso te dizer, ondeante azulametista:
pensar e agir, eis a falácia da humanidade.
Pensar e agir, dois atributos
“que podem levá-los à própria destruição”.

Também eu, neste meu corpo fluido,
absorto em águas de severa profundidade,
total instável pensar,
posso ser destruído.
E posso destruir praias,
pessoas, barcos.
E até cidades.

─ Tal poder não tenho, mar.
Entanto, conduzo atributos da minha terrível estirpe:
presentificar a morte.
E o medo da morte.

─ Ó templo das luzes veladas,
quem foste no passado?

─ Fui baleia de carne e osso,
barbatanas e leite.

─ O que te transformou em arcabouço das cinzas?

─ As mãos e a ira dos arpões.
Existirá nas correntes marinhas
algo mais perigoso que os arpões?

─ As mãos que os fabricam.

─ Existirá, corpo d’água, algo mais perigoso
que as mãos que os fabricam?

─ As mãos que os acionam
e me relembram versos:
“Deixa intentado a humana geração.
Mísera sorte, estranha condição!"
E existirá, pálido ermitão das cavernas abissais,
algo mais terrível ainda?

─ O comum acordo das duas faces da moeda
na razão do ouro matando a carne
e queimando o óleo das baleias.
E comandando uma nave cega.

─ Então, extinta luz, defendes a des-razão?
Exaltas o delírio?

─ Diante do pensamento repetido
a girar em torno do próprio umbigo,
acolho o delírio que nos salva
da razão doente.

─ Existe, esqueleto, algo pior que a razão doente
comandando uma nave cega?

─ Sim, imenso verdeazul,
o capitão que pensa conduzir a nave cega:
aquele que mata os rebanhos marinhos
incendeia tuas correntes d’água.
E almoça com os vendilhões do estaleiro.

─ Um tirano, esqueleto?
E o que poderá nos salvar do tirano
conduzindo a nave cega?
A razão?

─ Se a razão estiver amordaçada, mar,
ela jamais nos salvará da morte.
Eu que fui um dia
livre navegador do teu mundo líquido
e livremente escolhi caminhos de ir i vir,
sei que sozinha, doente, muda e atada,
a razão nada pode.

─ Eis que me pergunto, esqueleto,
pode o capitão da nave cega nos salvar,
já que é ele quem conduz a morte?

─ Não, “ele não”.

─ Ficaremos então, ó alva presença,
à mercê do delírio em busca da vida?

─ Posso te dizer, mar, que o delírio
nos conduz à arte de sobreviver.
Com ele escrevemos poemas e panfletos.
E, da utopia, fazemos realidade.

─ Não temes “sucumbir em nome do delírio”,
imóvel presença?

─ Não percebeste, mar, o alcance do delírio?
Ele nos acende o desejo.
É ele quem nos anima a fala.
E dá vida à poesia.

─ Mas podes sucumbir em nome do desejo da poesia,
esqueleto.

─ Eu, restolho do desejo da morte,
diante da razão fraca e vazia,
assumo o delírio que luta contra o arpão
e contra o tempo,
porque o tempo
tudo pode.
E nada pode.

─ Existe algo que nos possa livrar, Moby Dick?
Alguma coisa que nos livre dos arpões?
Algo que nos permita dobrar o irresoluto tempo?

─ Pressinto, verdeazul-corpo-d’água,
que “todos estamos num barco,
lutando com nosso monstro particular”:
Eu e meu monstro?
E quem é esse monstro, me pergunto?
E me respondo: o que não sabemos de nós.
E o que deixamos o outro decidir por nós.

─ Nós? Mas o eu não é coletivo, esqueleto.
Em sincronia, ambos são um e outro,
indivíduo e multidão entre águas e areia:
“A branca areia as lágrimas banhavam,
Que em multidão com elas se igualavam.”

─ Por enquanto, mar,
só tenho perguntas e dúvidas.
E vivo fugindo da razão do caçador
que persegue meus descendentes:

─ Partejamos petrificada solidão
ante as ameaças, esqueleto.
O que então nos percorre o existir?

─ O desejo de vencer o tempo,
a vontade de vencer o arpão.

─ O que é o tempo, Moby Dick?

─ O tempo é muitos.
Pode se tornar arpão da morte urdida pelo tirano
ou vontade do tirano executando o castigo da quilha.

─ Renovo a pergunta: haverá, baleia, algo pior
que a nave cega conduzida pelo tirano?

─ O súdito que coroa e aclama o tirano.
E àqueles que aplaudem o séquito do tirano,
rememoro outros versos de além-mar:
“Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se o povo néscio engana!”

─ O que nos resta, Moby Dick?

─ Por enquanto, em volta de nós,
águas abissais.
Razão doente.
Nave cega.

Mas há o palco.
O desejo de entrar de entrar em cena.
O desejo de escrever e dirigir o espetáculo.

E o desejo de atuar.

Para isso nos basta o delírio.
E mais: o corpo e a palavra.


[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
24/7/2019 às 21h26

 
Pelagem de flor IV: AZUL

Acariciado por madressilvas no lugar das rédeas,
o cavalo azul encontrou par. E em cópula
atravessou a noite.
Que se tornou leito enluarado.

Chegando das selvas de junco,
o deus de anil repousa do coito ininterrupto.
E em campo de feno, ganha forças
do desejo em recomeço.

Plumas de pavão envolvendo-lhe o corpo;
atravessando rios, ele domina a sede,
para galopar dia e noite o corpo da fêmea.

Patas azuis, olhos de andorinha
cavalgando hortênsias. AZUL, ele veio do mar.
Às origens do êxtase, sempre retornará.


(Do livro O camaleão no jardim )

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
17/7/2019 às 08h41

 
Pelagem de flor IV: AZUL

Acariciado por madressilvas no lugar das rédeas,
o cavalo azul encontrou par. E em cópula
atravessou a noite.
Que se tornou leito enluarado.

Chegando das selvas de junco,
o deus de anil repousa do coito ininterrupto.
E em campo de feno, ganha forças
do desejo em recomeço.

Plumas de pavão envolvendo-lhe o corpo;
atravessando rios, ele domina a sede,
para galopar dia e noite o corpo da fêmea.

Patas azuis, olhos de andorinha
cavalgando hortênsias. AZUL, ele veio do mar.
Às origens do êxtase, sempre retornará.


(Do livro O camaleão no jardim )

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
17/7/2019 às 08h41

 
Pelagem de flor IV: AZUL

Acariciado por madressilvas no lugar das rédeas,
o cavalo azul encontrou par. E em cópula
atravessou a noite.
Que se tornou leito enluarado.

Chegando das selvas de junco,
o deus de anil repousa do coito ininterrupto.
E em campo de feno, ganha forças
do desejo em recomeço.

Plumas de pavão envolvendo-lhe o corpo;
atravessando rios, ele domina a sede,
para galopar dia e noite o corpo da fêmea.

Patas azuis, olhos de andorinha
cavalgando hortênsias. AZUL, ele veio do mar.
Às origens do êxtase, sempre retornará.


(Do livro O camaleão no jardim )

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
17/7/2019 às 08h41

 
Pelagem de flor III: AMARELO

Das sementes da papoula floresceu
o pelo-de-topázio. Carregando fardo ameno,
ele resfolega atento ao que lhe pulsa
entre as veias e as costas.

Molhando-lhe o dorso, escorre a seiva
da amazona de lírios, que ao repouso
lhe roça o falo com sedução.
E lábios de pétalas.

Vindo do Leste, ele acorda os pássaros.
Meu cavalo da manhã despertando
para o coito.

Meu cavalo de sol carregando
a vida. Que o recebe em berço
de gozo.


(Do livro O camaleão no jardim

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
6/7/2019 às 08h48

 
Pelagem de flor II: NEGRO

Nas manhãs nunca fora visto.
Nunca fora visto nas tardes do jardim.
Chegara o visitante notívago. Meu animal lendário
exibindo pelagem de negrume.

Da escuridão, ele chegara. Mas os hábitos
das flores noturnas não o queriam fúnebre.
Nem a madrugada em seu corpo
o queria temido.

Descendo-lhe o dorso de sombras,
o manto de narcisos luzindo sedas.
Luzindo texturas de carícia.

Ao bicho dos eclipses, as cores
da noite o faziam lânguido.
Acendendo-me desejos.


(Do livro: O camaleão no jardim)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
23/6/2019 às 08h59

 
Pelagem de flor I: VERMELHO

Em alameda livre, saltam meus cavalos
de carmim. Saltam com narinas afeitas
ao que vive ao redor da casa.
E ao redor dos limites do portão.

Eriçando a pele, meu cavalo de rosas
respira. Do mundo da fábula, chegou-me
este centauro de corolas abertas. Afoita cauda
correndo atrás do vermelho da crina.

À procura de pouso e fêmea,
meu cavalo do verão se olha
no lago das chuvas.

Lambendo a imagem desfeita,
ele ergue imenso falo. E a tarde
o amansa às horas de lascívia.

Do livro O camaleão no jardim.

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho (zap: 55 21 9 9978-3443)
8/6/2019 às 09h29

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA 1º GRAU 5º SÉRIE
CARLOS CATTONY
IBRASA
(1978)
R$ 100,00



TU COCINA
SAVARIN
DAIMON
R$ 35,00



HITLERS WAR ON RUSSIA
PAUL CARELL
CORGI BOOKS
(1967)
R$ 28,28



MINHA JORNADA INTERIOR
ODETE LARA
BEST SELLER
(1990)
R$ 26,91
+ frete grátis



CURSO DE DIREITO CIVIL - 6 DIREITO DAS SUCESSÕES
WASHINGTON DE BARROS MONTEIRO
SARAIVA
(1993)
R$ 29,00
+ frete grátis



D. QUIXOTE DAS CRIANÇAS
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1949)
R$ 7,50



PIRÂMIDES DO MUNDO: A VERDADE DEFINITIVA - VOLUME 1
MITCHUNG (DEDICATÓRIA DO AUTOR)
TEMPLO SAGRADO
(1983)
R$ 25,82



BLUES KEYBOARD BASICS THE ULTIMATE BEGINNER SERIES STEOS ONE & TWO
DEBBIE CAVALIER / HENRY BREWER 9501
MEDIA GROUP
(1996)
R$ 30,00



CRISÁLIDAS, FALENAS & AMERICANAS
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 25,90
+ frete grátis



OS PODERES DO JUIZ NO PROCESSO CIVIL MODERNO: VISÃO CRÍTICA;
REVISTA DE PROCESSO, Nº 32 - ANO 8
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1983)
R$ 16,28




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês